O Mal em debate nas latrinas de Buchenwald | José Nêumanne

busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/7/2002
O Mal em debate nas latrinas de Buchenwald
José Nêumanne

+ de 3900 Acessos

Imagine que, no inverno de 1944, com a Segunda Guerra Mundial chegando a seu desfecho, certo interno no campo de concentração de Buchenwald tenha sido escalado para viver o resto de seus dias usando o nome de um moribundo com quem passara sua última noite, dele ouvindo as últimas palavras em meio aos suspiros finais de uma multidão de mortos-vivos. A frase não foi dita em francês, língua materna do moribundo, nem em alemão, corriqueiro no campo, mas no puro latim de Cícero e César: "post mortem nihil est ipsaque mors nihil...", que quer dizer "depois da morte não há nada e a morte não é nada". Imagine que mais de meio século depois o mesmo sobrevivente, ao traduzir As Troianas de Sêneca para o castelhano, topou com a sentença, fresca, à sua frente, trazendo de volta a cena macabra, detalhe por detalhe. O que essa pessoa deveria fazer? Isso daria um livro, você dirá, caro leitor. Mas para tanto seria necessário que o sobrevivente fosse um predestinado, que, além de escapar dos horrores de Buchenwald, ainda tivesse o raro talento de escrever.

Pois saiba que esse predestinado existe. O protagonista dessa cena bela e terrível é um dos maiores narradores da literatura ocidental do século marcado pelos horrores do nazismo, o 20. O nome dele é Jorge Semprún, espanhol e autor de obras-primas da literatura em francês, entre as quais um dos romances seminais do dito cujo século, A Segunda Morte de Ramón Mercader. E o que ele fez depois de topar com a frase do filósofo romano no texto que traduzia para sua língua materna, não o francês, mas o castelhano, foi aquilo que você imaginaria que ele fizesse: um livro. Chama-se Le Mort qu'il Faut (A Morte Necessária) no original, Viviré con Su Nombre, Morirá con el Mío (Viverei com Seu Nome, Morrerá com o Meu) na sugestiva tradução espanhola de Carlos Pujol.

Como nos livros anteriores de Semprún, o roteirista de clássicos do cinema como Z, de Costa-Gavras, partiu desse episódio para tecer uma narrativa em que a História coletiva se mistura com a memória pessoal, reconstruída a partir de retalhos de canções ou de frases soltas ao vento; e a política e o afeto se complementam, uma explicando o outro e pelo outro sendo negada.

Assim como em Um Belo Domingo Semprún extrai substância do fato de o campo de horrores de Buchenwald ter sido construído pelos nazistas no campo em que o poeta Goethe conversava com seu amigo Eckermann, que depois reproduziria os passeios num livro que se tornaria clássico, em seu último romance ele reconstrói, lembrança por lembrança, o lugar erguido para matar os inimigos do regime nazista em escala industrial. Ali estão o salão dos moribundos, que não suportaram a dura vida de confinamento, e os fornos crematórios, orgulho da tecnologia assassina da utopia nacional-socialista. Mas também a biblioteca, em cujas estantes o autor encontrou Absalão, Absalão, de William Faulkner, uma de suas leituras de ficção favoritas, durante o inteiro resto de sua vida.

Ali surgem sobretudo as latrinas, onde os companheiros de Semprún na miríade de Partidos Comunistas de vários países da Europa se reuniam para discutir questões de administração do campo, longe da escuta onipresente da SS, que não se dispunha a enfrentar a fedentina para bisbilhotar. Das lembranças reconstruídas pelo talento de ficcionista emerge uma imagem vívida daquele sistema horrendo de confinamento, punição e extermínio, de cuja administração as vítimas também faziam parte. Para se ter uma idéia do ponto a que chegava o poder dos prisioneiros organizados em Buchenwald, o gesto supremo que motivou o romance – a troca de identidade com o moribundo – foi provocado exatamente pela necessidade que as organizações clandestinas tinham de manter seu controle sobre a administração da própria desgraça. Em resumo: o Partido Comunista Espanhol teve a informação de que a Gestapo pedia à SS informações sobre um militante comunista espanhol de 20 anos, Semprún em pessoa. Temendo que o pedido de informação terminasse por deslocá-lo da tarefa que lhe cabia no campo, o PCE tratou de "matá-lo". Para isso, foi encontrado um moribundo com suas características pessoais, ele foi posto em seu leito de morte e, quando o escolhido expirou, tratou-se da burocrática troca de identidade.

Não há lembranças neutras ou inócuas no relato de Semprún. Os acordes de "In the Shade of the Old Apple Tree" ou "On the Sunny Side of the Street", executados pela banda de jazz, lembram ao autor o fato de o tcheco Jiri Zak, que fazia as vezes do trompetista Louis Armstrong nessas execuções musicais, ter sido executado pelos russos em sua Praga natal. Sobreviventes recalcitrantes condenam o registro da existência de uma biblioteca para que os pósteros não imaginem que o campo de concentração não passaria de uma estação de repouso.

Desde que foi expulso do PCE, Jorge Semprún deixou de ser engajado na causa socialista. Mas como escritor e intelectual, continua militando na missão também política, mas mais do que política humanística, de buscar o sublime mesmo nos recantos mais sórdidos da alma humana – afinal, foi conversando com um jovem muçulmano (pária, na gíria dos campos de concentração) nas latrinas de Buchenwald que ele encontrou a evidência da afirmação de Kant de que o Mal não é inumano, mas, ao contrário, uma expressão radical da liberdade humana.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no "Caderno de Leitura Sábado", do Jornal da Tarde.


José Nêumanne
São Paulo, 22/7/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Yoani Sánchez no Brasil de Jaime Pinsky


Mais José Nêumanne
Mais Acessados de José Nêumanne
01. A Trilogia de João Câmara - 12/1/2004
02. O prazer, origem e perdição do ser humano - 29/4/2002
03. O CNJ e a Ancinav - 20/9/2004
04. O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard - 12/5/2003
05. Retrato de corpo inteiro de um tirano comum - 17/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SELEÇÕES DO READERS DIGEST FEVEREIRO 1954
TITO LEITE (EDITOR CHEFE)
YPIRANGA
(1954)
R$ 10,00



O JOGO E A EDUCAÇÃO INFANTIL
TIZUKO MORCHIDA KISHIMOTO
PIONEIRA
(2002)
R$ 30,00



DICIONÁRIO PRÁTICO DE ECOLOGIA
ERNANI FORNARI
AQUARIANA
(2001)
R$ 7,50



APERITIVOS - LAROUSSE 100% PRAZER
VÁRIOS AUTORES
LAROUSSE
(2009)
R$ 10,00



AS MULHERES FRANCESAS NÃO ENGORDAM
MIREILLE GUILIANO
CAMPUS
(2005)
R$ 10,00



INVESTIDORES E MERCADOS - SELEÇÃO DE CARTEIRAS, APREÇAMENTO DE ATIVOS E INVESTIMENTOS
WILLIAM F. SHARPE
NOVO CONCEITO
(2008)
R$ 24,90



MAO A HISTÓRIA DESCONHECIDA
JON HALLIDAY JUNG CHANG
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 25,00



CARNAVAL EM CORES: A LINDA MÁSCARA DE JOÃO DIAS; AS MULATAS DO HAVAI;
O CRUZEIRO, Nº 4 DE FEVEREIRO DE 1967
O CRUZEIRO
(1967)
R$ 19,82



LEONARDO DA VINCI - BIOGRAFIA ILUSTRADA
KENNETH CLARK
EDIOURO
(2003)
R$ 20,00



UMA HISTÓRIA DO CORPO NA IDADE MÉDIA
NICOLAS TRUONG; JACQUES LE GOFF
CIVILIZAÇAO BRASILEI
(2006)
R$ 36,00
+ frete grátis





busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês