Uma homenagem a Maysa | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 25/4/2006
Uma homenagem a Maysa
Rafael Fernandes

+ de 6600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Na sexta-feira, 10 de abril de 2006, deu-se início, no SESC Pompéia, a um fim de semana de apresentações em homenagem à cantora Maysa. Iniciativa do SESC-SP em parceria com a produtora Maritaca, os shows tiveram direção musical da flautista e compositora Léa Freire, com alguns arranjos da própria e outros de Laércio de Freitas, Tiago Costa, Edson Alves, Proveta, Tibô Delor, Bocato e Teco Cardoso. Ou seja, parte da nata da nata dos músicos brasileiros. Para completar, uma competente banda composta de piano, guitarra, baixo acústico, bateria, quarteto de cordas e naipe de metal com cinco integrantes - todos músicos da mais alta qualidade. E finalizando alto nível, apresentação de Miele e participação de intérpretes convidados de diferentes épocas e "praias" musicais: Pery Ribeiro, Paulinho Moska, Virgínia Rodrigues e Paula Lima. Imperdível.

Antes de falar do show em si, foquemos nos dois personagens da noite: o coadjuvante, a Maritaca, e a protagonista, Maysa. A Maritaca é uma produtora que, via shows e lançamentos de discos, fortalece o mercado da música brasileira de qualidade - com foco na música instrumental. Sim, música brasileira de qualidade. Porque paremos com essa ladainha de que qualidade é discutível, porque em certos pontos não é, e esse é o caso dos lançamentos e shows promovidos pela Maritaca. A gravadora tem lançado discos instrumentais antológicos de músicos brasileiros do mais alto gabarito, focando tanto em músicos experientes como em mais novos, com interpretações de clássicos da música nacional e novas canções, primando por arranjos e qualidade artística de primeira linha.

Maysa, a grande estrela da noite, homenageada por uma constelação de músicos, nasceu Maysa Figueira Monjardim em 1936, falecendo num acidente de carro na ponte Rio Niterói em 1977. Em 1956 lançou seu primeiro disco, Convite para ouvir Maysa. Sua vida ficou marcada não só pela música, mas também por tórridos romances e por problemas com bebida. Porém, o que fica para nós é a música e Maysa foi uma estrela com ascensão meteórica; privilegiava "músicas de fossa", como "Meu mundo Caiu", de sua própria autoria, mas sem abdicar de outros estilos. Foi uma das primeiras cantoras a gravar bossa e, por ter começado a carreira em meados dos anos 50 e também ter gravado clássicos pré-bossa como "A mesma rosa amarela" (Capiba e Carlos Pena Filho), pode ser considerada uma das "pontes" entre a música brasileira pré-bossa e pós-bossa. Gravou músicas de tendências variadas, muitas vezes transitando sem cerimônia entre o dramalhão e a elegância; lançou novos compositores e abdicou de formar uma família para dedicar-se à sua carreira, sempre com independência. E tudo isso numa época (mais) machista. Não foi pouco.

Voltemos ao show, que começou com alguns deslizes dos músicos, com necessidade de repetição de introduções e uma Virgínia Rodrigues aparentando estar um pouco insegura. Nada que comprometesse e nada como um par de músicas para ajeitar tudo. Virgínia foi se soltando e se destacou "Escuta Noel", de Maysa e "Preciso Aprender a Ser Só", de Marcos e Paulo Sérgio Valle.

Em seguida veio Paulinho Moska que, mesmo estando mais habituado ao universo pop, fez uma performance surpreendente e bastante segura, levantando o público principalmente em "A mesma rosa amarela", com ótimo arranjo de Lea Freire. Soube respeitar a beleza de "Por Causa de Você" (Tom Jobim e Dolores Duran) e a delicadeza da improvável parceria de Vinícius de Moraes e Adoniran Barbosa em "Bom Dia, Tristeza".

Dando seqüência ao entusiasmo do público, uma estonteante Paula Lima interpretou uma estonteante versão de "Dindi" (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira), certamente uma das melhores da noite. Também cativou a platéia em mais uma música de autoria da própria Maysa, "Resposta", com brilhante arranjo de Tiago Costa. Paula Lima conseguiu suplantar os maneirismos black que às vezes a prejudicam (e que parece ser mania em algumas cantoras nacionais) e conseguiu performances exatas e elegantes, como as músicas pediam.

Entrecortando os shows, Miele apresentava os convidados e contava algumas histórias, alguns "causos", tal qual chegou a fazer em diversos shows com Maysa. Apesar de um pouco tenso no início e inseguro principalmente quando tinha que ler suas anotações, Miele aos poucos se soltou e quando foi o Miele de sempre arrasou - incluindo hilária imitação de uma conversa entre Tom e Vinícius. Dentre as histórias contadas, destacaram-se a de quando Ronaldo Bôscoli largou Maysa em São Paulo para ir ao Rio, mas logo voltou - algemado - para ela. Falando em Bôscoli, lendária também foi a parceria Miele-Bôscoli, que rendeu histórias engraçadas, principalmente referentes à constante confusão de que o "Miele-Bôscoli" seria um sobrenome. Miele também lembrou de quando Tom Jobim mostrou despretensiosamente a música "Por causa de você" a Dolores Duran, que escreveu uma letra no ato, sem saber que já havia uma outra, de autoria de Vinícius de Moraes. Tom, sem graça, contou a história a Vinicius que pediu para ler a criação de Dolores, para, em seguida, rasgar sua própria, deixando para a canção a letra dela.

Finalizando a participação dos convidados, Pery Ribeiro (de genes musicais, filho da cantora Dalva de Oliveira e do compositor Herivelto Martins) - o primeiro a gravar "Garota de Ipanema", nas palavras de Miele (tal gravação data de 1963) - subiu elegante ao palco e do alto de seus 69 anos apresentou-se com grande entusiasmo. A ele ficou destinada a missão de cantar alguns dos principais sucessos de Maysa: "Ouça" (Maysa); "Ne Me Quitte Pas", de Jacques Brel, num arranjo à prova de cafonice de Tibô Delor; "Demais" (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira) e um dos maiores clássicos da bossa nova (sabe-se lá por quê), "O Barquinho", de Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli.

Para encerrar o show, todos voltaram ao palco e cantaram "Se Todos Fossem Iguais a Você", uma das mais famosas parcerias de Vinícius de Moraes e Tom Jobim. Ao final dessa música, Miele voltou ao palco e se desculpou pelos deslizes e pela falta de um bis, que, segundo ele, não foi ensaiado por falta de tempo. Nem precisava se desculpar.

Em 2007 completar-se-ão 30 anos da morte de Maysa. Essa homenagem, um ano antes, vem a calhar. Bom saber que ainda existem homenagens que não precisam de datas redondas para acontecer. Esperamos que, para as figuras que marcaram positivamente o Brasil, haja homenagens e lembranças em qualquer época, com respeito, mas sem demagogia ou ufanismo.

Nota do Editor
Todas as fotos são de autoria de Fernando Sciarra.


Rafael Fernandes
São Paulo, 25/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
02. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
03. Um Oscar para Stallone de Luís Fernando Amâncio
04. No encalço do Natal de Elisa Andrade Buzzo
05. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2006
01. 10 vídeos musicais no YouTube - 23/8/2006
02. Quem ainda compra música? - 2/8/2006
03. Ana Luiza e Luis Felipe Gama: bela parceria - 13/9/2006
04. Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman - 5/7/2006
05. Uma homenagem a Maysa - 25/4/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/4/2006
23h19min
Caro Rafael, concordo com você. Sou frequentadora do SESC/SP e tenho, a cada dia, boas e gratas surpresas. Mas este show OBRA VIVA MAYSA, dirigido por Léa Freire, foi o espetáculo mais amoroso, fiel e digno da homenageada. Fui à apresentação da sexta-feira, 8/4, e toda a platéia se emocionou com Virginia Rosa e seu tom grave, em oração por Maysa; a funkeira Paula Lima e sua generosa entonação comedida e bilhante como os olhos de Maysa; Moska e seu jeito brejeiro de quem nada quer, (en)cantou a mulher Maysa; e Peri Ribeiro, eterno apaixonado tinha todo o direito de levar o barquinho até o rio de lágrimas que arrancou de cada um que amou Maysa. Miéle, como sempre, contou casos entre muchochos e trovoadas, dos quais Maysa certamente deu de ombros, entre um e outro sorriso, lá do céu em que se encontra. Parabéns a todos os músicos da orquestra e aos cantores. Parabéns à Léa que soube tão bem encaixar música e tonalidade a cada convidado. Saí de lá bêbada - de felicidade!
[Leia outros Comentários de Elizabeth Salgado ]
19/8/2007
17h43min
Estou de pleno acordo. Somente hoje descobri este site, quero dar os parabéns a todos que lá estiveram. Maysa foi, é e será sempre MAYSA!
[Leia outros Comentários de margarida valenzi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NUNCA VIU NÃO?
MARCIA LEITE
ATUAL
(1993)
R$ 8,00



A HUMANOECONOMIA
EUGEN LOEBL
JOSÉ OLYMPIO
(1978)
R$ 4,00



ELEMENTOS DO DIREITO - PROCESSO PENAL
ÂNGELA CRISTINA CANGIANO MACHADO E OUTROS
SICILIANO JURÍDICO
(2003)
R$ 10,00



MATRIMÔNIO E DIVÓRCIO NA IGREJA CATÓLICA
BERNARDINO LEERS
VOZES
(1978)
R$ 8,00



A MORTE EM VENEZA- TÔNIO KROEGER
THOMAS MANN
ABRIL
(1971)
R$ 9,00



EVERY MAN FOR HIMSELF HIMSELF
BERYL BAINBRIDGE
GERALD DUCKWORTH & CO LTD
(1996)
R$ 6,25



CHILDRENS STORIES FROM DIKENS
MARY ANGELA DICKENS
DERRYDALE
(1993)
R$ 12,50



CORRENTES DO DESTINO - 1ª ED.
CÉLIA XAVIER DE CAMARGO / MARIA CECÍLIA ALVES
PETIT
(2009)
R$ 17,00



DESERDAÇÃO E INDIGNIDADE NO DIREITO SUCESSÓRIO BRASILEIRO
SALOMÃO DE ARAÚJO CATEB
DEL REY
(2004)
R$ 39,00



AUTO ESPORTE NOVO COROLLA Nº569
VARIOS AUTORES
GLOBO
(2012)
R$ 7,99





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês