O fim da gravadora EMI | Sérgio Augusto

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixaƒo E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
ENSAIOS

Segunda-feira, 11/6/2007
O fim da gravadora EMI
Sérgio Augusto
+ de 12100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Uma festa, um funeral.

A festa é para os 40 anos de Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band, comemorados na Inglaterra, nos EUA e pelo resto do mundo. Nem me lembro mais se foi logo em junho de 1967 que o LP chegou ao Brasil. Mas, assim que chegou, foi direto para o meu toca-discos, de onde só saiu para a entrada de outra cópia, sem os arranhões da primeira. Era sentar e deixar a noite rolar, "sit back and let the evening go". Detesto listas e hierarquizações, mas, se pressionado a escolher o melhor disco de rock de todos os tempos, meu voto iria, fácil, para o da banda do Sargento Pimenta – e o segundo para a trilha sonora do filme Sem Destino (Easy Rider).

O funeral é para o fim da gravadora EMI, co-responsável pela magnum opus dos Beatles. Em 21 de maio, a mais antiga gravadora do mundo e, até por isso, um dos maiores orgulhos da indústria cultural britânica, tornou pública a sua incapacidade para "fixing a hole", tapar um buraco de 264 milhões de libras (US$ 520 milhões). A venda da EMI é uma daquelas notícias que a gente lê, "oh, boy", com a mesma tristeza ou melancolia que as novidades recolhidas nos jornais do dia provocam em John Lennon na última faixa de Sgt. Peppers, "A Day in the Life".

Quem dá mais? Quem deu mais, por enquanto, foi a Terra Firma Capital Partners, que não mexe com música, mas ações. Na bucha, 2,4 bilhões de libras, a metade do que a EMI valia sete anos atrás, quando se cogitou de sua fusão com a Warner Music, sua rival hollywoodiana. Acredita-se que a Terra Firma apenas servirá de intermediária na compra da EMI pela Warner.

E pensar que, em maio do ano passado, era a EMI que queria comprar a Warner. Os acionistas desta recusaram os termos da proposta. Depois foi a vez de a Warner dizer "hello" e a EMI dizer "good bye". Alguns meses e bilhões de downloads de música na internet depois, a EMI entregou os pontos. Se o negócio se concretizar, três (e não mais quatro) grandes gravadoras passarão a dominar o mercado mundial. Atravancando os acertos, a impaciência da Warner com os 12 meses que a Comissão Européia, sediada em Bruxelas, pediu para decidir se permite ou não a fusão. Não faz muito tempo, ela vetou a fusão da Sony com a BMG, alegando evitar a criação de um monopólio. Uma Warner-EMI seria muito maior do que uma Sony-BMG.

Norman Lebrecht, guardião da boa música na internet, quase "fell out of bed" com a notícia ("um golpe no coração da indústria musical britânica"), e lamentou que o bilionário Paul McCartney, para citar apenas um parceiro da gravadora com grana o suficiente para resolver a questão, não tenha sequer manifestado o desejo de dar um "little help" à velha amiga. "Sua extinção ameaça transformar a Inglaterra num terra sem música – uma cultura sem voz musical na civilização do download", deplorou Lebrecht.

Tudo bem, a Apple acaba de lançar o iTunes Plus, com todo o catálogo digital da EMI podendo ser baixado pela internet a US$1,99 por música, a ArkivMusic.com está vendendo milhares de títulos do catálogo da EMI em sua loja virtual, mas a centenária gravadora, infelizmente, kaput. Quando, há sete anos, valia o dobro do que por ela pagou a Terra Firma, as coisas pareciam continuar "getting better", melhorando o tempo todo. Mas, cinco anos depois, as vendas de discos entraram no tobogã (queda de 20%, só no mercado americano e só no primeiro semestre de 2006), as despesas com contratos e indenizações alcançaram níveis estratosféricos, e eles tiveram de "stop the show".

Abriu-se um ralo descomunal. O ídolo pop Robbie Williams não justificou em vendas os mais de 80 milhões de libras de seu contrato, o mais alto já assinado na indústria de discos britânica. Embora chutada pelo excessivo encalhe do CD Glitter, Mariah Carey acabou levando 18 milhões de libras de "indenização". Eric Nicoli, atual chefão da EMI, deverá sair com um polpudo cheque no bolso. Em meio a tais reveses, o remix Beatles Love tampouco correspondeu às expectativas.

O roqueiro Chris Martin queixou-se, com razão, das pressões sob as quais ele e seus colegas trabalhavam, ultimamente, para saciar a sede de lucros dos acionistas da gravadora. Segundo o líder da banda Coldplay, as prioridades artísticas da EMI ficaram em segundo lugar. Ou seja, até de seu forte, o alto nível de exigência artística, a gravadora descurou um pouco.

Desde sua fundação, em 1898, com o nome de Gramophone and Typewriter Company, ela foi um exemplo de ecletismo e contradição, tradicionalismo e ousadia. Abrigou artistas de todos os gêneros, arriscou-se na compra de selos independentes ou em decadência, perdeu dinheiro por seus tacanhos vacilos tecnológicos. Quase foi à breca, em 1954, por resistir à voga dos LPs, e aderiu com atraso ao formato CD. Seu mais alto escalão, conservador ao máximo, dizia uma coisa, o andar de baixo fazia outra – e sempre dava certo, "getting better all the time". Se tivesse dado trela aos seus superiores, Fred Gaisberg não teria gravado, em 1902, a voz do tenor Enrico Caruso, nem criado a primeira grande estrela do disco e do gramofone. Quem conhece a história da EMI sabe, perfeitamente, que a tempestuosa Maria Callas encontrou lá seu único selo sob medida. Só os estúdios da EMI, na época em Abbey Road, abriram as portas para aqueles quatro cabeludos de Liverpool.

Formada em 1931, pela incorporação da Gramophone Company com a Columbia Gramophone Company, a EMI (sigla de Electric and Musical Industries Ltd) fez negócios com a RCA Victor e a Columbia Records; adquiriu 96% das ações da Capitol, nos anos 1950; e, nas décadas seguintes, criou um monte de subsidiárias: Parlophone (por onde saiu Sgt. Peppers), HMV, Columbia Records da Austrália, EMI-Odeon, Harvest Records, United Artists Records, Thorn-EMI, Chrysalis Records, Virgin Records. Explicado porque, ao longo de sete décadas, a EMI acumulou um catálogo com artistas da expressão de Caruso, Callas, Frank Sinatra, Arturo Toscanini, Edward Elgar, Otto Klemperer, Pablo Casals, The Beach Boys, Beatles, Pink Floyd, Yehudi Menuhin, Tina Turner, Radiohead, e centenas de outros.

Apesar das dificuldades impostas pela gravação acústica, boa apenas para voz e um ou dois instrumentos, o audacioso Fred Gaisberg gravou, em 1912, a Quinta Sinfonia de Beethoven com a Filarmônica de Berlim, conduzida por Artur Nikisch, o maior regente da época. Tocado pelo entusiasmo de Gaisberg, Elgar topou fazer versões reduzidas de algumas de suas obras para que coubessem nos discos do começo do século passado. Com a introdução do microfone elétrico, em 1925, a EMI deslanchou. Seu catálogo, na década de 1930, é imbatível. Terminada a Segunda Guerra, o poderosíssimo produtor de discos clássicos Walter Legge foi a Viena e contratou todos os grandes talentos musicais da Áustria. Legge casou-se com a soprano alemã Elisabeth Schwarzkopf e teve influência notável sobre Herbert von Karajan e Callas.

Audácia de um lado, timidez do outro. Por ter demorado a aceitar o LP e a fita magnética, a EMI consumiu 34 discos de 78 rotações para abrigar, em 1951, toda a ópera Os Mestres Cantores, de Richard Wagner. Cinco anos mais tarde, repudiou o estéreo, e penou algum tempo para ter um som com a qualidade do que a Decca oferecia. Nos anos 1960 ainda se exigia de seus produtores que trabalhassem trajando calças listradas. George Martin, o prodigioso arranjador dos Beatles, contou ter visto um bocado de artistas pop barrados na entrada da gravadora por não estarem adequadamente vestidos. E não havia jeitinho que os desobrigasse de voltar para suas casas e trocar de roupa. Etiqueta vitoriana na porta, arte e revolução lá dentro.

No final da década passada, a revista Classic CD pediu a seus críticos e colaboradores que escolhessem os 100 maiores CDs de música clássica. Considerando-se sua entrada tardia no mercado de discos digitais, a EMI até que fez bonito. Muito bonito, por sinal. Dos 100 mais votados, um terço trazia o seu selo. Entre os 10 primeiros colocados, a EMI entrou com cinco.

Alguns exemplos: Artur Schnabel tocando as Sonatas para Piano, de Beethoven (gravações de 1932 e 1935); o Concerto para Violino, de Elgar, com solo de Yehudi Menuhin (1932); a Tosca, de Puccini, com Maria Callas, Giuseppe di Stefano e Tito Gobbi, gravada em 1953, no Scala de Milão; o Concerto para Piano, de Schumann, gravado em 1948, com o romeno Dinu Lipatti solando e Herbert von Karajan regendo; as Suítes de Bach (gravadas por Casals entre 1936 e 1939); Fidelio, de Beethoven, com a Orquestra Philarmonia, regida por Otto Klemperer em 1962; A Nona Sinfonia, de Mahler, com a Filarmônica de Berlim, regida por sir John Barbirolli; o Concerto para Clarinete, de Mozart, com Jack Brymer; dois concertos para piano (de Ravel e Rachmaninov) por Michelangeli; as Sinfonias 3, 5 e 6 (de Schubert) e as 4 e 6 (de Sibelius), sob a batuta de Sir Thomas Beecham; Martha Argerich interpretando a Fantasia de Schumann; Tristão e Isolda, com Kirsten Flagstad e Ludwig Suthaus, com regência de Wilhelm Furtwängler.

Uma fábrica de sons para a eternidade, eis, em resumo, o que foi a EMI, o selo do cachorrinho.

E o da RCA Victor? Também era o mesmo cruzamento de bull terrier com fox terrier, chamado Nipper. Só que a Gramophone and Typewriter Company adotou o cão pintado por Francis Barraud na frente. Nipper, assim batizado porque adorava mordiscar (nip) as pernas das visitas de seu primeiro dono, o irmão de Barraud, também nasceu para a fama mundial em Liverpool. Como Nipper sempre se sentava diante de um fonógrafo Edison-Bell para ouvir o som emitido pelos cilindros, Barraud substituiu o fonógrafo por um gramofone, retratou a cena, espalhando a cascata de que o cão deleitava-se com a voz gravada de seu dono ("his master's voice") e vendeu a gravura aos fundadores da Gramophone and Typewriter Company, em 1898. O original, avaliado em US$ 1 milhão, está guardado na sede da EMI. Quem será seu próximo "master"?

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na edição do dia 2 de junho de 2007 no "Caderno2", do Estadão.


Sérgio Augusto
Rio de Janeiro, 11/6/2007
Quem leu este, também leu esse(s):
01. Chico Buarque falou por nós de Ruy Castro
02. Ah, essa falsa cultura... de Sérgio Augusto


Mais Sérgio Augusto
Mais Acessados de Sérgio Augusto
01. Para tudo existe uma palavra - 23/2/2004
02. O melhor presente que a Áustria nos deu - 23/9/2002
03. O frenesi do furo - 22/4/2002
04. Achtung! A luta continua - 15/12/2003
05. Filmes de saiote - 28/6/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2007
21h11min
Li esse ensaio duas vezes, de uma assentada. Meu deus, o décimo quinto parágrafo, que se inicia com as simples palavras "alguns exemplos", é de fazer babar qualquer aficionado em música erudita. E ainda a memória de Nipper, girando com seu velho gramofone, impresso no centro do vinil. E a banda do clube dos corações solitários, do sargento Pimenta; sou um dos sócios ouvintes. E a trilha sonora perfeita para uma viagem sem destino. Um texto para ler e guardar. Obrigado, Sérgio, pelas memórias. Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
13/6/2007
16h02min
Taí uma notícia que só o Johnny Rotten gostou de ouvir...
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Alexandre e Outros Heróis
Graciliano Ramos
Record
(1978)



Livro Esoterismo Planets in Aspect Understanding Your Inner Dynamics
Robert Pelletier
Whitford Press
(1974)



Os Três Anos de Vigência do Novo Código de Processo Civíl
Mattos Filho
Do Autor
(2019)



The Burnt House
Faye Kellerman
Harper
(2007)



Mistério e magia do amor
Krishan Chopra
Larousse
(2008)



Comunicação/incomunicação no Brasil
José Marques de Melo
Loyola
(1976)



Livro História do Brasil Pesquisas e Depoimentos para a História Reconquista do Brasil Nova Série Volume 60
Tobias Monteiro
Itatiaia
(1982)



Tudo aquilo que nunca foi dito
Marc Levy
Suma
(2008)



Perfis Problemas na Literatura Brasileira
Eduardo Portella e Outros
Tempo Brasileiro
(1985)



Livro Infanto Juvenis
Júlio Verne
Ftd
(2007)





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês