Uma homenagem a Maysa | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 25/4/2006
Uma homenagem a Maysa
Rafael Fernandes

+ de 6400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Na sexta-feira, 10 de abril de 2006, deu-se início, no SESC Pompéia, a um fim de semana de apresentações em homenagem à cantora Maysa. Iniciativa do SESC-SP em parceria com a produtora Maritaca, os shows tiveram direção musical da flautista e compositora Léa Freire, com alguns arranjos da própria e outros de Laércio de Freitas, Tiago Costa, Edson Alves, Proveta, Tibô Delor, Bocato e Teco Cardoso. Ou seja, parte da nata da nata dos músicos brasileiros. Para completar, uma competente banda composta de piano, guitarra, baixo acústico, bateria, quarteto de cordas e naipe de metal com cinco integrantes - todos músicos da mais alta qualidade. E finalizando alto nível, apresentação de Miele e participação de intérpretes convidados de diferentes épocas e "praias" musicais: Pery Ribeiro, Paulinho Moska, Virgínia Rodrigues e Paula Lima. Imperdível.

Antes de falar do show em si, foquemos nos dois personagens da noite: o coadjuvante, a Maritaca, e a protagonista, Maysa. A Maritaca é uma produtora que, via shows e lançamentos de discos, fortalece o mercado da música brasileira de qualidade - com foco na música instrumental. Sim, música brasileira de qualidade. Porque paremos com essa ladainha de que qualidade é discutível, porque em certos pontos não é, e esse é o caso dos lançamentos e shows promovidos pela Maritaca. A gravadora tem lançado discos instrumentais antológicos de músicos brasileiros do mais alto gabarito, focando tanto em músicos experientes como em mais novos, com interpretações de clássicos da música nacional e novas canções, primando por arranjos e qualidade artística de primeira linha.

Maysa, a grande estrela da noite, homenageada por uma constelação de músicos, nasceu Maysa Figueira Monjardim em 1936, falecendo num acidente de carro na ponte Rio Niterói em 1977. Em 1956 lançou seu primeiro disco, Convite para ouvir Maysa. Sua vida ficou marcada não só pela música, mas também por tórridos romances e por problemas com bebida. Porém, o que fica para nós é a música e Maysa foi uma estrela com ascensão meteórica; privilegiava "músicas de fossa", como "Meu mundo Caiu", de sua própria autoria, mas sem abdicar de outros estilos. Foi uma das primeiras cantoras a gravar bossa e, por ter começado a carreira em meados dos anos 50 e também ter gravado clássicos pré-bossa como "A mesma rosa amarela" (Capiba e Carlos Pena Filho), pode ser considerada uma das "pontes" entre a música brasileira pré-bossa e pós-bossa. Gravou músicas de tendências variadas, muitas vezes transitando sem cerimônia entre o dramalhão e a elegância; lançou novos compositores e abdicou de formar uma família para dedicar-se à sua carreira, sempre com independência. E tudo isso numa época (mais) machista. Não foi pouco.

Voltemos ao show, que começou com alguns deslizes dos músicos, com necessidade de repetição de introduções e uma Virgínia Rodrigues aparentando estar um pouco insegura. Nada que comprometesse e nada como um par de músicas para ajeitar tudo. Virgínia foi se soltando e se destacou "Escuta Noel", de Maysa e "Preciso Aprender a Ser Só", de Marcos e Paulo Sérgio Valle.

Em seguida veio Paulinho Moska que, mesmo estando mais habituado ao universo pop, fez uma performance surpreendente e bastante segura, levantando o público principalmente em "A mesma rosa amarela", com ótimo arranjo de Lea Freire. Soube respeitar a beleza de "Por Causa de Você" (Tom Jobim e Dolores Duran) e a delicadeza da improvável parceria de Vinícius de Moraes e Adoniran Barbosa em "Bom Dia, Tristeza".

Dando seqüência ao entusiasmo do público, uma estonteante Paula Lima interpretou uma estonteante versão de "Dindi" (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira), certamente uma das melhores da noite. Também cativou a platéia em mais uma música de autoria da própria Maysa, "Resposta", com brilhante arranjo de Tiago Costa. Paula Lima conseguiu suplantar os maneirismos black que às vezes a prejudicam (e que parece ser mania em algumas cantoras nacionais) e conseguiu performances exatas e elegantes, como as músicas pediam.

Entrecortando os shows, Miele apresentava os convidados e contava algumas histórias, alguns "causos", tal qual chegou a fazer em diversos shows com Maysa. Apesar de um pouco tenso no início e inseguro principalmente quando tinha que ler suas anotações, Miele aos poucos se soltou e quando foi o Miele de sempre arrasou - incluindo hilária imitação de uma conversa entre Tom e Vinícius. Dentre as histórias contadas, destacaram-se a de quando Ronaldo Bôscoli largou Maysa em São Paulo para ir ao Rio, mas logo voltou - algemado - para ela. Falando em Bôscoli, lendária também foi a parceria Miele-Bôscoli, que rendeu histórias engraçadas, principalmente referentes à constante confusão de que o "Miele-Bôscoli" seria um sobrenome. Miele também lembrou de quando Tom Jobim mostrou despretensiosamente a música "Por causa de você" a Dolores Duran, que escreveu uma letra no ato, sem saber que já havia uma outra, de autoria de Vinícius de Moraes. Tom, sem graça, contou a história a Vinicius que pediu para ler a criação de Dolores, para, em seguida, rasgar sua própria, deixando para a canção a letra dela.

Finalizando a participação dos convidados, Pery Ribeiro (de genes musicais, filho da cantora Dalva de Oliveira e do compositor Herivelto Martins) - o primeiro a gravar "Garota de Ipanema", nas palavras de Miele (tal gravação data de 1963) - subiu elegante ao palco e do alto de seus 69 anos apresentou-se com grande entusiasmo. A ele ficou destinada a missão de cantar alguns dos principais sucessos de Maysa: "Ouça" (Maysa); "Ne Me Quitte Pas", de Jacques Brel, num arranjo à prova de cafonice de Tibô Delor; "Demais" (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira) e um dos maiores clássicos da bossa nova (sabe-se lá por quê), "O Barquinho", de Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli.

Para encerrar o show, todos voltaram ao palco e cantaram "Se Todos Fossem Iguais a Você", uma das mais famosas parcerias de Vinícius de Moraes e Tom Jobim. Ao final dessa música, Miele voltou ao palco e se desculpou pelos deslizes e pela falta de um bis, que, segundo ele, não foi ensaiado por falta de tempo. Nem precisava se desculpar.

Em 2007 completar-se-ão 30 anos da morte de Maysa. Essa homenagem, um ano antes, vem a calhar. Bom saber que ainda existem homenagens que não precisam de datas redondas para acontecer. Esperamos que, para as figuras que marcaram positivamente o Brasil, haja homenagens e lembranças em qualquer época, com respeito, mas sem demagogia ou ufanismo.

Nota do Editor
Todas as fotos são de autoria de Fernando Sciarra.


Rafael Fernandes
São Paulo, 25/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Natal de Charles Dickens de Celso A. Uequed Pitol
03. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
04. A Imagem do Som de Fabio Gomes
05. Elon Musk de Julio Daio Borges


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2006
01. 10 vídeos musicais no YouTube - 23/8/2006
02. Quem ainda compra música? - 2/8/2006
03. Ana Luiza e Luis Felipe Gama: bela parceria - 13/9/2006
04. Ney Matogrosso: ótimo intérprete e grande showman - 5/7/2006
05. Uma homenagem a Maysa - 25/4/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/4/2006
23h19min
Caro Rafael, concordo com você. Sou frequentadora do SESC/SP e tenho, a cada dia, boas e gratas surpresas. Mas este show OBRA VIVA MAYSA, dirigido por Léa Freire, foi o espetáculo mais amoroso, fiel e digno da homenageada. Fui à apresentação da sexta-feira, 8/4, e toda a platéia se emocionou com Virginia Rosa e seu tom grave, em oração por Maysa; a funkeira Paula Lima e sua generosa entonação comedida e bilhante como os olhos de Maysa; Moska e seu jeito brejeiro de quem nada quer, (en)cantou a mulher Maysa; e Peri Ribeiro, eterno apaixonado tinha todo o direito de levar o barquinho até o rio de lágrimas que arrancou de cada um que amou Maysa. Miéle, como sempre, contou casos entre muchochos e trovoadas, dos quais Maysa certamente deu de ombros, entre um e outro sorriso, lá do céu em que se encontra. Parabéns a todos os músicos da orquestra e aos cantores. Parabéns à Léa que soube tão bem encaixar música e tonalidade a cada convidado. Saí de lá bêbada - de felicidade!
[Leia outros Comentários de Elizabeth Salgado ]
19/8/2007
17h43min
Estou de pleno acordo. Somente hoje descobri este site, quero dar os parabéns a todos que lá estiveram. Maysa foi, é e será sempre MAYSA!
[Leia outros Comentários de margarida valenzi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMEDIA CORPORATIVA: UMA VISÃO CRITICA E DIV. DO MUNDO EMPRESARIAL
MAX GEHRINGER
CAMPUS
(2000)
R$ 39,90
+ frete grátis



REATOR ANAERÓBIO-AERÓBIO APLICADO AO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO
ANTONIO PEDRO DE OLIVEIRA NETTO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 363,00



PORTUGUÊS LINGUAGENS
WILLIAM ROBERTO CEREJA- THEREZA COHAR
ATUAL
(2005)
R$ 39,90
+ frete grátis



FISICA 2 ONDAS , ÓPTICA E TERMODINÂMICA
ALBERTO GASPAR
ATICA
(2009)
R$ 35,00



A ÚNICA ESPERANÇA
ALEJANDRO BULLÓN
CASA PUBL. BRASILEIRA
(2013)
R$ 7,00



ESCOLHIDA THE HOUSE OF THE NIGHT - 3
P.C.CAST E KRISTIN CAST
NOVO SÉCULO
(2009)
R$ 15,00



FILOSOFIA POR UMA INTELIGÊNCIA DA COMPLEXIDADE: VOLUME ÚNICO
CELITO MEIER
PAX
(2010)
R$ 20,00



CURSO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL VOLUME 1
RODOLFO KRONEMBERG HARTMANN
IMPETUS
(2012)
R$ 40,00



APRENDIZ DO FUTURO- CIDADANIA HOJE E AMANHÃ
GILBERTO DIMENSTEIN
ATICA
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



VIDA: UM ENIGMA, UMA JÓIA PRECIOSA
DAISAKU IKEDA
RECORD
(2003)
R$ 50,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês