Sobre Sherlock Holmes | Flávio Moreira da Costa

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Geração abandonada
>>> O dia em que a Terra parou
>>> A Geração Paissandu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Publicar em papel? Pra quê?
Mais Recentes
>>> Condessa de Barral: a Paixão do Imprerador de Mary del Priore pela Objetiva (2008)
>>> Isso Me Traz Alegria de Marie Kondo pela Sextante (2016)
>>> As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã de Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros pela Companhia das Letrinhas (2004)
>>> Vitrines e Coleções de Christine Ferreira Azzi pela Memória Visual (2010)
>>> El Nacimiento de Europa de Robert S. López pela Editorial Labor (1963)
>>> O Que é Isso, Companheiro? de Fernando Gabeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Mística e Espiritualidade de Leonardo Boff; Frei Betto pela Vozes (2010)
>>> As Aventuras de Pinóquio de Carlo Collodi pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Livro das Perguntas de Ferreira Gullar; Pablo Neruda; Isidro Ferrer pela Cosac & Naify (2008)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (1991)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Uma Janela Em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2001)
>>> Trópico de Câncer de Henry Miller pela Biblioteca Folha (2003)
>>> Our Man in Panama de John Dinges pela Random House (1990)
>>> Os Princípios da Competição Empresarial de Luís Paulo Luppa; Johnny Duarte pela Landscape
>>> O Supermanager de Robert Heller pela Mcgraw - Hill (1987)
>>> Limites sem Trauma de Tania Zagury pela Record (2008)
>>> Iracema de José de Alencar pela Travessias (1984)
>>> Rachel de Queiroz - o Quinze de Rachel de Queiroz pela Jose Olympio (2010)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Iracema de José de Alencar pela Ciranda Cultural
>>> Iracema / Senhora - 2 Romances pelo Preço de 1 de José de Alencar pela Scipione (1994)
ENSAIOS

Segunda-feira, 10/3/2008
Sobre Sherlock Holmes
Flávio Moreira da Costa

+ de 10100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Houve uma época que algum inglês, possivelmente desocupado ou excêntrico, relacionou as três personalidades mais conhecidas do mundo: Papai Noel, Mickey Mouse e Sherlock Holmes. Não me perguntem qual o critério ou a finalidade da escolha, mas o curioso que se trata de duas personalidades ficcionais e uma do imaginário religioso-popular. Mesmo sem acreditar em Papai Noel, fica difícil não acreditar na vitalidade de Sherlock, um dos raros personagens da literatura que virou substantivo em vários idiomas ― como sinônimo de detetive.

Ele faz sucesso há pelo menos 120 anos, desde que seu primeiro romance, Um estudo em vermelho, foi publicado em 1887, depois ter seus originais recusados por três editoras, na maior "touca" editorial da História. De lá pra cá, já produziu um rio de dinheiro, em todos os países em que foi publicado. (O tal do inglês desocupado bem que poderia fazer esta conta.)

No Brasil também, pelo menos há uns 60 anos. Foram dezenas de editoras, centenas de edições, e cabe aqui destacar a antiga e hoje desativada Melhoramentos que, ainda nos anos 50, não se contentou em publicar só a série de romances e contos de Sherlock Holmes: editou também os romances históricos de Conan Doyle, como A campanha Branca e Sir Nigel, As aventuras... e As façanhas do brigadeiro Gerard (há um conto dele na recente antologia Os melhores contos que a História escreveu, Nova Fronteira), e volumes de contos de boxe, de piratas etc, livros que as editoras atuais esqueceram (outra "touca"?) e que os leitores costumam catar nos sebos.

Ao mesmo tempo, era bem verdade que Sherlock Holmes jogava por terra todas as criações do autor que não o tivessem como personagem. Até o dia em que o criador, exausto, resolveu matar a criatura. Conan Doyle justificou-se: "Tive uma tal overdose de Holmes que me sinto em relação a ele como em relação a um pâté de foie gras que certa vez comi demais. Tanto que até hoje sinto náuseas só de ouvir o nome.(...) Censuraram-me muito por ter dado cabo desse cavalheiro, mas sustento que não foi assassinato; foi um justificável suicídio em autodefesa, porque, se eu não o matasse, ele certamente teria me matado."

Matar um personagem é direito inalienável de qualquer autor, certo? Certo, mas a decisão do autor desafiaria até mesmo o rigor lógico-dedutivo do famoso detetive de Baker Street. A reação foi enorme e inesperada: milhares de cartas reclamaram e o editor do Strand Magazine (que publicava seus contos) teve de se explicar junto a seus acionistas, pois mais de vinte mil assinantes (quantas tiragens de livros isso não representaria?) cancelaram suas assinaturas em protesto. E Conan Doyle não teve outra saída: ressuscitou Sherlock Holmes. A criatura se impôs definitivamente sobre o criador. Sob aplausos da arquibancada.

Portanto, mais do que justificável o fato de que não faltem edições de Sherlock na praça, até hoje, sejam esparsas e incompletas, como em livros de bolso (L&PM), seja, de uns dois anos para cá, dos contos e romances completos de Sherlock Holmes, sempre em dobradinha com o tranqüilo Dr. Watson.

É o caso das edições quase ao mesmo tempo da Zahar e da Ediouro. Ambas, na realidade, têm cerca de dois anos: a da Ediouro nada mais é do que a reedição, em um só volume, da edição anterior, em três volumes. Já a Zahar vem publicando o Sherlock completo em seis volumes. O leitor, é claro, poderá optar por uma ou por outra, a seu critério, seja pelo tamanho, pela facilidade de leitura ou por outra razão qualquer. Eu me abstenho de escolha pessoal, mas é inevitável salientar alguns diferenciais objetivos.

A edição da Ediouro reaproveita traduções antigas, retocadas ou revisadas, traz o texto em duas colunas (à la Reader's Digest) e vai direto ao assunto, sem sequer uma nota situando autor e obra. Já os livros da Zahar, baseiam-se na edição crítica recente ― e notável ― de Leslie S. Klinger, cheia de ilustrações da época, notas explicativas e com uma introdução, se não definitiva, com certeza riquíssima, assinada pelo próprio Klinger. E novas traduções foram feitas ― a cargo de Maria Luiza X. de A. Borges. Apresenta-se como "edição definitiva". Está bem próximo disso.

Depois de um pequeno prefácio e de uma nota de John LeCarré, a introdução da edição da Zahar, "O mundo de Sherlock Holmes" estende-se por cerca de 40 páginas. Começa situando a "Era vitoriana", segue com "A vida registrada de Sherlock Holmes"; depois, "A vida registrada do Dr. Charles H. Watson"; em seguida "A vida pública de Sherlock Holmes e John H. Watson"; registra as "Imitações" e faz "Um estudo do cânone"; finalmente alinha "Os amigos de Sherlock Holmes". Depois é só (só?) ler os quatro romances e as dezenas de contos e retirar sua carteira de sherlockmaníaco e (numa visita ao Museu da Baker Street, em Londres) registrar seu diploma de PhD em Sherlocklogia.

A não ser que você não acredite em Papai Noel. Nem em Mickey Mouse. Nem em Sherlock Holmes. Neste caso, elementar, meu caro não-leitor: você não vai mesmo se interessar por este artigo, nem muito menos ter de optar por esta ou aquela edição. Mas reconheça que nosso personagem/personalidade é resistente a tudo e a todos ― inclusive a seu criador.

Não tem mistério. Mas vai entender.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Jornal do Brasil, em 17 de fevereiro de 2008. Leia também "Em Londres, à caça do mito elementar".


Flávio Moreira da Costa
Rio de Janeiro, 10/3/2008

Mais Flávio Moreira da Costa
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/3/2008
13h06min
Sempre fui fã de Sherlock Holmes, devido ao meu velho pai, que tinha a coleção completa de suas aventuras. As capas eram vermelhas, com ilustrações bizarras e nebulosas das histórias e de Sherlock. O papel era péssimo, amarelo-escuro, parecendo sujo. Era delicioso entrar naquele mundo sombrio e querer descobrir quem era o verdadeiro assassino, muitas vezes, não tão elementar. Revisitar suas aventuras é um bom projeto. PS: Em nenhuma história de Sherlock, ele usa a frase: "elementar, meu caro Watson.". Muito bom o seu texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
12/4/2008
10h54min
Tinha de ser de alguém como o Flávio Moreira da Costa! Delícia das delícias ler (e decerto reler) esse artigo. Há muito tempo não entro aqui. Uma ótima surpresa. E Sherlock Holmes merece, e como! É uma paixão antiga que sobreviveu à minha adolescência (quando as paixões são fulminantes, mas dificilmente duradouras) e permanece acesa hoje. Leio e releio Sherlock Holmes, criatura que engoliu seu criador, Doyle... Fazer o quê, né? Mas que é esplêndido ter sido capaz de criar alguém assim, é.
[Leia outros Comentários de Claire]
7/6/2008
23h15min
Olá! Concordo com tudo que está escrito. Amo Sherlock Holmes, chorei até quando li a dura luta dele com o Prof. Moriarty, sem saber, é claro, que ele voltaria, o que me deixou muito feliz. Completei minha coleção e fico lendo e relendo sem me cansar. Imagino tudo: o prédio dele na Baker Street, seu físico e gestos. Pra mim, ele é realidade, já que foi inspirado numa pessoa real, o professor de Doyle, o Joseph... Valeu!
[Leia outros Comentários de Tamires Pereira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Operação Zibelina
Isis Muller Salgado Serra
Nova Razão Cultural
(2008)



Piadas para Morrer de Rir
Paiva e Sueli
Gênero



Política e Poder Nacional
José Luiz Bittencourt
Oriente
(1976)



Faca na Garganta
Hermes Leal
Geração
(2006)



Pontos para o Gordo !
Dr. Alfredo Halpern
Record
(2000)



Writing Southern History: Essays in Historiography in Honor Of
Arthur Link, Rembert W. Patrick
Louisiana State University Pr
(1967)



Índice de Biobibliografia Brasileira
Instituto Nacional do Livro
Inl; Mec (rj)
(1963)



Ex Libis Eroticis
Massimo Rotundo
Lpm
(1997)



Kilimanjaro
Gustavo Ziller
7cumes



Mestres as Artes Claude Monet
Mike Venezia
Moderna
(2004)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês