O criado e o mordomo: homens do patrão | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Entrevista com Cardoso
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
>>> Sabe como é, pode rolar...
>>> Zeitgeist
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Até Faustão apoia os protestos
Mais Recentes
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
>>> Revista Exame O consumidor no Vermelho. Edição 997 de Vários pela Abril (2011)
>>> Almanaque da Luluzinha e do Bolinha. Edição especial. de Vários pela Pixel (2011)
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
>>> Cinco Estudos de Educação Moral de Jean Piaget, Maria Suzana de Stefano Menin, Ulisses Ferreira de Araújo, Yves de La Taille, Lino de Macedo (Org) pela Casa do Psicólogo (1996)
>>> Percursos Piagetianos de Luci Banks-Leite (Org.) pela Cortez (1997)
>>> Piaget e a Intervenção Psicopedagógica de Maria Luiza Andreozzi da Costa pela Olho D'Água (1997)
>>> Fazer e Compreender de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Dicionário do Renascimento Italiano de John R. Hale pela Jorge Zahar (1988)
>>> A Tomada de Consciência de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Psicologia e Pedagogia de Jean Piaget pela Forense Universitária (1998)
>>> Dicionário Temático do Ocidente Medieval de Jacques Le Goff & Jean-Claude Schmitt pela Edusc (2002)
>>> Como Orientar a Criança Excepcional - vol. 8 - Curso de Orientação Educacional de Jay Aruda Piza pela Pontes (2020)
>>> O Estruturalismo de Jean Piaget pela Difel (1979)
>>> Higiene Mental das Crianças e Adolescentes- vol. 7 - Curso de Orientação e Educacional de Dep. de Instrução Pública de Genebra pela Ponte (1972)
>>> O Pós-dramático de J. Guinsburg e Silvia Fernandes pela Perspectiva (2009)
>>> Poesia soviética de Lauro Machado Coelho pela Algol (2007)
>>> Pétala Soletrada pelo Vento de Mariayne Nana pela Urutau (2018)
>>> Tomidez e Adolescência vol. 6 - Curso de Orientação Educacional de Jean Lacroix pela Pontes (1972)
>>> Ensaios Reunidos (1946-1971), V. 2 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (2005)
>>> Como compreender seu Potencial de Myles Munroe pela Koinonia Comunidade (1995)
>>> Louvai a Deus Com Danças de Isabel Coimbra pela Profetizando Vida (2000)
>>> A missão de Interceder de Durvalina B. Bezerra pela Descoberta (2001)
>>> O Contrabandista de Deus de Irmão André. John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (2003)
>>> Ensaios Reunidos 1942 - 1978 Vol. 1 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (1999)
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
COLUNAS

Quinta-feira, 26/7/2007
O criado e o mordomo: homens do patrão
Marcelo Miranda

+ de 4300 Acessos

A relação entre patrões e empregados é tema constante no cinema desde sua criação. Jean Renoir, nos anos 30, já a retratava em A regra do jogo - no que seria referenciado por dezenas de outros cineastas ao longo das décadas, entre eles o Robert Altman de Assassinato em Gosford Park (2001). Aqui neste espaço pretendo colocar em perspectiva dois títulos dessa linha, menos para esgotar o assunto e mais para relembrar uma obra-prima do passado e falar de outra do presente. Em ambas, o choque patrão versus empregado é o que move as narrativas, e cada um trata disso de uma forma oposta, porém complementar, e por vezes semelhante.

De um lado, O Criado, ficção do norte-americano Joseph Losey que perturbou público e crítica desde quando lançado em 1963. Dentro do cinema da época, parecia um corpo estranho: narrativa voltada ao inconsciente dos personagens, atmosfera onírica, sentimentos ambíguos, insinuações de incesto, homossexualidade e perversão. Isso num drama aparentemente simples de um novo rico que contrata um empregado para cuidar de sua mansão. Do outro lado, há Santiago, documentário do brasileiro João Moreira Salles inicialmente moldado para falar do mordomo do diretor, mas que acabou se tornando um filme sobre o próprio diretor - ou, mais que isso: um filme sobre sua relação com o mordomo. Uma trama ficcional, outra real. Mecanismos distintos para tentar transmitir a idéia de que existe um abismo que separa a serventia do patronato.

No filme de Losey, o mordomo (Dirk Bogarde) já chega nas primeiras cenas discretamente impondo seus conceitos e idéias à morada do patrão (James Fox). Se a relação dos dois desde então parece ser distanciada, não vai demorar para ela se tornar muito próxima, devido não só às maquinações manipuladoras do empregado, mas também à fragilidade e passividade do patrão. Losey passa metade de O Criado criando a ambientações, mostrando ao espectador o desenrolar da relação dos protagonistas. Quando entra em cena um terceiro elemento (a suposta irmã do criado), o clima pesa, e já torna-se perceptível que os rumos a serem tomados não serão tão simples quanto a introdução fazia antever. Losey é da geração de grandes diretores adorados pelos franceses da Cahiers du Cinema, e não por pouco. Seu cinema transpira personalidade e vigor, muito disso saído de uma forte presença da câmera nos momentos mais tremulantes de seus personagens.

O Criado
O Criado, de Joseph Losey

Isso fica patente na segunda metade de O Criado, quando a verdade sobre o mordomo é revelada a um impassível patrão ao lado de sua noiva. É interessante que este momento, dentro do filme, seja resolvido pelas duas molas-mestres do cinema: o som (risos e palavras de teor sexual) e o movimento (a sombra do criado no alto da escada, primeiro ausente, depois surgindo de dentro do quatro, para em seguida voltar ao aposento). É dessa fissão puramente cinematográfica e de contornos expressionistas que Losey vai inverter as posições. O empregado passa a comandar, e o patrão obedece. Existe aqui um certo teor político, em especial na questão das relações de poder mas tudo se fixa mais na seara do delírio. Uma festa será convocada, e nela se perceberá as nuances de uma relação doentia entre os dois homens. Bogarde não mais deve obediência ao chefe. Ele quer mandar, e isso não era escondido em momento algum - não é por outro motivo que ele se esbaldava com a "irmã" no quarto do patrão.

Joseph Losey jamais transforma O Criado num comentário puramente social ou denuncista. O filme nunca se propõe a ser qualquer tipo de retrato autêntico ou mesmo imaginativo sobre a exploração do assalariado. A produção está mais próxima da materialização de um pesadelo. Pesadelo de dor e sofrimento a partir de jogos de dominação e desrespeito. Quando os papéis se invertem, Bogarde não se transforma simplesmente em patrão, e Fox, em empregado. O primeiro começa a agir como patrão, e o segundo, como empregado. A ação, neste caso, pode ser muito mais sedutora para um e destruidora para outro do que a ascensão ou queda de um status.

Por sua vez, Santiago joga em outra corrente, porém dentro do mesmo universo de Losey. O patrão é João Moreira Salles; o mordomo é Santiago. Os dois têm a conexão de terem vivido juntos por anos na mansão dos Salles, no Rio de Janeiro. O documentarista viu em sem empregado uma personalidade fascinante a ser retratada em filme. Procurou-o em 1992 e iniciou um trabalho audiovisual sobre suas particularidades - como escrever milhares de páginas sobre todas as dinastias do mundo. Porém, a produção não andou. Salles não terminou o projeto, e também nunca entendeu por qual motivo. Foi para responder à questão que ele retornou às imagens, em 2006, mais de dez anos depois da morte do mordomo.

Santiago
Santiago, de João Moreira Salles

Santiago, assim, se articula num discurso de João Moreira sobre suas dificuldades em atingir a essência do seu retratado. Muito disso se deveu, como ele mesmo percebe, à relação sempre existente entre patrão (João) e empregado (Santiago). Mesmo quando ligava a câmera, nunca esses degraus eram diminuídos. Se o mordomo falava, era com "Joãozinho", nunca com o diretor do filme. Se Salles fazia algum pedido, nunca era com o personagem, e sim com o agregado. Basta pensar no tom ou nas ordens mostradas ao longo do filme e imaginar Salles dizendo as mesmas palavras ao presidente Lula (retratado por ele em "Entreatos") ou ao pianista Nelson Freire (em filme homônimo). Jamais aconteceria. Mas com Santiago pode. Porque Santiago é só o mordomo.

Caso complexo avaliar Santiago. Porque ao mesmo tempo em que o filme expõe uma chaga do passado, essa exposição é feita pelo próprio realizador do filme. João Moreira Salles não poupa o espectador de tomar contato com instantes constrangedores a ele e ao seu personagem, instantes que, de alguma forma, beiram um certo sadismo e, claro, o abuso de poder - do cineasta e do patrão. Salles coloca em xeque o seu método de documentarista na época e, junto, a noção de cinema-verdade baseado em entrevistas pessoais. Mas ao mesmo tempo, nunca deixa de lado que o caso Santigo se refere única e exclusivamente aos seus anseios de se lembrar da família e da infância. O mordomo teria funcionado como catalisador de memórias, e justamente por isso o filme original de 1992 nunca deu certo: porque Santiago era uma figura secundária.

E é onde se chega ao maior dos nós deste documentário. Enquanto há 15 anos o mordomo era apenas a escada para João Salles relembrar sua boa época de criança, agora, na remontagem do filme, novamente o ex-empregado está em segundo escalão. Porque, afinal, Santiago tornou-se um tipo de expiação para Salles. É através do filme que ele tenta eliminar uma angústia. Para tanto, retorna a imagens e situações as quais ele agora critica - mas as está utilizando justamente para estes fins. É a tal relação de poderes: mesmo mumificado apenas em imagens, anos depois de morto, o mordomo Santiago serve aos anseios do patrão Joãozinho. É nessa rica complexidade e em seus caminhos tortuosos e escolhas ambíguas que reside o fascínio do filme.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 26/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A convergência das mídias de Gian Danton
02. Inunda meus olhos de Elisa Andrade Buzzo
03. O surpreendente Museu da Língua Portuguesa de Marcelo Spalding
04. Como começar uma carreira em qualquer coisa de Ram Rajagopal
05. Oderint Dum Metuant de Elton Mesquita


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2007
01. A política de uma bunda - 5/4/2007
02. O criado e o mordomo: homens do patrão - 26/7/2007
03. Conceição: onde passar, não perca - 19/2/2007
04. Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE - 10/5/2007
05. Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice - 15/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ASCENSÃO E QUEDA DO TERCEIRO REICH - 4° VOLUME
WILLIAM L SHIRER
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1962)
R$ 6,90



O NÍVEL: POR QUE UMA SOCIEDADE MAIS IGUALITÁRIA É MELHOR PARA TODOS: POR QUE UMA SOCIEDADE MAIS IGUALITÁRIA É MELHOR PARA TODOS
RICHARD WILKINSON (AUTOR), KATE PICKETT (TRADUTOR)
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2015)
R$ 29,00



ALEM-MUNDOS
SCOTT WESTERFELD
GALERA
(2016)
R$ 20,00



MEDIDA CERTA COMO CHEGAR LÁ!
RENATA CERIBELLI E ZECA CAMARGO
GLOBO
(2011)
R$ 39,90



A ARTE DE IMPROVISAR
MARK BERGREN, MOLLY COX, JIM DETMAR
CIÊNCIA MODERNA
(2002)
R$ 29,00



COMO FAZER O SONHO QUE O SENHOR LHE DEU...
KENNETH HAGIN JR.
GRAÇA ARTES
(2001)
R$ 7,00



INSTITUIÇÕES DE DIREITO CIVIL: DIREITOS REAIS - VOL. 4
CAIO MARIO DA SILVA PEREIRA (24ª EDIÇÃO)
GEN; FORENSE
(2016)
R$ 99,82



FENG SHUI - SUA CASA EM HARMONIA
COLEÇÃO CARAS ZEN / CLAUDIA BOECHAT
CARAS
(2004)
R$ 5,00



UM CERTO CAPITÃO RODRIGO
ÉRICO VERÍSSIMO
ABRILCULTURAL
(1981)
R$ 9,00



ILUSÕES PERDIDAS
BALZAC
PAPEL
R$ 14,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês