A crise do patriarcalismo e a ascensão da mulher | Héber Sales | Digestivo Cultural

busca | avançada
37300 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/9/2002
A crise do patriarcalismo e a ascensão da mulher
Héber Sales

+ de 15200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

País de uma sociedade patriarcal forjada nas casas grandes e senzalas como descreveu Gilberto Freyre, da sociedade semi-tradicional como define Roberto da Matta, estará o Brasil vivendo uma crise do patriarcalismo?

Consultando-se as estatísticas sobre arranjos domiciliares, pensa-se que sim. Primeiro, verifica-se que cresce o número de domicílios chefiados por mulheres. A tendência foi forte nos anos 1990. A proporção de domicílios chefiados por mulheres passou dos 18,1% apurados em 1991 para 24,9% em 2000, um aumento de 37,5%. Incluem-se aí o universo das mulheres sozinhas, jovens ou não, divorciadas, viúvas ou solteiras, sem filhos, um contingente que cresce bastante. Em alguns casos, esse domicílio unipessoal feminino resulta da maior instabilidade dos casamentos, do mercado matrimonial desfavorável a mulher mais madura, da longevidade das mulheres (especialmente nas regiões sul e sudeste) e da migração de jovens mulheres do interior para as metrópoles em busca de melhores oportunidades de trabalho (fenômeno notável em Salvador, por exemplo).

Se os números não mentem, admitamos por enquanto que o patriarcalismo brasileiro está em crise. Famílias chefiadas por homens é um arranjo que diminui com os anos, e novos esquemas domiciliares são cada vez mais observados. Temos então um fator que pode redefinir a intimidade da nossa sociedade. Porém isso não é tudo. É preciso observar qualitativamente essas famílias matriarcais e essas moradoras solitárias, e, especificamente, analisar até que ponto elas são realmente portadoras de novos valores e condutas que transformariam a intimidade do brasileiro.

De saída, observa-se que grande parte das mulheres torna-se chefe de família mais por contingência do que por opção. São mulheres abandonadas por seus maridos, viúvas e que migram do interior para as grandes cidades em à procura de um emprego, de uma profissão. Em Salvador, por exemplo, encontra-se muitas jovens mulheres de classe média, ainda solteiras, que vieram do interior para estudar e fazer carreira. Conheço várias dessas moças de que estão ganhando seu dinheiro, num começo de carreira promissor, e que, ao mesmo tempo, ainda sonham com um príncipe encantado. É verdade que praticamente todas elas não podem mais ser chamadas de moças no sentido consagrado pela tradição, pois têm uma vida sexualmente ativa. Vivem-na no entanto de uma maneira no mínimo contraditória, cercadas por culpas, medos e cuidados com a imagem pública, afinal um príncipe encantado prefere as virgens, ou, na falta destas, as mais inocentes e discretas sexualmente. E esse padrão parece aplicar-se também a muitas jovens de seus 20 anos que cresceram na metrópole, hoje a terceira do Brasil, assim como a mulheres divorciadas. Aquelas são universitárias ou recém bachareladas, com acesso a mídia global, alto nível de informação sobre sexualidade; estas são profissionais bem estabelecidas que chefiam sua casa; ambas porém preservam-se para um bom casamento (o primeiro ou um seguinte). Ora, essa submissão do desejo feminino às exigências masculinas é muito mais típico de uma sociedade patriarcal, onde o homem, e não a mulher, controla (formalmente) a fecundidade e a sexualidade femininas.

Tais contradições que emergem de uma reflexão mais detida parecem reafirmar a marca de uma sociedade fundada numa tríplice ética, a ética da casa, a ética da rua e a ética do outro como descreve o antropólogo Roberto Da Matta em seu livro A Casa e a Rua. Neste livro, o autor afirma que o espaço da casa (ou da intimidade) parece imune às transformações do universo político e da rua (ou da lei). Qualquer semelhança com a situação que descrevemos não deve ser mera coincidência.

Porém tais evidências não esgotam nossa análise. Há mais aspectos reais a dissecar. Assim deve-se atentar para o fato de que a condição econômica da mulher sozinha ou chefe de família é, na maior parte das vezes, precária. A desigualdade econômica e a discriminação no emprego determinam tal estado de coisas. A maioria dessas mulheres é pobre como o é a maioria dos brasileiros, e com um agravante: têm mais dificuldade para encontrar um emprego formal. Já aquela minoria de classes média e alta bem empregadas, ganha menos do que os homens para desempenhar função similar.

Diante de tais discriminações sexuais, sociais e econômicas, o que faz, como reage a mulher brasileira? Debilmente, muito debilmente se comparadas às suas colegas norte-americanas e européias. Ao contrário do que acontece nesses países, o movimento social feminista não decola no Brasil. Há uma minoria organizada e ruidosa, mas que não consegue mobilizar as demais mulheres num esforço mais sistemático e abrangente de mudança. Analisemos alguns casos.

Antes que me patrulhem, aviso que não se trata de absorver sumariamente a governadora Roseana Sarney, mas como as mulheres reagiram à ofensiva política de que foi vítima a primeira mulher com reais condições de vencer uma eleição presidencial no Brasil? Quem viu na grande mídia alguma mobilização nesse sentido por parte dos movimentos feministas? Eu não vi, e olha que leio a seção de política da Folha de São Paulo e do Globo quase todos os dias. A hipótese lançada por Roseana de que estaria sendo vítima também de machismo não parece ter encontrado eco entre as feministas de plantão (talvez por estarem vinculadas à organizações políticas de esquerda que antagonizam o partido da ex-candidata a presidente...). Nem sequer li ou ouvi tais líderes feministas debaterem o assunto em público. Será que os interesses políticos de partidos ainda controlados pelos homens estão acima da luta feminista?

Um segundo e último caso intriga-me. Sou professor e pesquisador na área de administração e convivo com acadêmicas competentíssimas mas quase que totalmente alheias ao movimento feminista. Alguém aí pode lembrar que há muitas feministas em outras áreas do conhecimento científico, particularmente no seio das ciências sociais tradicionais. E é verdade. Certo, mas pergunto-lhes: essas mulheres são a maioria das que atuam no ramo? Se sim, tudo bem, temos um foco de resistência, mas muito pequeno e isolado em relação à outras carreiras.

Mas, para não dizer que não falei de flores, devo admitir e relatar que as mulheres progridem. Nos bancos das minhas salas de aula na Faculdade Adventista da Bahia, localizada em Cachoeira, Recôncavo Baiano, as mulheres já ocupam quase 50% do espaço. Nas turmas de mestrado em administração da Universidade Federal da Bahia, as mulheres representam pelo menos 40% dos assistentes. Nestas eleições presidenciais, uma mulher é candidata a vice-presidente, a Rita Camata. Este fato é representativo de um fenômeno mais amplo: a participação da mulher na política vem crescendo a reboque da lei de 1996 que impôs cotas e mulheres candidatas aos partidos. Desde 1994, dobrou o número de mulheres que disputam uma vaga na Câmara dos Deputados ou nas Assembléias Legislativas Estaduais. Nestas eleições de 6 de outubro, um número recorde de 40 mulheres concorrem ao senado, e 19 candidatas concorrem ao posto de governadora de estado - 4 delas no Rio de Janeiro, que assiste a uma verdadeira campanha cor de rosa.

Também devo reconhecer que no seio das famílias as mulheres têm hoje muito mais poder de decisão do que no passado. Mais informadas, instruídas do que no passado, a maioria empregada, sua participação na renda familiar parece dar maior poder de influência à sua voz na esfera doméstica. O mercado, que não perde oportunidade de aumentar suas vendas e lucros, vêm tratando de se adequar a essa tendência adaptando os produtos de uso comum e a sua promoção às necessidades, desejos e hábitos das mulheres. As montadoras de automóveis por exemplo tratam de cuidar do design e da ergonomia de olho nas exigências e preferências das mulheres.

E todos esses avanços parecem acontecer sem grandes traumas e cisões. As feministas brasileiras, lésbicas ou não, continuam femininas na sua maioria, e dispostas a construir pontes entre os três sexos no seu fazer cotidiano. Esse tom cordial das brasileiras que se emancipam é bastante coerente com o caráter conciliatório e mestiço da nossa sociedade (salve Sérgio Buarque de Holanda!), que é traço distintivo da nossa identidade cultural frente as demais nações.


Héber Sales
Salvador, 25/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
04. On the Road, 60 anos de Luís Fernando Amâncio
05. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Héber Sales
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/9/2002
16h46min
Olá Héber. Ao ler seu texto, certos termos me causaram certo "estranhamento". Chefe de família? Movimento social feminista? Coisas deste tipo me soam um tanto anacrônicas. A idéia de que alguém "chefia" a família me pareceu muito, mas muito estranha mesmo. Estou habituada a observar os casais, mesmo os mais velhos, desenvolvendo modelos de parceria, sem "chefes", algo aliás imprescindível num mundo em que ambos trabalham e cuidam dos filhos e da casa igualmente. Quanto às dificuldades profissionais da mulher, entendo que não são "privilégio" feminino. Hoje a coisa está complicada para todos, homens, mulheres, jovens, velhos. Os homens não me parecem ter mais facilidades profissionais que as mulheres. Mesmo quanto à remuneração. Portanto, os movimentos feministas perderam o sentido já há algum tempo. As conquistas não são mais femininas ou masculinas e sim das pessoas, da sociedade, dos trabalhadores, dos indivíduos, dos consumidores. Se as mulheres lutam, elas lutam contra quem? Contra o homem? Separar o mundo com homens de um lado e, do outro, bem longe, as mulheres, é enfraquecer a humanidade como um todo. A hora não é de derrotar ninguém. E sim de vencermos todos. Abraços. Kelly.
[Leia outros Comentários de Kelly]
25/9/2002
17h14min
Kelly, os termos que você questiona são conceitos operacionais usados em pesquisas sociológicas sobre o tema abordado. Pessoalmente, compartilho dos valores igualitários que você defende. Abraços. Héber.
[Leia outros Comentários de Héber Sales]
6/1/2004
19h37min
Meu caro Héber, é de se estranhar que você, ao dissertar sobre a lenta modificação dos papéis sexuais no interior das famílias busque encontrar um paralelo entre a falta de defesa da ex-candidata a presidente e candidata ao presídio com uma pretensa discriminação sexista. Não houve defesa pública de Roseana pelos movimentos feministas ou movimentos democráticos por uma simples razão: ela não foi indiciada por ser mulher, por pretender disputar a presidência da República, mas por ter gerido e se locupletado por um enorme golpe no erário público. O simples fato de ser mulher não exime ninguém de suas responsabilidades. Quero lembrar que Celso Pitta foi o primeiro prefeito negro de São Paulo e foi escorraçado não por ser negro, mas por ser corrupto.
[Leia outros Comentários de lizardo paixão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERCEIRA ETAPA DA REFORMA PROCESSUAL CIVIL
FLÁVIO CHEIM JORGE & FREDIE DIDIER JR ET ALII
SARAIVA
(2006)
R$ 25,00



ENGLISH GRAMMAR IN USE - 2ªEDITION
RAYMOND MURPHY
CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS
(1994)
R$ 35,00



MEDITAÇÃO TRANSCENDENTAL
MAHARISHI MAHESH YOGI
ARTENOVA
(1976)
R$ 30,00



O ÍNCOLA E O BANDEIRANTE NA HISTÓRIA DE SÃO PAULO
CEL. PEDRO DIAS DE CAMPOS
FRANCISCO ALVES
(1951)
R$ 32,00



FOI DADA A PARTIDA: TRIBUTO AO HIPÓDROMO DA GÁVEA
RAFAEL CAVALCANTI
EUROPA
(1998)
R$ 26,82



SISTEMA DE MÉTODOS DE APRENDIZAGEM - HISTÓRIA GERAL I
CERED
CERED
(1987)
R$ 14,00



A FORMAÇÃO DAS ALMAS - O IMAGINÁRIO DA REPÚBLICA DO BRASIL
JOSÉ MURILO DE CARVALHO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 20,00



DESNUTRIÇÃO E APRENDIZAGEM - ENSAIOS 76
JOVELINA BRAZIL DANTAS
ÁTICA
(1981)
R$ 9,00



NIEMEYER - UM ROMANCE
TEIXEIRA COELHO
ILUMINURAS
(2001)
R$ 6,28



AND THE WINNER IS... OS BASTIDORES DO OSCAR
EMANUEL LEVY
TREJETÓRIA EDITORIAL
(1990)
R$ 12,00





busca | avançada
37300 visitas/dia
1,3 milhão/mês