Assim é... | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/7/2010
Assim é...
Marta Barcellos

+ de 3000 Acessos
+ 2 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

"A coluna do Verissimo de hoje está muito estranha. Acho que não é dele." Era uma piada ― o texto estava publicado no jornal. Mas se tivesse sido enviado por e-mail, ou mesmo se fosse um link na Wikipédia, aquilo faria sentido demais até para quem acabou de acordar.

Ri da piada dele, talvez um riso nervoso, dei uma olhada na crônica (estava mesmo ranzinza) e terminei o meu café da manhã. Depois fiquei pensando nas voltas que o mundo dá, e que às vezes o colocam no mesmo lugar. Se o papel era tão sólido e estabilizador, nos proporcionava certezas e delimitava a fronteira entre a ignorância e o cientificamente comprovado, a internet nos dá a possibilidade de acreditar no que quisermos.

Será que o homem pisou mesmo na lua? Será que a Terra é mesmo redonda? Assim como alguns de nossos antepassados sem acesso à sabedoria editada por homens com identidades carimbadas por cartões de ponto, que trabalhavam em prédios com fachadas imponentes e letreiros respeitados, poderemos duvidar de quase tudo no futuro. Acreditar no que quisermos, ou no que convier às nossas convicções prévias. Eu decido se o texto é mesmo do Arnaldo Jabor, e não me importa que ele próprio negue a autoria. Se ele negar em seu Twitter, decidirei desconfiar da sua autenticidade. Se negar em sua coluna de jornal, nem saberei, porque não leio mais em papel, representante da segurança inabalável e ilusória do passado.

De início, esse mundo paralelo e nebuloso da internet me incomodava. Era preciso denunciar, desmascarar a corrente inventada sobre a criança perdida, a calúnia política, os perfis falsos nas redes sociais, isso era o que eu pensava, imbuída da nostalgia dualista do mundo com mocinhos e bandidos do passado. O que não era verdadeiro, era falso. Se não fosse falso, seria verdadeiro. Você se lembra?

Foi quando percebi que muitos dos supostos ingênuos não se importavam tanto assim. Acreditavam quando queriam, no que queriam, e isso lhes dava um filtro interessante em relação ao mundo exterior. Se já tinham preferências, como simpatia por um candidato e ojeriza por outro, podiam encontrar na internet exatamente o mundo que cogitavam. Rapidamente confraternizariam com seus pares, e compartilhariam terríveis denúncias sobre o político que já pressentiam detestável. Se quero odiar um candidato ou exercitar minha generosidade fácil endossando uma corrente para salvar o mundo, por que ir atrás de uma suposta verdade sobre os fatos?

A tal verdade, como todos sabem, era terrivelmente manipulada pelas mídias antigas e todas-poderosas. Mesmo os livros, desde sempre, serviam para propagar ou reforçar os valores de uma elite sempre interessada. Agora, as manipulações são segmentadas, ganham ares de peraltice e parecem menos inofensivas. Se algo não for real, pelo menos é divertido. Se ninguém sair seriamente machucado ― ou se atirar da janela por causa de uma campanha de difamação ―, tem-se a sensação de estar conectado ao mundo real (o antigo "bem informado") e ter opinião própria.

Mas é preciso leveza para renunciar ao conforto das grandes mídias e escolher as próprias verdades no fragmentado mundo virtual. Nada de se levar tão a sério. Ou mesmo nada de levar o mundo tão a sério. É preciso curtir ― gíria do passado ironicamente resgatada pelo Facebook. A tarefa, entretanto, é facilitada pela velocidade que impera em nossas vidas, devidamente assegurada pelas novas tecnologias.

Em segundos, precisamos descartar assuntos e pessoas, eleger interesses, escolher quem editará o conteúdo que acessaremos. E nada será para sempre, porque podemos reconfigurar tudo a qualquer momento. As eventuais dúvidas sobre a autoria de um texto, um perfil, o fundamento de um boato que bombou naquele dia, a foto que pode ter sido ou não alterada, tudo formará um caldo ralo, que passará sem problemas pelo filtro da nossa consciência de poros cada vez mais esgarçados. E nada ficará.

O entorpecimento nos deixou parecidos com o camponês alheio, que acreditava nas lendas e duvidava da ciência (com certa razão, diga-se de passagem). Ao contrário deles, porém, não tememos os deuses, nem a fúria da natureza, apenas estamos voltados demais para nós mesmos, não temos mais essa curiosidade toda em relação ao mundo real. O excesso de informação nos exauriu. Queremos apenas nos divertir.

Nessas alturas de 3 mil ou 4 mil caracteres, devo parecer pessimista ou saudosista, quando o meu sentimento em relação à revolução da internet é de absoluta excitação. Que faço, agora? Reescrevo tudo? Bobagem, a minha ranzinzice é também uma das camadas da minha verdade, e posso parar nela, em vez de tentar arrancá-la, para achar outra e outra, e nunca de fato chegar à essência que mal consigo sentir ― quanto mais transmitir. Melhor parar por aqui.

É quando, então, em meu esforço permanente para entender a contemporaneidade, me ocorre uma ideia. Se este texto é pessimista demais para a escritora que pretendo ser, poderia assiná-lo como se fosse Arnaldo Jabor. Não como Luis Fernando Verissimo, pois teria que inserir alguma pitadas de autoironia para talvez funcionar. Então é assim que funciona, descubro agora. Por isso alguém gasta tanta energia em um perfil falso e quase perfeito no Facebook. No admirável mundo novo, podemos não só acreditar no que quisermos como ser quem quisermos.

E durma-se com isso (e pensar que tudo começou no café da manhã).

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 9/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
02. A melhor Flip de Marta Barcellos
03. Negrinha e os donos do sentido de Gian Danton
04. Quem tem medo da Rio+20? de Marilia Mota Silva
05. Não presta, mas vá ver de Carla Ceres


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010
05. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/7/2010
10h44min
Quando há muitas indagações significa que as informações foram mal dirigidas, mal feitas, ou alguma coisa está errada. Penso que o problema é o sistema capitalista em que quem tem privilégios nas informações é quem mantém o bom capital empregado. Quem não tem capital faz a informação a machado. E as perguntas continuam a desafiar determinados veiculos da mídia como a televisão os jornais ou coisa que o falha.
[Leia outros Comentários de manoel messias perei]
9/7/2010
12h47min
Interessante o texto. Reflete o mundo atual, cheio de virtudes escritas e mentiras bem elaboradas. Como um dos assuntos: O homem na Lua? Bem, alguem não acredita, do qual sou fã. E tem os seus direitos. Ler A fraude do século é ótimo exemplo dos dizeres. Mentiras e mais mentiras. Se ainda hoje caem os aviões, imaginar um homem indo e vindo de quatrocentos mil quilômetros é mesmo para os que acreditam em tudo. Até que escrevam bem. Afinal, sempre se tem quem acredite. Parabéns pela crônica. Excelente.
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Chitty Chitty Bang Bang o Calhambeque Mágico
Ian Fleming
Expressão e Cultura
(1967)



Rafipan, a Esquina do Mundo
Carlos Augusto Segato
Atual
(1998)



Pipistrelo das Mil Cores
Zélia Gattai
Record
(2001)



A Silenciosa Inclinação das Águas
Alex Sens
Autêntica
(2019)



Noções Basicas de Importação
João dos Santos Bizelli / Ricardo Barbosa
Aduaneiras
(1994)



História Universal Vol. 4
H. G. Wells
Edigraf
(1972)



O jardim das crianças encantadas
Janet Taylor Lisle
Salamandra
(2006)



Direito Romano - Fundamentos, Teoria e Avaliação dos Conceitos
Francisco Caseiro Neto / Pablo Jimenez Serrano
Desafio Cultural
(2002)



O Inconsciente e o Id
Laplanche
Martins Fontes
(1992)



Segredos de Seis Corações
Sônia Barros
Scipione
(2012)





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês