Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
>>> Gabriel Cândido lança livro no Sesc São Caetano que aborda a aborda diáspora negra
>>> 'Estilhaços', o novo livro de Luís Fernando Amâncio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
>>> Amor fati
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
>>> Dando nome aos progres
Mais Recentes
>>> Introdução à Engenharia Ambiental: O Desafio do Desenvolvimento Sustentável de Benedito Braga pela Pearson Universidades (2005)
>>> Magia e cura Kahuna: Saúde holística e práticas de cura da Polinésia de Serge Kahili King pela Madras (2004)
>>> Dicionário De Filosofia de Nicola Abbagnano pela WMF Martins Fontes (2000)
>>> PNF: Facilitação neuromuscular proprioceptiva: Um guia ilustrado de Susan S. Adler pela Manole (2007)
>>> Teoria Do Estado E Da Constituição de Jorge miranda pela Forense (2009)
>>> Livro Completo De Etiqueta De Amy Vanderbilt de Nancy Tuckerman pela Nova Fronteira (2000)
>>> Faça Como Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> A Chave do Reino Interior Inner Work de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1989)
>>> O Livro de Deus - a Bíblia Romanceada de Walter Wangerin Jr. pela Mundo Cristão (1998)
>>> Araribá Plus. Geografia - 9º Ano de Cesar brumuni dellore pela Moderna (2018)
>>> Araribá Plus Artes 9º Ano de Denis Rafael pereira pela Moderna (2018)
>>> Projeto do Submarino Nuclear Brasileiro de Fernanda das Graças Corrêa pela Capax Dei (2010)
>>> Um Futuro Moldado por Deus de Ron Phillips pela Graça (2013)
>>> Mudança de Mo Yan pela Cosac & Naify (2013)
>>> Cem anos de solidao de Gabriel Garcia pela Mediasat (1967)
>>> Quando uma Garota Entra Em um Bar de Helena S. Paige pela Novo Conceito (2013)
>>> História do Japão: Origem, Desenvolvimento e Tradição de um País Milenar de Associação Cultural e Esportiva Saúde pela Graftipo Ltda (1995)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela Topbooks (2004)
>>> 64 Contos de Rubem Fonseca de Rubem Fonseca pela Cia das Letras (2004)
>>> Processo de Enfermagem de Wanda de Aguiar pela E.p.u. (1979)
>>> Paganism: An Introduction to Earth-Centered Religions de Joyce Higginbotham pela Llewellyn Publications (2011)
>>> Fantasma - Edição Histórica nº 14 A invasão de Bengala e A vitória em Bengala de Vários Autores pela King Features Syndicate (1995)
>>> Penguin Minis, Legend: 1 de Marie Lu pela Penguin (2019)
>>> Sem Tesão não há Solução de Roberto Freire pela Sol e Chuva (1990)
>>> A Arte De Amar de Erich Fromm pela Itatiaia (1995)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/7/2006
Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman
Rafael Fernandes
+ de 8700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Ney Matogrosso é um dos grandes intérpretes do Brasil. Tem seu espaço na mídia, mas talvez não seja tão comentado e celebrado quanto outros intérpretes: não tem a voz sublime de Milton, não tem a "mítica" de João Gilberto; não compõe, talvez por isso não tenha a unanimidade e "imunidade" de Chico, não tem "volúpia midiática" como Caetano - pronto para aparecer a qualquer hora, não é Ministro. Mas talvez seja o único intérprete no Brasil que consiga unir um bom repertório - sempre escolhido a dedo, voz poderosa, canto seguro e alta carga de performance - visceral e provocativa - em seus shows, muitas vezes "jogando para a torcida" e aproveitando-se dela. Ney Matogrosso é um showman.

Nascido Ney de Souza Pereira em 1º de agosto de 1941 no Mato Grosso do Sul despontou como integrante do grupo Secos e Molhados, que teve trajetória meteórica - lançou apenas dois discos, em 1973 e 1974. Hoje é considerada uma banda cult; tinha como característica composições pop certeiras com altas doses de humor e ingenuidade, com performances ao vivo retumbantes, nas quais seus integrantes se apresentavam com máscaras e fantasias. Ney era o grande destaque com suas atuações lascivas e provocativas. Se hoje esses ingredientes são até clichês na música pop, não eram no Brasil do início dos anos 70, comandado por uma Ditadura e ainda sob o olhar de ferro do AI-5. Imagine a cara do Médici ao ver uma rebolada do Ney Matogrosso.

Por toda sua carreira Ney lançou discos interessantíssimos, tanto com o Secos e Molhados quanto em carreira solo - seja com Bandido de 1976, que já colocava no mesmo balaio Chico Buarque ("Mulheres de Atenas") e Odair José ("Uma canção de Amor") (muito antes desse recente culto ao compositor brega), ou ainda em Ney Matogrosso (1981) - disco com arranjos de César Camargo Mariano, no qual juntou novamente Chico Buarque com Rita Lee, Moraes Moreira e Raul Seixas. Sempre transitou com facilidade entre o pop e a MPB (ô sigla difícil!). Quando se aproximou desta última, em geral teve resultados excelentes, como no fantástico Pescador de Pérolas, de 1986 acompanhado de uma banda composta pelos fora de série Arthur Moreira Lima (piano), Paulo Moura (sax alto e soprano), Raphael Rabello (violão) e Chacal (percussão); ou ainda no antológico À Flor da Pele, de 1990, em duo com Raphael Rabello e, mais recente, em Ney Matogrosso Interpreta Cartola. Em 2004 lançou um dos melhores discos dos últimos anos, Vagabundo, na companhia de Pedro Luís e a Parede. Em 2005 lançou Canto em Qualquer Canto - gravação ao vivo feita no SESC Pinheiros, em São Paulo. Recentemente, encerrou a turnê do disco no Tom Brasil Nações Unidas. O disco é ótimo. Na época de seu lançamento Ney disse que no dia da gravação sua voz não estava no seu melhor e fez reparos em estúdio; ainda assim, reitere-se, o disco é ótimo. Porém, ser um espectador in loco dá outra dimensão ao repertório: o show é pesado, intenso, corporal - ainda que o formato seja mais intimista e só Ney fique de pé - e provocador.

O cantor entrou no palco - com uma camisa brilhante aberta mostrando o peito - sob uma ovação e os costumeiros gritos de "gostoso", "tesão" e afins. No palco, da esquerda para a direita (na visão do público) estavam: Ricardo Silveira (violão e guitarra), mais responsável pela parte melódica nos arranjos; Marcello Gonçalves (violão de 7 cordas) representando o "baixo" nessa formação, fazendo contrapontos graves; Zé Paulo Becker (violão e viola caipira) e Pedro Jóia (violão e alaúde), que foram responsáveis pela parte mais rítmica e harmônica dos arranjos - e todos tiveram espaços para seus solos durante as músicas. No cenário, apenas luzes discretas e uma grande tela ao fundo, que alternava cores e projeções de luz, elegantemente. O que foi visto permeando todo o show: um cantor com sex appeal provocador e que chama a atenção por sua exibição corporal e mesmo nos solos dos músicos ele é o centro das atenções. Mas não é só isso. Há a sua voz, seu canto que tem humor e une vigor e sutileza com destreza.

O show se iniciou como no disco, com a bela "Canto em Qualquer Canto" (Itamar Assumpção e Ná Ozzetti) que pode resumir um pouco o que é Ney ao vivo: "Vim cantar sobre essa terra/ (...) / Trago facão, paixão crua e bons rocks no arquivo/ (...) / Gorjearei pela terra / Para dar e ter alívio/ Gorjeando eu fico nu/ Entre o choro e o riso/ Caso a bela com a fera/ Canto porque é preciso/ (...)/ Pra não perder o juízo"; as três músicas seguintes foram próximas à seqüência do disco - com exceção de "Ardente" (Joyce), que não apareceu no show: a ótima e divertida versão de "Amendoim Torradinho" (Henrique Beltrão); "Bamboleô" (André Filho) - o primeiro "arrasa quarteirão" da noite para o público, que delirou com a performance e "Uma Canção Por Acaso" - bela canção de Pedro Jóia e Tiago Torres da Silva - um dos grandes destaques musicais da noite, com uma bela amostra da capacidade criativa dos músicos: o violão com acento espanhol de Pedro Jóia dialogando com o violão de Zé Paulo Becker; Marcello Gonçalves executando violão de 7 cordas com condução remetendo à escola do choro e Ricardo Silveira fazendo uso de técnica de slide (que é aquele "tubinho" de metal ou vidro que fica no dedo do guitarrista) para adicionar um colorido melódico ao instrumental.

Em seguida, um choro foi executado - a primeira música incluída na apresentação que não está no CD: "Último Desejo", de Noel Rosa, que teve como introdução breve e belo solo Ricardo Silveira, que logo em seguida virou diálogo melódico com Ney. Em "Dos Cruces" (Carmelo Larrea) novamente apareceu um forte acento flamenco - que permeou boa parte do espetáculo, diga-se, resultado da presença de Pedro Jóia, especialista no estilo, que brindou o público com execução vigorosa e precisa de seu violão por todo o show. O repertório seguiu com "Retrato Marrom" (Rodger Rogério/ Fausto Nilo) - que mostrou toda exuberância vocal de Ney - e "Oriente" (Gilberto Gil) - com longa passagem instrumental que proporcionou solos a todos os músicos e mostrou interessante combinação entre alaúde e viola caipira.

Em seguida, foram tocadas "Duas Nuvens" (Pedro Jóia e Tiago Torres da Silva) e "Bandoleiro" (Luli e Lucina), que foi incendiária: o Tom Brasil quase veio abaixo após sua execução. A partir deste momento, o público - que já estava na mão do cantor - foi completamente conquistado. A próxima foi "O Doce e o Amargo" (João Ricardo e Paulinho Mendonça) - um clássico do Secos e Molhados. Em "Lábios de Mel", (Waldir Rocha) Ney Matogrosso deu uma apimentada nessa música de amor de letra boba, proporcionando interessante contraponto entre a ingenuidade da letra e a sensualidade da interpretação. Finalizando o show, vieram boas versões de "Ela e Eu" (Caetano Veloso) e "Tanto Amar" (Chico Buarque). "Já Te Falei" (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Marisa Monte e Dadi Carvalho) - a última antes do bis - é uma canção "tribalista" boba, infantil, quase de "auto-ajuda" e foi talvez a mais fraca do show, ainda mais quando aproximada de músicas de Chico e Caetano; nem o instrumental - caprichado em todas as músicas - se salvou. O bis apresentado foi escolhido para agradar o público e começou com "Poema" (Cazuza e Frejat). Depois, vieram mais dois clássicos do Secos e Molhados: "Rosas de Hiroshima" (Gerson Conrad e Vinicius de Moraes) - com arranjo que ajudou a canção, ressaltando sua delicadeza e simplicidade e "Fala" (João Ricardo e Luli), que encerrou a apresentação deixando o público extasiado e mais do que satisfeito.

Ney Matogrosso não se fixa em standards nem nos mesmos compositores - varia o clássico com o novo, o conhecido com o desconhecido. Com esse show provou mais uma vez que tem a capacidade - como todo o grande intérprete - de passear por diferentes correntes musicais ao mesmo tempo em que toma para si as canções, aplicando a elas altas doses da sua própria personalidade.


Rafael Fernandes
São Paulo, 5/7/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? de Gian Danton
02. Game of Thrones, Brasil e Ativismo Social de Guilherme Mendes Pereira
03. A herança e a partilha de Ana Elisa Ribeiro


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2006
01. 10 vídeos musicais no YouTube - 23/8/2006
02. Quem ainda compra música? - 2/8/2006
03. Ana Luiza e Luis Felipe Gama: bela parceria - 13/9/2006
04. Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman - 5/7/2006
05. Uma homenagem a Maysa - 25/4/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/7/2006
11h39min
Na década de 70, quando Os Secos & Molhados caminhavam sobre a Terra começamos a ter noção do que seria a trajetória de Ney Matogrosso. Sem sombra de dúvida, o maior intéprete da MPB na atualidade. Um "deus vivo" que ainda está no meio de nós e merece todo respeito e reverência pelo seu valoroso legado ao Brasil.
[Leia outros Comentários de Elvis Muttti]
11/7/2006
18h42min
Meu Deus... este homem é tão profundo! Assisti ao seu concerto no Festival de Jazz de Montreux (Suiça) e acho realmente que a sua interpretaçao é magnifica. E um concerto que eu nunca vou esquecer na minha vida, tanto que o Ney me fez vibrar.
[Leia outros Comentários de oliveira isabel]
21/7/2006
11h16min
Bela matéria crítica Rafael, fiquei com uma doce inveja de assistir esse show do Ney, a propósito, a combinação da viola caipira com o alaúde se deve por ser a viola caipira também um alaúde, valeu mesmo!
[Leia outros Comentários de André Balbino ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Evolucao dos Seres Vivos
Nelio Bizzo
Atica
(1994)



A Carruagem Alada: Memórias
Maria de Lourdes Teixeira
Pioneira
(1986)



Homeopatia: o Que é e o Que Não é
Gerson Rodrigues Marins
Nacional
(1986)



Outro Diálogo é Possivel na Cooperação Norte - Sul
Varios Autores
Peirópolis
(2003)



Nutrição e Atividade Física
Dilson Kamel / José Kamel
Sprint
(1998)



Bts - Reis do K-pop
Helen Brown
Astral Cultural
(2019)



Livro - Lúcifer - Volume um - a Infernal Comédia - Peço por Comida
Neil Gaiman, Dan Watters, Max Fiumara
Panini
(2019)



Uma Vida Tratando Águas - Memórias do Engenheiro Armando Fonzari Pera
Manoel Henrique Campos Botelho
Engenho
(2000)



Magia do Caminho Real
Anna Sharp
Rosa dos Tempos
(1994)



Guia de Restaurantes Japoneses 2010 (são Paulo Rio e Janeiro
Vários Autores
Jbc
(2010)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês