Por que somos piratas musicais | Guilherme Werneck

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
Mais Recentes
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1997)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1998)
>>> Fe, Razon y Civilizacion: Ensayo de Análisis Historico de Harold J. Laski pela Editorial Abril/ Buenos Aires (1945)
>>> Bolofofos e Finifinos de Fernando Sabino pela Ediouro (2006)
>>> ...Quando Florescem os Ipês de Ganymédes José pela Brasiliense (1986)
>>> Robinson Crusoé A Conquista do Mundo numa Ilha de Daniel Defoe pela Scipione (1983)
>>> O Monstro do Morumbi de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> O Útimo Magnata de F. Scott Fizgerald / Introd.: Edmund Wilson pela Record
>>> Poesia e Prosa - (obras Completas- Avulso): Volume 3/ Encadernado de Edgar Allan Poe pela Ed. da Livr. do Globo (1944)
>>> Dama da Caridade de Antonio Cesar Perri de Carvalho pela Radhu (1987)
>>> O Castelo dos Horrores de Thomas Brezina pela Melhoramentos (1996)
>>> Rita Está Crescendo de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1989)
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Círculo do livro (1989)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1980)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1970)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1981)
>>> O Gato Sou Eu: Todos Têm o Direito de Sonhar... de Fernando Sabino pela Record (1983)
>>> O Navegador do Espaço de José Acleildo de Andrade pela Leal (2006)
>>> Os Raios Invisíveis O astral das Coisas de Acervo Papus pela Gnosis (2002)
>>> Passes e Radiações de Edgard Armond pela Aliança (1999)
>>> O Livro da Lua de Marcia Mattos pela Campus (2001)
>>> Yokaanam fala á Posteridade de Vários pela Edição do Autor (1970)
>>> Os Tecelões do Destino de Eurípedes Kühl pela Petit (2001)
>>> O Poder dos Anjos de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Eliminando o Estresse de Brian L. Weiss M.D. pela Sextante (2006)
>>> Fenômenos Ocultos de Zsolt Aradi pela Ibrasa (1976)
>>> Los Rosacruces de Christopher Mc Intosh pela Edaf (1988)
>>> Bases Esenias ( Em 02 volumes ) de Oreb Raja Aari pela Organizacion Esenia Universal
>>> Mudando o seu destino de Mary Orser e Ricardo Zarro pela Summus (1991)
>>> Magia Organizada Planetária de Vicente Beltran Anglada pela Aquariana (1990)
>>> Muralhas do passado de Jaci Regis pela Dpl (2001)
>>> O séculos dos Cirugiões de Jürgen Thorwald pela Hemus
>>> Dicionarios de las artes adivinatorias de Gwen Le Scouézec pela Martínez Roca (1973)
>>> Há Solução Sim! de José Lázaro Boberg pela Chico Xavier (2012)
>>> A Outra Face da doença de Mokiti Okada pela Fundação Mokiti (1986)
>>> Como evitar as influências Negativas de Amadeus Volben pela Pensamento (1984)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1997)
>>> Terceiro Milênio de Carlos E. Pesssione pela Z. Valentin gráfica (1992)
>>> Segurança Mediúnica de João Nunes Maia pela Espirita Cristã (1992)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Os Novos Pagãos de Hans Holzer pela Record (1972)
>>> As propriedades curativas dos cristais e das pedras Preciosa de Katrina Raphael pela Pensamento (1995)
>>> Justça Além da Vida de José Carlos de Lucca pela Petit (2001)
>>> Vida Ativa de Parker J. palmer pela Cultrix (1990)
>>> Amor e Vida de René Pessa pela Seja (1996)
>>> Você já viveu outras Vidas de Kurt Allgeier pela Ediouro (1998)
>>> A Misericórdia Divina nos liberta do passado de Izoldino Resende pela Chico Xavier (2012)
ENSAIOS

Segunda-feira, 15/5/2006
Por que somos piratas musicais
Guilherme Werneck

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Deixando a hipocrisia de lado, somos praticamente todos piratas quando se trata de música digital no Brasil.

Enquanto em países como Estados Unidos e Japão a oferta de música on-line não pára de crescer, e a venda de canções digitais já virou um negócio lucrativo, o Brasil possui apenas uma loja de música digital, a iMusica, que oferece aproximadamente 300 mil canções. A maior parte de artistas independentes.

Isso significa que quem quiser comprar obras de artistas de primeira linha da música popular brasileira como, por exemplo, João Gilberto, Tom Jobim, Caetano Veloso e Chico Buarque terá de ir a uma loja de discos de verdade. Ou recorrer aos serviços de troca de arquivos na internet, como o Kazaa, para baixar, em poucos minutos, canções desses artistas. Essa opção é fácil, prática, mas é pirataria.

Nos últimos anos, a indústria do disco – sobretudo as gravadoras multinacionais – tem gastado munição pesada contra a pirataria e não hesita em demonizar quem baixa músicas ilegalmente da web.

Por outro lado, no Brasil, as gravadoras pouco fazem para tornar disponíveis ao consumidor versões legais de suas músicas. E a demanda pela canção digital só cresce nos últimos anos, com a popularização dos tocadores de MP3.

Se mais música estivesse disponível para download pago, os consumidores prefeririam a troca ilegal de arquivos ou a segurança da legalidade? O que diferencia o Brasil dos países desenvolvidos para fazer com que gravadoras não disponibilizem aqui músicas que já vendem no exterior?

As majors e o iMusica
Um fator é determinante para que você não consiga encontrar todas as músicas que deseja comprar pela web no Brasil: a relutância das majors – as gravadoras multinacionais – em entrar no negócio levando consigo o seu catálogo.

Isso ocorre mesmo depois de elas já terem experimentado, em mercados desenvolvidos, o gostinho de ganhar dinheiro com a venda de música on-line.

A iMusica, única loja brasileira em funcionamento até hoje, foi aberta há cinco anos e só agora está conseguindo fechar acordos significativos com as multinacionais: já tem contrato com a EMI e com a Warner e está negociando com a Universal e a Sony/BMG.

Para quem quer comprar música, esses acordos são fundamentais porque praticamente toda música de expressão produzida até meados dos anos 90 no País está no catálogo das grandes gravadoras.

Se você quiser achar um Chico Buarque, um Tom Jobim ou mesmo bandas mais novas como Legião Urbana e Raimundos, precisará recorrer ao catálogo das majors, que ainda está bastante fechado.

“O problema é que, do ponto de vista das grandes gravadoras, o Brasil e a América Latina acabaram virando a última prioridade. Um executivo de fora do País olha os nossos números e não entende. A nossa penetração de internet de banda larga é tímida, o País tem altos índices de pirataria na web e há ainda o problema dos direitos autorais”, diz Felippe Llerena, sócio da iMusica.

De fato, segundo dados do Ibope/Net Ratings, de janeiro deste ano, o Brasil tem 7,666 milhões de usuários de banda larga, o que representa menos de 5% da população do País.

Neste ano, a Warner decidiu entrar para valer no iMusica. O namoro da gravadora com a loja virtual começou a ficar firme no ano passado, com o lançamento da campanha “Downloada Brasil”, que tinha como principal atrativo disponibilizar no iMusica uma faixa do último disco do Rappa 60 dias antes de ele chegar às lojas.

Durante 2006, a gravadora promete continuar a abastecer o site com lançamentos e, aos poucos, irá colocar o seu catálogo no site, inclusive com discos que hoje não estão à venda como CDs. A idéia é conseguir disponibilizar 80 mil músicas apara a venda no iMusica.

“Nos Estados Unidos, onde a venda de música on-line já deslanchou, nós sabemos que a parte mais representativa das vendas não são lançamentos, mas o catálogo do artista. Por isso estamos trabalhando para ajudar a liberar os direitos de nossos fonogramas para a venda na internet”, diz Marcelo Maia, diretor de marketing da gravadora.

Maia afirma também que agora é o momento de se voltar para a web. “Não entramos antes porque tínhamos de equacionar a questão da segurança. Precisávamos de um esquema de sistema de segurança confiável, em que pudéssemos controlar cada fonograma baixado”, diz.

Direitos autorais e iPod
O nó mais difícil de desatar é o dos direitos autorais. “No Brasil, funciona a lei do autor. É preciso a autorização do compositor de cada música para que ela fique liberada para a venda digital. Não adianta negociar só com a gravadora”, diz Llerena.

Como no Brasil, todo autor tem direito sobre sua obra até 70 anos depois de sua morte, isso significa que quem quiser liberar uma música terá de ter a autorização da gravadora, que tem o fonograma, da editora que publicou a música e a do autor ou a de seus herdeiros.

“É um trabalho árduo. Quando se fala de pedir autorização das editoras, isso implica entrar em contato com milhares de empresas”, aponta Llerena.

“Fizemos pedidos para liberar todas as nossas músicas. Como muitos de nossos artistas regravaram canções, tivemos de pedir a liberação às editoras e aos autores. Muitas editoras nem falaram conosco, nem sabiam que existia o iTunes”, afirma Paulo Félix, diretor artístico da gravadora independente Rio 8.

Um dos principais atrativos de se comprar música digital é rechear o seu tocador preferido, sem ter muito trabalho. E aí é que as pessoas sentem o quanto a lógica de formatos distintos de proteção pode ser bastante perversa.

Se você tem um iPod, o tocador mais vendido no mundo, e quer comprar música digital no iMusica, esqueça. O iPod não reproduz o formato WMA, da concorrente Microsoft. Isso porque a Apple tem o seu próprio formato para arquivos protegidos, o AAC, que, por sua vez, não é reconhecido pelos tocadores concorrentes.

Nos Estados Unidos, as gravadoras colocam suas músicas à venda em diferentes lojas em formatos distintos. Assim, se você tem um iPod, só vai comprar na loja da Apple. Se tem um da Creative, terá de comprar no Napster, por exemplo.

Mas e se você quiser, no futuro, trocar de tocador? Aí toda a música que você comprou – e não pagou barato por ela – terá de ser comprada novamente só por causa da mudança de tecnologia.

No caso do Brasil, em que só temos o iMusica, não é possível comprar localmente músicas que toquem no iPod.

Para o diretor da Associação Brasileira da Música Independente e professor da ESPM/Rio Jerome Vonk, um dos motivos dessa confusão de formatos acarretada pelo uso de DRM (Digital Rights Management) vem da própria tradição da indústria fonográfica. “A grande verdade é que a indústria nunca inventou nada, sempre foi muito reativa. Todas as invenções, desde o gramofone, vieram de fora da indústria.”

O especialista em direito autoral e professor da FGV do Rio, Ronaldo Lemos aponta um problema ainda mais sério em relação ao DRM.

“O DRM tem que ser repudiado. Há a questão da obsolescência. Por que ele cria um problema para as gerações futuras. Como será daqui a 15 anos, quando tudo estiver criptografado. O direito autoral tem um prazo de proteção limitado e o DRM é eterno, não respeita o prazo de duração”, afirma. Lemos também diz que, quando uma empresa faz um DRM que não é compatível com tocadores de outras empresas, está ferindo o direito concorrencial.

Já Felippe Llerena vê o DRM sob uma outra ótica. “Ele é fundamental para dar segurança a sua compra. Graças ao DRM, se você perder a sua música ou acontecer algo com o seu computador, você poderá baixá-la de novo sem custos, porque está tudo registrado no site”, diz.

Embora o padrão no mundo seja a venda de músicas com DRM, há alternativas.

A melhor delas é o site internacional eMusic, que os brasileiros podem ter acesso e pagar com cartão de crédito. O eMusic disponibiliza arquivos em MP3, normais, com os quais você pode fazer o que quiser. O site oferece 1 milhão de músicas, metade do que o iTunes disponibiliza, e bem mais do que o nosso iMusica.

Só que por lá você não irá encontrar, também, artistas que gravam pelas majors. Por outro lado, o site oferece um acervo impressionante de música clássica e jazz.

É possível achar as primeiras gravações de John Coltrane, os discos do primeiro grande quinteto de Miles Davis, além de jazzistas de vanguarda. Para quem gosta de música alternativa, a reportagem encontrou discos inteiros de artistas que fazem bastante sucesso no mundo independente como CocoRosie e Antony and the Johnsons.

E o sistema é bastante inteligente, em vez de pagar por música, você paga uma assinatura mensal que dá direito a um número determinado de downloads. Quarenta músicas saem por US$ 9,99.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Publicado originalmente, em várias partes, no suplemento “Link”, do jornal O Estado de S. Paulo, em abril de 2006.


Guilherme Werneck
São Paulo, 15/5/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma página expulsa do internato de Luís Antônio Giron


Mais Guilherme Werneck
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/5/2006
12h47min
A onda da pirataria corre pelo mundo e parece que as gravadoras não fazem nada para mudar esse cenário caótico que vivemos hoje. Só querem lucrar e estão ficando longe dos avanços tecnológicos que a música precisa para sobreviver nesse supermercado virtual. Se ai' pode, então aqui também pode... baixar as músicas que estão disponíveis na internet. O comércio ilegal sempre vai existir nesse mundo legal.
[Leia outros Comentários de Clovis Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LÍNGUA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO, CURSO COMPLETO (SEMI NOVO)
SIQUEIRA E BERTOLIN
IBEP
(2005)
R$ 23,27



A CONSTRUÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DO CANTOR LÍRICO
MÁRCIA ALIVERTI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 167,00



HISTORIA ECONOMICA E ADMINISTRATIVA DO BRASIL
BRASIL BANDECCHI
OBELISCO
R$ 6,00



POR QUE TE AMO?
CYNTHIA RUBERT
VERGARA & RIBA
(2004)
R$ 9,90



ESTUDO COMPARADO DE PROFICIÊNCIA ORTOGRÁFICA NO ENSINO SUPERIOR
JOÃO SAMUEL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



TUDO O QUE VOCÊ QUERIA SABER SOBRE ASTROLOGIA
JUAREZ DE FAUSTO PRESTUPA
MADRAS
(2008)
R$ 12,00



FAUSTO
GOETHE
ITATIAIA
(1981)
R$ 49,90
+ frete grátis



PROBLEMAS E PRIVILÉGIOS DA TERCEIRA IDADE
ADEMAR DE OLIVEIRA GODOY
SOCEP
(1997)
R$ 10,00



BRINCADEIRA NO PALCO
GILDA FIGUEIREDO PADILLA
PAULINAS
(1992)
R$ 10,00



UMA VIDA SEM LIMITES
NICK VUJICIC
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 13,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês