A crise do patriarcalismo e a ascensão da mulher | Héber Sales | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Livro - A Ararajuba - Série natureza brasileira 2 de Rubens Matuck pela Biruta (2003)
>>> Arsène Lupin e Victor, da Brigada Anticrime (como novo) de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> Livro - Os Pássaros - Coleção Infanto Juvenil de Germano Zullo Albertine pela 34 (2013)
>>> Livro - Betina de Nilma Lino Gomes pela Maza (2009)
>>> Agente em campo (como novo) de John le Carré pela Record (2021)
>>> Fantasma sai de cena (muito bom) de Philip Roth pela Cia das letras (2008)
>>> Gota d’água - Coleção Teatro Hoje de Chico Buarque (Autor), Paulo Pontes (Autor) pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Privação Cultural e Educação Pré-Primária de Maria Helena Souza Patto pela Livraria José Olympio (1977)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> A Franco Maçonaria. Origem Historia e Influencia (raro exemplar) de Robert Ambelain pela Gnose (1990)
>>> O Desmonte de Amarildo Felix pela Patuá (2021)
>>> Diário de um Ladrão de Jean Genet pela Nova Fronteira (2005)
>>> Comédias para se ler na escola de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2001)
>>> Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira Auto da Índia de Gil Vicente pela Atica (2005)
>>> Eu não disse? (muito bom) de Mauro Chaves pela Perspectiva (2004)
>>> Os Sofrimentos Do Jovem Werther de Johann Wolfgang Von Goethe pela Martins Fontes (1998)
>>> O Quarto Reich (capa dura- ótimo estado) de M. A. Costa pela Livros de guerra (2018)
>>> A Inocência do Padre Brown (raro exemplar) de G. K. Chesterton pela Record
>>> Ventos de Quaresma (muito bom) de Leonardo Padura Fuentes pela Cia das letras (2008)
>>> Perseguido (muito bom) de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Cia das letras (2003)
>>> O Rei De Girgenti (muito bom) de Andrea Camilleri pela Record (2004)
>>> D. Pedro I (Perfis Brasileiros) de Isabel Lustosa pela Companhia das Letras (2006)
>>> Quatro Estações de Stephen King pela Objetiva (2001)
>>> Wicca Gardneriana de Mario Martinez pela Gaia (2005)
>>> O Feitiço do Cinema Ensaios de Griffe Sobre a Sétima Arte de Juan Guillermo D. Droguett e Flavio F. A. Andrade pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/9/2002
A crise do patriarcalismo e a ascensão da mulher
Héber Sales

+ de 16100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

País de uma sociedade patriarcal forjada nas casas grandes e senzalas como descreveu Gilberto Freyre, da sociedade semi-tradicional como define Roberto da Matta, estará o Brasil vivendo uma crise do patriarcalismo?

Consultando-se as estatísticas sobre arranjos domiciliares, pensa-se que sim. Primeiro, verifica-se que cresce o número de domicílios chefiados por mulheres. A tendência foi forte nos anos 1990. A proporção de domicílios chefiados por mulheres passou dos 18,1% apurados em 1991 para 24,9% em 2000, um aumento de 37,5%. Incluem-se aí o universo das mulheres sozinhas, jovens ou não, divorciadas, viúvas ou solteiras, sem filhos, um contingente que cresce bastante. Em alguns casos, esse domicílio unipessoal feminino resulta da maior instabilidade dos casamentos, do mercado matrimonial desfavorável a mulher mais madura, da longevidade das mulheres (especialmente nas regiões sul e sudeste) e da migração de jovens mulheres do interior para as metrópoles em busca de melhores oportunidades de trabalho (fenômeno notável em Salvador, por exemplo).

Se os números não mentem, admitamos por enquanto que o patriarcalismo brasileiro está em crise. Famílias chefiadas por homens é um arranjo que diminui com os anos, e novos esquemas domiciliares são cada vez mais observados. Temos então um fator que pode redefinir a intimidade da nossa sociedade. Porém isso não é tudo. É preciso observar qualitativamente essas famílias matriarcais e essas moradoras solitárias, e, especificamente, analisar até que ponto elas são realmente portadoras de novos valores e condutas que transformariam a intimidade do brasileiro.

De saída, observa-se que grande parte das mulheres torna-se chefe de família mais por contingência do que por opção. São mulheres abandonadas por seus maridos, viúvas e que migram do interior para as grandes cidades em à procura de um emprego, de uma profissão. Em Salvador, por exemplo, encontra-se muitas jovens mulheres de classe média, ainda solteiras, que vieram do interior para estudar e fazer carreira. Conheço várias dessas moças de que estão ganhando seu dinheiro, num começo de carreira promissor, e que, ao mesmo tempo, ainda sonham com um príncipe encantado. É verdade que praticamente todas elas não podem mais ser chamadas de moças no sentido consagrado pela tradição, pois têm uma vida sexualmente ativa. Vivem-na no entanto de uma maneira no mínimo contraditória, cercadas por culpas, medos e cuidados com a imagem pública, afinal um príncipe encantado prefere as virgens, ou, na falta destas, as mais inocentes e discretas sexualmente. E esse padrão parece aplicar-se também a muitas jovens de seus 20 anos que cresceram na metrópole, hoje a terceira do Brasil, assim como a mulheres divorciadas. Aquelas são universitárias ou recém bachareladas, com acesso a mídia global, alto nível de informação sobre sexualidade; estas são profissionais bem estabelecidas que chefiam sua casa; ambas porém preservam-se para um bom casamento (o primeiro ou um seguinte). Ora, essa submissão do desejo feminino às exigências masculinas é muito mais típico de uma sociedade patriarcal, onde o homem, e não a mulher, controla (formalmente) a fecundidade e a sexualidade femininas.

Tais contradições que emergem de uma reflexão mais detida parecem reafirmar a marca de uma sociedade fundada numa tríplice ética, a ética da casa, a ética da rua e a ética do outro como descreve o antropólogo Roberto Da Matta em seu livro A Casa e a Rua. Neste livro, o autor afirma que o espaço da casa (ou da intimidade) parece imune às transformações do universo político e da rua (ou da lei). Qualquer semelhança com a situação que descrevemos não deve ser mera coincidência.

Porém tais evidências não esgotam nossa análise. Há mais aspectos reais a dissecar. Assim deve-se atentar para o fato de que a condição econômica da mulher sozinha ou chefe de família é, na maior parte das vezes, precária. A desigualdade econômica e a discriminação no emprego determinam tal estado de coisas. A maioria dessas mulheres é pobre como o é a maioria dos brasileiros, e com um agravante: têm mais dificuldade para encontrar um emprego formal. Já aquela minoria de classes média e alta bem empregadas, ganha menos do que os homens para desempenhar função similar.

Diante de tais discriminações sexuais, sociais e econômicas, o que faz, como reage a mulher brasileira? Debilmente, muito debilmente se comparadas às suas colegas norte-americanas e européias. Ao contrário do que acontece nesses países, o movimento social feminista não decola no Brasil. Há uma minoria organizada e ruidosa, mas que não consegue mobilizar as demais mulheres num esforço mais sistemático e abrangente de mudança. Analisemos alguns casos.

Antes que me patrulhem, aviso que não se trata de absorver sumariamente a governadora Roseana Sarney, mas como as mulheres reagiram à ofensiva política de que foi vítima a primeira mulher com reais condições de vencer uma eleição presidencial no Brasil? Quem viu na grande mídia alguma mobilização nesse sentido por parte dos movimentos feministas? Eu não vi, e olha que leio a seção de política da Folha de São Paulo e do Globo quase todos os dias. A hipótese lançada por Roseana de que estaria sendo vítima também de machismo não parece ter encontrado eco entre as feministas de plantão (talvez por estarem vinculadas à organizações políticas de esquerda que antagonizam o partido da ex-candidata a presidente...). Nem sequer li ou ouvi tais líderes feministas debaterem o assunto em público. Será que os interesses políticos de partidos ainda controlados pelos homens estão acima da luta feminista?

Um segundo e último caso intriga-me. Sou professor e pesquisador na área de administração e convivo com acadêmicas competentíssimas mas quase que totalmente alheias ao movimento feminista. Alguém aí pode lembrar que há muitas feministas em outras áreas do conhecimento científico, particularmente no seio das ciências sociais tradicionais. E é verdade. Certo, mas pergunto-lhes: essas mulheres são a maioria das que atuam no ramo? Se sim, tudo bem, temos um foco de resistência, mas muito pequeno e isolado em relação à outras carreiras.

Mas, para não dizer que não falei de flores, devo admitir e relatar que as mulheres progridem. Nos bancos das minhas salas de aula na Faculdade Adventista da Bahia, localizada em Cachoeira, Recôncavo Baiano, as mulheres já ocupam quase 50% do espaço. Nas turmas de mestrado em administração da Universidade Federal da Bahia, as mulheres representam pelo menos 40% dos assistentes. Nestas eleições presidenciais, uma mulher é candidata a vice-presidente, a Rita Camata. Este fato é representativo de um fenômeno mais amplo: a participação da mulher na política vem crescendo a reboque da lei de 1996 que impôs cotas e mulheres candidatas aos partidos. Desde 1994, dobrou o número de mulheres que disputam uma vaga na Câmara dos Deputados ou nas Assembléias Legislativas Estaduais. Nestas eleições de 6 de outubro, um número recorde de 40 mulheres concorrem ao senado, e 19 candidatas concorrem ao posto de governadora de estado - 4 delas no Rio de Janeiro, que assiste a uma verdadeira campanha cor de rosa.

Também devo reconhecer que no seio das famílias as mulheres têm hoje muito mais poder de decisão do que no passado. Mais informadas, instruídas do que no passado, a maioria empregada, sua participação na renda familiar parece dar maior poder de influência à sua voz na esfera doméstica. O mercado, que não perde oportunidade de aumentar suas vendas e lucros, vêm tratando de se adequar a essa tendência adaptando os produtos de uso comum e a sua promoção às necessidades, desejos e hábitos das mulheres. As montadoras de automóveis por exemplo tratam de cuidar do design e da ergonomia de olho nas exigências e preferências das mulheres.

E todos esses avanços parecem acontecer sem grandes traumas e cisões. As feministas brasileiras, lésbicas ou não, continuam femininas na sua maioria, e dispostas a construir pontes entre os três sexos no seu fazer cotidiano. Esse tom cordial das brasileiras que se emancipam é bastante coerente com o caráter conciliatório e mestiço da nossa sociedade (salve Sérgio Buarque de Holanda!), que é traço distintivo da nossa identidade cultural frente as demais nações.


Héber Sales
Salvador, 25/9/2002


Mais Héber Sales
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/9/2002
16h46min
Olá Héber. Ao ler seu texto, certos termos me causaram certo "estranhamento". Chefe de família? Movimento social feminista? Coisas deste tipo me soam um tanto anacrônicas. A idéia de que alguém "chefia" a família me pareceu muito, mas muito estranha mesmo. Estou habituada a observar os casais, mesmo os mais velhos, desenvolvendo modelos de parceria, sem "chefes", algo aliás imprescindível num mundo em que ambos trabalham e cuidam dos filhos e da casa igualmente. Quanto às dificuldades profissionais da mulher, entendo que não são "privilégio" feminino. Hoje a coisa está complicada para todos, homens, mulheres, jovens, velhos. Os homens não me parecem ter mais facilidades profissionais que as mulheres. Mesmo quanto à remuneração. Portanto, os movimentos feministas perderam o sentido já há algum tempo. As conquistas não são mais femininas ou masculinas e sim das pessoas, da sociedade, dos trabalhadores, dos indivíduos, dos consumidores. Se as mulheres lutam, elas lutam contra quem? Contra o homem? Separar o mundo com homens de um lado e, do outro, bem longe, as mulheres, é enfraquecer a humanidade como um todo. A hora não é de derrotar ninguém. E sim de vencermos todos. Abraços. Kelly.
[Leia outros Comentários de Kelly]
25/9/2002
17h14min
Kelly, os termos que você questiona são conceitos operacionais usados em pesquisas sociológicas sobre o tema abordado. Pessoalmente, compartilho dos valores igualitários que você defende. Abraços. Héber.
[Leia outros Comentários de Héber Sales]
6/1/2004
19h37min
Meu caro Héber, é de se estranhar que você, ao dissertar sobre a lenta modificação dos papéis sexuais no interior das famílias busque encontrar um paralelo entre a falta de defesa da ex-candidata a presidente e candidata ao presídio com uma pretensa discriminação sexista. Não houve defesa pública de Roseana pelos movimentos feministas ou movimentos democráticos por uma simples razão: ela não foi indiciada por ser mulher, por pretender disputar a presidência da República, mas por ter gerido e se locupletado por um enorme golpe no erário público. O simples fato de ser mulher não exime ninguém de suas responsabilidades. Quero lembrar que Celso Pitta foi o primeiro prefeito negro de São Paulo e foi escorraçado não por ser negro, mas por ser corrupto.
[Leia outros Comentários de lizardo paixão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Procura- Se Hugo / 8ª Ed
Diléa Frate
Ediouro
(2002)



II Simposio Estadual do Café
Cetcaf
Cetcaf
(1996)



Cenas Brasileiras
Rachel de Queiroz
ática
(2002)



Alice no País das Maravilhas
Lewis Carroll; Adaptado por Débora J. Durães
Abril
(2011)



Não Faça Tempestade Em Copo DÁgua no Trabalho
Richard Carlson
Rocco
(1999)



Meditação dos Guias Interiores
Edwin C. Steinbrecher
siciliano
(1990)



Os Mestres Secretos do Tempo
Jacques Bergier
hemus
(1974)



Guia Prático para a Ascensão
Tony Stubbs
pensamento
(2004)



Antologia Poética
Manuel Bandeira
Global
(2013)



Inocência
Visconde Te Taunay
Escala
(1992)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês