A arte da ficção política | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2010

Quinta-feira, 4/11/2010
A arte da ficção política
Vicente Escudero

+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A vitória da candidatura de Dilma Rousseff encerrou uma das campanhas mais retrógradas desde a edição da Constituição Federal de 1988 e do retorno da democracia no país. Sites, jornais e programas de televisão passaram quase todo o período da campanha noticiando fatos que poderiam fazer parte da programação e do noticiário de cinquenta, cem anos atrás. De repente, citando apenas um dos absurdos das campanhas, dois candidatos reconhecidos como defensores da legalização do aborto foram impelidos, ou decidiram praticar a extrema unção antes da apuração das urnas, a defender outros ideais e se aliar a setores conservadores da sociedade, contra a legalização do aborto. Não se trata de menosprezar a representatividade dos defensores desta opinião, mas apenas de questionar o maleável conjunto ideológico de pessoas dispostas a governar o país por quatro anos.

Nestes momentos de dúvidas preponderando sobre certezas, em que existe a necessidade imediata de ajuste na política econômica para evitar a volta da inflação, valorizar a produção nacional e evitar a guerra cambiária com outros países, as melhores soluções só podem surgir através de um balanço honesto destes últimos meses, quando os candidatos se apresentaram e disseram, ou pelo menos deveriam ter dito, a que vieram. Um retrato do que foi o antes, durante e depois desta eleição que elegeu nossa primeira presidenta, e pela primeira vez fez uso oficial desta horrível denominação.

Antes da campanha oficial
Disputas internas marcaram a escolha do candidato do PSDB. Correndo por fora, Marina Silva e o PV escolheram como vice o presidente da Natura, Guilherme Leal. O PT então cria um consenso em torno da candidatura de Dilma Roussef, apresentada pelo atual presidente como a "mãe do PAC". Aécio Neves, contrariado, abre caminho para a candidatura de Serra; Marina começa a trabalhar sua imagem por todo o país enquanto Dilma surfa na onda da popularidade de Lula, tentando reverter as projeções das pesquisas de opinião, que a sete meses da eleição dão ampla margem para uma vitoria de José Serra. Lula impulsiona Dilma, apresentando-a durante sua peregrinação pelo país para promover as obras do PAC. O PSDB desdenha do aumento da intenção de voto da candidata. Marina ainda briga por espaço em busca de apoios para sua candidatura.

O salto alto do PSDB e da direita fez com que este início de campanha e os aumentos das intenções de voto na candidata do PT fossem tratados apenas como questões circunstanciais, que seriam revertidas durante o horário eleitoral gratuito e do início oficial das campanhas. Sem um discurso afinado e definição de um vice para ocupar a chapa, a candidatura de José Serra começa perdendo fôlego. Marina ainda não passa dos 3% nas intenções de voto.

Durante a campanha oficial
PT e PSDB não definem os vices para as chapas até alguns meses antes das eleições, erro que o PSDB manteve durante muito tempo, discutindo até a mudança de vice já na disputa de segundo turno. Dilma continua voando com Lula entre os estados, inaugurando até maquetes de projetos. A campanha de Serra comete o erro de trabalhar seu discurso de acordo com o humor das pesquisas eleitorais. A cada setor da sociedade em que era constatada a perda de votos, o candidato acenava com uma benesse específica: para os aposentados, aumento da aposentadoria, para os funcionários públicos, aposentadoria integral. Sem projetos específicos, as duas candidaturas assistem a lenta ascensão de Marina Silva e seu discurso claro, embora uníssono, de crescimento sustentável. Começam os ataques rasteiros e a guerra na internet. Blogs, revistas e jornais assumem abertamente o apoio a uma das candidaturas e passam a cobrir a disputa de forma, segundo eles mesmos, isenta.

Surgem as denúncias contra Erenice Guerra, a substituta de Dilma Roussef na Casa Civil. Marina Silva já chega próximo dos 10% nas intenções de voto. A oposição mantém o foco nas denúncias de quebra de sigilo de membros de seu partido, ocorridas no período das pré-candidaturas, supostamente realizadas a mando do PT, e permanece sem um discurso que apresente um plano de governo. Nas vésperas do primeiro turno, cresce a campanha difamatória na internet e a questão do aborto é levantada pela oposição contra a candidata do governo, fazendo com que Marina Silva alcance quase 20% dos votos no primeiro turno e forçando a realização de um segundo turno entre os candidatos do PSDB e do PT.

A discussão rasa permanece durante o segundo turno, com os dois candidatos tentando arregimentar os eleitores da candidata do PV, Marina Silva, que declarou a neutralidade sob o argumento de que a polarização entre os dois partidos seria nociva ao país e representava a manutenção do conservadorismo, além de transformar os eleitores em mera plateia, enquanto deveriam ser os atores do processo político. O PSDB trabalha duro com Aécio e Alckmin tentando arregimentar eleitores em seus estados para Serra, ainda que eles não parecessem estar convictos do papel.

O tom permanece o mesmo até o dia da votação. No único momento em que a realidade e a ficção pareciam se confundir, em que os candidatos foram confrontados por eleitores indecisos no último debate realizado na Globo, o marketing político tentou maquiar a cara amarrada dos eleitores que acompanhavam na estúdio e faziam perguntas como "Já fui assaltada com uma arma na cabeça, na porta da minha casa... Como resolver o problema da segurança?" As respostas vieram em tom paternal, como de uma professora que é questionada por um aluno que entende mais do assunto do que ela. Dilma e Serra responderam começando com um singelo "Muito boa, importante, a sua pergunta" e terminaram sem apresentar uma solução concreta. Nenhuma novidade.

Eleição de Dilma
Dilma é eleita com 56% dos votos válidos enquanto Serra vence apenas na região Sul. No seu primeiro discurso, meticuloso, Dilma reitera o compromisso com a liberdade de imprensa e de expressão, dando sinais de que fará um ajuste na economia logo no início de seu mandato. Serra marca posição, demonstrando que permanecerá, em suas próprias palavras, nas trincheiras criadas pelo partido com a votação expressiva obtida nos dois turnos da eleição. Agradece a todos, exceto Aécio Neves.

O que esperar do novo governo e da oposição? Dilma é uma incógnita na forma como constituirá seu ministério, mas parece acenar com a manutenção dos programas criados durante o governo Lula. Não vejo nenhuma ruptura democrática no horizonte, como alardeado pela oposição durante toda a campanha. Aliás, rupturas democráticas costumam acontecer em democracias onde a oposição não cumpre seu papel de forma responsável, marcando posição contra as investidas totalitárias dos governos. Esse é o único rumo que restou para a oposição, além de se renovar e resolver seus problemas internos. É exigir muito de quem pretende assumir a presidência da república?


Vicente Escudero
Campinas, 4/11/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
03. Fake na art e a pet humana de Gian Danton
04. O momento do cinema latino-americano de Humberto Pereira da Silva
05. O amor é um jogo que ganha quem se perde de Carina Destempero


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2010
01. Oversharing: que negócio é esse? - 24/6/2010
02. Colocando o preto no branco das câmeras digitais - 12/8/2010
03. Ausência do mal? - 15/4/2010
04. WikiLeaks, o melhor de 2010 - 9/12/2010
05. Cultura do livro digital? - 11/2/2010


Mais Especial Eleições 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/11/2010
16h48min
Essa campanha foi estranha, pois a dois anos antes todo mundo já sabia quem ficava pra final. Teve rasteira, teve ficha suja e limpa, teve gente fazendo tomografia por uma bolinha de papel, teve a esquerda toda impugnada e só participando recorrendo à justiça, que teve um papel ridículo, e acha que o direito do ser humano não vale nada. Vale mais o juiz dizendo que esta ou outra assinatura não está correta ou que a certidão do fulano foi feita errada pelo cartório. Uma palhaçada. E ainda tentaram proibir comediantes de falarem sobre a eleição... Mas tudo bem: a moça tá eleita, o negócio e tocar a vida. Consolidou-se a ditadura da burguesia.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEPHARIALS NEW DICTIONARY OF ASTROLOGY
SEPHARIAL
FOULSHAM
(1963)
R$ 19,82



GUIA DE BOLSO CIDADES HISTÓRICAS DE MINAS
MINISTÉRIO DO TURISMO
MINISTÉRIO DO TURISMO
R$ 5,00



HISTÓRIA DA GRÉCIA
M. ROSTOVTZEFF
ZAHAR EDITORES
(1973)
R$ 20,00



CONEXÃO BVLGARI
FAY WELDON
RECORD
(2005)
R$ 14,00



DESCOBRINDO A HISTÓRIA DA ARTE
GRAÇA PROENÇA
ATICA
(2005)
R$ 60,00



FOI ELA (E) QUE COMEÇOU
TONI BRANDÃO
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 4,00



NA SALA COM DANUZA
DANUZA LEAO
SICILIANO
(1992)
R$ 7,00



AS MULHERES É QUE MANDAM... E É BOM QUE SEJA ASSIM
ROGÉRIO LACAZ-RUIZ
LAWBOOK
(2008)
R$ 4,50



PSICOLOGIA GERAL
LANNOY DORIN
ED. DO BRASIL
(1978)
R$ 5,00



VODU FENÔMENOS PSIQUICOS DA JAMAICA
JOSEPH WILLIAMS
MADRAS
(2004)
R$ 30,81





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês