O Salão e a Selva | Oswald de Andrade

busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A discreta crise criativa das novelas brasileiras
>>> Um post sem graça
>>> Política em perguntas
>>> Os Estertores da Razão
>>> Encontro com Marina Silva
>>> Palavrões
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
>>> O número um
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Mais Recentes
>>> Viva Com Esperança. Segredos para ter saúde e qualidade de vida. de Mark Finley - Peter Landless pela Casa Publicadora Brasileira (2014)
>>> Esperança Para Viver. O VERDADEIRO CAMINHO DA FELICIDADE. de Ellen G. White. pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Esperança Viva. Uma Escolha Inteligente de Ivan Saraiva pela Casa Publicadora Brasileira (2016)
>>> Cascão 360 - Outubro/2000 - Uma Folha De Jornal, Mil Idéias na cabeça de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Chico Bento 354 - Agosto/2000 - O Fenômeno de Maurício de Sousa pela Globo (2000)
>>> Magali 185 - Julho/1996 - Gato De Guarda - Editora Globo de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Ed & Lorraine Warren Lugar sombrio de Carmen Reed e AL snedeker & Ray Garton pela Darkside (2021)
>>> 1822 de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2010)
>>> A cabana de William P. Young pela Sextante (2008)
>>> 1808 de Laurentino Gomes pela Planeta (2014)
>>> Eram os Deus Astronautas? de Erich von Daniken pela Edições Melhoramentos (1977)
>>> Pequena Filocalia - O Livro Clássico da Igreja Oriental de Vários Autores pela Paulus (1985)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> Búfalo - Zodíaco Chinês de Catherine Aubier pela Pensamento (1982)
>>> Sociologia e Sociedade - Leituras de introdução á Sociologia. de José de Souza Martins pela Livros Tecnicos (1977)
>>> Luz Emergente - A Jornada da Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (1993)
>>> Os homens dos Pés Redondos de Antônio Torres pela Francisco Alves (1973)
>>> Maça Profana de Wellington Soares pela The Books (2003)
>>> Teologia do Novo Testamento de George Eldon Laad pela Juerp (1985)
>>> Colette - Uma Biografia de Allan Massie pela Casa Maria (1989)
>>> Enigmas Bíblicos Revelados de Ernesto Barón pela Ceg (1998)
>>> Salvador de Sá e aluta pelo Brasil e Angola 1602-1686 Vol. 353 de C. R. boxer pela Ed. da usp (1973)
>>> Relações da Psicanálise com analistas, instituições e pacientes de David Zimmermann pela Artes Médicas (1988)
>>> Os Africanos no Brasil Vol. 9 de Nina Rodrigues pela Companhia Ed. Nacional (1997)
>>> Na Colméia do inferno - 1ª coleção veredas de Pedro Bandeira pela Moderna (1991)
>>> Os libertos: sete caminhos na liberdade de escravos da Bahia no século XIX de Pierre verger pela Corrupio (1992)
>>> Ao passar das caravanas ciganas de Valéria Sanchez Silva Contrucci pela Zenda (1995)
>>> O Jesus Histórico de Otto Borchert pela Sociedade religiosa edições vida nova (1985)
>>> Contra a Maré: Watchman Nee de Angus Kinnear pela Clc (1989)
>>> Encontro Com a Morte de Agatha Christie pela Record (1987)
>>> Por uma sociologia do protestantismo brasileiro de Vários autores pela Umesp (2000)
>>> Liberdade e Exclusivismo: ensaios sobre os batistas ingleses de Zaqueu Moreira de Oliveira pela STBNB edições (1997)
>>> Teologia Oriental: A identidade das igrejas orientais católicas no Codex Canonum Ecclesiarum Orientalum Vol. III de Thodoro Corrêa de Oliveira pela Gráfica (2009)
>>> Introdução ao estudo do novo testamento de Broadus David Hale pela Juerp (1985)
>>> Aquinas - Selected Philosophical Writings de Tomás De Aquino pela Oxford University Press (1993)
>>> Histórias Com Gente Dentro de Guaracy Pinto pela do Autor (2011)
>>> A Morte da Socialite de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 10 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 1 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse 2 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> O Fazedor de Nuvens de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 13 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 12 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 11 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 6 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 5 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 4 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 8 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Noções Básicas de Citologia, Histologia e Embriologia de L.C. Junqueira; J. Carneiro pela Nobel (1988)
>>> Fairy Tail Zero de Hiro Mashima pela Jbc (2017)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/4/2002
O Salão e a Selva
Oswald de Andrade

+ de 29900 Acessos

O fim do ano de 19 foi agitado por superficiais emoções de formatura na Faculdade de Direito, onde tirei meu diploma de bacharel, seguindo o longínquo desejo de minha mãe. Dona Inês fazia questão de que eu tivesse um título. Poderia um dia precisar. Pobre mãe que ignorava a vocação de irregularidade e de sublevações de seu filho, inconformado sempre, sempre inimigo dos diplomas e das posições.

Fui o orador do Centro Acadêmico Onze de Agosto, eleito unicamente pelo prestígio de meu amigo Jairo de Góis. Fiz alguns discursos, todos lidos. Numa encabulação invencível enchia minha cabeça de vulgaridades e tolices, se fosse improvisar.

Evidentemente, a ambiência da Faculdade de direito, com o mistério descarado de sua “bucha” divulgado depois por Paulo Duarte e pelo general Góes Monteiro, não me atrai nem distrai.

Há três placas de mármore no interior do velho casarão conventual do Largo de São Francisco. Trazem os nomes de três poetas ilustres que por ali passaram. São eles Castro Alves, Álvares de Azevedo e Fagundes Varela.

Como teriam vivido eles em meio de estudantes de Direito duma Faculdade colonial portuguesa num planalto agreste, vandalizado por cônegos, fazendeiros escravocratas e os procuradores de seus interesses que eram os advogados?

Calculo o drama obscuro dessas três almas passadas no Inferno da mesquinha vida universitária paulista. Como se sabe, ao contrário do que aconteceu na América Espanhola, nunca se tratou de trazer para o Brasil uma universidade. Fundaram-se simplesmente os cursos jurídicos. Aqui e em Recife, isso bastava porque fornecia o bacharel, a alma e o exator dos interesses da classe senhoril. O que lhes importava era a lei. E que lei! Uma legislação buscada no refolho das ordenações medievais, sem uma crítica, um avanço, uma pesquisa própria. Derivava isso tudo do Direito Romano. A Roma infame dos Césares que produziam a legislação justinianéia, fora imediatamente transportada para cá, com seus grosseiros vícios, esses atrasos e torpezas. E isso tudo era recoberto por uma aura divina. O próprio Deus mosaico, descido do Sinai, teria fornecido esse detalhado índice de recursos feudais e pré-capitalistas destinado a presidir os destinos de nossa sociedade em evolução.

Evidentemente, como se deu comigo e algumas centenas de outros refratários, o que a família queria era o que se chamava “o canudo”. Isto é, o título obtido depois de cinco anos idiotas passados no casarão conventual do Largo de São Francisco.

As farras campestres, na Ilha dos Amores, do gelado Tamanduateí, os namoros coimbrões nas ladeirinhas da cidade, as pensões onde se vara a noite boêmia ao som do violão teriam sido as migalhas atiradas a esses corações sedentos de emoção e de amor.

Castro Alves se refugiou a sua ânsia de liberdade na luta pelo escravo, Álvares de Azevedo nas cartas de amor, Fagundes nos amores de saleta. E destinavam-se os três à advocacia.

O advogado é um bicho útil às cavilações dos potentados e à vontade dos fortes. Admito que, no Brasil, a função proba do advogado tenha surgido, talvez, com o movimento de libertação dos escravos negros ou com a propaganda republicana. Mas até hoje conservo a idéia exata do que o advogado, ou melhor, o bacharel é – sempre um monstro de pequena e especializada erudição que deixou de servir os interesses do latifundiário. Porque este deixou de existir, com imoralíssimas exceções. Mas continua a ser a sentinela do negócio, pronto a esmagar a vítima que lhe cai nas unhas, sem nenhuma preocupação de justiça ética.

Quando, alguns anos atrás, disse mais ou menos isso num dos meus Telefonemas que o Correio da Manhã publica, o nobre advogado católico Sobral Pinto mandou-me uma carta, onde narrara o episódio lancinante de um vendedor de rua que ele, como patrona, salvara. Isso não mudou a minha opinião formada. Uma honrosa exceção! Guardo ainda hoje a impressão de que o bacharel não passa de um verme. É uma tênia asquerosa do sistema patriarcal. Vivendo com todas as bênçãos e emolumentos do Deus do negócio.

Como teria vegetado no covil de bestas-feras e de bestas mansas do Largo de São Francisco os três pobres românticos do século 19? Guarda-se deles uma tradição de boêmia, talvez transportada da Universidade de Coimbra para cá. As margens puras do Mondego foram substituídas pelas agrestes margens do Tamanduateí, onde um capinzal inatingível foi chamado mitologicamente de Ilha dos Amores. Ali se teriam passado orgias com prostitutas mulatas que teriam produzido A Noite na Taverna. Pobre transferência urdida pelo romantismo europeu!

Antes de passar os umbrais do casarão legalista de São Francisco, eu acreditei nas lendas de literatura e boêmia que deixaram seus herdeiros os poetas românticos.

Nota do Editor
Texto gentilmente recolhido e cedido por Luís Antônio Giron (acompanha o seu "Um homem sem profissão nem esperança", também aqui republicado). Fonte: CEDAE/Unicamp.


Oswald de Andrade
São Paulo, 8/4/2002

Mais Oswald de Andrade
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Controle de Inconstitucionalidade das Leis
Luiz Fabião Guasque
Freitas Bastos
(2004)
R$ 9,28



Romantismo
Adilson Citelli
Atica
(2004)
R$ 5,00



Cinderela - Minha Princesa Preferida - Disney Princesa
Culturama
Culturama
(2016)
R$ 8,38



O Xale de Selim e Outros Contos
Honoré de Balzac
Ediouro
(1996)
R$ 6,90



The 50 Greatest Beers in the World: An Experts Ranking of The
Stuart A. Kallen
Citadel
(1996)
R$ 38,28



Mischief
Amanda Quick
Bantam Books
(1997)
R$ 5,00



Mexa-se Com o Método Pilates
Nova Cultural
Nova Cultural
(2004)
R$ 9,00



O últimos Dias da Humanidade
Alfredo Paulo
Universal
(2002)
R$ 5,00



A Avaliação de Professores numa perspectiva internacional
Maria Assunção Flores (Org.)
Areal
(2010)
R$ 60,00



Finanças Públicas: Teoria e Prática no Brasil
Fábio Giambiagi; Ana Cláudia Além
Elsevier
(2000)
R$ 20,00





busca | avançada
79144 visitas/dia
2,4 milhões/mês