Conceição: onde passar, não perca | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Drago, o novo álbum de Marcos Sacramento
>>> 'Festivalzinho', para pais e filhos, acontece neste domingo no CCBB/RJ
>>> O escritor Klaus K.S. faz tarde de autógrafos irreverente para sua obra Crônicas da Insônia
>>> Ensaios fora de circulação de Jacques Rancière ganham edição em português
>>> Terça Aberta no Kasulo reúne trabalhos com temática LGBTQ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Casa de couro I
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> A dignidade da culpa, em Graciliano Ramos
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
Blogueiros
Mais Recentes
>>> No meio do caminho: 80 anos
>>> Piratas do Tietê no teatro
>>> Xilogravura na Graphias
>>> Caderno de caligrafia
>>> Ligações e contas perigosas
>>> Your mother should know
>>> 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo
>>> Man in the Arena testa o iPad
>>> Vá em paz, vó
>>> Ascensorista para o arranha-céu da literatura
Mais Recentes
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1995)
>>> O errante de Kahlil Gibran pela Claridade (2003)
>>> Histórias extraordinárias de Fernando Bonassi pela Conrad (2005)
>>> Histórias curtas de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Histórias de amor de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2012)
>>> Contos como eu conto de Jurema Waack pela Ônix (2008)
>>> Lucky Luke, volume 4: 1956-1957 de Morris & Goscinny pela Zarabatana Books (2014)
>>> O jogo das contas de vidro de Hermann Hesse pela Record (2003)
>>> Las mejores fábulas de Esopo, La Fontaine et al. pela Biblioteca Popular (1994)
>>> Paixões de Rosa Montero pela Ediouro (2005)
>>> Por um teatro do povo e da terra de Luiz Maurício Britto Carvalheira pela Fundarpe (1986)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Civilização Brasileira (1994)
>>> As aventuras sexuais de Luís Ensinada de Vinicius Vianna pela Record (2000)
>>> Uivo - Kaddish e outros poemas de Allen Ginsberg pela L&PM (1999)
>>> História concisa do teatro brasileiro de Décio de Almeida Prado pela Edusp (1999)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Nova Fronteira (2000)
>>> Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz de Maria Rita Galvão pela Civilização Brasileira (1981)
>>> Amor Vale a Pena - Reflexões, Contos e Poemas de Fábio Salgueiro pela Bb (2016)
>>> Histórias de Atréfora de Ismael Artur/Layane Ventura pela Chiado (2014)
>>> O Mestre da Vida - Análise da Inteligência de Cristo de Augusto Cury pela Academia de Inteligencia (2002)
>>> Rua da alegria de Frances Parkinson Keyes pela Itatiaia (1969)
>>> A Fonte da Juventude - Os Segredos Seculares dos Monges Tibetanos para o Rejuvenescimento Perene de Peter Kelder pela Best Seller (1998)
>>> Da cova para o trono - a graça de Deus na vida de Jose de Jamê nobre pela Naos (2003)
>>> Travesía Español 1 de Amendola, Roberta pela Moderna (2017)
>>> O Ser Emocional de Valéria de Castro pela Ediouro (1998)
>>> Psicologia Geral e Infantil de Fernanda Barcellos pela Ediouro (1982)
>>> Ancestrais, Vida Intrauterina e Libertação do Homem de Maria Luiza Zanchetta pela Berthier (1982)
>>> Os Relaxamentos de Suzanne Masson pela Manole (1986)
>>> Elementos de Psicologia de Iva Waisberg Bonow pela Melhoramentos (1972)
>>> Feito Homem de Norah Vincent pela Planeta do Brasil (2006)
>>> Hospital Santa Catarina 1906 - 2006 de Textos e fotos; Claudio Pastro pela Grafa (2006)
>>> O Segredo das Crianças Felizes de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2003)
>>> Criando Meninos de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2002)
>>> Isto Não É Amor de Patrick J. Carnes pela Best Seller/ Círculo do Livro (1991)
>>> Vidas em Arco-Íris de Edith Modesto pela Record (2006)
>>> Guia de Orientação Sexual de Marta Suplicy et alii pela Casa do Psicólogo (1994)
>>> Sexualidade: A Difícil Arte do Encontro de Lidia Rosenberg Aratangy pela Ática (1996)
>>> Psicomotricidade: Da Educação Infantil à Gerontologia de Carlos Alberto Mattos Ferreira pela Lovise (2000)
>>> João do Rio - O dandi e a especulação de Raul Antelo pela Taurus (1989)
>>> O Português do Brasil - perspectivas da pesquisa atual de Wolf Dietrich e Volker Noll (orgs.) pela Vevuert /Iberoamericana (2004)
>>> Moderna Dramaturgia Brasileira de Sábato Magaldi pela Perspectiva (1998)
>>> Desafio aos Deuses de Peter L.Bernstein pela Campus/Elsevier (1997)
>>> Maus samaritanos- O mito do livre comércio e a história secreta do capitalismo de Chang,Ha-Joon pela Campus/Elsevier (2008)
>>> Os piores textos de washington olivetto de Editora planeta pela Planeta
>>> Tendencias contemporaneas de gestao de Jose meireles de sousa pela Pc editorial
>>> Transtornos bipolares,avances clinicos e terapeuticos. de E.vieta pela Novartis
>>> Estudos de politecnia e saude--4. de Mauricio monken pela Fio cruz
>>> Manual de gestao e programaçao financeira de pagamentos. de Carlos donato reis e jose vittorano neto. pela Edicta
>>> A cura e a saude pela natureza de Ernst schneider pela Casa
>>> Lexplication dans les sciences de la vie de Michel daune pela Centre national de la reicherche scientifique
COLUNAS

Segunda-feira, 19/2/2007
Conceição: onde passar, não perca
Marcelo Miranda

+ de 3900 Acessos

A idéia era escrever um balanço sobre como foi a 10ª Mostra de Cinema de Tiradentes, um dos principais eventos audiovisuais do país e que acontece anualmente em janeiro na cidade história do interior de Minas Gerais. Porém, a cobertura em alguns veículos foi tão intensa e completa (como nos sites Contracampo, Cinequanon e Cinética) que eu corria risco de me repetir. Foi quando pensei em fazer algo diferente. E nada melhor que destacar aquele que certamente foi o filme-sensação da mostra deste ano - o que serve não apenas como estímulo ao leitor procurá-lo como mola propulsora de uma maior divulgação de sua existência.

Refiro-me a Conceição - Autor bom é autor morto, exibido na noite do dia 24 de janeiro no Cine-Tenda, em horário já bastante avançado - passava da uma hora da manhã quando a projeção se iniciou, após as exibições dos documentários Cartola e Jardim Ângela. O relógio não foi suficiente para desanimar as mais de 600 pessoas na sala. Elas acompanharam atentas ao desenrolar do filme, em vários momentos rindo, aplaudindo e interagindo com os absurdos que surgiam na tela.

Conceição é um filme especial por uma série de fatores, a começar por sua realização. É o primeiro longa-metragem brasileiro finalizado por estudantes de cinema - no caso, alunos da Universidade Federal Fluminense (UFF), de Niterói. Coordenado por Daniel Caetano, o grupo formado por André Sampaio, Cynthia Sims, Guilherme Sarmiento e Samantha Ribeiro começou o projeto há mais de dez anos, em 1993, época que coincidiu com o quase desaparecimento do cinema no país a partir do fim da Embrafilme no governo Fernando Collor de Mello.

Contra a corrente, a turma decidiu ir bolando algum tipo de trabalho nonsense, criativo e de forte carga referencial. "Fizemos uma compilação do mau gosto, a partir de um questionamento: o que o cinema brasileiro não quer mostrar?", contou Daniel Caetano a este colunista. "Parte da produção contemporânea tem escondido as impurezas da vida para exibir um mundo anódino e sem gosto". O montador André Sampaio completou: "o cinema brasileiro está muito caretão. O público quer assistir a projetos diferentes".

A idéia de um tipo de realização fora dos padrões permeou todo o processo de Conceição. À medida que o filme ia sendo feito - sem compromissos com datas, horários e caminhos específicos a seguir, e igualmente sem orçamento, já que era um trabalho puramente pessoal e de equipe -, mais os diretores iam aumentando a carga de "mau gosto". "É um filme com total liberdade de criação e cujo tema é justamente a liberdade de criação", defende Daniel. Eu diria mais que isso: Conceição - Autor bom é autor morto é um filme sobre as possibilidades da ficção. Não existe uma linha narrativa sendo seguida. A ação parte da mesa de estudantes que discutem como fariam um filme perfeito, ou ao menos um filme criativo e diferente. Em meio aos papos, diversos segmentos sem ligação aparente vão se desenvolvendo na tela. Não pense em Robert Altman (A última noite), Paul Thomas Anderson (Magnólia) ou Alejandro González Iñarritu (Babel). Conceição é uma verdadeira salada de citações que cultiva, acima de tudo, a absoluta tranqüilidade dos realizadores em lidar com a ficção sem medo do risco. As referências surgem intuitivamente, sem parecerem referências de fato. Mas o bom olhar cinéfilo vai captá-las. "É uma coisa mediúnica", comenta Daniel.

Conceicao

Mediunidade ou não, há instantes em Conceição cujas ligações com obras e cineastas de outros tempos são claras. Desde o Chaplin de Luzes da cidade, com o personagem acordando nos braços de uma estátua, até Paul Verhoeven em Instinto selvagem, com o facão que decepa o amante (no filme de Verhoeven a arma era um fura-gelo); do surrealismo na melhor fase do espanhol Luis Buñuel (O anjo exterminador) à câmera subjetiva semelhante ao cinema de Dario Argento (em especial as cenas de perseguição e morte em Prelúdio para matar e Tenebre).

O espectador menos iniciado, entretanto, não tem com que se preocupar: Conceição flui de tal forma que pouca diferença faz à sua fruição conhecer tais citações. Apenas duas referências são, de fato, assumidas: uma sobre 2001 - Uma odisséia no espaço, de Stanley Kubrick ("a gente quis fazer a pior paródia de todos os tempos") e outra com a presença do músico Jards Macalé como um matador sanguinário cantando a canção de um filme do Nelson Pereira dos Santos.

Conceição chama atenção pela coesão, ainda mais por ser trabalho coletivo. Daniel Caetano esclarece que, apesar de cinco diretores creditados, a equipe responsável pelas idéias loucas que estão na tela foi composta por 15 integrantes. As filmagens em película 16mm foram iniciadas há seis anos, sendo elaboradas e estudadas com o passar do tempo. "O filme representa a morte do autor individual em prol da criação coletiva", decreta a diretora Samantha Ribeiro.

Daniel tem visão muito clara neste sentido: "Se você não se une, você morre. Não tem jeito de ser autor europeu no Brasil. O nosso cinema tem muito da idéia da patota, do grupo. Às vezes dá certo, em outras, não. O importante é que todo mundo acredite no que está fazendo e esteja aberto a conflitos e debates de idéias, porque isso é muito saudável". Daniel não enxerga a autoralidade pura e simples como saída para o próprio cinema autoral - o que vai de encontro à noção pregada pela política dos autores, desenvolvida por cineastas franceses dos anos 60, de que o diretor é o único responsável artístico pelo resultado final do filme.

No caso de Conceição e naquilo que a turma de Daniel Caetano crê, a solução para o cinema contemporâneo brasileiro ter alguma cara própria é a união de talentos. "Querer ser autor pode se tornar um tipo de camisa-de-força. Por vezes, cai-se no risco da produção nunca ser renovada e a gente ter sempre o mesmo tipo de filme de autor na tela". Conceição não deixa de ser um trabalho profundamente autoral mesmo com a filosofia de Daniel. Há, ali, um escracho de grande inteligência em cima dos parâmetros que parecem reger o que se chama de "correto" dentro do universo dos filmes.

O deboche infantil é um caso destes: crianças em sala de aula respondem sobre as profissões de seus pais sempre se protegendo dos estereótipos a respeito dessas profissões ("meu pai é vereador, mas não é ladrão. Quando eu crescer vou votar nele"); ou, num dos pontos altos do filme, uma garotinha se mostra o verdadeiro diabo em pessoa ao envenenar a comida de uma velhinha. A cena da castração, na primeira meia hora, gerou a mais comentada e repetida piada da Mostra de Tiradentes (referente a um quibe, e que não vem ao caso ser revelada aqui antes do leitor ter assistido ao filme).

O encontro de personagens fictícios com seus criadores, no clímax de Conceição, tem grande carga simbólica, questionadora e crente no impacto da imagem na tela. E a anarquia final que faz jus ao subtítulo "Autor bom é autor morto" é realmente impressionante, em tudo que carrega de questionamentos sobre a responsabilidade do criador e artista sobre a arte que cria. Fica anos-luz à frente de bobagens pretensiosas como Mais estranho que a ficção, de Marc Forster (atualmente em cartaz nos cinemas), filme de pouca crença no poder do cinema de transmitir significados através da imagem e do encadeamento de idéias.

A pergunta que mais pipocava em cima dos realizadores de Conceição - Autor bom é autor morto era se o filme ganharia distribuição comercial. A equipe disse que existe a possibilidade através da Riofilme, apesar da absoluta falta de patrocínio. A tentativa será fazer uma inserção nos cinemas aos poucos, sem alguma grande estréia - seguindo a idéia meio marginal da própria criação do projeto. Quando (e se) Conceição aparecer por aí, esteja você onde estiver, abra a cabeça e não deixe de ver.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 19/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hitler e outros autores de Marta Barcellos
02. Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos de Gian Danton
03. Stephen Walt e o imperialismo dos 'liberals' de Celso A. Uequed Pitol
04. Quatro autores e um sentimento do mundo de Marilia Mota Silva
05. Formatura de Daniel Bushatsky


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2007
01. A política de uma bunda - 5/4/2007
02. O criado e o mordomo: homens do patrão - 26/7/2007
03. Conceição: onde passar, não perca - 19/2/2007
04. Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE - 10/5/2007
05. Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice - 15/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POLTERGEIST: ALGUMAS DE SUAS OCORRÊNCIAS NO BRASIL
HERNANI GUIMARÃES ANDRADE
PENSAMENTO
(1988)
R$ 19,90



UM PASTORZINHO PEREGRINO EM BUSCA DA PAZ COM DEUS
RUYTER LUCIANO SILVA
DO AUTOR
(2012)
R$ 35,00



A ESTÁTUA E A PEDRA
OSVALDO LITZ
JUERP
(1985)
R$ 87,00



PROBLEMAS DE LINGUÍSTICA DESCRITIVA
JOAQUIM MATTOSO CAMARA JR.
VOZES
(1969)
R$ 10,00



CONHECENDO E VIVENDO AS IGREJAS DO NOVO TESTAMENTO
WALTIR PEREIRA DA SILVA
DO AUTOR
(1995)
R$ 7,00



DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS E TEORIA DE CIRCUITOS
ROBERT BOYLESTAD E LOUIS NASHELSKY
PRENTICE HALL DO BRASIL
(1994)
R$ 25,00



NAS ARQUIBANCADAS
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2004)
R$ 12,00



POLÍGONO AMOROSO - 2ª EDIÇÃO
JAYME BRAZ
SÃO PAULO
(1960)
R$ 9,66



GAGUEIRA - DO FATO PARA O FENÔMENO
ISIS MEIRA
CORTEZ
(1986)
R$ 12,00



AS PERNAS DE ÚRSULA E OUTRAS POSSIBILIDADES
CLAUDIA TAJES
AGIR
(2006)
R$ 15,00





busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês