Aprendendo a ser gente | Digestivo Cultural

busca | avançada
74698 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> Return to the Little Kingdom, by Michael Moritz
>>> O que mais falta acontecer?
>>> Quem vem lá?
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
>>> Claro Enigma, de Carlos Drummond de Andrade
>>> O fim da obrigatoriedade do diploma no jornalismo
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Cinema em Atibaia II
Mais Recentes
>>> Sobre o Islã: a Afinidade Entre Muçulmanos, Judeus e Cristãos e As... de Ali Kamel pela Nova Fronteira (2007)
>>> Rhaimischimbilim o Mistério da Familia Sales de Ieda de Oliveira pela Difusão Cultural do Livro (2006)
>>> Linguística Aplicada ao Português: Sintaxe de M. Cecília P. de Souza e Silva pela Cortez (2000)
>>> Mon Bouquin de Cuisine de Françoise Burgaud pela Robert Laffont (1992)
>>> Capitalizaçao Historico Conceitos Perspectivas de Edmilson Gama da Silva pela Do Autor (2006)
>>> O Tempo Ha de Curar de Eric Ambler pela Record (1981)
>>> A Pérola de John Steinbeck pela Record
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs
>>> Desenvolvendo Sites de E-commerce de Vivek Sharma e Rajiv Sharma pela Makron Books (2001)
>>> Clube do Livro dos Homens de Lyssa Kay Adams pela Arqueiro (2021)
>>> O Vigário de Wakefield de Oliver Goldsmith pela Ediouro
>>> Leonardo da Vinci de Steve Augarde pela Ciranda Cultural (2009)
>>> O Pai Minuto de Spencer Johnson pela Record
>>> Ombra e Lutz de Mauro Camargo pela Lachatre (2015)
>>> Les Mystères Dosiris - Larbre de Vie de Christian Jacq pela Xo Editions (2003)
>>> Práticas e Representações Judaico-cristãs: Exercícios de Interpretação de Ivan Esperança Rocha pela Fcl-assis-unesp Publicações (2004)
>>> Capricho do Vento de Zenilda Nunes Lins pela Nova Letra (2015)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Círculo do Livro (1983)
>>> Fabulosos X-men: Destroçados de Brian Michaelbendis / Frazer Irving pela Panini Comics / Marvel
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Rua da Desilusão de Jacquelyn Mitchard pela Record (2005)
>>> Talento de Glória Maria Garcia Pereira pela Futura (2002)
>>> Só Poesia de Odete Ronchi Baltazar pela Avbl (2006)
>>> Caminhos do Mar Antologia Poética Açoriano Catarinense de Lauro Junker Osmar e Outros pela Acl (2005)
>>> Elementos de Teoria dos Conjuntos - 3ª Edição Revista de Benedito Castrucci pela G. E. E. M. - São Paulo (1969)
EDITORIAIS >>> O Começo

Segunda-feira, 17/9/2001
Aprendendo a ser gente
Vera Moreira

+ de 1500 Acessos

O Digestivo Cultural foi uma das coisas mais inusitadas da minha vida, se não a mais. Eu nunca havia entrado em uma dessas salas de bate-papo da Internet. Mesmo com os e-mails, levei um bom tempo até me adaptar, apegada às cartas, em papel, lembram? Coisa de velhinha... Até que um belo dia chegou uma mensagem de um tal de Julio D. Borges em minha já disputada caixa postal, com um Digestivo Cultural, notas de cultura que me chamaram a atenção. Fui lendo e toda semana entrava um novo DC e eu ia lendo. Lá pelas tantas, me irritei e achei que o DC era obra de algum jornalistão desgarrado, mal humorado, sem espaço na grande imprensa, etc, etc. Cheia dos pré-conceitos, lasquei uma mensagem.

Olhem só:
"acho a idéia de 'digestivo cultural' interessante
mas falta cultura na sua web coluna - menos opinião pessoal, mais cultura aplicada, entende? afinal vc pretende digerir cultura com os internautas
e pra digerir é preciso entender - ñ só engolir"

Fiquei pensando, agora esse Julio se manca. Ou então nem vai tomar conhecimento, deve ser um desses caras que giram em torno do próprio umbigo, etc, etc. Qual foi minha enorme surpresa quando recebi a seguinte resposta:

"SP, 13/12/2000
Vera,
Antes de tudo, muito obrigado pelo feed-back.
Já tive uma fase mais informativa. Se você for ao meu site e ler os primeiros artigos, perceberá que a opinião pessoal ficava em último plano: http://www.jdborges.com.br/artigos/
Hoje penso que se não tiver uma linha "editorial", o Digestivo não se impõe. As noticias, as informações estão na Imprensa para quem quiser pegar. Se quiser propor algo realmente novo, terei de investir no que tenho de próprio e verdadeiro: meus pontos de vista. Para completar, não há espaço, dentro da proposta do Digestivo para dados
adicionais. Por isso, indico os sites, os endereços, etc. Na seção Ficha Técnica.
Continue lendo e me escrevendo. Um abraço, Julio D. Borges"

Bom, acho que nem preciso dizer que me senti envergonhada de ter sido tão mal educada e fiquei curiosa. Fui visitar o site do Julio e li uma penca de seus textos, adorei os contos, os artigos, os relatos de viagens, a história dele na Poli e minha surpresa ainda maior foi descobrir que não era o jornalistão mal humorado que eu imaginara, mas um jovem cheio de idéias, expressivo e afável. Aí pensei, pôxa, eu é que sou uma jornalistona mal humorada, preconceituosa, prepotente, cheia das falsas verdades, estou precisando aprender a ser gente, a ouvir o que outros têm a dizer, mesmo que não concorde, gente que é gente sabe se respeitar, expressa sua opinião com educação. Foi assim que respondi ao Julio, meio sem graça e não querendo transparecer minha vergonha, que eu ia continuar lendo o DC.

E daí nasceu uma grande amizade, minha primeira amizade virtual. Fiquei nervosa no princípio, pois era uma coisa que jamais havia imaginado, ter intimidade com uma pessoa que você nunca viu. Lá pelas tantas ficava pensando, será que o Julio existe? Mesmo depois de conhecê-lo em carne e osso, ficava viajando que ele podia ser fruto da minha imaginação, uma criação exclusiva minha, algo "Matrix", até me acostumar de vez com meu novo amigo, que logo viria a ser meu irmão mais novo (mano Julio, sempre delicado comigo, disse que me chama de irmã mais velha porque nasci um dia antes dele, mas a verdade crua e dura é que nasci um dia e uma década antes - sou a velhinha de nosso grupo), por nossa afinidade cósmica aquariana.

O grupo foi outra coisa inusitada. Quando dei por conta, estava de papo com várias pessoas e não mais só com uma que eu não conhecia. E ainda por cima, como eu, tinha um bando de aquarianos e apaixonados por paleontologia, arqueologia, história, línguas. Àquelas alturas eu também já tinha certeza que o DC era uma coisa bem real e boa que estava acontecendo, porque nos primeiros dias que o Julio começou a montar o quadro de Colunistas e a pedir os textos, me empenhei com um entusiasmo que há muitos anos eu não sentia na imprensa. Mergulhei em minha primeira coluna com uma expectativa de adolescente, uma vibração ímpar e quando mandei estava toda orgulhosa.

O mais legal de tudo na primeira coluna, foi o feed-back do Julio, o cara que eu tinha tachado de metido a besta por dar suas opiniões, queria as minhas também. E, assim, foi me estimulando a escrever não tão jornalisticamente, noticioso, a escrever mais pessoalmente, mais depoimento, minhas experiências, etc, etc (desculpem, mas eu preciso usar os etc, etc, porque senão esse texto vai ficar de um tamanho impossível). Pensei no estilo de autores que gosto de ler, de livros contagiantes e carregados de experiências e fui indo, escrevendo, reescrevendo, conversando, ponderando, lendo...

Já era mês de janeiro e eu estava na praia com meu notebook, encantada com meus exercícios pra as colunas do DC. Até que chegou o dia do aniversário e eu, que adoro "sinais", tive um dia revelador: o mar estava limpo, limpo e azul, transparente como nunca, havia cardumes de pequenos peixes à beira mar e lá onde meu sobrinho surfava, apareceram cinco botos. Foi o dia mais lindo e ensolarado de todas as temporadas que já passei nesta praia do Rio Grande do Sul, isso nunca aconteceu em Itapeva, o mar em geral é mais escuro, às vezes um lodo mesmo, peixinhos à beira mar é loucura e botos nadando, botos de verdade... Só podia ser um "sinal", é lógico!

Assim, tive a derradeira certeza sobre o DC e que a Internet entrara definitivamente na minha vida. Devo dizer que isso tudo teve um significado especial, pois tenho 20 anos de profissão e já passei por veículos importantes, tive editores e amigos fantásticos em redações ótimas (se quiserem, dêem uma espiada na minha apresentação). Assim, todo aquele entusiasmo que senti foi de enorme importância pra mim e me deu a certeza de que esse canal tem muito a me dar e a dar pra muita gente; e acho que talvez ainda nem saibamos tudo o que a Internet pode nos trazer.

De lá pra cá, o grupo foi se conhecendo (virtual e pessoalmente), se entendendo, se estranhando, se analisando, fomos nos falando ininterruptamente. Às vezes me falta tempo, às vezes fico cansada com todas as minhas frentes de trabalho e viagens, mas sinto falta quando fico uma semana que seja longe do e-group. Sinto falta de meus amigos virtuais/reais, pelos quais tenho enorme carinho e admiração, tão jovens e talentosos. Valeu, mano!



Vera Moreira
Segunda-feira, 17/9/2001


Mais O Começo
Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Coisas Que Toda Garota Deve Saber
Samantha Rugen
Melhoramentos
(1994)



A Feira de Casamentos (2009)
J. W. Rochester
Correio Fraterno
(2009)



Comentários À Nova Lei de Falências e de Recuperação de Empresas
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2005)



O Retorno da Arquitetura Sagrada
Herbert Bangs
pensamento
(2010)



O Diabo se diverte
Natalie Babbitt
Atica
(2000)



O Evangelho Segundo o Espiritismo
Allan Kardec
Ide
(2008)



Comunidades Virtuais
Jayme Teixeira Filho
senac
(2002)



Livro - Além da Globalização
Hazel Henderson
Cultrix
(2003)



Livro - Ler é Aprender Nº 15 - o Ateneu
Raul Pompéia
Klick
(1997)



O Navio das Noivas
Jojo Moyes
Intrinseca
(2016)





busca | avançada
74698 visitas/dia
1,7 milhão/mês