Por que somos piratas musicais | Guilherme Werneck

busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
Mais Recentes
>>> O Enorme livro dos pensamentos de Casseta volume 2 - de Casseta&Planeta pela Record (2012)
>>> Uma Teoria da Justiça de John Rawls pela Presença (2016)
>>> "Encaramujado" ,uma viagem de Kombi pelo Brasil - n de Antoio Lino pela Creative Commons (2011)
>>> Para Leer El Capital - Biblioteca Del Pensamiento Socialista de Louis Althusser; Etienne Balibar pela Siglo Veintiuno (1977)
>>> Aa 500 Melhores coisas de ser pai . de Sérgio Franco pela Matrix (2009)
>>> Três Sombras - em quadrinhos de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos na Companhia (2009)
>>> A Arte de ser leve de Leila Ferreira pela Globo (2010)
>>> Construindo uma Vida de Roberto Justus pela Larousse (2007)
>>> Espaço de G. Carmo pela Ibrasa (1984)
>>> Senha: "Coragem ! " de John Castle pela Flamboyant (1965)
>>> Don Quixote Americano de Richard Powell pela Nova Fronteira (2003)
>>> As Duas Vidas de Audrey Rose de Frank de Fellita pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Duelo de Roger Pla pela Brasileira (1951)
>>> Freud e o Desejo de Marie Cariou pela Imago (1978)
>>> O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell pela Sextante (2009)
>>> Passeando Pela Vida Lições de Filosofia de Lúcio Packter pela Garapuvu (1999)
>>> A vulnerabilidade do ser de Claudia Andujar pela Cosac Naif (2005)
>>> A Relação ao Outro em Husserl e Levinas de Marcelo Luiz Pelizzoli pela Edipucrs (1994)
>>> O Pensamento Vivo de Teilhard de Chardin de José Luiz Archanjo pela Martin Claret (1988)
>>> Revista Brasileira de Filosofia – Volume XLVI – Fascículo 190 de Vários Autores pela Instituto Brasileira de Filosofia (1998)
>>> Grandes Tendências na Filosofia do Século XX e Sua Influência no Brasil de Urbano Zilles pela Educs (1987)
>>> Descartes – Os Pensadores de Rene Descartes pela Abril Cultural (1983)
>>> O mistério da estrela cadente de Vários Autores pela Ftd (1996)
>>> Lydia e Eu de Dimia Fargon pela Literis (2010)
>>> Na saga dos anos 60 de Carlos Olavo da Cunha Pereira pela Geração (2013)
>>> O paraíso dos desafortunados de Amanda Hernández Marques pela Chiado (2013)
>>> Madamme C 05 de Vinícius Ulrich pela Rocco (2000)
>>> Bodas de Pedra de Kissyan Castro pela Chiado (2013)
>>> Apague o cigarro da sua vida de Dra. Cammille pela Alaúde (2006)
>>> Transição Revolucionária de David Carneiro pela Atena
>>> Quem sou eu? Como o Evangelho Completo devolve a verdadeira identidade de Willy Torresin de Oliveira pela Victory (2017)
>>> Comunidade - A busca por segurança no mundo atual de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (2003)
>>> Modernidade Líquida de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (2001)
>>> Mundos do Trabalho - Novos Estudos Sobre História Operária 3ªed. de Eric J. Hobsbawm pela Paz e Terra (2000)
>>> Sangue suor & lágrimas - A Evolução do Trabalho de Richard Donkin pela M. Books (2003)
>>> Ideologia e Cultura Moderna 6ªed. de John B. Thompson pela Vozes (2002)
>>> Os Anormais - Curso no Collége de France (1974-1975) de Michel Foucault pela Martins Fontes (2002)
>>> Psworld--35--28--16--5--24. de Digerati pela Digerati
>>> Super gamepower--26--46--38--32--43--51. de Nova cultural pela Nova cultural
>>> Triangulo de Ken follett pela Abril cultural
>>> Nintendo world--35--tres vezes tony hawk! de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--49. de Conrad pela Conrad (2002)
>>> Nintendo world--34--cobertura completa da e3--jogamos o gamecube! de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--45--resident evil de Conrad pela Conrad (2002)
>>> Nintendo world--38--mario kart--super circuit de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Curar como jesus curou de Barbara leahy shiemon/dennis linn/mathew linn pela Loyola
>>> Jovem,o caminho se faz caminhando de Dunga pela Cançao nova (2005)
>>> Nintendo world--37--nasceu de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--27--o mundo nao e o bastante para james bons de Conrad pela Conrad (2000)
>>> Nintendo world--76--prince of persia de Conrad pela Conrad (2004)
ENSAIOS

Segunda-feira, 15/5/2006
Por que somos piratas musicais
Guilherme Werneck

+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Deixando a hipocrisia de lado, somos praticamente todos piratas quando se trata de música digital no Brasil.

Enquanto em países como Estados Unidos e Japão a oferta de música on-line não pára de crescer, e a venda de canções digitais já virou um negócio lucrativo, o Brasil possui apenas uma loja de música digital, a iMusica, que oferece aproximadamente 300 mil canções. A maior parte de artistas independentes.

Isso significa que quem quiser comprar obras de artistas de primeira linha da música popular brasileira como, por exemplo, João Gilberto, Tom Jobim, Caetano Veloso e Chico Buarque terá de ir a uma loja de discos de verdade. Ou recorrer aos serviços de troca de arquivos na internet, como o Kazaa, para baixar, em poucos minutos, canções desses artistas. Essa opção é fácil, prática, mas é pirataria.

Nos últimos anos, a indústria do disco – sobretudo as gravadoras multinacionais – tem gastado munição pesada contra a pirataria e não hesita em demonizar quem baixa músicas ilegalmente da web.

Por outro lado, no Brasil, as gravadoras pouco fazem para tornar disponíveis ao consumidor versões legais de suas músicas. E a demanda pela canção digital só cresce nos últimos anos, com a popularização dos tocadores de MP3.

Se mais música estivesse disponível para download pago, os consumidores prefeririam a troca ilegal de arquivos ou a segurança da legalidade? O que diferencia o Brasil dos países desenvolvidos para fazer com que gravadoras não disponibilizem aqui músicas que já vendem no exterior?

As majors e o iMusica
Um fator é determinante para que você não consiga encontrar todas as músicas que deseja comprar pela web no Brasil: a relutância das majors – as gravadoras multinacionais – em entrar no negócio levando consigo o seu catálogo.

Isso ocorre mesmo depois de elas já terem experimentado, em mercados desenvolvidos, o gostinho de ganhar dinheiro com a venda de música on-line.

A iMusica, única loja brasileira em funcionamento até hoje, foi aberta há cinco anos e só agora está conseguindo fechar acordos significativos com as multinacionais: já tem contrato com a EMI e com a Warner e está negociando com a Universal e a Sony/BMG.

Para quem quer comprar música, esses acordos são fundamentais porque praticamente toda música de expressão produzida até meados dos anos 90 no País está no catálogo das grandes gravadoras.

Se você quiser achar um Chico Buarque, um Tom Jobim ou mesmo bandas mais novas como Legião Urbana e Raimundos, precisará recorrer ao catálogo das majors, que ainda está bastante fechado.

“O problema é que, do ponto de vista das grandes gravadoras, o Brasil e a América Latina acabaram virando a última prioridade. Um executivo de fora do País olha os nossos números e não entende. A nossa penetração de internet de banda larga é tímida, o País tem altos índices de pirataria na web e há ainda o problema dos direitos autorais”, diz Felippe Llerena, sócio da iMusica.

De fato, segundo dados do Ibope/Net Ratings, de janeiro deste ano, o Brasil tem 7,666 milhões de usuários de banda larga, o que representa menos de 5% da população do País.

Neste ano, a Warner decidiu entrar para valer no iMusica. O namoro da gravadora com a loja virtual começou a ficar firme no ano passado, com o lançamento da campanha “Downloada Brasil”, que tinha como principal atrativo disponibilizar no iMusica uma faixa do último disco do Rappa 60 dias antes de ele chegar às lojas.

Durante 2006, a gravadora promete continuar a abastecer o site com lançamentos e, aos poucos, irá colocar o seu catálogo no site, inclusive com discos que hoje não estão à venda como CDs. A idéia é conseguir disponibilizar 80 mil músicas apara a venda no iMusica.

“Nos Estados Unidos, onde a venda de música on-line já deslanchou, nós sabemos que a parte mais representativa das vendas não são lançamentos, mas o catálogo do artista. Por isso estamos trabalhando para ajudar a liberar os direitos de nossos fonogramas para a venda na internet”, diz Marcelo Maia, diretor de marketing da gravadora.

Maia afirma também que agora é o momento de se voltar para a web. “Não entramos antes porque tínhamos de equacionar a questão da segurança. Precisávamos de um esquema de sistema de segurança confiável, em que pudéssemos controlar cada fonograma baixado”, diz.

Direitos autorais e iPod
O nó mais difícil de desatar é o dos direitos autorais. “No Brasil, funciona a lei do autor. É preciso a autorização do compositor de cada música para que ela fique liberada para a venda digital. Não adianta negociar só com a gravadora”, diz Llerena.

Como no Brasil, todo autor tem direito sobre sua obra até 70 anos depois de sua morte, isso significa que quem quiser liberar uma música terá de ter a autorização da gravadora, que tem o fonograma, da editora que publicou a música e a do autor ou a de seus herdeiros.

“É um trabalho árduo. Quando se fala de pedir autorização das editoras, isso implica entrar em contato com milhares de empresas”, aponta Llerena.

“Fizemos pedidos para liberar todas as nossas músicas. Como muitos de nossos artistas regravaram canções, tivemos de pedir a liberação às editoras e aos autores. Muitas editoras nem falaram conosco, nem sabiam que existia o iTunes”, afirma Paulo Félix, diretor artístico da gravadora independente Rio 8.

Um dos principais atrativos de se comprar música digital é rechear o seu tocador preferido, sem ter muito trabalho. E aí é que as pessoas sentem o quanto a lógica de formatos distintos de proteção pode ser bastante perversa.

Se você tem um iPod, o tocador mais vendido no mundo, e quer comprar música digital no iMusica, esqueça. O iPod não reproduz o formato WMA, da concorrente Microsoft. Isso porque a Apple tem o seu próprio formato para arquivos protegidos, o AAC, que, por sua vez, não é reconhecido pelos tocadores concorrentes.

Nos Estados Unidos, as gravadoras colocam suas músicas à venda em diferentes lojas em formatos distintos. Assim, se você tem um iPod, só vai comprar na loja da Apple. Se tem um da Creative, terá de comprar no Napster, por exemplo.

Mas e se você quiser, no futuro, trocar de tocador? Aí toda a música que você comprou – e não pagou barato por ela – terá de ser comprada novamente só por causa da mudança de tecnologia.

No caso do Brasil, em que só temos o iMusica, não é possível comprar localmente músicas que toquem no iPod.

Para o diretor da Associação Brasileira da Música Independente e professor da ESPM/Rio Jerome Vonk, um dos motivos dessa confusão de formatos acarretada pelo uso de DRM (Digital Rights Management) vem da própria tradição da indústria fonográfica. “A grande verdade é que a indústria nunca inventou nada, sempre foi muito reativa. Todas as invenções, desde o gramofone, vieram de fora da indústria.”

O especialista em direito autoral e professor da FGV do Rio, Ronaldo Lemos aponta um problema ainda mais sério em relação ao DRM.

“O DRM tem que ser repudiado. Há a questão da obsolescência. Por que ele cria um problema para as gerações futuras. Como será daqui a 15 anos, quando tudo estiver criptografado. O direito autoral tem um prazo de proteção limitado e o DRM é eterno, não respeita o prazo de duração”, afirma. Lemos também diz que, quando uma empresa faz um DRM que não é compatível com tocadores de outras empresas, está ferindo o direito concorrencial.

Já Felippe Llerena vê o DRM sob uma outra ótica. “Ele é fundamental para dar segurança a sua compra. Graças ao DRM, se você perder a sua música ou acontecer algo com o seu computador, você poderá baixá-la de novo sem custos, porque está tudo registrado no site”, diz.

Embora o padrão no mundo seja a venda de músicas com DRM, há alternativas.

A melhor delas é o site internacional eMusic, que os brasileiros podem ter acesso e pagar com cartão de crédito. O eMusic disponibiliza arquivos em MP3, normais, com os quais você pode fazer o que quiser. O site oferece 1 milhão de músicas, metade do que o iTunes disponibiliza, e bem mais do que o nosso iMusica.

Só que por lá você não irá encontrar, também, artistas que gravam pelas majors. Por outro lado, o site oferece um acervo impressionante de música clássica e jazz.

É possível achar as primeiras gravações de John Coltrane, os discos do primeiro grande quinteto de Miles Davis, além de jazzistas de vanguarda. Para quem gosta de música alternativa, a reportagem encontrou discos inteiros de artistas que fazem bastante sucesso no mundo independente como CocoRosie e Antony and the Johnsons.

E o sistema é bastante inteligente, em vez de pagar por música, você paga uma assinatura mensal que dá direito a um número determinado de downloads. Quarenta músicas saem por US$ 9,99.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente, em várias partes, no suplemento “Link”, do jornal O Estado de S. Paulo, em abril de 2006.


Guilherme Werneck
São Paulo, 15/5/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um gourmet apaixonado por Paris de Sérgio Augusto


Mais Guilherme Werneck
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2006
12h47min
A onda da pirataria corre pelo mundo e parece que as gravadoras não fazem nada para mudar esse cenário caótico que vivemos hoje. Só querem lucrar e estão ficando longe dos avanços tecnológicos que a música precisa para sobreviver nesse supermercado virtual. Se ai' pode, então aqui também pode... baixar as músicas que estão disponíveis na internet. O comércio ilegal sempre vai existir nesse mundo legal.
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MOMENTOS DE ILUMINAÇÃO
DIVALDO FRANCO
LEAL
(2015)
R$ 12,00



À PROCURA DO OURO
J. M. G. LE CLÉZIO
BRASILIENSE
(1989)
R$ 20,00



LITERATURA COMENTADA BOCAGE
BOCAGE
ABRIL
(1980)
R$ 6,90



HISTÓRIA VOLUME UNICO
GISLANE E REINALDO
ÁTICA
(2008)
R$ 17,00



UMA BURGUESA E A REVOLUÇÃO
CLAUDE LAVENNE
BRASILIENSE
(1969)
R$ 12,00



MANUAL DO ENGENHEIRO GLOBO 4 ° VOLUME 2° TOMO
GLOBO
GLOBO
(1968)
R$ 7,00



LEGIÃO – UM OLHAR SOBRE O REINO DAS SOMBRAS – TRILOGIA O REINO DAS SOMBRAS VOLUME 1
ROBSON PINHEIRO PELO ESPÍRITO ÂNGELO INÁCIO
CASA DOS ESPÍRITOS
(2006)
R$ 15,00



MANCHETE EDIÇÃO HISTÓRICA - A VERDADE DO PAPA
VARIOS AUTORES
BLOCH
(1997)
R$ 35,00



APRENDER JUNTOS - MATEMÁTICA 5º ANO
ROBERTA TABOADA ANGELA LEITE
SM
(2010)
R$ 7,90



UM AMIGO NO ESCURO
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(2003)
R$ 6,00





busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês