Argentinos: a gente detesta, mas somos parecidos | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
Mais Recentes
>>> Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futuro de Humberto Mariotti pela Atlas (1999)
>>> Python e Mercado Financeiro de Marco Antonio Leonel Caetano pela Blucher (2021)
>>> Um Longo e Solitário Tempo de Airton Marques de Oliveira pela Razão da Terra (1996)
>>> Equações Diferenciais - Volume 2 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Equações Diferenciais - Volume 1 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Processos de Transmissão de Calor de Kern pela Guanabara Koogan (1987)
>>> Transformações de Valéria Torres pela Litteris (1999)
>>> Sobrenatural: Impressões sobre os lençóis Maranhenses de Meireles Junior pela Do Autor (2016)
>>> Poesia em Serenata de Margarida Marques pela Evsa (1998)
>>> Panelas em transe de Cassio Machado pela B&b (2005)
>>> Vade Mecum 2008- 6ª Edição - Contém CD de Saraiva (Organizador) pela Saraiva (2008)
>>> Pizzolato: Não Existe Plano Infalível de Fernanda Odilla pela Leya (2014)
>>> Air Gear nº 21 de Oh! Great pela Panini Comics (2011)
>>> Constitution of United States of America de David Osterlund e outros pela Barnes & Noble (1995)
>>> Poder-saber ética da escola de Sandra Mara Corazza pela Unijuí (1995)
>>> Como fazer um disco independente de Chico Mário pela Vozes (1986)
>>> Suagh'Leng'hor de Milton José de Almeida pela Cortez (1990)
>>> As Ideias de Marx de David McLellan pela Cultrix (1993)
>>> Südkurier de Antoine de Saint-Exupery pela Karl Rauch (1949)
>>> Discurso de Metafísica e Outros Textos Gottfried Wilhelm Leibniz de Gottfried Wilhelm Leibniz pela Martins Fontes (2004)
>>> Interview with the vampire de Anne Rice pela Ballantine (1997)
>>> L'horizon Des Esprits de Joseph Moreau pela Presses Universitaires De France (1960)
>>> Paixão india de Javier Moro pela Planeta (2006)
>>> Imperio dos vampiros alma e sangue de Nazarethe Fonseca pela Aleph (2010)
>>> Ciclo da Vida de Paulo Casella pela Massao Ohno (1993)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/4/2006
Argentinos: a gente detesta, mas somos parecidos
Adriana Baggio
+ de 5300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Um dos melhores momentos da viagem de navio que fiz em fevereiro foi a chegada a Buenos Aires. Entramos no Rio da Prata de madrugada. Por volta das 7 da manhã, já estávamos chegando ao porto. Bem devagarinho, o navio entrou nas docas, guiado pelo barco do prático. Apesar do tamanho, fez algumas manobras, deu ré e "estacionou" tranquilamente no espaço reservado a ele.

A vista de Buenos Aires a partir do rio lembra a da Manhattan que eu vejo nos filmes e fotos. Edifícios enormes, de paredes envidraçadas e linhas modernas, parecem separar o porto da cidade. No alto, letreiros de neon apresentam algumas das marcas de tecnologia mais famosas do mundo.

O centro é perto do porto. Lá estão os principais monumentos da história argentina: a Plaza de Mayo, a Casa Rosada, a Catedral Metropolitana. O contraste entre a rebuscada sede do governo e as linhas retas do templo religioso resume o paradoxo arquitetônico de Buenos Aires: de um lado, construções repletas de detalhes, cúpulas e ornamentos; do outro, edifícios em estilo neoclássico, norma arquitetônica do século XIX, quando se queria transformar Buenos Aires em uma filial da Europa nas Américas.

Naquela quarta-feira de fevereiro, as mães e avós dos presos e desaparecidos durante a ditadura argentina não estavam na Plaza de Mayo. Ao invés delas, outras mães abordavam os turistas: mendigas, sem-teto, mulheres em andrajos com crianças de colo pediam um dólar, un peso. É o que mais aproxima Buenos Aires das outras metrópoles da América do Sul. De resto, parecem mais diferente de nós do que se espera por sermos tão vizinhos.

Andando em um centro comercial como a Avenida Corrientes ou a Calle Florida, percebe-se uma certa altivez que não é muito comum nos brasileiros. As pessoas são bem vestidas como os executivos de São Paulo, mas parece que têm mais estilo, mais personalidade. Na sua própria terra, os argentinos são mais simpáticos do que aqui no Brasil. Em nenhum momento fui hostilizada por ser brasileira. Só me olharam com cara feia quando demorei para decidir o acompanhamento do bife de chorizo.

Existem outras diferenças marcantes e já até antológicas: o mito de que a quantidade de livrarias seja maior na capital portenha do que em todo o Brasil; a taxa de analfabetismo, menor do que a nossa; o nacionalismo exacerbado, que às vezes os tornam tão insuportáveis. Por outro lado, existe uma Buenos Aires mais parecida com as nossas cidades, que talvez não esteja à vista dos turistas, mas que recebeu um olhar crítico nos ensaios da professora e crítica literária Beatriz Sarlo.

A autora é mais conhecida por seus trabalhos sobre literatura, mas também tece considerações sobre aspectos do cotidiano e da realidade argentina. Em Tempo presente - notas sobre a mudança de uma cultura (lançado na FLIP em 2005, pela José Olympio), é possível conferir alguns textos proferidos em conferências ou publicados em periódicos. E através destes ensaios, percebemos uma proximidade muito maior entre a nossa realidade e a deles.

Os textos de Sarlo às vezes são tão próximos, ou tão universais, que ela parece estar falando de nós, e não deles: "Sem tempo para fazer projetos, sem futuro, os corpos correm os riscos impostos pela dívida [do estado com a sociedade] não-paga: a violência, a ruptura de todos os laços sociais, a selvageria da droga são desafios vistos como se fossem a única afirmação possível da identidade. Quando se rompe a expectativa de um tempo futuro, quando ninguém se sente mais credor nem titular de direitos, os corpos usam a violência para se rebelar".

Como ela mesmo diz, frases como a de cima há alguns anos eram impensáveis na Argentina. Hoje, o país padece não só de males como os da fome, da violência e da guetização de parte da população em bairros miseráveis, mas também de outros problemas: o impacto das construções desordenadas nos espaços públicos, as novas identidades culturais, a crise da escola, a política. Problemas comuns de grandes cidades, familiares a nós. Mas, se é para traçar paralelos, talvez o texto mais pertubador seja aquele que posiciona a Copa do Mundo de 1978 como um fato tão importante no aspecto esportivo quanto no político.

No esportivo, é fácil: a Argentina foi campeã do Mundial disputado em casa. O político: é que isso aconteceu em plena ditadura. O sucesso da seleção argentina parecia respaldar um governo que, ao mesmo tempo, puxou para si a vitória e cuidou para que não existissem protestos a serem noticiados pela imprensa estrangeira. O que impressiona na análise de Beatriz Sarlo é a crítica que ela faz sobre como se vê o Mundial, 20 anos depois.

Na Copa de 98, as crianças argentinas puderam assistir aos jogos nas escolas, desde que, segundo orientação das autoridades educacionais, fossem trabalhados conteúdos de história, geografia e ética, em relação aos países participantes do Mundial. Mas a autora questiona: "Se a idéia era a de permitir que os jovens vissem o futebol com verdadeiro 'espírito crítico', como afirmou uma funcionária pública, sugiro o seguinte: o futebol tem uma relação intrincada com a Argentina dos últimos vinte anos, e por isso seria bom que as escolas aproveitassem a febre do Mundial para apresentar a história recente aos pequenos adoradores da camisa azul-celeste".

De acordo com a sugestão de Sarlo, na disciplina de História poderiam ser estudados os assassinatos cometidos pela ditadura entre uma partida e outra; em Geografia, uma atividade interessante seria contextualizar no mapa os estádios onde os jogos foram realizados em relação aos centros de tortura; para entrar um pouco em Sociologia, seria possível explicar aos alunos mais velhos como os cenários esportivos são transformados em cenários políticos pelas ditaduras.

Por mais que a gente deteste os argentinos, em algumas coisas somos muito semelhantes. A mesma paixão que nos torna inimigos, também nos aproxima em comportamento. Se eles tiveram sua vitória em 78 comemorada sobre os porões de tortura da ditadura, nós também fizemos o mesmo no Mundial de 70. E assim como eles, a gente acaba tendo uma postura mais condescendente, mais relaxada, durante a Copa do Mundo. A vida já é tão dura para o brasileiro, merecemos comemorar e esquecer um pouco os problemas, as eleições, o mensalão, não é mesmo?

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 6/4/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quase uma despedida de Eduardo Carvalho


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/4/2006
08h48min
Muito bom o texto da Adriana Baggio sobre a escritora argentina Beatriz Sarlo. Pelo desconhecimento que temos das obras latino-americanas, essas informações se tornam verdadeiras preciosidades. PARABÉNS.
[Leia outros Comentários de zuleica brito fische]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cuidando do Seu Planeta - Eca! o Lixo
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2010)



Fábulas. o Patinho Feio - Volume 2
Vários Autores
Folha de São Paulo
(2016)



Curiosidades do Corpo Humano - Unhas, Pele e Cabel
James Misse
Pé da Letra
(2016)



Mulher - uma Radiografia
Malcolm Montgomery
Prestigio
(2005)



Planejamento Estratégico e Operacional
Luís Moretto
Dca
(2012)



Madona - uma Biografia Não-autorizada
Christopher Andersen
Record
(1992)



Leituras Criticas Sobre Leonardo Boff
Juarez Guimarães (org.)
Ufmg
(2008)



Drawing: Heads & Figures in Pencil (2000)
William Powell
Walter Foster
(2000)



Antologia de Famosos Discursos Brasileiros
Wilmar Pereira Nunes G
Logos



Vito Grandam. uma Historia de Voos
Ziraldo Alves Pinto
Melhoramentos
(1995)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês