Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> Los Misterios Rosacruces de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Rosa Cruz de Krumm Heller pela Kier (1944)
>>> Los Raja y Hatha Yogas de Ernesto Wood pela Schapire (1949)
>>> Autodefensa Psiquica de Dion Fortune pela Luiz Cárcamo (1979)
>>> Filosofia Elementar da Rosacruz Moderna de J. Van Rijckenborgh pela Lectorium Rosicrucianum (1975)
>>> Jesus (La Mision de Cristo) de Eduardo Schuré pela Victor Hugo (1944)
>>> Amor e Sabedoria de Emmanuel de Clovis Tavares pela Calvário (1970)
>>> Rosa Esoterica de Krumm Heller pela Kier (1938)
>>> Manual Informativo do Membro da Sociedade Teosófica de Armando Sales pela Sociedade Teosófica (1951)
>>> Cartas da prisão de Frei Betto pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Los Antiguos Simbolos Sagrados de Ralph M. Lewis F.R.C. pela Suprema Gran Logica de Amorc (1950)
>>> El Hijo de Zanoni de Sévaka pela Mexicana (1975)
>>> Em Busca da Verdade de Ruth Montgomery pela Record (1967)
>>> Recolecciones de un Místico ( La Fraternidad Rosacruz) de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Enseñanzas de un Iniciado de Max Heindel pela Kier (1955)
>>> Principios Rosacruces de H. Hogar y los Negocios pela Gran Logica Suprema de Amorc (1929)
>>> Cristificacion Lecciones de Cultura Superior del Alma de R. Swinburne Clymer pela Kier (1946)
>>> Astrodiagnosis guia para la Curacion de Max Heindel pela Kier (1946)
>>> Misterios de las Grandes Operas de Max Heindel pela Kier (1944)
>>> Libertadores da América a Maçonaria e a Emancipação dos povos Americanos de A. Tenório D'Albuquereque pela O Malhete (1959)
>>> Filosofia Rosacruz en perguntas y Respuestas de Max Heindel pela The Rosicrucian
>>> Mensagens de vida de Carlos Augusto pela Celd (1995)
>>> O Espírito de Cornélio Pires de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1966)
>>> Filigranas de Luz de Divaldo P. Franco pela Alvorada (1986)
>>> Gabriel Delame sua vida seu apostolado e sua obra de Paul Bodier pela União Espírita Francesa (2001)
>>> O Espiritismo Aplicado de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2006)
>>> Luz no lar de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1968)
>>> O Evangelho segundo o espiritismo de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1997)
>>> Sobrevivência E comunicabilidade dos Espíritos de Hermínio C. Miranda pela Federação Espírita Brasileira (1975)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (1944)
>>> História das Religiões de Ivan Ap. Manoel e Nainora M.B. de Freitas pela Paulinas (2006)
>>> O Brilho dos pássaros de Carlos Luz pela Nova Era (1996)
>>> Prosperidade fazendo amizade com o dinheiro de Lair Ribeiro pela Objetiva (1992)
>>> Sessões Prática e Doutrinárias do Espiritismo de Aurélio A. Valente pela Federação Espírita Brasileira (1990)
>>> 100 Impulsos positivos para viver melhor de Eduardo Criado pela Folio (1996)
>>> O Avesso de um Balzac Contemporâneo de Osmar Ramos Filho pela Lachârtre (1995)
>>> O Ser Integral o despertar de uma nova era de Orlando Santos Junior pela Royal Court (1996)
>>> A fé crista Normal de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Vencendo os Limites de Elaine de Melo pela Qualitymark (2000)
>>> Ala Sombra de los Monasterios Tibetanos de Jean M. Riviére pela Kier (1986)
>>> A vida Normal da Igreja Crista de Watchman nee pela Living Stream Ministry
>>> Esclarecendo os Jovens de Umberto Ferreira pela Goiânia (1993)
>>> O Vôo mais Alto de Luiz Sérgio pela Edição do Autor (1983)
>>> Evolução Espiritual de Narcí Castro de Souza pela Madras
>>> Copos que Andam de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (1994)
>>> O Mistério do Sobrado de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Petit (2001)
>>> Imagem do eterno de Carmen Cinira Macedo pela Moderna (1989)
>>> A Gêneses de Allan Kardec pela Federação Espírita Brasileira (2000)
>>> Manual de Boas Práticas em Ensaios Clínicos de Conceição Accetturi, David Salomão Lewi e Greyce Balthazar Lousana pela Usp (1997)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/7/2006
Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman
Rafael Fernandes

+ de 7400 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Ney Matogrosso é um dos grandes intérpretes do Brasil. Tem seu espaço na mídia, mas talvez não seja tão comentado e celebrado quanto outros intérpretes: não tem a voz sublime de Milton, não tem a "mítica" de João Gilberto; não compõe, talvez por isso não tenha a unanimidade e "imunidade" de Chico, não tem "volúpia midiática" como Caetano - pronto para aparecer a qualquer hora, não é Ministro. Mas talvez seja o único intérprete no Brasil que consiga unir um bom repertório - sempre escolhido a dedo, voz poderosa, canto seguro e alta carga de performance - visceral e provocativa - em seus shows, muitas vezes "jogando para a torcida" e aproveitando-se dela. Ney Matogrosso é um showman.

Nascido Ney de Souza Pereira em 1º de agosto de 1941 no Mato Grosso do Sul despontou como integrante do grupo Secos e Molhados, que teve trajetória meteórica - lançou apenas dois discos, em 1973 e 1974. Hoje é considerada uma banda cult; tinha como característica composições pop certeiras com altas doses de humor e ingenuidade, com performances ao vivo retumbantes, nas quais seus integrantes se apresentavam com máscaras e fantasias. Ney era o grande destaque com suas atuações lascivas e provocativas. Se hoje esses ingredientes são até clichês na música pop, não eram no Brasil do início dos anos 70, comandado por uma Ditadura e ainda sob o olhar de ferro do AI-5. Imagine a cara do Médici ao ver uma rebolada do Ney Matogrosso.

Por toda sua carreira Ney lançou discos interessantíssimos, tanto com o Secos e Molhados quanto em carreira solo - seja com Bandido de 1976, que já colocava no mesmo balaio Chico Buarque ("Mulheres de Atenas") e Odair José ("Uma canção de Amor") (muito antes desse recente culto ao compositor brega), ou ainda em Ney Matogrosso (1981) - disco com arranjos de César Camargo Mariano, no qual juntou novamente Chico Buarque com Rita Lee, Moraes Moreira e Raul Seixas. Sempre transitou com facilidade entre o pop e a MPB (ô sigla difícil!). Quando se aproximou desta última, em geral teve resultados excelentes, como no fantástico Pescador de Pérolas, de 1986 acompanhado de uma banda composta pelos fora de série Arthur Moreira Lima (piano), Paulo Moura (sax alto e soprano), Raphael Rabello (violão) e Chacal (percussão); ou ainda no antológico À Flor da Pele, de 1990, em duo com Raphael Rabello e, mais recente, em Ney Matogrosso Interpreta Cartola. Em 2004 lançou um dos melhores discos dos últimos anos, Vagabundo, na companhia de Pedro Luís e a Parede. Em 2005 lançou Canto em Qualquer Canto - gravação ao vivo feita no SESC Pinheiros, em São Paulo. Recentemente, encerrou a turnê do disco no Tom Brasil Nações Unidas. O disco é ótimo. Na época de seu lançamento Ney disse que no dia da gravação sua voz não estava no seu melhor e fez reparos em estúdio; ainda assim, reitere-se, o disco é ótimo. Porém, ser um espectador in loco dá outra dimensão ao repertório: o show é pesado, intenso, corporal - ainda que o formato seja mais intimista e só Ney fique de pé - e provocador.

O cantor entrou no palco - com uma camisa brilhante aberta mostrando o peito - sob uma ovação e os costumeiros gritos de "gostoso", "tesão" e afins. No palco, da esquerda para a direita (na visão do público) estavam: Ricardo Silveira (violão e guitarra), mais responsável pela parte melódica nos arranjos; Marcello Gonçalves (violão de 7 cordas) representando o "baixo" nessa formação, fazendo contrapontos graves; Zé Paulo Becker (violão e viola caipira) e Pedro Jóia (violão e alaúde), que foram responsáveis pela parte mais rítmica e harmônica dos arranjos - e todos tiveram espaços para seus solos durante as músicas. No cenário, apenas luzes discretas e uma grande tela ao fundo, que alternava cores e projeções de luz, elegantemente. O que foi visto permeando todo o show: um cantor com sex appeal provocador e que chama a atenção por sua exibição corporal e mesmo nos solos dos músicos ele é o centro das atenções. Mas não é só isso. Há a sua voz, seu canto que tem humor e une vigor e sutileza com destreza.

O show se iniciou como no disco, com a bela "Canto em Qualquer Canto" (Itamar Assumpção e Ná Ozzetti) que pode resumir um pouco o que é Ney ao vivo: "Vim cantar sobre essa terra/ (...) / Trago facão, paixão crua e bons rocks no arquivo/ (...) / Gorjearei pela terra / Para dar e ter alívio/ Gorjeando eu fico nu/ Entre o choro e o riso/ Caso a bela com a fera/ Canto porque é preciso/ (...)/ Pra não perder o juízo"; as três músicas seguintes foram próximas à seqüência do disco - com exceção de "Ardente" (Joyce), que não apareceu no show: a ótima e divertida versão de "Amendoim Torradinho" (Henrique Beltrão); "Bamboleô" (André Filho) - o primeiro "arrasa quarteirão" da noite para o público, que delirou com a performance e "Uma Canção Por Acaso" - bela canção de Pedro Jóia e Tiago Torres da Silva - um dos grandes destaques musicais da noite, com uma bela amostra da capacidade criativa dos músicos: o violão com acento espanhol de Pedro Jóia dialogando com o violão de Zé Paulo Becker; Marcello Gonçalves executando violão de 7 cordas com condução remetendo à escola do choro e Ricardo Silveira fazendo uso de técnica de slide (que é aquele "tubinho" de metal ou vidro que fica no dedo do guitarrista) para adicionar um colorido melódico ao instrumental.

Em seguida, um choro foi executado - a primeira música incluída na apresentação que não está no CD: "Último Desejo", de Noel Rosa, que teve como introdução breve e belo solo Ricardo Silveira, que logo em seguida virou diálogo melódico com Ney. Em "Dos Cruces" (Carmelo Larrea) novamente apareceu um forte acento flamenco - que permeou boa parte do espetáculo, diga-se, resultado da presença de Pedro Jóia, especialista no estilo, que brindou o público com execução vigorosa e precisa de seu violão por todo o show. O repertório seguiu com "Retrato Marrom" (Rodger Rogério/ Fausto Nilo) - que mostrou toda exuberância vocal de Ney - e "Oriente" (Gilberto Gil) - com longa passagem instrumental que proporcionou solos a todos os músicos e mostrou interessante combinação entre alaúde e viola caipira.

Em seguida, foram tocadas "Duas Nuvens" (Pedro Jóia e Tiago Torres da Silva) e "Bandoleiro" (Luli e Lucina), que foi incendiária: o Tom Brasil quase veio abaixo após sua execução. A partir deste momento, o público - que já estava na mão do cantor - foi completamente conquistado. A próxima foi "O Doce e o Amargo" (João Ricardo e Paulinho Mendonça) - um clássico do Secos e Molhados. Em "Lábios de Mel", (Waldir Rocha) Ney Matogrosso deu uma apimentada nessa música de amor de letra boba, proporcionando interessante contraponto entre a ingenuidade da letra e a sensualidade da interpretação. Finalizando o show, vieram boas versões de "Ela e Eu" (Caetano Veloso) e "Tanto Amar" (Chico Buarque). "Já Te Falei" (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Marisa Monte e Dadi Carvalho) - a última antes do bis - é uma canção "tribalista" boba, infantil, quase de "auto-ajuda" e foi talvez a mais fraca do show, ainda mais quando aproximada de músicas de Chico e Caetano; nem o instrumental - caprichado em todas as músicas - se salvou. O bis apresentado foi escolhido para agradar o público e começou com "Poema" (Cazuza e Frejat). Depois, vieram mais dois clássicos do Secos e Molhados: "Rosas de Hiroshima" (Gerson Conrad e Vinicius de Moraes) - com arranjo que ajudou a canção, ressaltando sua delicadeza e simplicidade e "Fala" (João Ricardo e Luli), que encerrou a apresentação deixando o público extasiado e mais do que satisfeito.

Ney Matogrosso não se fixa em standards nem nos mesmos compositores - varia o clássico com o novo, o conhecido com o desconhecido. Com esse show provou mais uma vez que tem a capacidade - como todo o grande intérprete - de passear por diferentes correntes musicais ao mesmo tempo em que toma para si as canções, aplicando a elas altas doses da sua própria personalidade.


Rafael Fernandes
São Paulo, 5/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
03. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
04. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol
05. O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2006
01. 10 vídeos musicais no YouTube - 23/8/2006
02. Quem ainda compra música? - 2/8/2006
03. Ana Luiza e Luis Felipe Gama: bela parceria - 13/9/2006
04. Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman - 5/7/2006
05. Uma homenagem a Maysa - 25/4/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/7/2006
11h39min
Na década de 70, quando Os Secos & Molhados caminhavam sobre a Terra começamos a ter noção do que seria a trajetória de Ney Matogrosso. Sem sombra de dúvida, o maior intéprete da MPB na atualidade. Um "deus vivo" que ainda está no meio de nós e merece todo respeito e reverência pelo seu valoroso legado ao Brasil.
[Leia outros Comentários de Elvis Muttti]
11/7/2006
18h42min
Meu Deus... este homem é tão profundo! Assisti ao seu concerto no Festival de Jazz de Montreux (Suiça) e acho realmente que a sua interpretaçao é magnifica. E um concerto que eu nunca vou esquecer na minha vida, tanto que o Ney me fez vibrar.
[Leia outros Comentários de oliveira isabel]
21/7/2006
11h16min
Bela matéria crítica Rafael, fiquei com uma doce inveja de assistir esse show do Ney, a propósito, a combinação da viola caipira com o alaúde se deve por ser a viola caipira também um alaúde, valeu mesmo!
[Leia outros Comentários de André Balbino ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O BOM LADRÃO
FERNANDO SABINO
TICA / SCIPIONE
(1991)
R$ 4,20



UM MUNDO SEM LIVROS
LUCIUS VINÍCIUS ( ADEILSON SALLES)
FEB
(2009)
R$ 17,00



NAS RUAS DO BRÁS
DRAUZIO VARELLA; MARIA EUGÊNIA
CIA DAS LETRINHAS
(2017)
R$ 38,00



ENSINAR JESUS
LÚCIANA REDAELLI
CBC (SP)
(2001)
R$ 7,28



COLETÂNIA DE LEGISLAÇÃO ADMINISTRATIVA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
ODETE MEDAUAR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2007)
R$ 20,00



OS FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE
EMILIO MIRA Y LOPEZ

R$ 14,00



ENTRE LUTAS, NORMAS E PRECONCEITOS:
ELIETE ANTÔNIA DA SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



A ARTE DE AMAR
CHIARA LUBICH
CIDADE NOVA
(2006)
R$ 15,00



REI LEAR
WILLIAM SHAKESPEARE
MARTIMCLARET
(2004)
R$ 39,90
+ frete grátis



DRAGON BALL EDIÇÃO BRASILEIRA N°31
AKIRA TORIYAMA
CONRAD
(2002)
R$ 10,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês