Fome zero, malandragem dez | Félix Maier | Digestivo Cultural

busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A resistência é vermelha
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> L.S.D.eus
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Also known as
>>> No line on the horizon, do U2
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> Carteiros do Condado
Mais Recentes
>>> O executante de Rubem Mauro Machado pela Record (2000)
>>> Gestão de estoques otimizando a logística e a cadeia de suprimentos de Eduardo saggioro garcia e outros pela E papers (2006)
>>> Manual de Direito Penal V. 3 - Parte Especial de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2000)
>>> Revista Sinais dos Tempos Eventos Finais (10 dias de Oração e 10 horas de jejum) de Cpb pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Poder de Uma Mulher de Barbara Taylor Bradford pela Europa América (1998)
>>> Meu Amigo Azul de Angela Monteiro pela Mondrian
>>> Fábulas Fabulosas 5ª Edição Ilustrada de Millôr Fernandes pela Nórdica
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 4 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> A Revolução Russa - 4ª Edição - Série Discutindo a História de Maurício Tragtenberg pela Atual (1988)
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 1 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> O vencedor está só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Chave do Tesouro de J. Carlos de Assis pela Paz e Terra (1983)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 1 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2020)
>>> Tudo Sobre Meninas para Meninos de Cláudia Felício pela Planeta (2006)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 3 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> Comentários as Súmulas do Tst de Francisco Antonio de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Ecologia Objetiva de Dervile Ariza pela Nobel (1979)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> A Importância de Crer de R R Soares pela Graça (1999)
>>> O Desafio das Emoções Biblioteca Mente e Cérebro de Gláucia Leal Org. pela Duetto (2013)
>>> O Melhor do humor na internet - volume 2 de Netto Augusto M. Costa pela Best Seller (2010)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 2 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> O Resgate - Ele Não Desistiu de Você de Sergio Corrêa pela Unipro (2018)
>>> Sobre a China de Karl Marx e Friedrich Engels pela Publicações Escorpião (1974)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/11/2002
Fome zero, malandragem dez
Félix Maier

+ de 10300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O programa proposto pelo Governo Lula, "Fome Zero", merece todo o respeito dos brasileiros. Só quem nunca passou fome na vida dirá que um projeto desse tipo é demagógico.

O programa merece todo o respeito, não porque é do Lula, mas porque é simplesmente necessário. E urgente. Como diz um ator na TV: "Quem tem fome, tem pressa". É verdade. Primeiro deve-se dar de comer a quem tem fome, pois senão ele pode morrer. Saco vazio não fica em pé. Depois deve-se pedir algo em troca desse cidadão que teve o estômago forrado de comida - a aí reside todo o problema dos programas assistenciais já em vigor no Brasil, como veremos adiante.

No Distrito Federal, o governador Joaquim Roriz tem um programa de combate à fome que só não é lembrado pela mídia porque ele não é petista, nem de esquerda. Se fosse petista, sua obra estaria sendo alardeada a todo o País, como sendo um programa-piloto que poderia até ser copiado por Lula.

Mas, o que faz Roriz pelos pobres? Além de doar lotes aos miseráveis que chegam à Capital (da mesma forma que FHC doou terra a milhares de "sem-terra"), provenientes de todos os cantos do País, principalmente do Norte e do Nordeste, Roriz tem um programa de combate à fome que inclui:

- cesta básica para quase 100 mil famílias carentes;
- programa "Renda Minha", substituto do "Bolsa Escola" do ex-governador Cristóvam Buarque, que oferece dinheiro a mais de 100 mil famílias pobres, desde que mantenham as crianças na escola;
- distribuição de leite e pão para quase 100 mil crianças pobres, até a idade de 8 anos;
- construção de restaurantes populares, nas cidades-satélites, que oferecem refeições balanceadas orientadas por nutricionistas, ao preço de R$ 1,00 a unidade, aí incluída a sobremesa e o suco de fruta; o custo excedente das refeições é assumido pelo governo do DF; em sua campanha eleitoral, Roriz prometeu continuar a construção de restaurantes, pelo menos 1 em cada uma das cidades-satélites, além de 1 na Rodoviária, no coração do Plano Piloto.

Além desses programas "paternalistas", Roriz prometeu criar outros dois, voltados aos jovens e à Educação:

- programa "Primeiro Emprego", no qual jovens receberiam R$ 200,00 do Governo em troca do trabalho em empresas do DF; as empresas pagariam apenas os encargos trabalhistas, da ordem também de R$ 200,00; com isso, os jovens trabalhadores não deixariam de garantir seus direitos trabalhistas;
- programa "Bolsa Universitária", no qual estudantes (jovens, preferencialmente) receberiam R$ 400,00 por mês para pagar cursos em universidades particulares, com a obrigação de contribuir, no futuro, depois da formação, com trabalhos para a comunidade dentro da área em que se formou.

Os programas de Roriz são tachados de "paternalistas" pelo PT local e outras personalidades. Mas, os programas já em vigor no Governo FHC, e este "Fome Zero", de Lula, porventura também não o são?

Não há necessidade de Lula inventar a roda. Há muitos programas de combate à fome já implementados em nossa sociedade, tanto por parte do Governo, como de Igrejas, ONGs e inúmeras outras instituições. O que falta é aperfeiçoar esses programas, de modo a eliminar a corrupção que sempre existe em programas semelhantes, para maximizar o resultado final, que é levar comida ao maior número possível de famintos.

Em primeiro lugar, é importante eliminar todas as formas de desperdício e de corrupção que programas assistenciais milionários trazem consigo. Todos sabem, p. ex., o maná que é a merenda escolar para os corruptos. Se o problema é "fome", deve-se levar "comida" ao faminto. Essa premissa pode ser verdadeira, mas nem sempre funciona a contento. Um programa de distribuição de alimentos envolve uma logística complexa, desde a compra, o transporte e a entrega dos alimentos ao destinatário final. Nesse longo processo, o que mais existe é desperdício e corrupção, especialmente através de preços superfaturados e desvio de produtos.

Assim, parece ser ponto pacífico entre os estudiosos do assunto que os pobres recebam, mensalmente, um certo valor em dinheiro ou um vale-alimentação. Além de evitar a corrupção que existe em todo processo de compra, transporte e entrega de cestas básicas de alimentos - que normalmente consome 1/3 da verba do programa -, com a maximização do programa assistencial haverá um maior número de beneficiados. As cidades e os vilarejos em todo o País, onde o programa de combate à fome for implantado, serão imediatamente beneficiados, com o aumento tanto das transações comerciais locais quanto da arrecadação de impostos. Com o vale-alimentação numa das mãos e a identidade na outra, o cidadão carente teria direito a produtos especificados no vale, e somente esses produtos poderiam ser adquiridos nos mercados locais. Me parece que essa é a melhor forma de se evitar que haja desvio de dinheiro para outra finalidade, que não seja a compra de comida. Se o cidadão carente receber o dinheiro depositado no banco, em sua conta-corrente, há uma excepcional vantagem, porém uma desvantagem também grande. Com o dinheiro na mão, por menor que seja seu valor, o carente se sentirá como uma pessoa que melhor está exercendo sua cidadania, pois estará incluído no processo econômico-social de sua comunidade - essa a vantagem. O ponto negativo fica por conta de que esse cidadão pegue o dinheiro no caixa e vá direto à bodega para comprar cachaça.

Quem, afinal, além do Governo, pode cooperar com o programa "Fome Zero" de Lula? Ora, todos nós.

Inicialmente, os gordinhos do Brasil estão convidados a dar sua parcela de ajuda. Além dos milhões de gordinhos anônimos, poderiam doar seu almoço aos pobres (quem sabe, o jantar também!) personalidades como Faustão, Jô Soares, João Gordo, Fafá de Belém (lembra do programa de Fafá, "Dieta Já!", no início dos anos 80?), incluindo nesta lista a maioria dos rechonchudos bispos da CNB do B. Pelo menos até os(as) gordinhos(as) conseguirem uma silhueta parecida com a de Lucinha Lins. Nesse grupo, pessoas com barrigas já um tanto proeminentes - a começar pelo próprio Lula - poderiam doar pelo menos o almoço. Afinal, se até bandidos na prisão estão doando uma de suas quatro alimentações diárias - o jantar -, por que não imitá-los? A longo prazo, essa prática teria dois importantes impactos positivos na sociedade: além de matar a fome de milhões, ajudaria a manter a saúde dos "ex-gordinhos", que, sem colesterol, teriam uma vida mais longa e de melhor qualidade. O único senão é que, com a longevidade, os "ex-gordinhos" viveriam alguns anos a mais, onerando ainda mais a Previdência...

O que não quer dizer que você, magricela como eu, não tem o dever de contribuir para a eliminação da fome no Brasil, continuando a comer como um porco, sem mostrar nenhum tipo de remorso. Algum alimento em casa sempre poderá ser doado à organizações de caridade, como 1 kg de arroz, de feijão, de fubá ou açúcar. Com certeza, não lhe irá fazer falta alguma. Aquele pão velho, não jogue fora, junto com o lixo. Separe em uma sacola para doar a quem necessita - o porteiro, o menino de rua que dorme sob a marquise aí no lado do seu prédio, que você finge que não existe, o mendigo que pede comida.

Mas, o mais importante num programa desse tipo é ensinar aos pobres como eles podem também combater a fome. Porque, com essa política paternalista de dar tudo de graça, sem exigir nada em troca, não se elimina o problema. Pelo contrário, só faz aumentar a malandragem. Tem muito sujeito aí que é pobre porque é malandro, não gosta de trabalhar. Para esses, a doação de cestas básicas é um maná que cai do céu todo mês, não é preciso mais procurar trabalho. Com a rede esticada na varanda ou dentro do barraco, com o bucho cheio, a única coisa que tem em mente esse Jeca Tatu criado pelos programas assistenciais é agarrar a comadre e fabricar mais um bacurizinho. Tem já uma escada de 15 barrigudinhos, andando pelo terreiro, com a bunda de fora, um a mais não vai fazer diferença.

Esse o erro essencial de todo programa paternalista, que nada exige do protegido. Quem recebe uma ajuda precisa dar uma parcela de seu trabalho em troca. Nem que seja pintando o meio-fio das ruas, combatendo incêndios florestais, recolhendo lixo, capinando jardins públicos, participando de uma frente de trabalho, como a construção de açudes. Dar tudo de graça a uma pessoa, mesmo que seja comida, não educa. Pelo contrário. Quem se sujeita a um esquema desses, só querendo ajuda, sem nada dar em troca, tem pouco respeito por si mesmo. Só o trabalho dignifica a pessoa humana.

E como o pobre pode combater sua própria fome? Nem todos os pobres têm condições de plantar, pois não dispõem de terras. Nas favelas e nos prédios residenciais populares não há lugar para se fazer uma plantação. Nem é possível plantar onde não chove, como ocorre no Polígono das Secas. Porém, há muito pobre que não planta porque é vagabundo. No Rio de Janeiro e na Baixada Fluminense, p. ex., há muitas residências que possuem um terreno baldio na frente da casa, muitas vezes atrás também. Na frente poderia haver um jardim, atrás uma horta. Mas, não há nada. No máximo, há um pé-de-goiaba na frente da casa, plantado pelas aves do céu, ou um pé-de-cana atrás, nascido não se sabe como. Vê-se um bando de marmanjões correndo atrás de uma bola, levantando uma pipa com linha de cerol, fazendo uma batucada. Mas plantar um pé de milho, isso nunca. Passa-se necessidade, mas a preguiça é mais forte. Pé-de-alface, para essa gente, nasce dentro do Carrefour, e o culpado pela fome é o dono do supermercado, esse sujeito ganancioso.

Em Brasília, no Riacho Fundo, eu conheci uma família de descendentes de japoneses que tinham arrendado um terreno para a plantação de um pomar e de hortas. De um lado do riacho, viam-se várias casas de japoneses, feitas em alvenaria, com grande espaço, todas rodeadas de exuberante vegetação. Na garagem da pessoa que visitei, havia um carro de passeio, uma picape e uma moto. As plantações estendiam-se a perder de vista, até a encosta do morro. Havia "parreiras" de chuchu, plantações de alface e repolho, e um pomar carregado de tangerinas maduras, no ponto de colheita. Do outro lado do riacho, a cena era desoladora. Uma casa caindo aos pedaços, nenhuma plantação em volta, uma turma de barrigudinhos - alguns de bunda de fora - correndo pelo terreiro. Com certeza, lá não vivia uma família japonesa. Questão de cultura. E de sem-vergonhice.

O programa "Fome Zero", é lógico, vai ser implantado para matar a fome de famintos, não necessariamente para criar empregos. Porém, nenhum programa assistencial desse tipo triunfará se não forem exigidos dos beneficiados pelos menos duas ações concretas:

- todo beneficiado deverá contribuir com alguma forma de trabalho para a sociedade que o está auxiliando;
- todo beneficiado deverá ser incluído no projeto de controle de natalidade governamental, para que não tenha mais filhos (desde que já tenha uns três).

Não dando a população carente essa contrapartida à sociedade, o programa "Fome Zero" de Lula será como todos os outros já foram até aqui: um antro de corrupção, um cabide de empregos para os compadres, um palanque para a politicagem petista, além de sobrar uma enorme massa de manobra, que tanto poderá ser utilizada como "voto de cabresto" nas eleições futuras, como poderá ser aliciada a participar de movimentos contestatórios, tão ao agrado do Partido dos Trabalhadores, de modo a aumentar ainda mais o exército "falangista" que tem seu núcleo no MST - o "braço armado" do PT. E, sem um programa sério de controle de natalidade, de nada valerá esse novo esforço governamental, pois o problema se estenderá ad aeternum nessa terra de Jeca Tatu, com a agravante de mais e mais crianças famintas serem jogadas no mundo, sem amparo, devido à paternidade irresponsável que tanto desgraça nosso País. Ou seja, além de comida, anticoncepcional também.


Félix Maier
Brasília, 28/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os romances das ilusões de Eduardo Carvalho
02. Crítica à arte contemporânea de Maurício Dias


Mais Félix Maier
Mais Acessadas de Félix Maier em 2002
01. Sionismo e resistência palestina - 14/11/2002
02. Bantustões brasileiros - 22/5/2002
03. Fome zero, malandragem dez - 28/11/2002
04. Sobre futebol e hinos nacionais - 11/7/2002
05. Brasilês - um idioma de muitos sotaques - 12/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2002
15h30min
Caro Felix: Concordo com as sua bem fundamentada argumentação. O trabalho dignifica o homem, e muitos dos que estão aí - nem todos, é lógico -, passando necessidade, estão neste estado muito mais pela falta de vontade de algo fazer por si mesmo. São vagabundos que além de não gostarem de trabalhar para que assim possam almejar uma vida melhor - gostam apenas de sombra e água fresca sendo atraidos apenas pelas coisas banais como futebol, mulheres e samba que como todos nós sabemos não enche a barriga de ninguém - odeiam estudar, para assim tentarem ampliar vossas mentes. Só o trabalho e o estudo levantará este país. Na primeira hipótese para todos, na segunda apenas para os que realmente querem, para os que realmente sentem o chamado interior para as coisas ligadas ao espírito. Estudo para todos, mas para todos que se interessam e gostam de tal atividade. PS- Não entendo por que grande maioria das pessoas pensam apenas em ficarem famosos - modelos, jogadores de futebol, Casa dos Artistas, dançarinas de axé. Por que não o trabalho árduo e o estudo dedicado?
[Leia outros Comentários de Sidney Vida]
1/12/2002
00h56min
Concordo com você, Félix, em muitos aspectos. Só acho um pouco de exagero essa estória de 15 barrigudinhos. No Brasil a taxa de natalidade diminuiu muito nos últimos anos. Deve estar em 3,5 filhos por família. Nós temos no Brasil, em se tratando de pobreza ,acredito, uma boa parcela de miseráveis e uma boa parcela de pobres(nestes estão a classe média baixa e média).Então, de fato, a questão da educação é urgente.Se deixar o pessoal fica só recebendo a cesta básica. Agora, é preciso que se diga, que esse pessoal,de que estou falando, não tem tanta culpa disso, simplesmente porque não tiveram acesso à educação básica ou fundamental , digamos 7,8 anos de estudo regular (nem talvez seus ascendentes- o que é pior -). Os miseráveis ,talvez, nem 1 ano de escolaridade. Bem ou mal,com professores se aprende. Para quem não tem ambiente cultural em casa, a transmissão feita pelos professores e a discussão que ela gera com os alunos não é desprezível, você sabe. Se o atual Presidente - em quem votei - resolver combater a fome com critério,firmeza e competência, para mim será bom, pois atualmente gasto de Cr$4,00 a Cr$5,00 por mês, dando alimentos para pessoas que, individualmente, passam pedindo na porta da minha casa , ou de maneira mais organizada (igrejas e outras organizações). O pobre precisa ser educado para não se tornar um explorador. Quem mora em bairro pobre como eu sabe como é. Se se dá um remedinho para um, logo vem outros pedindo. Se se empresta uma ferramenta vários descobrem e vêm também pedir. Não esqueço meu pai, falecido aos 81 anos de idade, que,apesar de ganhar salário mínimo,tinha seus remedinhos em casa, bem como suas ferramentas. Arrumar dinheiro para cerveja, passeios, praias, roupas o pessoal dá um jeito, podes crer.
[Leia outros Comentários de Carmen Gomes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quem Está Escrevendo o Futuro? 25 Textos Para o Século XXI
Vários Autores
Letraviva
(2000)



Coleção Aprenda Idiomas Sem Complicação - Inglês Avançado
Priscila Raposo
Digerati Books
(2008)



Escola sem conflito: parceria com os pais
Tania Zagury
Record
(2008)



Sobre Schmidt
Louis Begley
Companhia das letras
(1999)



A fazenda dos bichos: Edição com brinde - pôster exclusivo
George Orwell
Martin Claret
(2021)
+ frete grátis



Desafios ao Universalismo Cristão
C. Geffré
Vozes
(1980)



The Garden Of Rama
Arthur C. Clarke And Gentry Lee
Bantam Books
(1992)



Proposito a Coragem de Ser Quem Somos
Sri Prem Baba
Sextante
(2016)



Droga - a Dicção (lacrado)
Domingos Bernardo G. da Silva Sá
Lumen Juris
(2016)



Arquitetura dos Dias
Joanyr de Oliveira
Thesaurus
(2004)





busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês