Uma jornada rígida e inordinária | Sérgio Augusto

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
ENSAIOS

Segunda-feira, 13/3/2006
Uma jornada rígida e inordinária
Sérgio Augusto

+ de 6000 Acessos

Se ainda não aconteceu, pode acontecer a qualquer momento numa livraria que já tenha recebido a tradução brasileira do romance Everything is Illuminated.

Atraído pela chamativa capa – o título (Tudo se Ilumina) em bordô sobre fundo verde-limão – ou pelo nome do autor (Jonathan Safran Foer), de quem ouviu falar por alto, ou pela versão cinematográfica (Uma Vida Iluminada), ainda em cartaz em São Paulo, o freguês pega um exemplar e começa a folheá-lo. O título do primeiro capítulo, “Abertura para o Encerramento de uma Jornada Muito Rígida”, o deixa intrigado. Se dado a irrefreáveis conexões literárias, ao bater os olhos na primeira frase – “Meu nome de registro é Alexander Perchov” – poderá pensar no Herman Melville de Moby Dick ou no Luis Fernando Verissimo de O Jardim do Diabo, abrir um discreto e cúmplice sorriso, seguindo em frente, agora mais curioso do que intrigado.

Na quarta frase, se surpreenderá com uma expressão no mínimo esquisita; “disseminando moeda-corrente”. Quando chegar ao final da primeira página, terá cruzado com pelo menos um substantivo, um verbo e um adjetivo pra lá de esquisitos ou fora de contexto – até concluir, ao topar com “há quatro dias prévios”, que tem nas mãos a mais incompetente tradução dos últimos tempos: um texto que não é inglês nem português, um patoá à altura dos piores filmes dublados para a televisão. Indignado, deixará de lado o romance e cogitará de protestar por escrito à editora Rocco.

Numa hora dessas é que a crítica ou a resenha literária revela-se útil a todas as partes em questão. Não por denunciar uma vergonhosa tradução, mas, ao contrário, por informar aos incautos perlustradores de livraria que ela, a tradução (de Paulo Reis e Sergio Moraes Rego), é muito boa, cuidadosamente fiel ao original.

Tudo se Ilumina tem dois narradores e o primeiro deles, Alex Perchov, é um jovem ucraniano que fala e escreve inglês como quem o aprendeu por conta própria, com a ajuda de dicionários desatualizados. Daí o “há quatro dias prévios” (no original, “It was only four days previous”), e demais barbarismos, com os quais, diga-se, acabamos nos acostumando, porque o estropiado inglês de Alex é, acima de tudo, engraçado.

Ele nunca diz bom (good) ou excepcional, mas “premium”, nem incomum, mas “inordinário”; não pede, “requisita”; não trabalha, “labuta”; não dorme, “ronca zês”; não concorda, “harmoniza”. Fazer sexo é “ser carnal com” alguém. Algo duro ou difícil tanto pode ser “rígido” como “flácido”. Se fosse narrado pela segunda voz do romance – um jovem escritor americano, nascido e criado no Brooklyn – o primeiro capítulo se intitularia “Abertura para o Desfecho de uma Viagem Difícil”. E Tudo se Ilumina talvez se chamasse “Tudo se Esclarece”.

É sempre uma ousadia e uma temeridade entregar o controle narrativo de um relato ficcional a um personagem com problemas de comunicação. William Faulkner confiou as primeiras 72 páginas de O Som e a Fúria à mente e à fala de um retardado. Fez um clássico. Mark Haddon não chegou a tanto, mas O Estranho Caso do Cachorro Morto, inteiramente narrado por um adolescente autista, foi um dos melhores romances estrangeiros traduzidos entre nós em 2004. Francine Prose acha que desde A Laranja Mecânica a língua inglesa não era destroçada e recriada com tanto brilho como no livro de estréia de Foer. Se exagerou, foi pouco.

Coincidência ou não, o protagonista do romance de Anthony Burgess e o co-narrador de Tudo se Ilumina se chamam Alex. O primeiro é um satânico delinqüente; o segundo, uma criatura adorável, que sonha com um curso de contabilidade nos EUA, adora Michael Jackson (considera o making of do vídeo Thriller o melhor documentário de todos os tempos), tem idéia fixa no descomunal pênis do astro de filmes pornôs John Holmes e em mulheres de seios durinhos (ou “rígidos”, para citá-lo verbatim).

Alex é o alter ego de um jovem escritor americano, que também se chama Jonathan Safran Foer e também já incursionou pelo interior da Ucrânia atrás do passado de seus ancestrais. Já virou lugar-comum a inserção de escritores em suas próprias ficções, com ou sem vínculos autobiográficos: Martin Amis co-estrelava Grana; havia dois Philip Roths em Operação Shylock, um dos quais impostor. Foer é apenas um personagem. Quando o verdadeiro Jonathan visitou a Ucrânia, não teve como guia e fiel escudeiro uma figura pitoresca como Alex nem foi atrás de uma mulher; no caso, uma ucraniana, Augustine, que teria ajudado o avô do personagem a fugir dos nazistas, em março de 1942.

Acompanhado de seu próprio avô, um velhote ranzinza (ou “apoquentado”) que viveu a guerra e não se separa de uma vira-lata biruta que, apesar do sexo, se chama Sammy Davis Jr, Jr (assim mesmo: Jr, Jr) e depois é rebatizada Dean Martin Jr, Alex dá a sua versão da “jornada rígida” até a aldeia de Trachimbrod, corrigida por Jonathan, resultando dessa alternância de capítulos (ou “divisões”, como prefere o ucraniano) e pontos de vista uma tragicomédia picaresca, com alguns toques de surrealismo e realismo mágico. Foer tem Gabriel García Márquez como um de seus “heróis literários”. A certa altura, um rabino destampa uma velha arca, inundando a sinagoga de um cheiro fétido, que flui por todos os travesseiros da aldeia, penetrando nas narinas de quem dormia, com rapidez suficiente para desviar-lhes os sonhos e sair pela boca com o ronco seguinte – para finalmente desaguar no rio Brod.

Com idas e vindas no tempo, a viagem, algo quixotesca, imaginada por Foer cobre praticamente dois séculos de histórias, nos levando até 1791, quando o nome de Trachimbrod ganhou a preferência de seus habitantes sobre Gefilteville e Cápsula do Tempo de Poeira e Barbante, entre outras estrambóticas sugestões. A importância dos mitos e nomes, o legado do Holocausto, o valor da amizade e das virtudes que Jonathan ensinou a Alex e este define como “decências comuns”, as confusões e colisões das culturas norte-americana e pós-soviética – são alguns dos subtemas mais salientes deste romance grávido de outro, às vezes excessivo e exasperante (as páginas 286 e 287 são tomadas pela frase “Estamos escrevendo”, repetida mais de cem vezes), mas inegavelmente esperto e audacioso.

Judeu do Brooklyn, atualmente com 28 anos, e irmão mais moço de Franklin Foer, editor sênior da revista The New Republic e autor do ótimo Como o Futebol Explica o Mundo (Jorge Zahar Editor), Jonathan Safran Foer é o mais badalado jovem escritor dos EUA, sucedendo nesse quesito a Dave Eggers (de quem a Rocco publicou há dois anos Uma Comovente Obra de Espantoso Talento) e David Foster Wallace (Breves Entrevistas com Homens Hediondos, traduzido pela Cia. das Letras). Com Eggers e mais duas centenas de colegas de profissão e ranking, entre os quais Paul Auster, T.C. Boyle, Michael Chabon, Jonathan Franzen e Nicole Krauss (mulher de Foer e de quem estou lendo, com enorme prazer, o segundo romance, The History of Love), ele organizou, em 2004, um dicionário futurista sobre a América, supostamente escrito por volta de 2055, com verbetes e neologismos divertidos e brilhantes, boa parte intraduzível. Contribuição da turma à campanha contra a reeleição de Bush, The Future Dictionary of América é um mimo editorial que, ao contrário de Bush & cia., veio para ficar.

O segundo solo ficcional de Foer, Extremely Loud & Incredibly Close, foi lançado em abril do ano passado pela Houghton Mifflin. É um show de acrobacia literária. Superior ao primeiro. E bem mais atual. Encara as conseqüências traumáticas do 11 de setembro através da dor e dos olhos de um menino prodígio de 9 anos, Oskar Schell, francófilo, origamista, vegetariano, entomologista, astrônomo e arqueólogo amador, fã de Stephen Hawking, joalheiro, técnico em informática e pacifista, que perdeu o pai numa das torres do World Trade Center.

Narrado num estilo hiperativo, com quase todos os acessórios de um catálogo tipográfico – fotos (de objetos, pessoas e paisagens), páginas em branco, corrigidas à mão, desenhadas, e outras que, de tão densamente cheias de palavras, viram um borrão ilegível – é um livro dentro de um livro, um romance sobre a solução de um mistério e as aflições de dois sobreviventes a dois infernos que se sobrepõem: o atentado terrorista às torres gêmeas e a destruição da cidade alemã de Dresden, no final da Segunda Guerra Mundial, onde o avô de Oskar, um escultor alemão, perdeu o amor de sua vida.

O mistério surge dentro de um envelope que Oskar encontra entre os guardados do pai: uma chave sem qualquer indicação sobre qual fechadura ela abre. Sua única pista é a palavra “Black”, sobrescrita no envelope. Presumindo tratar-se do sobrenome de alguém em Manhattan, Oskar anota os endereços de todos os Blacks do catálogo de telefones, e começa a visitá-los. Todos (ou quase todos) tomam-se de encantos por ele.

Seu nome é uma homenagem ao protagonista de O Tambor, de Günter Grass, outro herói literário de Foer. Um Holden Caulfield pré-pubescente e aditivado, espantosamente inteligente, erudito e imaginativo, graças sobretudo ao pai, que o criou como um adulto, de igual para igual, estimulando-lhe os neurônios e a sensibilidade (a musical, inclusive), Oskar vive a ruminar inventos fabulosos, interpreta Shakespeare e é capaz de acompanhar (com um pandeiro!) O Vôo do Besouro, de Rimski-Korsakov. Ele é o filho que muitos de nós gostaríamos de ter e seu pai, Thomas, um modelo da espécie: sabichão, compreensível e companheiro. Um dos prazeres diários de Thomas era corrigir os erros que encontrava no New York Times, que lia sempre da direita para a esquerda. Só o conhecemos pelas lembranças do filho que, na fatídica manhã de 11 de setembro de 2001, deixou na orfandade. Isso basta. Ou, como diria Alex Perchov, isso tem suficiência própria.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente no “Caderno2”, de O Estado de S.Paulo, em 14 de janeiro de 2006.

Para ir além






Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 13/3/2006

Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O frenesi do furo - 22/4/2002
03. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
04. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para Gostar de Ler, Contos Brasileiros 2
Clarice Lispector; Outros
Atica
(2006)



O Segredo do Genesis
Tom Knox; Angela Pessoa
Suma de Letras Brasi
(2010)



O Gatinho Fofo Gueiro
Elaine de Prá
Paulinas
(2017)



Help! Sistema de Consulta Interativa - Língua Portuguesa
Estadão
Klick



Cândido Ou o Otimismo - Série Reencontro
Voltaire / José Arrabal
Scipione
(1991)



Nietzsche para Estressados
Allan Percy
Sextante
(2011)



O Livro de Jó - Saga O Turno da Noite Vol.3
Andre Vianco
Novo Seculo
(2007)



Tudo por um Feriado
Thalita Rebouças
Rocco
(2007)



Elis 1977
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo



O Valor Terapêutico do Perdão
Francisco Cajazeiras
Eme
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês