O homem que foi um século | Hugo Estenssoro

busca | avançada
111 mil/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
>>> Dos palcos para as leituras radiofônicas
>>> Youtuber apresenta A Jornada do Herói Favelado
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Harry Crowl
>>> Lost Season Finale
>>> Twitter ultrapassa NYT e WSJ
>>> Entre tapas, churros e chatos
>>> Cultura do remix
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A Linguagem das Coisas, de Deyan Sudjic
>>> Aberta a temporada de caça
>>> 12 de Abril #digestivo10anos
>>> O hiperconto e a literatura digital
Mais Recentes
>>> Biopaisagem de Ladjane Bandeira -edição Em Quatro Linguas de Marcia Miranda Lyra pela Fundarpe/funcultura (2011)
>>> As Tres Mascaras de Eva+expresso Oregon+aventuras de Goggle+escala Em de Varios Autores pela Readers Digest
>>> Epitáfio para um Inimigo+o Ultimo Rebelde+horizontes sem Fim+a Viuva N de Varios Autores pela Readers Digest
>>> Uma Carta de Amor+armadilha áerea+nevasca+mais Cedo Ou Mais Tarde de Varios Autores pela Readers Digest
>>> O Indice do Medo+uma Pequena Mudança+reliquias+botas Rosa e um Facão de Vários Autores pela Readers Digest
>>> O Decimo Primeiro Mandato +verão na Enseada +sombra na Areia+ de Vários pela Readers Digest
>>> Cultura Em Crise de Marcos Freire pela Senado Federal (1975)
>>> Introdução Redes Locais de Robert M Thomas pela Makron Books (1997)
>>> O Cardeal+a Cidade Que Recusou Morrer+ Vento Oeste para o Havai de Varios Autores pela Readers Digest
>>> Recife Revolucionário de Paulo Goethe Org. pela Diario de Pernambuco (2017)
>>> Revista de Direito Administrativo - Rda de Revista de Direito Administrativo pela Atlas (2006)
>>> Comentários à Consolidação das Leis de Trabalho de Valentin Carrion pela Saraiva (2013)
>>> Iniciação ao Processo do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela Saraiva (2007)
>>> Revista dos Tribunais Ano 100 -vol. 906 de Vários Autores pela Revistas dos Tribunais (2011)
>>> Revista de Direito Ambiental Ano 16 Vol. 62 de Eladio Lecey, Silvia Capelli Coor. pela Revistas dos Tribunais (2011)
>>> Licitações e Contratos Administrativos de Renato Geraldo Mendes Org. pela Zenite (2012)
>>> Processo do Trabalho - Série Concursos Públicos de Renato Saraiva pela Metodo (2013)
>>> Organização Rural Problemas e Soluções de T Lynn Smith pela Biblioteca Pioneira de Ciência (1971)
>>> Revista Síntese Direito Empresarial de Vários Autores pela Sintese (2011)
>>> Revista de Direito Ambiental Ano 16 Vol. 64 de Eladio Lecey, Silvia Capelli Coor. pela Revistas dos Tribunais (2011)
>>> Nossas Raizes, Nossa Historia de Lidia Gomes de Menezes pela Do Autor (2011)
>>> 100 Anos de Frevo, Em Braille de Mariangela Valença pela Fundarpe/funcultura (2012)
>>> A Pata e a Raposa, Em Braille de Fatima Marinho pela Fundarpe/funcultura
>>> Voo Cego- Livro Em Braille de Bruno Vilela pela Fundarpe/funcultura
>>> O Ultimo Jurado ;noites de Chuva e Estrelas;o Voo da Liberdade; de Dan True, Grisham, Maeve Binchy pela Readers Digest (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 29/5/2006
O homem que foi um século
Hugo Estenssoro

+ de 11200 Acessos

Um escritor “engajado” é um escritor que, descrente do valor perene da sua arte ou seu talento (e por convicção, por moda, ou simples decisão comercial) escolhe apoiar-se numa ideologia que acredita ser a corrente vitoriosa da História. O caráter dúbio da literatura engajada, que no mínimo é uma fraqueza ou traição estética ao submeter-se de maneira decisiva a critérios extra-literários, fica em evidência quando se trata de um escritor de gênio. O caso clássico é o de André Malraux. A condição humana (1933) ainda é lida com fervor por jovens catecúmenos revolucionários que costumam ignorar que o romance é uma fantasia política sem relação alguma com a realidade chinesa da época ou as verdadeiras lutas revolucionárias do período. Ninguém menos do que Trotski o assinalou com sua costumeira brutalidade. Malraux respondeu, com rara honestidade numa vida de mentiras, que ele era um romancista e não um historiador.

Daí que um dos maiores paradoxos da história moderna, da era das revoluções, seja o fato irrefutável de que a grande literatura política é quase toda reacionária. Engels, famosamente, preferia o monarquista e carola Balzac ao subversivo Stendhal ou o progressista Victor Hugo, e Luckacs, o crítico marxista, achava o liberal Thomas Mann superior ao irmão esquerdista Heinrich. Mais ainda, com a perspectiva do tempo e o declínio dos aparelhos propagandísticos, fica cada vez mais claro que os clássicos da literatura política do “século das ideologias” são quase sem exceção contra-revolucionários: Orwell e Huxley, Pasternak e Vasily Grossman, Valle-Inclán e Pío Baroja, e muitos etcéteras. Ninguém os promove (como os obrigatórios engajados nos currículos escolares e universitários), são os que vão ficando, filtrados pela insubornável preferência do leitor anônimo. As razões são óbvias mas não simples, e um exemplo pode ser mais claro do que uma explicação. Nas cenas finais d’A condição humana, o herói enfrenta a morte pensando que “havia lutado por aquilo que nos seus tempos estava carregado com o mais profundo sentido e a maior esperança”, portanto “é fácil morrer quando não se morre só”. Já em O zero e o infinito (1941), de Arthur Koestler, o herói do romance “não via senão um deserto e a escuridão da noite”, pois o “sentimento oceânico” do enfrentamento com a morte tinha lhe revelado a própria individualidade, que havia perdido no processo revolucionário. Na sua autobiografia, Koestler explica: "Na equação social, o valor de uma vida é zero; na equação côsmica é infinito".

Ora, Malraux é melhor escritor que Koestler, mas nunca esteve em Xangai nem foi condenado a morte; fala bem, mas literalmente não sabia do que estava a falar. Koestler, pelo contrário, sentiu ele mesmo um “sentimento oceânico” e recuperou sua individualidade eterna enquanto esperava a morte, dia a dia durante meses, num cárcere franquista. Mas o romance de Koestler não é meramente mais “realista”, o que em literatura não tem importância. O livro de Koestler é superior porque é mais honesto e porque sua probidade se encarna no rigor estético. Lemos Malraux por prazer, mas lemos Koestler para saber quem somos.

É difícil acreditar que Koestler escreveu O zero e o infinito com apenas 35 anos, porque ao contrário do romance de Malraux, sintoma de um momento cultural europeu, o de Koestler é emblemático das grandes convulsões históricas do século 20. Todavia, a explicação é evidente: a vida vertiginosa de Arthur Koestler entre o ano de seu nascimento, 1905, e o período em que escreveu seu romance, 1938-1940, coincide com a voragem homicida que culmina com a Segunda Guerra Mundial.

Alguém já comparou a trajetória biográfica de Koestler com as frenéticas correrias dos primeiros filmes cômicos: a douceur de vivre do império austro-húngaro (na versão bucólica húngara e na versão cosmopolita vienense), o anti-semitismo e a Grande Guerra, a queda do império e a euforia do episódio comunista de Béla Kun em Budapeste, o ativismo sionista pan-europeu e uma prematura emigração à Palestina, o estudo apaixonado das ciências e a aventura do jornalismo, a vida de janota na República de Weimar, a opção pelo comunismo e um non-sequitur como espião, a peregrinação à União Soviética, a profissionalização como agente comunista internacional, a exaltada campanha anti-fascista, as misérias do refugiado político, a premonição dos Processos de Moscou, a experiência épica da Guerra Civil espanhola, o momento metafísico do condenado a morte, o final desencanto com a ilusão socialista depois do pacto nazi-comunista, o conhecimento dos campos de concentração (onde termina de escrever O zero e o infinito). Não surpreende que Koestler tenha escrito uma das grandes autobiografias do século 20: ao fazê-lo escrevia também a história do século.

Koestler, porém, dava por conhecidos os grandes panoramas e detalhes dessa história. Quase todos seus leitores adultos compartilhavam sua experiência quando publica Arrow in the Blue (1952) e The Invisible Writing (1954). Hoje em dia isso tudo é para muitos história antiga, quando não lhes é completamente sonegada pelo monopólio educacional meia-oito. É para subsidiar essas novas gerações que Michel Laval escolheu uma organização algo didática e bastante canhestra na sua nova biografia, explicitando que trata de “Arthur Koestler e seu século”. A alternância quase mecânica entre resumos históricos ou perfís de figuras importantes e a narrativa propriamente biográfica pode ser irritante por vezes, mas fica compensada pelo talento de Laval para aquilo que os ingleses chamam potted history, breves ensaios de bolso inseridos no momento necessário. Suas fontes são sempre secundárias, mas sua bibliografia é imensa, inteligente e bem aproveitada. Não apreendemos muito de novo, mas recuperamos muita informação esquecida ou descuidada. O livro é como um retrato de Koestler tamanho natural apoiado contra um gigantesco e enciclopédico mural revolucionário mexicano.

Em comparação com o último esforço biográfico anglo-saxão, Arthur Koestler: The Homeless Mind (Heinemann, Londres, 1998), de David Cesarani, o livro de Laval é quase folcloricamente francês. Cesarani, cujo livro ainda está nas livrarias, pratica a impecável e implacável técnica biográfica britânica, com amplo uso de fontes originais, muitas vezes inéditas, e com obsessiva preocupação pelos detalhes íntimos, especialmente os sexuais. Seu maldoso sucesso de escândalo conseguiu modificar a imagem koestleriana de ”Casanova de causas”, pela de Casanova tout court, apimentada com acusações de ter “violado” esposas de amigos não chegou a banalizar a vida de Koestler, mas mudou radicalmente a perspectiva dos leitores menos informados.

Não espanta que Laval sempre o cite com uma errata freudiana, italianizando-o como “Cesarini”. Demais, Cesarani, como especialista em temas judaicos, enfoca suas pesquisas em volta da “identidade judia” de Koestler, distorcionando gravemente o teor mental e espiritual de Koestler, bem menos judaico do que o próprio Marx.

Não há a menor dúvida de que a obra de Koestler superará esta nova tentativa de reducionismo. Que, aliás, não é a primeira, nem de longe a mais grave: a tentativa de classificá-lo maliciosamente como mero “anti-comunista profissional” foi tarefa de pelo menos duas gerações. Não que Koestler não o fosse, como foi anteriormente comunista profissional. De fato, a importância capital de sua vida e obra consiste em encarnar essa transição como uma questão decisiva do nosso tempo. No belíssimo ensaio que lhe dedica George Orwell, seu grande amigo e companheiro de lutas, o autor de 1984 diz de maneira definitiva: “O pecado de todos os esquerdistas desde 1933 em diante consiste em ter querido ser anti-fascistas sem ser anti-totalitários”.

Koestler ficou famoso como um dos mais corajosos e eficazes publicistas anti-fascistas do período incluindo a primeira denúncia na imprensa ocidental da “solução final” sofrendo persecuções e com freqüente risco de vida. Mas teve também a coragem intelectual e moral de aceitar, sobretudo no seu foro interno, que a esquerda era a outra face do totalitarismo.

O que para tantos foi uma trajetória política ou literária foi para Koestler uma aventura espiritual que reflete um momento crucial da modernidade com total honestidade e sinceridade. Seu anti-comunismo, depois de ser comunista, foi igualmente desinteressado e valente: como Raymond Aron foi isolado e caluniado por uma intelectualidade ocidental em cujas mãos estavam os instrumentos da glória e da influência. Ao contrário deles soube "desprofissionalizar-se" a tempo, salvando-se da ignomínia. Sua década de anti-comunista equivale à sua década de anti-fascista. Em 1955, quando voltou a sua primeira paixão, a ciência, escreveu no prefácio de Trail of the Dinosaur (1955): “Disse tudo o que tinha a dizer sobre essas questões que me obsessionaram, de várias maneiras, durante a maior parte de um quarto de século. Agora paguei pelos meus pecados, a amarga paixão extinguiu-se, Cassandra ficou rouca”. Nisso errou. Sua voz continuará a ecoar, clara e sonora, na consciência humana enquanto tivermos de decidir entre a verdade e a mentira, entre os fins e os meios, entre o zero e o infinito.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor (© 2006 Hugo Estenssoro). Publicado originalmente pela revista Primeira Leitura, nº 49, em abril de 2006.


Hugo Estenssoro
Nova York, 29/5/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuidado com a Bolsa Brasileira de Rodrigo Constantino
02. Traço superior do acontecimento de Daniel Piza
03. Um estranho incidente literário de Moacyr Scliar
04. Por que somos piratas musicais de Guilherme Werneck
05. Mahler segundo Bernstein de Lauro Machado Coelho


Mais Hugo Estenssoro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Histórias Mal - Assombradas de Portugal e Espanha
Adriano Messias
Biruta
(2010)



Lei da Propriedade Industrial do Brasil - Bilíngue Português Ingl
Abreu, Merkl e Advogados Associados
Juruá
(2010)



O Ouro de Manoa
Jeronymo Monteiro
Clube do Livro
(1973)



Hipocondriaco Eu ?!
José Luís Soares
Moderna
(1997)



Ferrari-the Sports and Gran Turismo Cars
Warren W Fitzgerald / Richard F Merrittn e Outros
Norton Company
(1979)



Como Ouvir Melhor Em Ingles Estrategias 4
Denise Santos
Disal
(2013)



O Rei Artur e Seus Cavaleiros (capa Dura)
Abril Cultural; Pepita de Leão Adaptação
Abril
(1973)



Vamos Falar Sobre ..... o Álcool
Maria del Carmen Lorenzo Pontevedra
Ciranda Cultural
(2008)



Rei Édipo - Antigona // Prometeu Acorrentado
Sófocles - Ésquilo
Ediouro
(1981)



Atitudes Inteligentes
Sam Deep e Lyle Sussman
Nobel
(1999)





busca | avançada
111 mil/dia
2,6 milhões/mês