Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Impressões
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
>>> 12 de Agosto #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/7/2006
Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman
Rafael Fernandes

+ de 8100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Ney Matogrosso é um dos grandes intérpretes do Brasil. Tem seu espaço na mídia, mas talvez não seja tão comentado e celebrado quanto outros intérpretes: não tem a voz sublime de Milton, não tem a "mítica" de João Gilberto; não compõe, talvez por isso não tenha a unanimidade e "imunidade" de Chico, não tem "volúpia midiática" como Caetano - pronto para aparecer a qualquer hora, não é Ministro. Mas talvez seja o único intérprete no Brasil que consiga unir um bom repertório - sempre escolhido a dedo, voz poderosa, canto seguro e alta carga de performance - visceral e provocativa - em seus shows, muitas vezes "jogando para a torcida" e aproveitando-se dela. Ney Matogrosso é um showman.

Nascido Ney de Souza Pereira em 1º de agosto de 1941 no Mato Grosso do Sul despontou como integrante do grupo Secos e Molhados, que teve trajetória meteórica - lançou apenas dois discos, em 1973 e 1974. Hoje é considerada uma banda cult; tinha como característica composições pop certeiras com altas doses de humor e ingenuidade, com performances ao vivo retumbantes, nas quais seus integrantes se apresentavam com máscaras e fantasias. Ney era o grande destaque com suas atuações lascivas e provocativas. Se hoje esses ingredientes são até clichês na música pop, não eram no Brasil do início dos anos 70, comandado por uma Ditadura e ainda sob o olhar de ferro do AI-5. Imagine a cara do Médici ao ver uma rebolada do Ney Matogrosso.

Por toda sua carreira Ney lançou discos interessantíssimos, tanto com o Secos e Molhados quanto em carreira solo - seja com Bandido de 1976, que já colocava no mesmo balaio Chico Buarque ("Mulheres de Atenas") e Odair José ("Uma canção de Amor") (muito antes desse recente culto ao compositor brega), ou ainda em Ney Matogrosso (1981) - disco com arranjos de César Camargo Mariano, no qual juntou novamente Chico Buarque com Rita Lee, Moraes Moreira e Raul Seixas. Sempre transitou com facilidade entre o pop e a MPB (ô sigla difícil!). Quando se aproximou desta última, em geral teve resultados excelentes, como no fantástico Pescador de Pérolas, de 1986 acompanhado de uma banda composta pelos fora de série Arthur Moreira Lima (piano), Paulo Moura (sax alto e soprano), Raphael Rabello (violão) e Chacal (percussão); ou ainda no antológico À Flor da Pele, de 1990, em duo com Raphael Rabello e, mais recente, em Ney Matogrosso Interpreta Cartola. Em 2004 lançou um dos melhores discos dos últimos anos, Vagabundo, na companhia de Pedro Luís e a Parede. Em 2005 lançou Canto em Qualquer Canto - gravação ao vivo feita no SESC Pinheiros, em São Paulo. Recentemente, encerrou a turnê do disco no Tom Brasil Nações Unidas. O disco é ótimo. Na época de seu lançamento Ney disse que no dia da gravação sua voz não estava no seu melhor e fez reparos em estúdio; ainda assim, reitere-se, o disco é ótimo. Porém, ser um espectador in loco dá outra dimensão ao repertório: o show é pesado, intenso, corporal - ainda que o formato seja mais intimista e só Ney fique de pé - e provocador.

O cantor entrou no palco - com uma camisa brilhante aberta mostrando o peito - sob uma ovação e os costumeiros gritos de "gostoso", "tesão" e afins. No palco, da esquerda para a direita (na visão do público) estavam: Ricardo Silveira (violão e guitarra), mais responsável pela parte melódica nos arranjos; Marcello Gonçalves (violão de 7 cordas) representando o "baixo" nessa formação, fazendo contrapontos graves; Zé Paulo Becker (violão e viola caipira) e Pedro Jóia (violão e alaúde), que foram responsáveis pela parte mais rítmica e harmônica dos arranjos - e todos tiveram espaços para seus solos durante as músicas. No cenário, apenas luzes discretas e uma grande tela ao fundo, que alternava cores e projeções de luz, elegantemente. O que foi visto permeando todo o show: um cantor com sex appeal provocador e que chama a atenção por sua exibição corporal e mesmo nos solos dos músicos ele é o centro das atenções. Mas não é só isso. Há a sua voz, seu canto que tem humor e une vigor e sutileza com destreza.

O show se iniciou como no disco, com a bela "Canto em Qualquer Canto" (Itamar Assumpção e Ná Ozzetti) que pode resumir um pouco o que é Ney ao vivo: "Vim cantar sobre essa terra/ (...) / Trago facão, paixão crua e bons rocks no arquivo/ (...) / Gorjearei pela terra / Para dar e ter alívio/ Gorjeando eu fico nu/ Entre o choro e o riso/ Caso a bela com a fera/ Canto porque é preciso/ (...)/ Pra não perder o juízo"; as três músicas seguintes foram próximas à seqüência do disco - com exceção de "Ardente" (Joyce), que não apareceu no show: a ótima e divertida versão de "Amendoim Torradinho" (Henrique Beltrão); "Bamboleô" (André Filho) - o primeiro "arrasa quarteirão" da noite para o público, que delirou com a performance e "Uma Canção Por Acaso" - bela canção de Pedro Jóia e Tiago Torres da Silva - um dos grandes destaques musicais da noite, com uma bela amostra da capacidade criativa dos músicos: o violão com acento espanhol de Pedro Jóia dialogando com o violão de Zé Paulo Becker; Marcello Gonçalves executando violão de 7 cordas com condução remetendo à escola do choro e Ricardo Silveira fazendo uso de técnica de slide (que é aquele "tubinho" de metal ou vidro que fica no dedo do guitarrista) para adicionar um colorido melódico ao instrumental.

Em seguida, um choro foi executado - a primeira música incluída na apresentação que não está no CD: "Último Desejo", de Noel Rosa, que teve como introdução breve e belo solo Ricardo Silveira, que logo em seguida virou diálogo melódico com Ney. Em "Dos Cruces" (Carmelo Larrea) novamente apareceu um forte acento flamenco - que permeou boa parte do espetáculo, diga-se, resultado da presença de Pedro Jóia, especialista no estilo, que brindou o público com execução vigorosa e precisa de seu violão por todo o show. O repertório seguiu com "Retrato Marrom" (Rodger Rogério/ Fausto Nilo) - que mostrou toda exuberância vocal de Ney - e "Oriente" (Gilberto Gil) - com longa passagem instrumental que proporcionou solos a todos os músicos e mostrou interessante combinação entre alaúde e viola caipira.

Em seguida, foram tocadas "Duas Nuvens" (Pedro Jóia e Tiago Torres da Silva) e "Bandoleiro" (Luli e Lucina), que foi incendiária: o Tom Brasil quase veio abaixo após sua execução. A partir deste momento, o público - que já estava na mão do cantor - foi completamente conquistado. A próxima foi "O Doce e o Amargo" (João Ricardo e Paulinho Mendonça) - um clássico do Secos e Molhados. Em "Lábios de Mel", (Waldir Rocha) Ney Matogrosso deu uma apimentada nessa música de amor de letra boba, proporcionando interessante contraponto entre a ingenuidade da letra e a sensualidade da interpretação. Finalizando o show, vieram boas versões de "Ela e Eu" (Caetano Veloso) e "Tanto Amar" (Chico Buarque). "Já Te Falei" (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Marisa Monte e Dadi Carvalho) - a última antes do bis - é uma canção "tribalista" boba, infantil, quase de "auto-ajuda" e foi talvez a mais fraca do show, ainda mais quando aproximada de músicas de Chico e Caetano; nem o instrumental - caprichado em todas as músicas - se salvou. O bis apresentado foi escolhido para agradar o público e começou com "Poema" (Cazuza e Frejat). Depois, vieram mais dois clássicos do Secos e Molhados: "Rosas de Hiroshima" (Gerson Conrad e Vinicius de Moraes) - com arranjo que ajudou a canção, ressaltando sua delicadeza e simplicidade e "Fala" (João Ricardo e Luli), que encerrou a apresentação deixando o público extasiado e mais do que satisfeito.

Ney Matogrosso não se fixa em standards nem nos mesmos compositores - varia o clássico com o novo, o conhecido com o desconhecido. Com esse show provou mais uma vez que tem a capacidade - como todo o grande intérprete - de passear por diferentes correntes musicais ao mesmo tempo em que toma para si as canções, aplicando a elas altas doses da sua própria personalidade.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 5/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aos nossos olhos (e aos de Ernesto) de Ana Elisa Ribeiro
02. A medida do sucesso de Fabio Gomes
03. Eddie Van Halen (1955-2020) de Julio Daio Borges
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
05. Na hora do batismo de Marta Barcellos


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2006
01. 10 vídeos musicais no YouTube - 23/8/2006
02. Quem ainda compra música? - 2/8/2006
03. Ana Luiza e Luis Felipe Gama: bela parceria - 13/9/2006
04. Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman - 5/7/2006
05. Uma homenagem a Maysa - 25/4/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/7/2006
11h39min
Na década de 70, quando Os Secos & Molhados caminhavam sobre a Terra começamos a ter noção do que seria a trajetória de Ney Matogrosso. Sem sombra de dúvida, o maior intéprete da MPB na atualidade. Um "deus vivo" que ainda está no meio de nós e merece todo respeito e reverência pelo seu valoroso legado ao Brasil.
[Leia outros Comentários de Elvis Muttti]
11/7/2006
18h42min
Meu Deus... este homem é tão profundo! Assisti ao seu concerto no Festival de Jazz de Montreux (Suiça) e acho realmente que a sua interpretaçao é magnifica. E um concerto que eu nunca vou esquecer na minha vida, tanto que o Ney me fez vibrar.
[Leia outros Comentários de oliveira isabel]
21/7/2006
11h16min
Bela matéria crítica Rafael, fiquei com uma doce inveja de assistir esse show do Ney, a propósito, a combinação da viola caipira com o alaúde se deve por ser a viola caipira também um alaúde, valeu mesmo!
[Leia outros Comentários de André Balbino ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Introdução a Psicologia Fenomenologica
Ernest Keen
Interamericana
(1979)



Tecnologia da Educação e Comunicação de Massa
Samuel Pfromm Netto
Pioneira
(1976)



Bioestatística: Tópicos Avançados
Sonia Vieira 2ª Edição
Campus
(2004)



National Archaeological Museum: a Prehistoric Collections
G. Papathanasopoulos; A. Sakellariou
Dept of Antiquities and Restor
(1970)



Dilúvio - Teardrop 2
Lauren Kate
Galera
(2015)



Parque Górki
Martin Cruz Smith
Círculo do Livro
(1984)



O Caçador de Pipas
Khaled Hosseini
Nova Fronteira
(2006)



Segundo Livro de Francisco
Yeda Maria Bastos (texto)
Não Identificada



Como Descobrir Sua Genialidade
Michel J. Gelb
Agir
(2003)



Pequena Abelha
Chris Cleave
Intrínseca
(2010)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês