O grito eletrônico do Overmundo | Thereza Dantas

busca | avançada
32790 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fernanda Young (1970-2019)
>>> Estratégia das Privatizações
>>> Estratégia Econômica Governo
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A morte do professor de literatura
>>> Centenário de Noel Rosa, por Francisco Bosco, na Rádio Batuta
>>> A trilogia Qatsi
>>> Graça Foster também sabia
>>> Um gadget de veludo
>>> A polêmica da leitura labial
>>> A ousadia de mudar de profissão
>>> O assassinato e outras histórias, de Anton Tchekhov
>>> O Livro dos Insultos, de H.L. Mencken
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
Mais Recentes
>>> Instalações Elétricas de Hélio Creder pela LTC (2002)
>>> Não é a Mamãe de Guilherme Fiuza pela Record (2014)
>>> O Que É Ideologia de Marilena Chauí pela Brasiliense (1995)
>>> Minigramática de Ernani Terra pela Scipione (2002)
>>> O Seminarista de Bernardo Guimarães pela Martin Claret (2015)
>>> Do-In: Livro dos Primeiros Socorros - Vol. 1 de Juracy Campos L. Cançado pela Ground (1985)
>>> Das Wunschhaus und Andere Geschichten de Leonhard Thoma pela Hueber Verlag (2018)
>>> Caçando e Pescando Por Todo o Brasil - 1ª Série de Francisco de Barros Júnior pela Melhoramentos (1955)
>>> La France J'Aime! de Gilbert Quénelle pela Hatier International (1985)
>>> Como Conquistar Clientes e Mantê-los Para Sempre de Michael LeBoeuf pela Harbra (1996)
>>> Sozinha no Mundo de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record (1996)
>>> O Maior Segredo do Mundo de Og Mandino pela Record (1979)
>>> Cálculo com Geometria Analítica de Earl W. Swokowski pela Makron Books (1994)
>>> Amor de Leo Buscaglia pela Record (1972)
>>> Fundamentos de Física - Eletromagnetismo de David Halliday pela LTC (1996)
>>> Microeletrônica de Sedra, Adel S., Smith, Kenneth C. pela Makron Books (2019)
>>> O Fim do Brasil de Felipe Miranda pela Escrituras (2014)
>>> Manifesto do Nada na Terra do Nunca de Lobão pela Nova Fronteira (2013)
>>> Contra a Maré Vermelha de Rodrigo Constantino pela Record (2015)
>>> O País dos Petralhas II de Reinaldo Azevedo pela Record (2012)
>>> O País dos Petralhas de Reinaldo Azeved pela Record (2008)
>>> Privatize Já de Rodrigo Constantino pela Leya (2012)
>>> Assassinato de reputações: um crime de estado de Romeu Tuma Junior pela Topbooks (2013)
>>> Por que virei à direita de Denis Rosenfield, João Pereira Coutinho, Luiz Felipe Pondé pela Três Estrelas (2012)
>>> A Terra de Deus de Taylor Caldwell pela Record
>>> The Secret Garden de Frances Hodgson Burnett pela Hub (2011)
>>> The Lung: Physiologic Basis of Pulmonary Function Tests de Robert E. Forster II pela Year Book Medical Publishers (1986)
>>> Star Wars Darth Vader. Vader de Panini pela Panini (2019)
>>> Treinamento em Informática: Windows 95 de Tba Informática pela Tds Distribuidora (1999)
>>> Access 97 Passo a Passo Lite de Núcleo Técnico e Editorial Makron Books pela Makron Books (1997)
>>> PowerPoint 97 Passo a Passo Lite de Núcleo Técnico e Editorial Makron Books pela Makron Books (1998)
>>> De Agora Em Diante, Uma Pessoa Diferente de Lama Surya Das pela Rocco (2007)
>>> Veda: Segredo do Oriente. Uma Antologia de Artigos e Ensaios de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada pela The Bhaktivendanta Book Trust (2013)
>>> O Livro Da Transformação de Osho pela Sextante (2003)
>>> O Futuro Chegou  de Domenico de Masi pela Casa da Palavra (2014)
>>> Você é Inteligente o Bastante para Trabalhar no Google?  de William Poundstone pela Zahar (2012)
>>> A Prosperidade do Vicio - uma Viagem (inquieta) pela Economia  de Daniel Cohen; Wandyr Hagge pela Zahar (2010)
>>> Mitos Sobre a Fundação dos Estados Unidos  de Ray Raphael pela Civilização Brasileira (2006)
>>> A Startup Enxuta - Inovação Contínua para Criar Empresas Bem-sucedidas  de Eric Ries; Carlos Szlak pela Leya (2012)
>>> O Estilo Startup-empresas Modernas Usam o Empreendedorismo para Cresce  de Eric Ries pela Leya (2018)
>>> Como Se Tornar Inesquecível  de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2012)
>>> O Naturalista da Economia  de Robert H. Frank pela Best Business (2009)
>>> A Prisão da Fé  de Lawrence Wright; Denise Bottmann; Laura Motta pela Companhia das Letras (2013)
>>> A Escola da Liderança - Ensaios Sobre a Política Externa  de Sérgio Danese pela Record (2009)
>>> A Força da Convicção - Em Que Podemos Crer?  de Jean Claude Guillebaud; Maria Helena Kühner pela Bertrand Brasil (2007)
>>> A Beira do Abismo Financeiro - a Corrida para Salvar a Economia Global  de Henry M. Paulson Junior pela Elsevier (2010)
>>> O Fim da Vantagem Competitiva - Novo Modelo de Competição  de Rita Mcgrath pela Elsevier (2013)
>>> Risco Digital na Web 3. 0  de Leonardo Scudere; Scudere Soluções pela Elsevier (2014)
>>> A Disneyzação da Sociedade  de Alan Bryman pela Ideias e Letras (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 19/6/2006
O grito eletrônico do Overmundo
Thereza Dantas

+ de 5600 Acessos

A internet é produto da Guerra Fria. Pensada por militares americanos na década de 1960 para esconder informações estratégicas em computadores ligados em rede, e assim evitar a “dominação comunista”, esses mesmos militares não previam um quadro que beira a anarquia: o ciberespaço. Sites colaborativos, portais de jornalismo independente, coletivos de artistas, imagens e músicas com livre acesso, além de informação em quantidades jamais imaginadas são alguns dos resultados colaterais das pesquisas militares. E se a idéia original era belicosa, hoje o ciberespaço transpira liberdade, desafia regras, questiona versões oficiais.

No Brasil, com mais de 22 milhões de internautas, número que o põe entre os dez países de maior inclusão digital, quatro profissionais se uniram para criar um movimento na internet. Ou, como preferem, um Movimento. É assim, com maiúscula, que o antropólogo Hermano Vianna, o produtor cultural Alexandre Youssef e os advogados José Marcelo Zacchi e Ronaldo Lemos batizaram o próprio grupo. E o Movimento criou o Overmundo.

Que é Overmundo? É o nome de um poema de Murilo Mendes, que fala de um cavaleiro que “está em toda parte” e que possui um “grito eletrônico”. É também um site colaborativo sobre cultura do Brasil. Que fique claro: não é sobre cultura brasileira. “A identidade e a cultura de uma nação é movimento em aberto e está sempre em mutação”, diz Hermano Vianna. Dos “quatro cavaleiros” do Overmundo, Vianna é o homem da academia, experiente em pensar e conceituar as expressões mais espontâneas da cultura popular, como o funk, o samba – ou, a partir de agora, a participação voluntária de internautas na construção do site.

O Overmundo foi “ao ar”, oficialmente, no dia 7 de março, no seguinte endereço: overmundo.com.br. Qualquer pessoa pode se cadastrar e, assim, publicar textos sobre eventos, entrevistas com artistas, músicas para download gratuito, qualquer conteúdo relacionado à área da cultura. “O canal está aberto. Cabe aos internautas ocupá-lo: quando mais gente falando sobre coisas legais acontecendo nas suas cidades e estados, melhor”, diz Ronaldo Lemos.

Lemos é o representante da Creative Commons no Brasil. A Creative Commons é uma entidade americana que promove a transmissão e a difusão de conhecimento gratuito pela internet, como, por exemplo, os chamados softwares livres. O próprio site Overmundo foi criado por meio de softwares livres, que estão à disposição de quem quiser fazer download. Lemos explica como a idéia da colaboração entre internautas, inerente à rede mundial de computadores, foi ganhando proeminência no ciberespaço até tomar o centro do palco: “O exemplo principal é o [sistema de buscas] Google: eles inventaram um jeito de organizar a informação com base na conduta dos próprios usuários da internet, que vão criando links para os sites mais legais”, diz o advogado. [N.R.: Essencialmente, quanto mais um site for referenciado por outros sites, maior a sua importância na ordenação do Google – dentre outros critérios, e com os devidos pesos considerados.]

Mas o Google não é o melhor exemplo de site colaborativo, já que a participação dos internautas é apenas passiva. Muito mais significativa, nos tempos atuais, é a Wikipédia, a enciclopédia livre da internet. Qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo, pode criar, alterar ou mesmo apagar qualquer verbete da enciclopédia – que, para surpresa de muitos, é um sucesso.

O Overmundo fica no meio-termo. “A intermediação é feita pela própria comunidade de usuários, que decide coletivamente o que merece destaque e o que é publicado”, diz Lemos. Existe uma hierarquia. Uma forma de avaliação dos melhores conteúdos. Antes de publicar qualquer coisa, os cadastrados lêem os textos, vêem vídeos e imagens, ouvem as músicas enviadas, e então sugerem correções ou informações a adicionar. O autor do conteúdo, tendo acatado ou não as sugestões, submete então à votação final, baseada num sistema de pontos. Ou overpontos, no jargão de seus criadores, que também resolveram batizar os internautas de overmanos e overminas, numa referência ao universo do hip-hop brasileiro. Assim, cada voto confere overpontos ao overmano, que precisa atingir um número mínimo para ter seu material publicado; a longo prazo, uma grande quantidade de overpontos confere maior peso ao seu próprio voto. Parece burocrático, mas isso não invalida a maior qualidade do site, que é absolutamente democrático. “Não somos editores, somos animadores”, diz Hermano Vianna, ressaltando que a proposta do grupo é que o site caminhe pelas próprias pernas. “Queremos que os usuários decidam o que realmente é importante para o Overmundo.”

A idéia central é expor a cultura do Brasil. “Não queremos discutir o que é cultura popular, nem seremos um site que recebe releases sobre eventos no país. Queremos o discurso direto. Se chegar um texto sobre o comportamento do público de Manaus no show do White Stripes, será bem-vindo. Mas um release sobre o show da banda, nem pensar!”, diz Vianna. ”Não haverá julgamento de boa qualidade, até porque não concordo com o que se considera boa qualidade no país!” Para os criadores, o importante é que aconteça de fato a divulgação e a circulação de projetos de arte no país. Projetos que, de outra forma, talvez não encontrassem o devido espaço nos canais tradicionais de comunicação. Os exemplos são muitos.

Hermano Vianna aponta dois que estão na sua mira antropológica: o funk carioca e o brega do Pará. A experiência do brega paraense é curiosa. O músico grava suas composições em um estúdio e depois vai discotecar numa “festa de aparelhagem”, como são chamados os bailes da periferia paraense. Se a música for um sucesso, é vendida, em formato digital (.mp3), nos camelôs das ruas de Belém, com o incentivo dos próprios artistas, que não vêem nessa “pirataria consentida” um obstáculo, e sim uma divulgação supereficiente para shows. Ganham o dono do estúdio, o músico e os camelôs. “É a festa da periferia de Belém”, diz o antropólogo. “Quando a Banda Calypso se apresentou no Faustão, ela já fazia sucesso. A música brasileira não precisa mais da indústria fonográfica tradicional!” Alexandre Youssef, dos quatro cavaleiros do Overmundo o mais experiente em produção cultural, atua junto ao movimento hip-hop e ao rock alternativo, e reforça a idéia de que a cultura brasileira na periferia é forte. “O Overmundo passa pela cultura do lado B. O principal desafio é dar espaço para toda essa diversidade”, diz. Por isso o Overmundo é mais que um site informativo, com notícias, resenhas e agenda de eventos; na seção Banco de Cultura, qualquer artista, anônimo, estreante ou consagrado, pode disponibilizar músicas, textos e vídeos artísticos, que terão, assim, a divulgação necessária pelo país. “A idéia é a da generosidade intelectual, tanto do lado de quem envia e disponibiliza criações,como de quem utiliza e dá o crédito”, diz o advogado Ronaldo Lemos, ressaltando também que, em caso de uso para fins comerciais, o conteúdo deva ser comprado diretamente do artista.

E qual o fim comercial do próprio Overmundo? Atualmente patrocinado pela Petrobras, num projeto de 18 meses de duração, com custo final de 2 milhões de reais, o Overmundo tem o desafio de se transformar num site colaborativo economicamente viável. A idéia original resumia-se a um braço do portal da Petrobras, mas com o tempo foi arquivada, em função da segurança que as demais informações do portal exigiam, impossibilitando a liberdade de acesso ao conteúdo, que é a razão de ser do projeto. “Existe a idéia de buscar anunciantes, mas agora é dever do Estado arcar com essa estrutura. No final de 2006 termina o contrato com a Petrobras, que é renovável, e aí veremos qual será o futuro”, diz Youssef. “Não temos nada definido sobre como e onde venderemos anúncios. Vai depender dos acessos [no dia do lançamento oficial, a média era de 3.500 acessos diários], mas temos alguns exemplos felizes para nos nortear, como a Wikipédia, o Google e o Orkut”.

O antropólogo Hermano Vianna vai mais longe: “Podemos pensar em disponibilizar essas informações no celular. Hoje, o acesso ao celular é muito maior do que o acesso à internet. Estatisticamente, para cada dois brasileiros, um tem aparelho celular. E a velocidade para baixar conteúdo também é maior que por um computador, além de existir um grande interesse das empresas de telefonia em oferecer mais serviços ao dono do aparelho.”

O quarto cavaleiro é José Marcelo Zacchi. Fundador e ex-diretor da ONG Sou da Paz, ele pretende ser a interface entre o site, o terceiro setor, as empresas privadas e o poder público. Para ele, a atividade cultural – e iniciativas como a do Overmundo – traz benefícios para outros setores da sociedade brasileira. “Vamos desenvolver um trabalho que amplie o diálogo entre a cultura e a cidadania, a inclusão artístico-digital, a intervenção urbana, a qualificação urbana e a propriedade intelectual”, diz o advogado.

Mas é no campo da cultura que o quarteto vai se fazer notar com mais força. Para Hermano Vianna, o Overmundo é o passo brasileiro para a democratização e a independência no ciberespaço, uma contribuição para enriquecer o caldo da cultura do Brasil. “É a circulação dos 35 CDs que ganhei no Porto Digital, no Recife, Pernambuco. É a possibilidade real dos moradores de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, reclamarem seus direitos desrespeitados no New York Times. [N.R.: Matéria do jornalista norte-americano Larry Rother se refere a índios Yanomami como uma comunidade que “tem se mantido imutável desde a Idade da Pedra”.] É o funk carioca, o brega paraense, o rap brasileiro mostrando sua cara. O computador, hoje, é a nossa caneta Bic”.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Publicado originalmente na revista Raiz nº 4, em abril de 2006.


Thereza Dantas
São Paulo, 19/6/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um kadish para Tony Judt de Sérgio Augusto
02. Decompondo uma biblioteca de Alberto Mussa
03. Cenas de um casamento de Marcelo Rubens Paiva
04. Jorge Amado universal de Milton Hatoum
05. Fim de um romance de Milton Hatoum


Mais Thereza Dantas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BIZU DE ODONTOLOGIA 4000 QUESTÕES SELECIONADAS PARA CONCURSOS
PAULO CÉSAR REIS JUNQUEIRA
RUBIO
(2011)
R$ 98,00



AMAZÔNIA - CICLOS DA MODERNIDADE
PAULO HERKENHOFF
CCBB
(2012)
R$ 45,00



MEU DIÁRIO EM SONETOS
IVES GANDRA DA SILVA MARTINS
PAX & SPES
(2010)
R$ 4,50



DONA FLOR E SEUS DOIS MARIDOS
JORGE AMADO
MARTINS
(1970)
R$ 4,00



A MARGINALIDADE SOCIAL EM "A POLAQUINHA" E EM "STELLA MANHATTAN"
RODRIGO MAZER ETTO UND VALESKA G. CARLOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 202,00



NEOLIBERALISMO E DEMOCRACIA; A CONSTRUÇÃO DE UM DIREITO À VIDA DI
REVISTA DIREITO, ESTADO E SOCIEDADE, Nº 13
PUC DIREITO - RJ
(1998)
R$ 19,82



UM HOMEM SEM ROSTO 2ª EDIÇÃO
OLYMPIO MONAT
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1972)
R$ 21,28



RELIGIÃO DOS ESPÍRITOS
FRANCISCO CANDIDO XAVIER
FEDERAÇÃO ESPÍRITA
(1984)
R$ 29,90
+ frete grátis



SIBRAC SISTEMA BRASILEIRO DE CONSULTA VOLUME 4
VÁRIOS AUTORES
NOVA CENTRAL
R$ 48,00



ORIGENES DE LA CIVILIZACION ADAMICA TOMO III
J. R. LUQUE ALVAREZ
KIER
(2006)
R$ 10,00





busca | avançada
32790 visitas/dia
1,0 milhão/mês