Conceição: onde passar, não perca | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
>>> Façam suas apostas
Mais Recentes
>>> Olhos Virtuais de 1lucas Diemer pela Abdr (2018)
>>> O Dom Supremo de Paulo Coelho / Henry Drummond pela Rocco (1994)
>>> Supply Chain Trust de Osvaldo de Salles Guerra Cervi pela Dvs (2006)
>>> Licitação - Teoria e Prática de João Carlos Mariense Escobar pela Livraria do Advogado (1999)
>>> 1° Ato de Renan Chiaparini pela Modo (2016)
>>> Manual do Advogado de Valdemar P. da Luz pela Sagra-d. C. Luzzatto
>>> Comece Em Propaganda Com uma Idéia de Alexandre Peralta pela Jaboticaba (2006)
>>> O Cavaleiro da Ilha do Corvo de Joaquim Fernandes pela Bussola (2011)
>>> Os Mandamentos da Qualidade Total de Alvaro José de Almeida Calegare pela Inter Qual
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Defending the History of Economic Thought de Steven Kates pela Edward Elgar (2013)
>>> Desnutrição Intra-uterina de Nóbrega Tonete Trindade pela Panomed Editorial (1982)
>>> Nietzche para Estressados de Allan Percy pela Sextante (2011)
>>> Mensalão de Merval Pereira pela Record (2013)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Nova Cultural (1987)
>>> Um Coach Grego de Eduardo Bomfiglio pela Besourolux (2015)
>>> Jdbc 2 - Guia de Consulta Rápida de Fábio Ramon pela Novatec
>>> O Segredo do Quadro de Carey Roberts pela Nova Cultural (1989)
>>> Terapia - Avareza de Ariel Dorfman pela Objetiva (1999)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultura
>>> Lula: a Opção Mais Que o Voto de Candido Mendes pela Garamond (2002)
>>> Out of the Blue - Blueprint One Video Workbook de Nick Dawson pela Longman do Brasil (1996)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi; Diversos Autores pela Objetiva (2001)
>>> American Headway 3 - Second Edition - Teachers Pa de Liz Soars; John Soars pela Oxford do Brasil (2010)
>>> As Campânulas Azuis - Crônicas e Poesias de Maria do Céu Coutinho Louzã pela Rumo Editorial (2015)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/2/2007
Conceição: onde passar, não perca
Marcelo Miranda

+ de 4800 Acessos

A idéia era escrever um balanço sobre como foi a 10ª Mostra de Cinema de Tiradentes, um dos principais eventos audiovisuais do país e que acontece anualmente em janeiro na cidade história do interior de Minas Gerais. Porém, a cobertura em alguns veículos foi tão intensa e completa (como nos sites Contracampo, Cinequanon e Cinética) que eu corria risco de me repetir. Foi quando pensei em fazer algo diferente. E nada melhor que destacar aquele que certamente foi o filme-sensação da mostra deste ano - o que serve não apenas como estímulo ao leitor procurá-lo como mola propulsora de uma maior divulgação de sua existência.

Refiro-me a Conceição - Autor bom é autor morto, exibido na noite do dia 24 de janeiro no Cine-Tenda, em horário já bastante avançado - passava da uma hora da manhã quando a projeção se iniciou, após as exibições dos documentários Cartola e Jardim Ângela. O relógio não foi suficiente para desanimar as mais de 600 pessoas na sala. Elas acompanharam atentas ao desenrolar do filme, em vários momentos rindo, aplaudindo e interagindo com os absurdos que surgiam na tela.

Conceição é um filme especial por uma série de fatores, a começar por sua realização. É o primeiro longa-metragem brasileiro finalizado por estudantes de cinema - no caso, alunos da Universidade Federal Fluminense (UFF), de Niterói. Coordenado por Daniel Caetano, o grupo formado por André Sampaio, Cynthia Sims, Guilherme Sarmiento e Samantha Ribeiro começou o projeto há mais de dez anos, em 1993, época que coincidiu com o quase desaparecimento do cinema no país a partir do fim da Embrafilme no governo Fernando Collor de Mello.

Contra a corrente, a turma decidiu ir bolando algum tipo de trabalho nonsense, criativo e de forte carga referencial. "Fizemos uma compilação do mau gosto, a partir de um questionamento: o que o cinema brasileiro não quer mostrar?", contou Daniel Caetano a este colunista. "Parte da produção contemporânea tem escondido as impurezas da vida para exibir um mundo anódino e sem gosto". O montador André Sampaio completou: "o cinema brasileiro está muito caretão. O público quer assistir a projetos diferentes".

A idéia de um tipo de realização fora dos padrões permeou todo o processo de Conceição. À medida que o filme ia sendo feito - sem compromissos com datas, horários e caminhos específicos a seguir, e igualmente sem orçamento, já que era um trabalho puramente pessoal e de equipe -, mais os diretores iam aumentando a carga de "mau gosto". "É um filme com total liberdade de criação e cujo tema é justamente a liberdade de criação", defende Daniel. Eu diria mais que isso: Conceição - Autor bom é autor morto é um filme sobre as possibilidades da ficção. Não existe uma linha narrativa sendo seguida. A ação parte da mesa de estudantes que discutem como fariam um filme perfeito, ou ao menos um filme criativo e diferente. Em meio aos papos, diversos segmentos sem ligação aparente vão se desenvolvendo na tela. Não pense em Robert Altman (A última noite), Paul Thomas Anderson (Magnólia) ou Alejandro González Iñarritu (Babel). Conceição é uma verdadeira salada de citações que cultiva, acima de tudo, a absoluta tranqüilidade dos realizadores em lidar com a ficção sem medo do risco. As referências surgem intuitivamente, sem parecerem referências de fato. Mas o bom olhar cinéfilo vai captá-las. "É uma coisa mediúnica", comenta Daniel.

Conceicao

Mediunidade ou não, há instantes em Conceição cujas ligações com obras e cineastas de outros tempos são claras. Desde o Chaplin de Luzes da cidade, com o personagem acordando nos braços de uma estátua, até Paul Verhoeven em Instinto selvagem, com o facão que decepa o amante (no filme de Verhoeven a arma era um fura-gelo); do surrealismo na melhor fase do espanhol Luis Buñuel (O anjo exterminador) à câmera subjetiva semelhante ao cinema de Dario Argento (em especial as cenas de perseguição e morte em Prelúdio para matar e Tenebre).

O espectador menos iniciado, entretanto, não tem com que se preocupar: Conceição flui de tal forma que pouca diferença faz à sua fruição conhecer tais citações. Apenas duas referências são, de fato, assumidas: uma sobre 2001 - Uma odisséia no espaço, de Stanley Kubrick ("a gente quis fazer a pior paródia de todos os tempos") e outra com a presença do músico Jards Macalé como um matador sanguinário cantando a canção de um filme do Nelson Pereira dos Santos.

Conceição chama atenção pela coesão, ainda mais por ser trabalho coletivo. Daniel Caetano esclarece que, apesar de cinco diretores creditados, a equipe responsável pelas idéias loucas que estão na tela foi composta por 15 integrantes. As filmagens em película 16mm foram iniciadas há seis anos, sendo elaboradas e estudadas com o passar do tempo. "O filme representa a morte do autor individual em prol da criação coletiva", decreta a diretora Samantha Ribeiro.

Daniel tem visão muito clara neste sentido: "Se você não se une, você morre. Não tem jeito de ser autor europeu no Brasil. O nosso cinema tem muito da idéia da patota, do grupo. Às vezes dá certo, em outras, não. O importante é que todo mundo acredite no que está fazendo e esteja aberto a conflitos e debates de idéias, porque isso é muito saudável". Daniel não enxerga a autoralidade pura e simples como saída para o próprio cinema autoral - o que vai de encontro à noção pregada pela política dos autores, desenvolvida por cineastas franceses dos anos 60, de que o diretor é o único responsável artístico pelo resultado final do filme.

No caso de Conceição e naquilo que a turma de Daniel Caetano crê, a solução para o cinema contemporâneo brasileiro ter alguma cara própria é a união de talentos. "Querer ser autor pode se tornar um tipo de camisa-de-força. Por vezes, cai-se no risco da produção nunca ser renovada e a gente ter sempre o mesmo tipo de filme de autor na tela". Conceição não deixa de ser um trabalho profundamente autoral mesmo com a filosofia de Daniel. Há, ali, um escracho de grande inteligência em cima dos parâmetros que parecem reger o que se chama de "correto" dentro do universo dos filmes.

O deboche infantil é um caso destes: crianças em sala de aula respondem sobre as profissões de seus pais sempre se protegendo dos estereótipos a respeito dessas profissões ("meu pai é vereador, mas não é ladrão. Quando eu crescer vou votar nele"); ou, num dos pontos altos do filme, uma garotinha se mostra o verdadeiro diabo em pessoa ao envenenar a comida de uma velhinha. A cena da castração, na primeira meia hora, gerou a mais comentada e repetida piada da Mostra de Tiradentes (referente a um quibe, e que não vem ao caso ser revelada aqui antes do leitor ter assistido ao filme).

O encontro de personagens fictícios com seus criadores, no clímax de Conceição, tem grande carga simbólica, questionadora e crente no impacto da imagem na tela. E a anarquia final que faz jus ao subtítulo "Autor bom é autor morto" é realmente impressionante, em tudo que carrega de questionamentos sobre a responsabilidade do criador e artista sobre a arte que cria. Fica anos-luz à frente de bobagens pretensiosas como Mais estranho que a ficção, de Marc Forster (atualmente em cartaz nos cinemas), filme de pouca crença no poder do cinema de transmitir significados através da imagem e do encadeamento de idéias.

A pergunta que mais pipocava em cima dos realizadores de Conceição - Autor bom é autor morto era se o filme ganharia distribuição comercial. A equipe disse que existe a possibilidade através da Riofilme, apesar da absoluta falta de patrocínio. A tentativa será fazer uma inserção nos cinemas aos poucos, sem alguma grande estréia - seguindo a idéia meio marginal da própria criação do projeto. Quando (e se) Conceição aparecer por aí, esteja você onde estiver, abra a cabeça e não deixe de ver.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 19/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O palhaço no poder de Luís Fernando Amâncio
02. São Paulo e o medo no cinema de Elisa Andrade Buzzo
03. Vai lavar uma pia de louça que passa de Adriana Baggio
04. Amor, sublime Amor de Isabella Ypiranga Monteiro
05. Anotações de um amante das artes de Márwio Câmara


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2007
01. A política de uma bunda - 5/4/2007
02. Conceição: onde passar, não perca - 19/2/2007
03. O criado e o mordomo: homens do patrão - 26/7/2007
04. Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE - 10/5/2007
05. Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice - 15/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Aprendiz
Bill Rancic
Landscape
(2005)



A Grammar of Spoken Brazilian Portuguese
Earl W. Thomas
Vanderbilt University Press
(1974)



A Viagem ao Sucesso
Pedro Cardoso
Gente
(2007)



Magnificat iii
Silvia Maria D. Domingos
Scortecci
(2014)



Competindo na Terceira Onda
Jeremy Hope e Tony Hope
Campus



Planos e Adaptações de Deus
Otto S. Joas
Adventista
(1999)



Pânico em Nova Iorque
Irwin Lewis
Edameris
(1966)



Pré-vestibular Matemática - Livro 3
Sistema de Ensino Poliedro
Sistema de Ensino Poliedro
(2015)



Coleção Octa + - Volume 2.
Cassia Cristina S. Pereira e Outros.
Poliedro
(2018)



A Estranha Tia da Rua dos Maracujás
Liliana Iacocca
Ftd
(1991)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês