Cidade limpinha | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
>>> Eu Mataria o Presidente de Adelaide Carraro pela L.oren (1970)
>>> A Obra de Olmar Guterres da Silveira de Horácio Rolim de Freitas pela Metáfora (1996)
>>> I Survived the California Wildfires, 2018 de Lauren Tarshis pela Scholastic Books (2020)
>>> Dicionário dos animais do Brasil de Rodolpho von Ihering pela Difel (2002)
>>> Primo Altamirando e elas de Stanislaw Ponte Preta pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Elvis O Rei de Las Vegas Essencial para fãs Vol 1 de Waldenir Cecon pela Elvis Presley´s World Fan Club (2005)
>>> Mulherzinhas de Louise May Alcott pela Companhia Nacional (1973)
>>> Marketing na Odontologia: Estratégias Para o Sucesso de Marcia Nana pela Medbook (2013)
>>> Pentimento de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Vicio E Corrupção No III Reich de Rouben Frank Lucke pela Grafipar (1979)
>>> O mistério do escudo de ouro de Odette de Barros Mott pela Brasiliense (1975)
>>> Desencana Que a Vida Engana de Laís Tapajós pela Globo (1995)
>>> Os rebeldes de Mary Canon pela Nova Cultural (1981)
>>> Diário das Solteiras (Quase) Felizes de Sandra Mazotti pela SVB Edição & Arte (2006)
>>> Atraídos pelo Destino de Millie Criswell pela Harlequin (2003)
>>> O Combate do Inverno de Jean Claude Mourlevat pela Rocco (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 5/7/2007
Cidade limpinha
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3500 Acessos
+ 4 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Igreja evangélica árabe, voltaram afinal teus graciosos arabescos (depois do cartaz gigante que te ocultavas)?

Fachadas pobrinhas da Teodoro Sampaio, reapareceram às pressas os entalhes sutis de mil novecentos e bolinha?

E o respiro de vidro dos bares e pequenos comércios, novamente trazem os estabelecimentos enegrecidos pelo tempo à luz?

Fazeis falta, ó outdoors, nas marginais cinzentas (ao menos as escolas públicas voltaram a ter rosto)?

Playcenter, estás desnudo sem as estratosféricas publicidades, verdadeiras hipnoses para a população?

Conjunto Nacional, teu relógio conseguirá autorização por liminar judicial?

E se tudo ficasse mais higiênico, mais Oscar Freire e sua fiação subterrânea, mais Higienópolis com seus quarteirões folhudos-úmidos?

São tantas as vozes, os apelos - que não se acabem - que se acabem - mantenham a identidade visual - preservem as fachadas hoje para o amanhã - satisfeitos e insatisfeitos, saibam que a cidade é de todos - mas cadê o respeito?

Que medida é essa que restringe os corações de 1,5m2 a 4m2?

Botas pontudas da Cicarelli, por que saístes de circulação (antes uma grande minhoca do que um placar tapando os prédios histéricos desta cidade)?

E o mega-anúncio da Hope Clean, colírio dos motoristas, agora perdidos nas curvas do centro da cidade?

Vou acabar também com o cheiro de urina que nauseia a cidade/ preservar os chicletes/ fósseis pretos/ documentais dos hábitos paulistanos/ extirpar os rosas e verdes/ frescos de saliva juvenil// interditem as pontes/ levem daqui os caminhões de água reutilizável santo elias/ tudo tem uma serventia/ votem em mim

E os grafites, arte das ruas, continuam a ser apagados impunemente dos viadutos, enquanto seus artistas ganham reconhecimento internacional?

Onde está a pintura no prédio em frente à Casa das Rosas, esta localizada na Avenida Paulista número 37? No imaginário prédio espelhado se via o reflexo não só da Casa, como também das outras casas, luz de cem anos atrás. Se alguém souber quem é autor daquela obra de assinatura pouco trivial, favor entrar em contato.

E se desatássemos os nós e fios cruzados da malha urbana, ainda haveria aconchego? O paulistano se encontra no emaranhado dos gatos, então, de que adianta uma

Cidade limpinha/ recendendo a pinho/ cidade remontanda/ lego a lego/ pastilhas e ladrilhos/ num desenho neoclássico

E se a publicidade boiasse no espaço ou num tapete mágico? Talvez o panorama dos canos de metal monstruosos, antes pescoços que saem de dentro de oficinas mecânicas, lápide de casas abandonadas nas esquinas das avenidas mais movimentadas, estruturas que ainda sobrevivem apesar de esqueléticas onde quer que haja espaço para uma mirada.

E se ninguém reparar nas mudanças das fotos antes e depois? No entanto, dizem os fashionistas que o look está mais natural. Pouco perfume, maquiagem clean, visual básico. Assim não tem como errar. Não?

Que medidas eram aquelas que vendavam os olhos e congelavam os sentidos?

Vejais as novas placas das ruas, facilitam a leitura com sua fonte alongada e legível à distância. As do centro, branquinhas, auxiliam no combate à poluição visual.

É necessário também uma limpeza nas copas majestosas, extirpar as raízes sobressalentes, costurar as bocas cariadas.

Em poucos anos todas as ruas ganharão um recapeamento, fora paralelepípedos e sua vegetação rasteira!

Vou exterminar os gritos e lamentos dos cidadãos/ embora a feira seja livre/ não me venham com choramingas/ esta cidade foi construída por cabras machos/

O caminhão-guindaste retira WAL-MART como se fossem letrinhas e tudo mais uma brincadeira. Cada unidade amarela deixa um espaço de contornos pretos, onde ainda se lê wal-mart. Limpeza que deixa resíduos, poeira que sobra debaixo do tapete...

Na surdina da madrugada/ placas são retiradas/ transformadas, no dia seguinte, a avenida/ retocada/

será miragem?/ tudo sumiu/ está desencontrado

Nem tudo/ se restam impugnáveis/ informativos/ Governo do Estado/ trabalhando/ veja, estamos trabalhando/ realmente vós precisais acreditar/ prefeitura trabalhando/ homens trabalhando/ nem todas as placas/ serão retiradas?

Na cidade do gigantismo, tudo se minimaliza. Já ouviram dizer que a tendência da próxima estação é um verão triste?

Contagem regressiva/ as garras de metal se aproximam/ elas irão devorar todos os painéis/ solares ou não/ outdoors ou plotados/ ninguém está a salvo/ mas a impunidade morreu/

dos homens-sanduíche só vai sobrar o homem, talvez.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 5/7/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O governo de uns, o governo de outros de Tatiana Mota
02. Estereótipos do Twitter (e do Foursquare) de Fernanda Prates
03. As cidades e as musas de Ana Elisa Ribeiro
04. Minha história com Guimarães Rosa de Julio Daio Borges
05. Orkut, ame-o ou deixe-o de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2007
01. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
02. Casa cor-de-rosa - 8/11/2007
03. A Via Láctea de Lina Chamie - 27/12/2007
04. Meninas eu vi - 26/4/2007
05. A brasileira - 22/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/6/2007
15h16min
Um texto poético sempre provoca uma pausa no nosso pensamento indisciplinado e constante. É um dos atributos da poesia. Nessa pausa a gente se situa de novo, talvez, para lembrar bobagens como: lembrei que gosto de outdoors e grafites. Urbi et orbi, uma mensagem urbana para um cara urbano. Elisa, muito bonito o texto.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
6/7/2007
11h01min
Você descreveu de forma brilhante o que vem acontecendo nessa cidade maravilhosa. Parabéns
[Leia outros Comentários de Neto]
16/7/2007
10h59min
Parabéns, Elisa!!! Voce retratou o novo visual da nossa cidade com extrema clareza, e simplicidade, "good job", voce me fez "ver" e me emocionar em saber que estao tratando com mais justiça, amor e carinho a cidade que tanto amo. Mais uma vez, voce fez um excelente trabalho! Margarida
[Leia outros Comentários de Margarida de Castro]
28/7/2007
23h50min
Elisa, que belo retrato de nossa cidade-caleidoscópio! Chamou-me a atenção uma das preciosidades recuperadas: "os entalhes sutis de mil novecentos e bolinha". Ah! Como já perambulei por ruas paradas no tempo e no espaço, examinando fachadas, à procura dos "entalhes sutis", admirando-as e imaginando de onde teriam vindo seus autores, esses artesãos/artistas, que também se perderam, no tempo e no espaço... Como gostaria de ver preservada essa memória, ainda que virtualmente!
[Leia outros Comentários de Eiji Arata]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ser Mãe é Sorrir Em Parafuso
Lô Galasso
Integrare
(2007)



O Imperio dos Sentimentos e a Ditadura do Prazer
Bayard Galvão
Sobre o Viver
(2007)



Receitas de Pratos Que Combinam Com Cerveja
Maria José Rios e Lizete Teles de Menezes
Marco Zero
(1992)



Sociologia Guia Alfabético
Jean Duvignaud
Forense Universitária
(1974)



Manifesto do Nada na Terra do Nunca
Lobão
Nova Fronteira
(2013)



Die Italienische Begeisterung: Roman
Gerd Peter Eigner (capa Dura)
Kiepenheuer e Witsch
(2008)



Negociando Racionalmente
Max H Bazerman
Atlas
(2008)



A Raça Santa Gertrudes
Alberto Alves Santiago
Inst de Zootecnia (sp)
(1974)



O Fundo Falso Pesquisas: a Ciência das Verdades Torcidas
Cynthia Crossen
Revan
(1996)



Os Planos da Vida
Kate Lúcia Portela
Ide
(2007)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês