A Trilogia de João Câmara | José Nêumanne

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Revista Mãos dadas Equilíbrio Emocional (Revista de apoio) 19 de Vários pela Viva e Ultimato (2008)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Grande Amigo de Deus 18ºed. de Taylor Caldwell pela Record (2002)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Homem Que Sabia: a Inquirição de um Homem pela Verdade de Russel Norman Champlin pela Nova Época
>>> Handbuch Der Wissenschaft Und Bildung - 2 de Kultur Und Wirtschaft pela Deutsche Buch Gemeinschaft (1960)
>>> The 78th Art Directors Annual de ADC Publications pela Adc Publications (1999)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Arthur C. Guyton pela Guanabara (1986)
>>> Uma Nova República: História dos Estados Unidos no Século XX de John Lukacs pela Jorge Zahar (2006)
>>> Time For Poetry: a Teachers Anthology de May Hill Arbuthnot pela Scott Foresman and Company (1951)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Twentieth Century China de O. Edmund Clubb pela Columbia University Press (1978)
>>> Realidade da Amazônia Brasileira de Otto Gilberto de Arruda Beltrão pela Não Consta
>>> Daar zit muziek in: mechanische muziekinstrumenten van speelklok tot pierement de Jan Jaap Haspels pela Bosch & Keuning Nv (1981)
>>> Bondade de Jacob Netto pela Não Consta
>>> Arquitetura da Paisagem Água de Instituto Monsa de Ediciones pela Monsa (2006)
>>> Perfis - 2ª Série - Obra Póstuma de Humberto de Campos pela José Olympio (1936)
>>> Van Gogh's Flowers de Judith Bumpus pela Universe Books (1989)
>>> Um Mundo Só - Vol. 1 / a Alemanha por Dentro - Vol. 3 de Wendell Willkie e Louis P. Lochner pela Nacional (1943)
>>> Obras Poéticas de Gonçalves Dias - 6º Volume de Manuel Bandeira (org.) pela Nacional (1944)
ENSAIOS

Segunda-feira, 12/1/2004
A Trilogia de João Câmara
José Nêumanne

+ de 11100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

De outros dois egressos da João Pessoa, Paraíba, onde nasceu, mas, como eles, ficou pouco, pois logo se tornaria olindense por moradia e vocação e recifense por necessidade, o artista plástico João Câmara herdou duas características. De Geraldo Vandré, um loirinho invocado, o desassombro. E de Leovigildo Gama Júnior, mulatinho isoneiro, o estilo hábil, simples e construtivo, de quem não joga para a arquibancada volúvel, mas para fazer seu time campeão.

Nem branquelo como o primeiro, mais velho, nem negróide como o segundo, mais moço, esse caboclo magro, espigado, simples no vestir, mas enxundioso e elegante no falar, usa tintas e pincéis para épater le bourgeois, qual o fez Vandré com letras e melodias. E, como Júnior, é um craque comprometido com o próprio engenho, que não vende, não troca nem dá. O resultado de sua arte singular, brasileira (pernambucana, em sua essência) e valorizada foi reunida numa caixa de três volumes sob o título de Trilogia, que a gráfica Takano, o Ministério da Cultura e a Fundação de Arte do Governo de Pernambuco vêm de lançar no mercado editorial brasileiro. Uma preciosidade, pois o autor cuidou de cada um dos três volumes com o mesmo esmero com que elabora suas telas.

A política em tela - Composta por 100 grandes painéis e 100 litografias, sua mais célebre série, Cenas da Vida Brasileira, desafiou o monopólio de objetos, ambientes e performances (de Hélio Oiticica e Lygia Clarke, entre outros), o predomínio do concreto e do geométrico (em Waldemar Cordeiro, Rubens Gerchman, Antonio Dias, etc.) e a obrigatoriedade de dar seqüência ao construtivismo (por Mira Schendel, Alfredo Volpi, Arcângelo Ianelli e mais um punhado) no cenário artístico nacional. E, de quebra, ainda produziu um impacto político registrado sem pudores por Tadeu Chiarelli no texto que abre o primeiro volume da Trilogia, dedicado aos quadros que João Câmara realizou em 1974 a 1976, ano em que a expôs no Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro, templo máximo da seita conceitual: “Numa leitura mais rasa e apressada, Cenas poderia ser encarada como uma apologia ao autoritarismo militar que então reinava com mãos de ferro sobre o País.”

Na verdade, o que seus detratores políticos não perdoaram na série foi a evidência cabal por ela manifestada de que é possível fazer uma arte social e politicamente engajada com competência técnica e sensibilidade estética e, portanto, sem as grosseiras simplificações do realismo socialista stalinista, predominante na mentalidade da esquerda de então (e será que mudou alguma coisa sob a égide petista?). E, para desespero dos cultores dos happenings na moda à época, que desembocariam no modismo contemporâneo das instalações, João Câmara desenha e pinta com técnica irrepreensível e inspiração evidente.

Com realismo pictórico, ao qual se acrescentam, de um lado, referências ao imaginário iconográfico popular e, de outro, pitadas de humor irreverente, ele retratou personalidades públicas, tais como João Pessoa, Eurico Dutra, Juarez Távora, Filinto Müller e Carlos Lacerda, tirando-os das páginas dos periódicos para pô-los nas telas. A maior dessas figuras era, e só poderia ter sido, a de Getúlio Vargas. Frederico Morais, voz solitária da crítica a romper a muralha de silêncio que se tentou impor sobre a obra e o pintor desde então, viu em Getúlio a figura dicotômica e contraditória de “pai e padrasto”, por ele desempenhado na História real. Em 1937, quadro intitulado com o ano no qual o “pai dos pobres” deu um autogolpe para instaurar o Estado Novo, este aparece com duas caras, a do moço revolucionário de 1930 de frente e o perfil do velhinho de volta na eleição de 1950. Como uma aura, a concha da Shell reina no quatro em que foi retratado o maior símbolo do nacionalismo brasileiro. Quem poderia perdoar tamanha ousadia, tanto sarcasmo, numa tela só?

Embora seja praticamente impossível encontrar um quadro que seja capaz de resumir Cenas, cuja atualidade surpreende até hoje o ciitado (e respeitado) Frederico Morais, difícil será resistir a não chamar a atenção do leitor para 1954, III, óleo no qual, com o dorso nu, o pintor, questiona, à esquerda, o cadáver do presidente suicida. Ao despir a camisa, o reatrista se pôs no mesmo plano do retratado, cujo cadáver fotografado com o hirsuto peito à mostra, correu o País simbolizando o fim de uma era. No canto oposto da tela, a imagem-síntese dessa era - a efígie do suicida com um pano segurando o queixo - atrai para si a atenção concentrada de quem quer que se depare com ela.

O erótico e o lírico - Menos de um ano depois de haver concluído, em seu ateliê de Olinda, do qual costuma se deslocar sempre a pé para desempenhar qualquer atividade comezinha (ou não), desde ir a um botequim até apanhar algum filho na escola, seu particular inventário pictórico-político do Brasil oficial, João Câmara começou a devassar as alcovas do País real. A série - cujo título Dez Casos de Amor e Uma Pintura de Câmara remete indiretamente ao mítico livro Vinte Poemas de Amor e Uma Canção Desesperada, do chileno Pablo Neruda - exigiu seis anos de trabalho, não ininterruptos: enquanto a fazia trabalhou em obras avulsas, tidas como “apêndices” de Cenas, tais como O Baile da Ilha Fiscal (1979), Carisma/Quaresma (1981) e Retrato de Família (1981).

A primeira matriz da série são as litografias intituladas Dez Casos de Amor, retratando a sedução de várias personagens femininas pelo mesmo personagem masculino. A segunda, o tríptico Uma Pintura de Câmara, funciona, segundo Frederico Morais, como “ bússola” e “câmara” (o quarto), palco do teatro do amor, do qual as litogravuras são a antecâmara. Para o crítico, dez pranchas de madeira registram as mudanças de curso ao longo da confecção da série - impostas pela própria obra e também no autor e na sociedade brasileira.

O ateliê e a biografia - O terceiro volume fecha a Trilogia com os quadros que compuseram a última exposição do pintor pernambucano da Paraíba nesta megalópole de Piratininga, na Pinacoteca do Estado, reformada por seu amigo Emanoel Araújo. A caixa foi lançada em Recife na exposição desta mesma série no novo espaço Cícero Dias, anexo do Museu do Estado de Pernambuco.

Em Duas Cidades - pinturas e objetos, de 1987 a 2001 - João Câmara oferece visões nostálgicas e oníricas destes locais (loci) de sua paixão: vizinhos que se contemplam e se desprezam, mas não sabem viver um sem o outro, como certos casais, Olinda e Recife, um português e outro, holandês. Melhor definirá o autor, que lida com as palavras com a intimidade com que empunha pincéis - e disto o leitor terá provas definitivas em textos do autor-pintor reproduzidos no volume: “Um, o lugar do trabalho e da imaginação - a ‘província-ateliê’ - outro, o lugar civil onde a vida e a biografia se nominam”.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no "Caderno2" do jornal O Estado de S.Paulo.


José Nêumanne
São Paulo, 12/1/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O grande ausente de Miguel Sanches Neto
02. Blogs: uma ficção de Furio Lonza
03. Livro pra quem precisa de Ivana Jinkings


Mais José Nêumanne
Mais Acessados de José Nêumanne
01. A Trilogia de João Câmara - 12/1/2004
02. O prazer, origem e perdição do ser humano - 29/4/2002
03. O CNJ e a Ancinav - 20/9/2004
04. O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard - 12/5/2003
05. Retrato de corpo inteiro de um tirano comum - 17/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/12/2006
10h32min
Muito bem elaborado, simples, porém, direto.
[Leia outros Comentários de marcela]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Barbie Super Princesa - História para Colorir
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2015)



Xaviera: a Rainha das Aliciadoras
Xaviera Hollander; Tradução Nélson Rodrigues
Record



Encontro Em Jerusalém
Tiago Rebelo
Presença
(2005)



O Livro das Diretas: Nasce uma Nação Apesar do Estado
Júlio César Monteiro Martins (texto)
Anima
(1984)



Marketing - Departamento de Marketing da Kellogg ...
Bobby J. Calder - Alice M. Tybout
Saraiva
(2013)



Dicionário de Management para Compreender a Dinâmica da Empresa
Ceneco
Instituto Piaget
(1996)



Adobe Photoshop 5. 5
Marcos Serafim de Andrade
Senac São Paulo
(2000)



2011 Anuário do Futebol Brasileiro
Rodolfo Rodrigues e Robson Morelli (orgs)
Letras do Brasil (sp)
(2012)



Guia Astrológico para o Sexo e o Amor
Sydney Omarr
Market Books
(2000)



Jovens Com Atitude Enriquecem Mais Rapido
Kent Healy e Jack Canfield
Universo dos Livros
(2013)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês