Brasilês - um idioma de muitos sotaques | Félix Maier | Digestivo Cultural

busca | avançada
34158 visitas/dia
737 mil/mês
Mais Recentes
>>> A arte de Reparar Histórias
>>> Músico Dudu Oliveira lança seu disco de estreia no Todas as Bossas da TV Brasil
>>> Antenize recebe Lázaro Ramos no especial sobre literatura deste sábado (18) na TV Brasil
>>> Festa
>>> Shopping Metrô Tucuruvi e Livrarias Curitiba preparam uma programação especial para este mês
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sobrecarga
>>> Frases e verdades
>>> Música & Filosofia
>>> Casa de couro
>>> Saber viver a vida é fundamental
>>> Não sei se você já deitou em estrelas.
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE I)
>>> Globo News: entrevista candidatos
>>> Corpo e alma
>>> Cada poesia a seu tempo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Procure saber: os novos donos da história
>>> Um jeito Mirador de ver a Wikipedia
>>> Como parecer culto
>>> Como parecer culto
>>> Me, myself e a Flip
>>> Baudelaire, um pária genial (parte final)
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> O Nobel de Tranströmer
>>> Só sei que nada sei
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
Mais Recentes
>>> Máscaras de Luiza Rios Ricci Volpato pela Entrelinhas (2010)
>>> A Mulher de Trinta Anos de Honoré de Balzac pela L&pm Pocket (1999)
>>> She: A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1991)
>>> Aspirações Nacionais: Interpretação Histórico- Política de José Honério Rodrigues pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Moulin Rouge de Pierre La Mure pela Mérito/ RJ. (1959)
>>> O Mistério do Áureo Florescer de Samael aun Weor pela Movimento Gnóstico (1991)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (2001)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1984)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1993)
>>> Veludinho de Martha Azevedo Panunzio pela Livr. José Olympio Edit. (1991)
>>> João Cabral de Melo Neto: Literatura Comentada de João Cabral de Melo Neto/ Seleção: Samira Cmpedelli pela Abril Cultural (1982)
>>> João Cabral de Melo Neto: Literatura Comentada de João Cabral de Melo Neto/ Seleção: Samira Cmpedelli pela Abril Cultural (1982)
>>> Arco do Triunfo de Carlos Castello Branco pela Parma/ Grupo Aché
>>> Cartomancia Y Quiromancia de Gwen Le Scouézéc pela Ediciones Martinez Rocca/ Barcelona (1974)
>>> Revista Esotérica - Magia Wicca de Vitoria Feres Azar - Diretora-Geral pela Onde (2004)
>>> Agatha Christie de A Terceira Moça (formato original) pela Nova Fronteira
>>> Almanaque Ilustrado - Símbolos de Mark O'Connell e Raje Airey pela Escala (2010)
>>> Sonhos Que Curam: Depoimentos Sobre a Conexão Mente-corpo/ Novo de marc Ian Barasch pela Record: Nova Era (2003)
>>> Formação Economica da América Latina de Celso Furtado pela Lia Editor/ Rio (1970)
>>> Quiromancia - Como Decifrar as Linhas da Vida de Roz Levine pela Bertrand Brasil (2001)
>>> Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico de Celso Furtado pela Companhia Ed. Nacional (1968)
>>> O Grande Livro dos Signos & Símbolos - Livro 2 de Mark O'Connell e Raje Airey pela Escala (2010)
>>> Brasil: Radiografia de um Modelo de Nelson Werneck Sodré pela Bertrand Brasil/ Rio (1987)
>>> Encontros, Desencontros & Reencontros de Maria Helena Matarazzo pela Gente/ São Paulo (1996)
>>> A Falta Que Ela Me Faz ... no Fim Dá Tudo Certo! de Fernando Sabino pela Record/ R. J. (1987)
>>> Ironias da História: Ensaios Sobre o Comunismo Contemporâneo de Isaac Deustcher pela Civilização Brasileira (1968)
>>> A Inflação Brasileira - Antes e Depois do Choque de Prof. Antonio Carlos Marques Mattos pela Vozes/ Rio de Janeiro (1987)
>>> Carta aos Comunistas de Luis carlos Prestes pela Alfa- Omega (1980)
>>> O Colapso do Neoliberalismo de Nilson Araújo de Souza pela Global/ São paulo (1995)
>>> Análise Contábil - Análise De Balanços de Américo M. Florentino pela Fundação Getúlio Vargas (1973)
>>> Assim Falou Zaratustra... de Friedrich W. Nietzsche/ Tradução: Mário da Silva pela Bertrand Brasil/ Rio (1994)
>>> Achegas ao Estudo do Folclore Brasileiro de Alfredo do Vale Cabral pela Funarte: Mec (1978)
>>> Vocabulário de Caça: Contendo os Termos Clássicos Portugueses... de C. Ribeiro de Lessa (clado) pela Companhia Ed. Nacional (1977)
>>> A Liberdade na Sociedade Contemporanea de Samuel Eliot Morison pela Fundo de Cultura Economica/ Rio (1959)
>>> Nos Passos de Hannah Arendt de Laure Adler pela Record (2007)
>>> O Poder do Pensamento Positivo para a Juventude de Norman Vincent Peale pela Cultrix
>>> Ilíada de Homero 2 Volumes de Haroldo de Campos pela Mandarim (2001)
>>> Oráculos utilizados pelo povo Cigano - Acompanha baralho Cigano de Padrinho Juruá pela Alfabeto (2015)
>>> Como Agarrar o seu Amor pela Magia - Breviário de Salamandra de Maria Helena Farelli pela Pallas (2012)
>>> A Morte da Porta- Estandarte - Tati, a Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado/ Introd. M. Cavalcanti Proença pela Livr. José Olympio Edit. (1997)
>>> A Morte da Porta- Estandarte - Tati, a Garota e Outras Histórias de Aníbal Machado/ Introd. M. Cavalcanti Proença pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Oscar Wilde Para Inquietos de Allan Percy pela Sextante (2012)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> Cadernos de João/ Novo de Aníbal Machado pela Nova Fronteira (2002)
>>> A Perda da Radicalidade do Movimento Ambientalista Brasileiro:... de Agripa Faria Alexandre pela Edifurb/ Ed. da Ufsc (2000)
>>> As Alianças de Lêdo Ivo pela Eparma/ Grupo Aché
>>> As Alianças de Lêdo Ivo pela Eparma/ Grupo Aché
COLUNAS >>> Especial Volta às Aulas

Terça-feira, 12/3/2002
Brasilês - um idioma de muitos sotaques
Félix Maier

+ de 4000 Acessos

De volta às aulas, que tal conhecermos um pouco mais o Brasilês, esse rico idioma nacional?

Paraibês

- Josefa, cê vai fazê amô hoji?
- Não, Severino, tô muntcho cansada.
- Arri, égua, mais intão só vô lavá och pé...

Paulistês

- Ôrra, meu, não tô mais agüeintando eiste eingarrafameinto. Paréice que teim um farol a cada dois méitros. Prá piorá, tá seimpre choveindo.

Carioquês

Chiando mais que chaleira cheia de chá no fogo, assim fala o carioca de Ramos, que na feira de Duque de Caxias vende pardal pintado de amarelo como canário:
- Sacumé, mermão, cum menas tauba e menas prego a gente fazemos um rolimã beleza!

No ramal da Leopoldina, vendedores de bala e picolé ensurdecem os passageiros da Central, gritando o tempo todo:
- Olha a bala háus-aí. Olha o picolé-do-china-aí, é com auga firtrada-aí, não é auga de poço-aí, só uma merreca-aí.

Candangolês

- E aí, véi, beleza?
- Beleza, véi.

Gauchês

Na bodega “Último Gole”, antes de pegar a tramontana da roça:
- Bá, tchê, o compadre está mais ressabiado que cusco de mendigo. Ainda que mal pergunte, a comadre soube de seu caso com aquela chinoca?
- Nem te arrespondo, compadre, estou muito abichornado. Prefiro roçar dez coivaras a ter que ouvir aquela tramela lá na tapera. É pior que coice de bagual, mais doído que minuano sujo que navalha a orelha do índio véio na campanha.

Cannabinês

- É, mermão, tá tudo dominado!
- Dominado, tá tudo dominado!...

Sociologês da USP

“O real não é constituído por coisas. Nossa experiência direta e imediata nos leva a imaginar que o real é constituído por coisas (sejam elas naturais ou humanas), isto é, de objetos físicos, psíquicos, culturais oferecidos à nossa percepção e às nossas vivências. Assim, por exemplo, costumamos dizer que uma montanha é real porque é uma coisa, que a chamamos de ‘montanha’, indica que ela é, pelo menos, uma ‘coisa-para-nós’ .” (in “Que é Ideologia”, de Marilena Chauí).

PeTês

- Companheiros - fala o trotskista do Rio Grande em mais um Fórum Social Mundial -, enquanto militantes estruturados, precisamos dar uma maior especificidade à nossa atual colocação política, seja a nível nacional, seja a nível internacional. De sorte que ninguém tenha dúvidas de que a práxis revolucionária de nosso imarcescível Governo Popular e Democrático, que será presidido pelo companheiro Lula-laite, é terminantemente contra a mais-valia expropriada pelo FMI de todas as nações proletárias do planeta.

Para isso, nossos militantes estruturados devem todos os anos firmar posição dura contra a reunião de Davos e contra a globalização, e unir nossas forças globais de todo o globo em termos globalizantes às forças dos zapatistas no México, do ETA na Espanha, do IRA na Irlanda, dos muçulmanos em Kosovo e na Chechênia, dos palestinos, das crianças famintas do Iraque, contra o terrível bloqueio aeronaval dos EUA contra Cuba, que impede que os alimentos cheguem às mãos de nosso Comandante.

Além do apoio aos nossos companheiros do MST - depois das eleições -, para que continuem a vitoriosa expropriação dos latifúndios dos selvagens capitalistas brasileiros. Devemos apoiar sem restrições o plebiscito da dívida externa promovido pela CNB do B. A luta continua, companheiros! Até a vitória, sempre! Viva Fidel! Viva Cuba! Viva Coréia do Norte!

Informatiquês

Com o advento do computador, não se protocola mais documentos, mas se “protocoliza”. Não se imprime um texto, mas se “printa”. Não se apaga um caracter ou uma figura, mas se “deleta”. Não se grava um arquivo de segurança, mas se “becapeia”. Não se inicia um programa, mas se “inicializa” ou se “estarteia”.

O CEO (Chief Executive Officer) liga para a secretária, que se assusta por estar navegando no site www.sexolandia.com.br: - Preciso do paper ainda hoje, para o workshop às 4 p.m. Por isso, antes de printar, delete as palavras riscadas. Mas não esqueça de becapear no HD do server. Zipeia o file em diskete também. Antes de estartear o trabalho, sendeia um mail para o manager de Finanças, para liberar o pay down para a delivery imediata de todas as CPU e no-break previstos no quadro Excel para este mês. E não esqueça de colocar o desktop da workstation em off ao final do trabalho. Na pressa de curtir o happy hour vocês ainda vão incendiar meu office.

Economês (sempre acompanhado do pornografês)

- Precisamos melhorar o IDH de nossa população, de modo que se aproxime dos 8 décimos, como nos países do Primeiro Mundo - diz FHC.
- Para isso, precisamos pôr em prática a tese desenvolvimentista já preconizada por Mendonça de Barros. Há uma demanda por empregos altamente reprimida, e ... - sugere o Ministro do Desenvolvimento.
- Não mencione o nome desse sacripanta - interrompe Malan. Se aquecermos a economia, a inflação dispara. Não podemos deixar que se repitam os últimos IGP-M, que foram muito acima do esperado. Com bons resultados em nosso superávit primário, agora que estamos em época de eleições, poderíamos, talvez, lançar um programa social de alcance nacional, para captar eleitores para o Serra.
- Ótima idéia - diz FHC. Com o Bolsa-escola, melhorou o Índice Gini e já neutralizamos em parte o PT, que pregava a implantação do projeto de renda mínima, a menina dos olhos do nosso maior adversário político, o Senador Suplicy. Podemos lançar mais um programa de alcance social antes que a lei eleitoral impeça. Que tal criarmos o vale-gás, que, além de promover uma melhor distribuição de renda entre a população, poderá inflar o balão José Serra, para que finalmente decole nas pesquisas?
- Aprovado, mestre! - aplaudem os Ministros, chateados por não terem levado a FHC uma idéia tão simples porém tão brilhante.

Miliquês

Idioma do milico, o miliquês é uma língua de âmbito nacional, sem dialetos de aratacas ou gaúchos. Do Oiapoque ao Chuí, o idioma é entendido por todos os que vestem a farda verde-oliva. Abaixo, um microdicionário do miliquês:

Arataca - Pessoa oriunda do Nordeste brasileiro.

Araújo - É o marujo do ar, ou seja, o militar da Aeronáutica.

Bobina - Além daquelas utilizadas pela Arma de Comunicações, para lançamento de linhas telefônicas, bobina é também sinônimo para militar enrolado.

Bóia - Comida de milico. Os anarquistas gostam de tirar um sarro: “Parasita da nação, vem comer o seu boião”.

Boletim das baias - É a novidade que corre célere no batalhão, muitas vezes apenas uma fofoca - mesmo que não tenha vindo de alguma baia, pois só as unidades hipo é que as possuem. É o mesmo que “rádio-corredor” dos Ministérios da Esplanada, em Brasília.

Caxias - É o sujeito que leva muito a sério os regulamentos militares. Pode parecer ao “paisano” que é o sujeito ideal da caserna, mas normalmente é apenas um chato.

Chá-broxante - Chá preto servido na ceia para os milicos de serviço no quartel, e para os “laranjeiras”, para acalmar a moçada à noite.

Dragão - Recruta que come o pote de combustível gelatinoso, como sobremesa, em vez de utilizá-lo como fogareiro para aquecer a ração de campanha.

Furiosa - Banda militar simples, basicamente composta de instrumentos de percussão.

Gaiola das loucas - Prédio de Brasília onde moram os coronéis do Exército mais “antigos”, que se estressam por terem seus nomes no “Play-boy”, ansiosos em saber se serão promovidos a general ou não.

Homem da capa preta - Juiz do Tribunal militar, sempre lembrado quando é instalado um IPM no batalhão.

Laranjeira - Militar, normalmente recruta ou solteiro, que dorme no quartel, porque sua família mora longe, muitas vezes em outro Estado.

Mão-de-graxa - Mecânico de viatura ou armamento.

Maria-batalhão - Moça que gosta de namorar milico, de preferência o batalhão inteiro (*). É prima-irmã da maria-gasolina, a que namora só quem tem um carro.

Material de sapa - Trata-se de material para cavar trincheiras ou espaldões, como pás e picaretas, porém pode significar jocosamente os talheres dos milicos.

Milico de pijama - Militar transferido para a reserva remunerada.

Ociosão - Atual Teatro Pedro Calmon, anexo ao Quartel-General do Exército, em Brasília. Mais utilizado ultimamente, o apelido pegajoso ainda não se desgrudou.

Paisano - É o civil, todo aquele que não veste farda. “Andar à paisana” pode render detenção ao soldado, se não tiver licença para andar em trajes civis.

Papa-goiaba - Pessoa oriunda do Estado do Rio de Janeiro.

Pasta da viúva - Pasta de todo militar do Exército, que contém os documentos da família (certidões de casamento e nascimento), além de outros documentos, como seguros e pecúlios (Capemi, FAM etc.), para facilitar a vida da viúva (ou viúvo), quando o milico bater as botas.

Pé-de-banha - É o pessoal militar que trabalha no rancho - cozinheiros, copeiros, taifeiros -, muitos com a roupa e até os cabelos curtidos de gordura.

Pé-de-poeira - Integrante da Arma de Infantaria.

Pejota - Pensão judicial, é uma facada mensal no contracheque do militar, em favor da ex-esposa ou ex-companheira (ou do ex-marido/companheiro - caso do corpo feminino).

Pé preto - É como os pára-quedistas (“pés-vermelhos”), com ar superior, desdenham dos militares comuns, que usam coturnos pretos.

Periquito - Militar do Exército, que veste a farda verde-oliva.

Play-boy - Boletim que apresenta os nomes dos coronéis mais “antigos” do Exército, que concorrem ao generalato. Por fora, o Boletim não difere muito dos outros documentos, mas dentro é sacanagem pura. Ao menos é o que dizem os preteridos na promoção.

Reco - O mesmo que recruta, tem os mesmos direitos de um calouro numa faculdade, ou seja, nenhum.

Repone - Reunião de porra nenhuma, normalmente feita para os militares levar uma “mijada” do comandante.

Sandra Bréa - Galinha à Sandra Bréa é aquela carne de frango super cozida, de cor esbranquiçada, se despedaçando, com jeito de atropelada.


Félix Maier
Brasília, 12/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
02. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
03. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
04. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
05. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo


Mais Félix Maier
Mais Acessadas de Félix Maier em 2002
01. Sionismo e resistência palestina - 14/11/2002
02. Fome zero, malandragem dez - 28/11/2002
03. Bantustões brasileiros - 22/5/2002
04. Sobre futebol e hinos nacionais - 11/7/2002
05. Brasilês - um idioma de muitos sotaques - 12/3/2002


Mais Especial Volta às Aulas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O GRANDE AMOR DO PEQUENO VAMPIRO
ANGELA SOMMER-BODENBURG
MARTINS FONTES
(2002)
R$ 12,93



TRATADO GERAL SOBRE A FOFOCA
JOSÉ ÂNGELO GAIARSA
SUMMUS
(1978)
R$ 25,00



LÍNGUA, LITERATURA E REDAÇÃO - VOLUME 1
JOSÉ DE NICOLA
SCIPIONE
(1998)
R$ 8,00



AS FLORES DO MAL NOS JARDINS DE ITABIRA- BAUDELAIRE E DRUMMOND
GILDA SALEM SZKLO
AGIR
(1995)
R$ 18,90



LEVIATÃ: A MISSÃO SECRETA
SCOTT WESTERFELD
RECORD
(2012)
R$ 32,90



A GAROTA QUE VOCÊ DEIXOU PARA TRÁS
JOJO MOYSES
INTRÍNSECA
(2014)
R$ 38,00
+ frete grátis



NOVE NOITES
BERNARDO CARVALHO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 25,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 2
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90



CLIM SAMGUINE (2 VOLUMES/OBRA INTEGRAL) MÁXIMO GÓRKI (LITERATURA RUSSA)
MÁXIMO GÓRKI
EDITORIAL MINERVA - LISBOA
R$ 80,00



ÉTICA COMO AMOR-PRÓPRIO
FERNANDO SAVATER
MARTINS FONTES
(2000)
R$ 19,90





busca | avançada
34158 visitas/dia
737 mil/mês