Conceição: onde passar, não perca | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
22513 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O cinema brasileiro em 2002
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
Mais Recentes
>>> La Sexualité et Sa Répression Dans les Sociétés Primitives de B. Malinowski pela Payot (1932)
>>> Meteorologia para Aviação Vol I de Ronaldo Gomes Brandão Naviglio Tasoniero pela Kolex (1974)
>>> A Atmosfera de R. Argentiere pela Pincar (1957)
>>> Karl Marx e os Marismos de Iring Fetscher pela Paz e Terra (1970)
>>> Consultations Pour les Maladies des Voies Digestives de Gaston Lyon pela Masson et Cie. (1920)
>>> Os Caracteres de La Bruyère pela Athena (1937)
>>> De La Nature de Dieux de Cicéron Charles Appuhn Tradutor pela Garnier Frères
>>> Noveau Dictionnaire Italien - Français et Français - Italien de G. Ferrari pela Garnier Frères
>>> Il Violoncello Il Violoncellista Ed Violoncelisti de L. Forino Manuali Hoepli pela Ulrico Hoepli (1905)
>>> Anatomie et Physiologie Végétales de D. Cauvet pela J. B. Baillière et Fils (1885)
>>> Histoire Naturelle des Religions 2ª Parte de Eugène Veron pela Octave Doin (1885)
>>> Tratado de las Oraciones Latinas de Manuel Pérez Jorge pela Del Amo (1897)
>>> Vocabulaire Latin - Familles et Groupements de Mots de L. Clédat pela Armand Colin (1924)
>>> Grégoire de Nysse Discours Catéchétique de Louis Méridier pela Alphonse Picard et Fils (1908)
>>> Estudio Anatómico del Movimiento del Corazón y de La Sangre En los ... de Guillermo Harvey pela Emecê
>>> Vieira de Antonio Soares Amora pela Assunção
>>> História Geral da Humanidade Através dos Seus Maiores Tipos Vol. 5 de David Carneiro pela Athena
>>> Elogio dos Olhos de Paulo Gustavo Galvão pela Littera Maciel (1989)
>>> O Que Há por Trás dos Bancos Suíços de T. R. Fehrenbach pela Dinal (1966)
>>> The Origin of Man de Mikhail Nesturkh pela Progress (1959)
>>> Tu Alma y La Ajena - uma Psicología Práctica para Todos de Richard Muller Freienfels pela Labor (1959)
>>> O General Leclerc de Renato Baptista Nunes pela Biblioteca do Exército (1961)
>>> A Cibernética e o Humano de Aurel David pela Hemus (1971)
>>> Noite Santa - Antologia de Poemas de Natal de Jamil Almansur Haddad pela Autores Reunidos (1960)
>>> The Musculoskeletal System in Health and Disease de Cornelius Rosse D. Kay Clawson pela Harper & Row (1980)
>>> Pruebas Funcionales Muscalares de Lucille Daniels Catherine Worthingham pela Interamericana (1973)
>>> Aviação Visão de Ciência de H. Highland pela Flamboyant (1967)
>>> Atlas of Craniomaxillofacial Surgery de Ian T. Jackson Ian R. Munro Kenneth E. Saly... pela The C. V. Mosby Company (1982)
>>> Microsurgery of the Anterior Segment of the Eye Vol I Introduction ... de Richard C. Troutman pela The C. V. Mosby Company (1974)
>>> Trastornos Geneticos - Diagnostico Visual de Richard M. Goodman Robert J. Gorlin pela Jims (1973)
>>> Cirurgia Ocular Vol I de W. Belfort Mattos pela N/d (1931)
>>> Atlas de Cirugia Ocular de Jose Maria Roveda pela Lopez (1972)
>>> Particularidades Sintacticas del Latin Medieval de Juan Bastardas Parera pela Escuela de Filología (1953)
>>> O Argumento Histórico e a Pronúncia do Latim de Nelson Roméro pela Agir (1947)
>>> The Philosophy of Religion - in England and America de Alfred Caldecott pela Methuen (1901)
>>> La Pratique des Tests Mentaux de O. Decroly R. Buyse pela Félix Alcan (1928)
>>> Lezioni Di Lingua Italiana de Livia Camerini Piera S. Cherardi pela Francisco Alves (1956)
>>> Erythrocytes et Erythropathies de O. Cazal pela Masson (1957)
>>> Heritable Disorders in Orthopaedic Practice de Ruth Wynne Davies pela Blackwell Scientific (1973)
>>> Manual de Instrumentação Cirúrgica de Fernando Puríta pela Cultura Médica (1980)
>>> Découverte de La Cybernétique de Albert Ducrocq pela Julliard (1955)
>>> Vida do Padre Antônio Vieira de E. Carel pela Assunção
>>> Tópicos de Genética Humana de Newton Freire Maia pela Hucitec-edusp (1976)
>>> Odeio Reuniões de Stephen Baker pela Melhoramentos (1987)
>>> Máscaras Ou o Comunismo Entre Bastidores de Juan Carrascal pela Manuel de Oliveria
>>> As Malhas do Govêrno de R. M. Maciver pela Civilização Brasileira (1960)
>>> Manual de Apologética de A. Boulenger pela A. I. (1950)
>>> O Comunismo no Brasil de John W. F. Dulles pela Nova Fronteira (1985)
>>> Dopoguerra Italiano de Gaetano Gherardi pela S. Paolo (1947)
>>> Adivinhação pelo Tarô - Aprenda a Ler Tarô e Saiba Prever o Futuro de Abril pela Abril
COLUNAS

Segunda-feira, 19/2/2007
Conceição: onde passar, não perca
Marcelo Miranda

+ de 3900 Acessos

A idéia era escrever um balanço sobre como foi a 10ª Mostra de Cinema de Tiradentes, um dos principais eventos audiovisuais do país e que acontece anualmente em janeiro na cidade história do interior de Minas Gerais. Porém, a cobertura em alguns veículos foi tão intensa e completa (como nos sites Contracampo, Cinequanon e Cinética) que eu corria risco de me repetir. Foi quando pensei em fazer algo diferente. E nada melhor que destacar aquele que certamente foi o filme-sensação da mostra deste ano - o que serve não apenas como estímulo ao leitor procurá-lo como mola propulsora de uma maior divulgação de sua existência.

Refiro-me a Conceição - Autor bom é autor morto, exibido na noite do dia 24 de janeiro no Cine-Tenda, em horário já bastante avançado - passava da uma hora da manhã quando a projeção se iniciou, após as exibições dos documentários Cartola e Jardim Ângela. O relógio não foi suficiente para desanimar as mais de 600 pessoas na sala. Elas acompanharam atentas ao desenrolar do filme, em vários momentos rindo, aplaudindo e interagindo com os absurdos que surgiam na tela.

Conceição é um filme especial por uma série de fatores, a começar por sua realização. É o primeiro longa-metragem brasileiro finalizado por estudantes de cinema - no caso, alunos da Universidade Federal Fluminense (UFF), de Niterói. Coordenado por Daniel Caetano, o grupo formado por André Sampaio, Cynthia Sims, Guilherme Sarmiento e Samantha Ribeiro começou o projeto há mais de dez anos, em 1993, época que coincidiu com o quase desaparecimento do cinema no país a partir do fim da Embrafilme no governo Fernando Collor de Mello.

Contra a corrente, a turma decidiu ir bolando algum tipo de trabalho nonsense, criativo e de forte carga referencial. "Fizemos uma compilação do mau gosto, a partir de um questionamento: o que o cinema brasileiro não quer mostrar?", contou Daniel Caetano a este colunista. "Parte da produção contemporânea tem escondido as impurezas da vida para exibir um mundo anódino e sem gosto". O montador André Sampaio completou: "o cinema brasileiro está muito caretão. O público quer assistir a projetos diferentes".

A idéia de um tipo de realização fora dos padrões permeou todo o processo de Conceição. À medida que o filme ia sendo feito - sem compromissos com datas, horários e caminhos específicos a seguir, e igualmente sem orçamento, já que era um trabalho puramente pessoal e de equipe -, mais os diretores iam aumentando a carga de "mau gosto". "É um filme com total liberdade de criação e cujo tema é justamente a liberdade de criação", defende Daniel. Eu diria mais que isso: Conceição - Autor bom é autor morto é um filme sobre as possibilidades da ficção. Não existe uma linha narrativa sendo seguida. A ação parte da mesa de estudantes que discutem como fariam um filme perfeito, ou ao menos um filme criativo e diferente. Em meio aos papos, diversos segmentos sem ligação aparente vão se desenvolvendo na tela. Não pense em Robert Altman (A última noite), Paul Thomas Anderson (Magnólia) ou Alejandro González Iñarritu (Babel). Conceição é uma verdadeira salada de citações que cultiva, acima de tudo, a absoluta tranqüilidade dos realizadores em lidar com a ficção sem medo do risco. As referências surgem intuitivamente, sem parecerem referências de fato. Mas o bom olhar cinéfilo vai captá-las. "É uma coisa mediúnica", comenta Daniel.

Conceicao

Mediunidade ou não, há instantes em Conceição cujas ligações com obras e cineastas de outros tempos são claras. Desde o Chaplin de Luzes da cidade, com o personagem acordando nos braços de uma estátua, até Paul Verhoeven em Instinto selvagem, com o facão que decepa o amante (no filme de Verhoeven a arma era um fura-gelo); do surrealismo na melhor fase do espanhol Luis Buñuel (O anjo exterminador) à câmera subjetiva semelhante ao cinema de Dario Argento (em especial as cenas de perseguição e morte em Prelúdio para matar e Tenebre).

O espectador menos iniciado, entretanto, não tem com que se preocupar: Conceição flui de tal forma que pouca diferença faz à sua fruição conhecer tais citações. Apenas duas referências são, de fato, assumidas: uma sobre 2001 - Uma odisséia no espaço, de Stanley Kubrick ("a gente quis fazer a pior paródia de todos os tempos") e outra com a presença do músico Jards Macalé como um matador sanguinário cantando a canção de um filme do Nelson Pereira dos Santos.

Conceição chama atenção pela coesão, ainda mais por ser trabalho coletivo. Daniel Caetano esclarece que, apesar de cinco diretores creditados, a equipe responsável pelas idéias loucas que estão na tela foi composta por 15 integrantes. As filmagens em película 16mm foram iniciadas há seis anos, sendo elaboradas e estudadas com o passar do tempo. "O filme representa a morte do autor individual em prol da criação coletiva", decreta a diretora Samantha Ribeiro.

Daniel tem visão muito clara neste sentido: "Se você não se une, você morre. Não tem jeito de ser autor europeu no Brasil. O nosso cinema tem muito da idéia da patota, do grupo. Às vezes dá certo, em outras, não. O importante é que todo mundo acredite no que está fazendo e esteja aberto a conflitos e debates de idéias, porque isso é muito saudável". Daniel não enxerga a autoralidade pura e simples como saída para o próprio cinema autoral - o que vai de encontro à noção pregada pela política dos autores, desenvolvida por cineastas franceses dos anos 60, de que o diretor é o único responsável artístico pelo resultado final do filme.

No caso de Conceição e naquilo que a turma de Daniel Caetano crê, a solução para o cinema contemporâneo brasileiro ter alguma cara própria é a união de talentos. "Querer ser autor pode se tornar um tipo de camisa-de-força. Por vezes, cai-se no risco da produção nunca ser renovada e a gente ter sempre o mesmo tipo de filme de autor na tela". Conceição não deixa de ser um trabalho profundamente autoral mesmo com a filosofia de Daniel. Há, ali, um escracho de grande inteligência em cima dos parâmetros que parecem reger o que se chama de "correto" dentro do universo dos filmes.

O deboche infantil é um caso destes: crianças em sala de aula respondem sobre as profissões de seus pais sempre se protegendo dos estereótipos a respeito dessas profissões ("meu pai é vereador, mas não é ladrão. Quando eu crescer vou votar nele"); ou, num dos pontos altos do filme, uma garotinha se mostra o verdadeiro diabo em pessoa ao envenenar a comida de uma velhinha. A cena da castração, na primeira meia hora, gerou a mais comentada e repetida piada da Mostra de Tiradentes (referente a um quibe, e que não vem ao caso ser revelada aqui antes do leitor ter assistido ao filme).

O encontro de personagens fictícios com seus criadores, no clímax de Conceição, tem grande carga simbólica, questionadora e crente no impacto da imagem na tela. E a anarquia final que faz jus ao subtítulo "Autor bom é autor morto" é realmente impressionante, em tudo que carrega de questionamentos sobre a responsabilidade do criador e artista sobre a arte que cria. Fica anos-luz à frente de bobagens pretensiosas como Mais estranho que a ficção, de Marc Forster (atualmente em cartaz nos cinemas), filme de pouca crença no poder do cinema de transmitir significados através da imagem e do encadeamento de idéias.

A pergunta que mais pipocava em cima dos realizadores de Conceição - Autor bom é autor morto era se o filme ganharia distribuição comercial. A equipe disse que existe a possibilidade através da Riofilme, apesar da absoluta falta de patrocínio. A tentativa será fazer uma inserção nos cinemas aos poucos, sem alguma grande estréia - seguindo a idéia meio marginal da própria criação do projeto. Quando (e se) Conceição aparecer por aí, esteja você onde estiver, abra a cabeça e não deixe de ver.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 19/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Livros que me Fizeram Mal na Infância de Lisandro Gaertner
02. Pesquisando (e lendo) o jornalismo de Duanne Ribeiro
03. Expurgo, de Sofi Oksanen de Ricardo de Mattos
04. A Banda Mais Bonita da Internet e a Memética de Noah Mera
05. A Fantasia Verossímil, ou: Thor de Duanne Ribeiro


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2007
01. A política de uma bunda - 5/4/2007
02. O criado e o mordomo: homens do patrão - 26/7/2007
03. Conceição: onde passar, não perca - 19/2/2007
04. Cão sem dono e Não por acaso: pérolas do Cine PE - 10/5/2007
05. Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice - 15/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERRA DA BÍBLIA: PARA ENTENDER MELHOR A BÍBLIA
FREI PAULO AVELINO DE ASSIS
CENTRO BÍBLICO CATÓLICO
R$ 19,28



NOVA ENCICLOPÉDIA ILUSTRADA FOLHA - 2 VOLUMES - NOVA
FOLHA DE S. PAULO
FOLHA DE S. PAULO
(1996)
R$ 39,00



HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE
J.K. ROWLING
ROCCO
(2007)
R$ 18,00



MÉTODO DE ANÁLISE
CARLOS GOES
LIVRARIA FRANCISCO ALVES
(1961)
R$ 10,00



EMOÇÕES NO DIVÃ DE EDUARDO MASCARENHAS
EDUARDO MASCARENHAS
GUANABARA
(1985)
R$ 10,91



TIETA DO AGRESTE
JORGE AMADO
RECORD
(1983)
R$ 18,00



CAMINHANDO COM PORTINARI
ALAN NIELSEN
TERRA VIRGEM SÃO PAULO
(2012)
R$ 45,00



ESTRANHOS
DEAN R. KOONTZ
BEST SELLER
(1988)
R$ 70,00



UMA HISTÓRIA DA VERDADE EM MICHEL FOUCAULT
AFRÂNIO TENÓRIO DA SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



PILATOS - CARLOS HEITOR CONY (ROMANCE BRASILEIRO)
CARLOS HEITOR CONY
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1974)
R$ 10,00





busca | avançada
22513 visitas/dia
1,1 milhão/mês