Sobre a mulher que se faz de vítima | Fabrício Carpinejar | Digestivo Cultural

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Noga Sklar
>>> Tempo vida poesia 2/5
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
Mais Recentes
>>> Livro -Exercicios de matematica volume 2 funçoes e logaritmos de Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo
>>> Revista Trip 207 de Herson Capri; Pedrinho Aguinaga; Rebeca Nunes; Anderson Silva pela Trip (2012)
>>> Livro - Um corpo na biblioteca de Agatha Christie pela Nova fronteira (1942)
>>> Aprendizado do Coração de Clara Rennó pela Associadas
>>> Exercite Sua Mente de Reader`s Digest pela Seleções
>>> Doce Rosas para Rosa de Dolores Soler-Espiauba pela Rama (1989)
>>> Sublime Missão: Resgatando Vidas no Mundo das Drogas de Assis Azevedo; João Maria pela O Clarim (2004)
>>> Gravidez Saudável de Cynthia Howlett; Suppa (ilustr.) pela Réptil (2007)
>>> Auto Liderança: Manual para Treinadores e Consultores de Projetos Pessoais de Suryavan Solar; Cóndor Blanco pela Gran Sol (2010)
>>> Estrada da Guerra: Novos Autores: Juiz de Fora de Vítor Ribeiro Halfeld pela Funalfa (2014)
>>> Um Coração Saudável de Dr. Roque Marcos Savioli pela Canção Nova (2006)
>>> Amor Ilimitado de Festo Kivengere; Dorothy Smoker; MyrianTalitha Lins pela Bethania (1979)
>>> Geração Perdida: Jovens na Contramão de Naor Pedroza pela Vinha (2013)
>>> Revista Arte e Estilo: Ano 2 de Beatriz Milhazes; Anderson Thives; Katia Politzer; Dulce Nascimento; Teresa de Oliveira Santos pela Arte e Estilo Design (2013)
>>> Metalurgia e Desenvolvimento: A Corrida dos Metais no Brasil de Indústria Metalúrgica pela Associação Brasileira de Metais (1989)
>>> O Vinho na Cozinha de Eduardo Viotti pela Moderna; Folha de S. Paulo (2010)
>>> Filosofia: Por Uma Inteligência da Complexidade de Celito Meier pela Pax (2010)
>>> O Almanaque do Futebol Brasileiro de Marco Aurélio Klein; Sergio Alfredo Audinino pela Escala (1996)
>>> O Teatro Norte-Americano Hoje de Alan S. Downer (org.); José Paulo Paes (trad.); Edward Albee; Richard Barr; Esther M. Jackson pela Cultrix (1969)
>>> Coleção de Receitas de Knorr pela Knorr
>>> A Tragédia: Estrutura e História de Lígia Militz da Costa; Maria Luiza Ritzel Remédios pela Ática (1988)
>>> História da Inconfidência de Minas Gerais de Augusto de Lima Junior pela Itatiaia (1968)
>>> Deus Pode: Gospel de Silas Malafaia pela Central Gospel (2014)
>>> Sonhos Sem Fim: John Lennon; Michael Jackson; Ayrton Senna de Jucelino Nóbrega da Luz pela Ibrasa (2011)
>>> Compêndio de Teoria Elementar da Música de Osvaldo Lacerda pela Ricordi (1966)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/1/2007
Sobre a mulher que se faz de vítima
Fabrício Carpinejar
+ de 22300 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Arte de Robert Motherwell

Não tenho nada contra mulheres arrogantes, pretensiosas, arrivistas, carreiristas, fatais. Não me importo. O sadismo não me incomoda, expressa vontade e determinação, ainda que insuportavelmente exageradas.

O que me provoca alergia é a mulher-vítima (assim como existe o homem-vítima), a que se considera injustiçada por antecipação. Vítima do mundo, de si, que conspira contra qualquer boa notícia, que desconfia do otimismo e se empenha para a tragédia. Ela não lutará pelo seu talento, vai logo se desculpar ou esperar que tudo fique igual.

Será extremista: ou é como ela quer ou não vale. Não aceita gradações, modulações, intervalos. Não respeita meio-termos, demora, paciência. Carrega sua verdade para todas as mentiras.

No primeiro confronto com os pais, replica: "não pedi para nascer". Na primeira resistência: "nada funciona comigo". Na discussão de casal: "eu não o mereço". Na primeira celebração: "não sei por que você me escolheu". No primeiro filho: "ele não se parece comigo".

A mulher-vítima se defendeu do que podia na infância. Agora nem a infância a acalma. É vingativa. Só que não com os outros. Renuncia e abdica de sua própria história para provar que tinha razão.

Ela se enxerga como a última das criaturas. Aliás, a penúltima das criaturas, pois se lembrará das baratas ao pensar nisso. Não seria capaz de casar consigo mesma. Não que não seja bonita, inteligente, sensível. É, na maioria das vezes. Mas não suporta a idéia de fracassar e fracassa na véspera por não controlar a ansiedade. Não que tenha medo de fracassar, esse é o problema: tem certeza de fracassar.

A mulher-vítima tropeça já avisando como vai cair. Faz a derrota premeditada. Não economiza água para contar os dramas, e toma os dramas dos outros como seus. Se ela usasse todo o discurso quando se lamenta para dar certo, não haveria concorrência.

A mulher-vítima não desabafa, chora antes. Em algum momento, não foi vítima. Em algum momento, se sentiu traída e não trocou de papel.

A mulher-vítima se isola, acha que ninguém entenderá seu sofrimento. Não permite que sua angústia converse com estranhos. Ou que sua alegria tenha amigos. A mulher-vítima é uma mãe que não deixa o corpo sair dessa encarnação.

É como o fogo, começa uma história e não consegue terminar. Será vítima do casamento, será vítima da falta de oportunidade, será vítima dos filhos, será vítima das contas. Ela não reage, ela concorda quando está apanhando das dificuldades - até ajuda a bater.

A mulher-vítima não muda, aguarda que o mundo mude por ela. É triste o jeito que ela se trata, ou o jeito que ela não se trata.

Fui criado por uma mulher excepcional, que não precisava de provas para ser percebida. Apesar de todas as qualidades, era uma mulher-vítima. A mulher-vítima não apaga suas virtudes, ela se esconde delas.

Não cansava de explicar aos filhos que foi abandonada pelo marido. Nunca a ouvi dizer algo de bom dele. Tudo que era bom dele vinha dela e do tempo que viveram juntos. Nunca se casou de novo para contrariar o passado ou absolvê-lo.

A mulher-vítima é romântica. Pelo motivo errado. Não trai suas dores e mágoas pelo orgulho de ter sofrido sozinha.

Nota do Editor
Fabrício Carpinejar é poeta, autor de sete livros: entre eles, Como no céu/Livro de visitas (2005), Cinco Marias (2004) e Caixa de Sapatos (2003). Este texto foi originalmente publicado em seu blog e é reproduzido aqui com sua autorização.


Fabrício Carpinejar
São Leopoldo, 18/1/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seriados made in the USA de Juliana Lima Dehne
02. Gleiser, o cientista pop de Tais Laporta
03. Podcast mental de Adriana Carvalho
04. Arquitetura de informação de Rafael Lima


Mais Fabrício Carpinejar
Mais Acessadas de Fabrício Carpinejar
01. A vida sexual da mulher feia - 17/2/2006
02. A Invenção de Orfeu de Jorge de Lima - 14/7/2005
03. Manoel de Barros: poesia para reciclar - 17/8/2006
04. Separar-se, a separação e os conselhos - 18/1/2005
05. Sobre a mulher que se faz de vítima - 18/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/1/2007
11h47min
Que artigo sexista! Não existem "mulheres vítimas" a não ser que estejamos falando de alguma mulher que foi vítima de doença ou de violência. Existem "pessoas vítimas". A vitimização é um forte componente cultural brasileiro, é a "cultura do tadinho" e não escolhe gênero nem idade para atacar. Essa "cultura do tadinho" vem sido combatida pelos movimentos sociais, através da valorização da diferença entre as pessoas, do papel das minorias na sociedade e valorização cultural. Por favor, moço, reveja seus conceitos. O machismo e o sexismo acabaram há pelo menos trinta anos.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
21/1/2007
10h19min
Fabrício consegue sintetizar muito bem a pena que sentimos ao conhecer uma mulher vítima (e não podemos esquecer que existem também homens-vítima...). Pessoas que preferem transformar a tristeza em amargura profunda, que se acham as pobres-coitadas de um mundo que não é simples para ninguém... É triste alguém que vive dos olhares de comiseração dos outros. "Vamos sentir piedade... dessa gente careta e covarde".
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
24/1/2007
10h13min
Creio que o fato de Fabricio ter escolhido uma "mulher-vítima" é porque a ele talvez interesse mais pela alma feminina. Escrevemos sobre o que nos interessa. Ao elencar atitudes facilmente reconhecíveis em muitas pessoas (homens e mulheres) que conheço, o autor organiza uma realidade dispersa sobre a qual podemos refletir. Até porque, não há como negar, percebemos esse "coitadismo" em muitos de nossos afetos...
[Leia outros Comentários de Débora]
9/2/2007
12h49min
O texto é duro, e o pior, muito dolorido para quem lê e se enxerga, mas, é verdadeiro, não concordo com muitas coisas, como não se incomodar com arrogância, etc. Mas, me vi como uma mulher-vitima, filha de pais-vitimas, sendo que na minha família não somos ignorantes, feios, miseráveis, não, somos vistos como felizes, bonitos, inteligentes, guerreiros, mas, acredito que o conceito de humildade ensinado na sociedade cristã, acaba nos deixando inseridos na cultura do "tadinho", e é aí é que mora o perigo, pois, escondidos dentro da falsa modéstia, não revelamos ao mundo nossos verdadeiros talentos. Ser vilão, confiante, capacitado e saber disso se tornam sinônimos. Mas, quero rever alguns desses conceitos e penso que vai surtir efeito positivo para MIM.
[Leia outros Comentários de Thais Renata de Lima]
9/2/2007
14h33min
vítima, sim, dela própria, da porcaria que ela mesma criou para viver, para se proteger dela mesma, e da sua incompetência, diante de tudo... mas tipos são tipos e tem gosto pra tudo nessa vida.
[Leia outros Comentários de Teca Baima]
11/2/2007
15h18min
Apesar do apelo provocativo do título, me concentrei basicamente na culpa e não no sexo da "vítima"; assim pude perceber que tratava-se da abordagem defensiva, de uma opção pela inércia diante de uma tomada de decisão; uma falta de apetite para superar uma condição de deficiência e lutar contra algumas situações em que devemos nos confrontar contra os nossos próprios limites; uma situação tão real quanto cotidiana. Vitimizar-se é uma desculpa para não agir, não pensar sobre as responsabilidades das omissões e atribuir a outros a grandeza de se amar e se cuidar. Uma caminhada é feita do primeiro passo, é preciso enfrentar a primeira mentira e libertar-se do primeiro constrangimento para enfrentar o real. Autocomiseração é trapaça, e atirar sobre as costas de alguém a obrigação de sermos felizes é, minimamente, uma declaração de baixa auto-estima. As coisas conquistadas precisam ser conquistadas. "Navegar é preciso." Bravo, Carpinejar!
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - O Segredo do Gênesis - um Mistério de 10 Mil Anos de Idade
Tom Knox
Suma de Letras
(2010)



Goody Two-shoes
Anonymous, Pensamento, Denise Carvalho Rocha
Createspace Independent
(2016)



Criatividade para Renovar Aulas - Confira !!!
José Predebon
Brainstore e Mcm Light
(2009)



Cuba los Protagonistas de un Nuevo Poder
Marta Harnecker
Editorial de Ciencias Socia
(1979)



Literatura Comentada - Cruz e Souza
Cruz e Souza
Abril Educação
(1982)



Livro - Big Brother Fiscal na era do Conhecimento / 2ª Ed - Confira !!!
Roberto Dias Duarte
Ideas Work
(2008)



Pantaleão e as Visitadoras
Mario Vargas Llosa
Nova Fronteira
(1973)



Marketing de Relacionamento e Competição Em Tempo Real Com Crm
M. Bretzke
Atlas
(2000)



Morcegos Negros
Lucas Figueiredo
Record
(2000)



Meus Primeiros Versos - Vol. 4
Vários Autores
Nova Fronteira
(2001)





busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês