Megalópoles de informação | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
Mais Recentes
>>> The Secret Passage Stage 4 - A2 de Paloma Bellini pela Hub (2011)
>>> Pluralidade como corolário da liberdade sindical de Cláudio Cesar Grizi Oliva pela Ltr (2011)
>>> Pela Moldura da Janela de Lourdinha Leite Barbosa pela Topbooks (2011)
>>> Administração Financeira de A. a Groppelli e Ehsan Nikbakht pela Saraiva (2010)
>>> Client/server Architecture de Alex Berson pela Mc Graw Hill (1992)
>>> Caso Em Família de Rex Stout pela Francisco Alves (1977)
>>> Farewell de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1996)
>>> Sessenta Anos Passados: Estórias de um Médico Não Especialista de Affonso Renato Meira pela Scortecci (2016)
>>> The New Direct Marketing: How to Implement a Profit-driven... de David Shepard Association pela Irwin Professional Pub (1998)
>>> A Graça da Coisa- 25ªedição de Martha Medeiros pela L&pm Editores (2013)
>>> Metapesquisa Em Comunicação - o Interacional e Seu Capital Teórico.. de Maria Ângela Mattos pela Sulina (2018)
>>> Linguagem e Persuasão - 8ªrevista e Atualizada de Adilson Citelli pela Atica (2004)
>>> O Melhor da Super de Alexandre Versignassi pela Abril (2013)
>>> Psicologia Educacional de Nelson Piletti pela Ática (2008)
>>> O que é Pesquisa em Educação? de Potiguara Ácacio pereira pela Paulus (2005)
>>> Quando a graça de Deus nos toca de PR. Marcio Valadão pela Igreja batista da alagoinha (2009)
>>> Os Grandes Mitos da Feminilidade de Iwonka Blasi pela Record Rosa dos Tempos (1996)
>>> Andanças de Oroncio Vaz de Arruda Filho pela Nobel (1987)
>>> Curso de Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela Manole (2010)
>>> Novo Codigo de Processo Civil ao Alcance de Todos de Marcelo Fonseca Guerreiro; Larissa Moreira Zottis pela Ltr (2016)
>>> Comentário ao Regime Processual Experimental de Luis Filipe Brites Lameiras pela Almedina (2007)
>>> Manual de Direito Processual do Trabalho. de Acordo Com o Novo Pcp de Mauro Schiavi pela Ltr (2016)
>>> Bate-papos Educacionais na Internet de Erisana Célia pela Appris (2019)
>>> Motivación 360 de David Fischman / Lennia Matos pela Gestion 2000 (2014)
>>> O Saber e Seus Embates de Cesar Augusto Battisti; Joao Antonio pela Sulina (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/11/2002
Megalópoles de informação
Gian Danton
+ de 7000 Acessos
+ 8 Comentário(s)

Em plena década de 60, o filósofo Marshall McLuhan fez uma previsão curiosa: " A cidade do futuro, de circuitos elétricos, não será esse fenomenal aglomerado de propriedade imobiliária concentrada ao redor da ferrovia. Ela adquirirá um significado inteiramente novo sob condições de movimentação extremamente rápida. Será uma megalópole de informação. O que resta da configuração das cidades 'anteriores' se parecerá muito com as feiras mundiais - lugares onde se exibem novas tecnologias, não lugares de trabalho ou moradia". Na época a maioria das pessoas não deu muita bola. Entretanto, a tendência está mostrando que o autor do conceito de Aldeia Global acertou mais uma vez. As cidades do futuro serão megalópoles de informação.

Para entender o que isso quer dizer, é necessário voltar no tempo e entender porque as cidades se formaram. Os povoados surgiam para suprir algumas necessidades. A primeira delas, a de contato humano. Aristóteles já dizia que o homem é um ser social. Não conseguimos viver sozinhos e a cidade nos permite conseguir facilmente relacionamentos com outras pessoas. Além disso, as vilas eram os locais onde você poderia encontrar tudo que necessitava. Não é por acaso que muitas surgiram ao redor de feiras, como é o caso de Feira de Santana, na Bahia. Morar próximo ao local em que as pessoas comercializam é a certeza do acesso aos produtos essenciais sem grande gasto de energia.

Muitas cidades surgiam ao redor de ferrovias e portos justamente pela facilidade de acesso ao transporte e aos produtos transportados.

É interessante notar que tudo que os agrupamentos humanos ofereciam (produtos, relacionamento humano, transporte) pode ser considerado informação. Informação é tudo que é novidade, que foge do comum e a cidade era o local onde a informação estava.

Pois bem. Hoje não há mais necessidade de proximidade física para o acesso à informação. Através da internet eu consigo me comunicar com amigos que moram em outros estados com mais facilidade que com pessoas que moram no mesmo bairro. Através das lojas virtuais, é possível comprar qualquer produto e recebê-lo em casa sem precisar se deslocar um único quilômetro.

Até mesmo os produtos estão se tornando virtuais. Os livros, por exemplo. Antes era necessário se deslocar até a livraria. Se a pessoa não morasse em um local que tivesse livraria, precisaria viajar, gastar com a ida e a volta. Hoje basta "entrar" em uma livraria virtual, dar o número do cartão de crédito, receber uma senha e fazer o download.. O processo, da compra ao produto, passando pela transferência de propriedade, é completamente virtual.

Além disso, o próprio ambiente de trabalho está se tornando virtual. Muitas pessoas fazem seu trabalho em casa, enviam pelo computador e recebem pelo banco virtual. Um amigo meu mora no subúrbio de Belém e trabalha para os EUA. E eu mesmo colaboro com publicações nas quais nunca coloquei o pé.

Se não é mais necessário morar na cidade grande para trabalhar, comprar produtos ou ter contato com as pessoas, para que as pessoas enfrentariam engarrafamentos, poluição, violência e todas as coisas negativas das metrópoles?

A tendência, portanto, é que as pessoas comecem a se afastar dos grandes centros, procurando locais que não tenham os problemas das grandes cidades. A cidade irá se dispersar, e cada um que tiver acesso aos meios de comunicação será seu cidadão. As megalópoles serão definidas não mais por suas extensões físicas, mas por sua capacidade de transmissão de informações. De certa forma, podemos dizer que isso já começa a acontecer com os grandes portais da Internet. Em certo sentido, eles já são verdadeiras megalópoles de informação...


Gian Danton
Macapá, 8/11/2002

Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2002
01. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
02. Público, massa e multidão - 30/8/2002
03. A teoria do caos - 22/11/2002
04. O filósofo da contracultura - 18/10/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/11/2002
16h38min
Um curto preâmbulo: o advento da prensa móvel de Gutemberg barateou a reprodução dos livros no fim da Idade Média, trazendo consequências políticas e sociais das mais relevantes, entre elas o enfraquecimento do monopólio da Igreja sobre o pensamento das elites, o surgimento do Estado moderno e a paralela deterioração das instituições feudais. Para se ter uma idéia de escala de valores, antes de Gutemberg um exemplar da bíblia sagrada (copiada a mão, evidentemente) valia uma pequena fortuna, o suficiente para se comprar uma mansão da época! Gutemberg tornou possível que não apenas milionários tivessem suas Bíblias, mas que pessoas comuns também as adquirissem. Esse fato repercutiu dramaticamente na disseminação do conhecimento religioso (inicialmente) e em todos os outros campos (numa segunda etapa). No século atual, é de se esperar que as novas tecnologias de informação (micro-computador, internet, etc) tenham impacto político-social ainda maior do que o causado pelo invento de Gutemberg, ocorrido na transição dos séculos XIV/XV. Concordo com o que você comenta no artigo acima, quanto à provável perda de importância relativa das grandes cidades. Indo mais além, acho que a estrutura política das sociedades contemporâneas sofrerá, a curto e médio prazos, alterações significativas, como, por exemplo, a perda cada vez mais evidente da importância relativa do próprio Estado-nação. Se me permitir, vou assinalar, a título de exemplo, duas possíveis consequências do que acabo de comentar: os preços relativos dos imóveis em áreas menos nobres das grandes cidades entrarão em suave e permanente queda; o que resta do prestígio dos políticos (agentes do Estado-nação) terá a sua trajetória de declínio cada vez mais acentuada. É esperar e torcer (particularmente no caso dos brasileiros) para ver. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Toni]
9/11/2002
22h42min
Toni, seus comentários são muito pertinentes. De fato, a invenção da imprensa mudou tudo. Tanto que McLuhan chamava o mundo anterior às mídias eletrônicas de Galáxia de Gutemberg. Só não sei se haverá uma diminuição da importância do estado. Do estado-nação, certamente, pois a globalização torna pouco importantes as fronteiras nacionais. Mas, por outro lado, há fenômenos como a eleição de Lula, que tinha um discurso nacionalista e populista. Para explicar o mundo em que vivemos, além de McLuhan, precisamos usar as idéias de Edgar Morin e o pensamento complexo...
[Leia outros Comentários de Gian Danton]
13/11/2002
09h58min
Como disse o Toni na época de Gutenberg o livro foi barateado, agora é a industria fonográfica que sofre os reflexos da tecnologia de rede através da Internet, as mp3 se tornaram um drama para as grandes gravadoras mas são a felicidade dos internautas que se favorecem delas como eu , a parte boa disso eh que as gravadoras estão sendo forcadas e rever preços e outras maneiras de atrair consumidores...não só ela como muitas outras instituições da nossa sociedade. Os blogs são um bom exemplo de como a NET facilitou a difusão de idéias e disseminação do conhecimento. Agora qualquer pessoa com um computador e uma conexão dial-up pode publicar suas idèias na web. Claro que isso também banaliza um pouco as coisas, este é o preço da facilidade.Alias quem quizer visitar meu blog (www.jenny.blogger.com.br) hehehehe.
[Leia outros Comentários de Jenny ]
14/11/2002
15h57min
Um assunto tão interessante tratado de forma tão superficial. "Para explicar o mundo em que vivemos, além de McLuhan, precisamos usar as idéias de Edgar Morin e o pensamento complexo..." (#2). Para explicar o mundo em que vivemos precisamos de muito, muito, muito mais do que isso.
[Leia outros Comentários de Pablo Cabistani]
14/11/2002
17h14min
Pablo, Muito obrigado pelo comentário. Só uma curiosidade: para explicar o mundo atual voce diz que é preciso muito, muito mais. Poderia me dizer o que é esse "muito, muito mais" ? Estou curioso.
[Leia outros Comentários de Gian Danton]
14/11/2002
21h11min
[Muito, muito, mais] + [pensamento complexo]= [caos( nosso mundo )] "Para explicar o mundo em que vivemos, além de McLuhan, precisamos usar as idéias de Edgar Morin e o pensamento complexo..." Vai ver que esse "muito, muito mais" que o pablo fala tem o mesmo significado do pensamento complexo que você disse der preciso Gian , só que ele apenas mudou o nome ... =) ... Pablo , nem se você juntasse Eisten , freud , marx , Macluhan , edgar Morin , nietzsche , e toda cambada iluminista você consiguiria enteder o mundo em que vivemos , e o pensamento complexo de que gian fala seria talvez transformado em algo caótico , tão caótico quanto o mundo em que vivemos .
[Leia outros Comentários de Jenny]
15/11/2002
01h42min
Assim como McLuhan, parece que o Sr. Danton é mesmo desprovido de uma estrutura de pensamento político atento a um mundo que ele tenta codificar. Incrível mesmo é que nos dias de hoje ainda encontramos quem se atenha a analisar essa malcheirosa montanha de detrito subfilosófico e subteórico que resultaram em conclusões equivocadas. A "aldeia global" é um dos conceitos mais irrelevantes concebidos porque falho na dimensão social, vesgo na economia e reacionário politicamente. Nunca foi considerado pelos jornalistas de alguma seriedade ou pelos polemistas e pensadores de algum peso (procurem ver o que Dwight McDonald disse de McLuhan). Na sua confusa e descomprometida visão de mundo, o Sr. Danton padece do equívoco básico de McLuhan: não ter ideologia alguma nem ter um sistema confiável pelo qual possa analisar as transformações. Na falta de um pensamento político consistente, basta as idéias de Edgar Morin para explicar o mundo. Que pena...Talvez isso explique por que tanta curiosidade em identificar o "muito, muito mais" do generoso alerta de Pablo. Aproveitando a referência ao advento da imprensa móvel, bom observar um slide francês da década de 70 que mostrava Gutemberg no ato de dirigir uma vigorosa banana ao professor de literaruta inglesa tranformado em pseudocodificador e pensador da chamada era eletrônica. A melhor resposta que poderia ter sido dada. Aos dois.
[Leia outros Comentários de Giba San]
15/11/2002
20h08min
É incrível como o pensamento de McLuhan ainda causa polêmica. Isso é mais uma prova de sua importância. Se suas idéias não fossem importantes, as pessoas o esqueceriam. Não importa se concordamos ou discordamos de McLuhan, analisar o mundo atual sem falar nele. Aproveito para agradecer todos os que se manifestaram sobre o assunto, inclusive os que discordam de meu texto. Afinal, como diria Nelson Rodrigues, toda unanimidade é burra.
[Leia outros Comentários de Gian Danton]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cenas da vida brasileira/ Marafa/ Vejo a lua no céu - 3 livros de bolso
Marques Rebelo
Edições de ouro



Domingos Vera Cruz
Glauco Ortolano
Altana
(2000)



Mano Descobre o @mor
Heloisa Prieto, Gilberto Dimenstein
Senac sao paulo
(2001)



O Livro dos Espíritos
Allan Kardec
Federação Espírita Brasileira
(2006)



Os pequenos cavalos de Tarquínia
Marguerite Duras
Guanabara
(1986)



Budismo - Uma Introdução Concisa
Huston Smith; Philip Novak
Cultrix
(2015)



O Adeus a Mulher Selvagem
Henri Coulonges
Abril Cultural
(1983)



Divaldo, Medium Ou Genio?
Fernando Pinto
Brasil
(1976)



Televisión y Educación
Joan Ferrés
Paidós
(1994)



Bang-Bang na Italiana
Ganymédes José; Tereza Noronha
Atual
(1988)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês