Argentinos: a gente detesta, mas somos parecidos | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
89692 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Sinos volta a Teresópolis para oferecer aulas gratuitas
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Estou para publicar, podem morrer
>>> O novo GPT-4o
>>> 8º Salão do Livro
>>> Da Renovação Papal
>>> Polonaises
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bobagem
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Livro Minha Vida Fora De Serie 1 Temporada de Paula Pimenta pela Gutenberg (2014)
>>> A Vizinha Antipática Que Sabia Matemática. de Eliana Martins pela Melhoramentos (2014)
>>> Teoria Geral Da Administração. - Vol. 2 de Idalberto Chiavenato pela Campus (2001)
>>> Para Gostar De Ler 17 - Cenas Brasileiras de Rachel De Queiroz pela Ática (2003)
>>> Valiant - Vol.3 Novas Espécies de Laurann Dohner pela Universo Dos Livros (2016)
>>> Manual Prático de Doenças Alérgicas de Jean Blamoutier pela Andrei (1985)
>>> Superação: Devoções para uma vida absurdamente boa de Nick Vujicic pela Novo Conceito (2014)
>>> Luz na Escuridão de Romulo Barros pela Santuário (2017)
>>> O Que Eu Sei De Verdade de Oprah Winfrey pela Sextante (2014)
>>> A Doutrina De Buda: Siddharta Gautama de Siddharta Gautama pela Martin Claret (2007)
>>> Gandhi: Por Ele Mesmo de Vários Autores pela Martin Claret (2024)
>>> Grandes E Pequenos Problemas de Angel Aguarod pela Feb (2006)
>>> História Concisa Do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2002)
>>> Análise Dimensional e Teoria da Semelhança e dos Modelos Físicos de Fernando L. Carneiro pela Ufrj (1993)
>>> O Teatro Brasileiro Moderno de Decio De Almeida Prado pela Perspectiva (2009)
>>> Organize-se Num Minuto: 500 Dicas Para Por Ordem Em Sua Vida de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> A Arte Do Ator Entre Os Séculos XVI e XVIII de Ana Portich pela Perspectiva (2008)
>>> Histórias De Mulheres de Rosa Montero pela Agir (2007)
>>> Arte-educação No Brasil de Ana Mae Barbosa pela Perspectiva (2010)
>>> Livro ANONÁCEAS -do plantio à colheira de Marlon Cristian T. Pereira, Aluizio Borém pela Ufv (2021)
>>> A rebelliao das massas de José Ortega pela Martins Fontes (2007)
>>> Lettera A Un Bambino Mai Nato de Oriana Fallaci pela Bur (1997)
>>> O Sucesso Não Ocorre Por Acaso de Lair Ribeiro pela Leitura (2002)
>>> Aprenda A Viver O Agora de Monja Coen pela Academia (2019)
>>> Pedagogia do jogo Teatral: Uma Poetica do Efemero de Carmela Soares pela Hucitec (2010)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/4/2006
Argentinos: a gente detesta, mas somos parecidos
Adriana Baggio
+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Um dos melhores momentos da viagem de navio que fiz em fevereiro foi a chegada a Buenos Aires. Entramos no Rio da Prata de madrugada. Por volta das 7 da manhã, já estávamos chegando ao porto. Bem devagarinho, o navio entrou nas docas, guiado pelo barco do prático. Apesar do tamanho, fez algumas manobras, deu ré e "estacionou" tranquilamente no espaço reservado a ele.

A vista de Buenos Aires a partir do rio lembra a da Manhattan que eu vejo nos filmes e fotos. Edifícios enormes, de paredes envidraçadas e linhas modernas, parecem separar o porto da cidade. No alto, letreiros de neon apresentam algumas das marcas de tecnologia mais famosas do mundo.

O centro é perto do porto. Lá estão os principais monumentos da história argentina: a Plaza de Mayo, a Casa Rosada, a Catedral Metropolitana. O contraste entre a rebuscada sede do governo e as linhas retas do templo religioso resume o paradoxo arquitetônico de Buenos Aires: de um lado, construções repletas de detalhes, cúpulas e ornamentos; do outro, edifícios em estilo neoclássico, norma arquitetônica do século XIX, quando se queria transformar Buenos Aires em uma filial da Europa nas Américas.

Naquela quarta-feira de fevereiro, as mães e avós dos presos e desaparecidos durante a ditadura argentina não estavam na Plaza de Mayo. Ao invés delas, outras mães abordavam os turistas: mendigas, sem-teto, mulheres em andrajos com crianças de colo pediam um dólar, un peso. É o que mais aproxima Buenos Aires das outras metrópoles da América do Sul. De resto, parecem mais diferente de nós do que se espera por sermos tão vizinhos.

Andando em um centro comercial como a Avenida Corrientes ou a Calle Florida, percebe-se uma certa altivez que não é muito comum nos brasileiros. As pessoas são bem vestidas como os executivos de São Paulo, mas parece que têm mais estilo, mais personalidade. Na sua própria terra, os argentinos são mais simpáticos do que aqui no Brasil. Em nenhum momento fui hostilizada por ser brasileira. Só me olharam com cara feia quando demorei para decidir o acompanhamento do bife de chorizo.

Existem outras diferenças marcantes e já até antológicas: o mito de que a quantidade de livrarias seja maior na capital portenha do que em todo o Brasil; a taxa de analfabetismo, menor do que a nossa; o nacionalismo exacerbado, que às vezes os tornam tão insuportáveis. Por outro lado, existe uma Buenos Aires mais parecida com as nossas cidades, que talvez não esteja à vista dos turistas, mas que recebeu um olhar crítico nos ensaios da professora e crítica literária Beatriz Sarlo.

A autora é mais conhecida por seus trabalhos sobre literatura, mas também tece considerações sobre aspectos do cotidiano e da realidade argentina. Em Tempo presente - notas sobre a mudança de uma cultura (lançado na FLIP em 2005, pela José Olympio), é possível conferir alguns textos proferidos em conferências ou publicados em periódicos. E através destes ensaios, percebemos uma proximidade muito maior entre a nossa realidade e a deles.

Os textos de Sarlo às vezes são tão próximos, ou tão universais, que ela parece estar falando de nós, e não deles: "Sem tempo para fazer projetos, sem futuro, os corpos correm os riscos impostos pela dívida [do estado com a sociedade] não-paga: a violência, a ruptura de todos os laços sociais, a selvageria da droga são desafios vistos como se fossem a única afirmação possível da identidade. Quando se rompe a expectativa de um tempo futuro, quando ninguém se sente mais credor nem titular de direitos, os corpos usam a violência para se rebelar".

Como ela mesmo diz, frases como a de cima há alguns anos eram impensáveis na Argentina. Hoje, o país padece não só de males como os da fome, da violência e da guetização de parte da população em bairros miseráveis, mas também de outros problemas: o impacto das construções desordenadas nos espaços públicos, as novas identidades culturais, a crise da escola, a política. Problemas comuns de grandes cidades, familiares a nós. Mas, se é para traçar paralelos, talvez o texto mais pertubador seja aquele que posiciona a Copa do Mundo de 1978 como um fato tão importante no aspecto esportivo quanto no político.

No esportivo, é fácil: a Argentina foi campeã do Mundial disputado em casa. O político: é que isso aconteceu em plena ditadura. O sucesso da seleção argentina parecia respaldar um governo que, ao mesmo tempo, puxou para si a vitória e cuidou para que não existissem protestos a serem noticiados pela imprensa estrangeira. O que impressiona na análise de Beatriz Sarlo é a crítica que ela faz sobre como se vê o Mundial, 20 anos depois.

Na Copa de 98, as crianças argentinas puderam assistir aos jogos nas escolas, desde que, segundo orientação das autoridades educacionais, fossem trabalhados conteúdos de história, geografia e ética, em relação aos países participantes do Mundial. Mas a autora questiona: "Se a idéia era a de permitir que os jovens vissem o futebol com verdadeiro 'espírito crítico', como afirmou uma funcionária pública, sugiro o seguinte: o futebol tem uma relação intrincada com a Argentina dos últimos vinte anos, e por isso seria bom que as escolas aproveitassem a febre do Mundial para apresentar a história recente aos pequenos adoradores da camisa azul-celeste".

De acordo com a sugestão de Sarlo, na disciplina de História poderiam ser estudados os assassinatos cometidos pela ditadura entre uma partida e outra; em Geografia, uma atividade interessante seria contextualizar no mapa os estádios onde os jogos foram realizados em relação aos centros de tortura; para entrar um pouco em Sociologia, seria possível explicar aos alunos mais velhos como os cenários esportivos são transformados em cenários políticos pelas ditaduras.

Por mais que a gente deteste os argentinos, em algumas coisas somos muito semelhantes. A mesma paixão que nos torna inimigos, também nos aproxima em comportamento. Se eles tiveram sua vitória em 78 comemorada sobre os porões de tortura da ditadura, nós também fizemos o mesmo no Mundial de 70. E assim como eles, a gente acaba tendo uma postura mais condescendente, mais relaxada, durante a Copa do Mundo. A vida já é tão dura para o brasileiro, merecemos comemorar e esquecer um pouco os problemas, as eleições, o mensalão, não é mesmo?

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 6/4/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O PSDB e o ensino superior de Gian Danton
02. Escritor: jovem, bonito, simpático... de Marta Barcellos
03. Cidade-sinestesia de Elisa Andrade Buzzo
04. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
05. Mulheres fantásticas e futuristas de Carla Ceres


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/4/2006
08h48min
Muito bom o texto da Adriana Baggio sobre a escritora argentina Beatriz Sarlo. Pelo desconhecimento que temos das obras latino-americanas, essas informações se tornam verdadeiras preciosidades. PARABÉNS.
[Leia outros Comentários de zuleica brito fische]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Revista Pesquisa Fapesp - Universo Expandido n 231
Fapesp
Fapesp
(2015)



Metafísica da Saúde - Sistemas Endócrino e Muscular
Valcapelli - Luiz Gasparetto
Vida E Consciência
(2011)



Livro Gibis O Paraíso de Zahra
Amir & Khalil
Leya
(2011)



Livro The Patchwork Marriage
Jane Green
Penguin Books
(2012)



Livro Cinema Jeanne Moreau Jules e Jim uma Mulher para Dois (1962) Coleção Folha Grandes Astros do Cinema 18
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
(2014)



Wise Guy - Lessons From a Life
Guy Kawasaki
Portfolio Penguin
(2019)



A Conquista da Felicidade
Bertrand Russell
Nova Fronteira
(2017)



Pasión por La Cocina de Oriente Medio
Chef Abdala
Atlantida
(2005)



Senhora
José De Alencar
Scipione
(2003)



Livro Antropologia Na Zona Tórrida do Brasil Visita aos Indígenas
Benjamin Péret
100/Cabeças





busca | avançada
89692 visitas/dia
2,1 milhões/mês