O e-mail não é mais a mensagem | Luli Radfahrer

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> Var - Cálculo do Var de uma Carteira de Renda Fixa de Rafael Paschoarelli Veiga pela Saint Paul (2005)
>>> Redes de Cooperação Empresarial de Alsones Balestrin, Jorge Verschoore pela Bookman (2016)
>>> Almanaque Brasilaeiro de Tatuagem de Autores Variados pela Escala
>>> Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem Cipe 2015 de Telma Ribeiro Garcia pela Artmed (2016)
>>> Conhecendo Melhor a Fé Católica de Roberto Andrade Tannus pela Santuário (1996)
>>> Oração de Amorização A Cura do Coração de Pe. Alírio J. Pedrini, SCJ pela Loyola (2000)
>>> Viva Esperança de Valdemiro Santiago de Oliveira pela Classica (2013)
>>> Know-how de Ram Charan pela Campus (2019)
>>> Orações de Poder de Varios Autores pela Raboni (1992)
>>> Transformando Lágrimas em Vitória de Bruno André S. Ortega pela Bruno André S. Ortega (2018)
>>> Viva com Esperança de Mark Finley e Peter Landless pela Cpb (2014)
>>> Corporate Zombies - Manual de Sobrevivência Corporativa de Andre Ferreira, Victor Sardinha pela Giostri (2014)
>>> Os Mistérios do Código Da Vinci de Amy Welborn pela Cultrix (2006)
>>> Os Arquétipos da Umbanda de Rubens Saraceni pela Madras (2016)
>>> Quem me Roubou de Mim de Fábio de Melo pela Canção Nova (2008)
>>> A Estratégia Global da Hyundai de Russell D. Lansbury, Chung-sok Suh pela Bookman (2016)
>>> Surpresas para Hoje Meditações Diárias de Christel Grigull pela União Cristã (2018)
>>> A Graça de Deus de Rev. Aldo Quintão pela Sextante (2012)
>>> Outras Histórias de Andréa Casa Nova Maia pela Ponteio (2012)
>>> O Conciso Livro das Mitzvot de Rabi Israel Meir HaCohem pela Mekor Máim Jaim (2008)
>>> Patriarcas e Profetas de Ellen G. White pela Cpb (2007)
>>> O Sucesso não Ocorre por Acaso Você pode Mudar sua Vida de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos Tempos (1992)
>>> História Bizarra da Matemática de Luciana Galastri pela Planeta (2020)
>>> Encontros com Deus de Amin A. Rodor pela Cpb (2014)
>>> Se a Vida é um Jogo, Estas são as Regras de Chérie Carter, Scott, Ph.D. pela Rocco (2000)
ENSAIOS

Segunda-feira, 19/5/2008
O e-mail não é mais a mensagem
Luli Radfahrer

+ de 6200 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Comentaram uma entrevista minha ao portal Adnews, em que defendi, entre outros pontos, que o fim do e-mail estava próximo. Bem próximo.

Acho que não me expliquei bem (em entrevistas, sabe como é, nunca há tempo). Na verdade, acredito que a era do e-mail já acabou. Aquilo que todos usamos para combater spam, receber informações (e confirmações) desnecessárias e, de vez em quando, contactar amigos, é apenas o resquício de um meio de comunicação cujos dias de importância se foram. Em breve ele será tão relevante quanto uma carta manuscrita, enviada dentro de um envelope selado. O ciclo da tecnologia em plena ação.

Ele bem que teve seus dias de glória. Sua história se confunde com a da própria Internet e, mesmo sendo bem mais velho que a Web, nunca sofreu a humilhação de ser passado para trás por um "2.0" qualquer. Surgido na década de 1960 como uma forma de comunicação muito mais potente (e segura) que o correio, ele mudou pouquíssimo. Webmail, por mais que Microsoft, Yahoo! ou Google afirmem, ainda é o mesmo texto com arrobas, em um suporte mais conveniente.

O golpe veio de vários lugares, quase que simultaneamente, e foi uma genuína crise dos 40 anos que já dura um pouco mais de uma década. Tudo começou quando quatro rapazes de Liver Israel quiseram mudar o mundo e fizeram uma revolução ao criar um serviço de comunicação instantânea que permite saber se a pessoa com se fala está on-line ou não (ICQ ou, por extenso, I seek you). Coisa de nerd, diriam. A piada fácil na época era rimar o nome por extenso do serviço em inglês com o potente vírus de computador ILOVEYOU. Mesmo com muitas idéias tortas (a de usar um número para contatar o amigo, por exemplo), a moda pegou.

Mais ou menos na mesma época, alguns serviços de telefonia europeus promoviam o uso de mensagens de texto pelos celulares, que, naquele tempo, só falavam. Quer coisa mais de nerd que escrever "555885555444411088826 (pausa) 6667777026660222444663362111″ para dizer "Luli, vamos ao cinema?". Apesar de todo mundo ter serviços GSM ― uma inegável vantagem em termos de compatibilidade ―, o SMS esperaria o século XXI para pegar. E pegou. 10 bilhões por mês, só em uma operadora. Até porque todos logo perceberam que o envio de uma mensagem não deveria depender da intermediação de um computador.

E nem de texto: minha avó já sabia faz tempo que certas coisas não se diz por escrito. Eu não acredito que ela se referisse a estresse, sobrecarga de tarefas ou preguiça, provavelmente falava de privacidade. Pouco importa: a quantidade de informação a ser transmitida costuma ser inversamente proporcional ao tempo ou à disposição para escrevê-la e, em um mundo de banda larga (e conexão permanente), não faz mais sentido tentar "traduzir" seu tom de voz com emoticons, se você pode, simplesmente, falar! Não passa uma semana sem que alguém anuncie o fim da telefonia por causa de tecnologias como VoIP. Tudo bem, não há como negar que o tráfego de telecomunicações é importante demais para ser usado por voz em formato analógico (que, além de pesado, é ineficiente). Mas, enquanto a tecnologia não substitui de vez as linhas telefônicas, quem apanha mesmo é o e-mail.

A lista não tem fim: pelo Twitter, seus amigos sabem onde você está e o que anda fazendo. Ele é uma espécie de feed RSS do seu cotidiano (seja ele interessante ou não). Eu gosto dele, tem gente que não gosta, mas isso não é assunto para este texto. Por falar em feeds, qualquer blog decente envia seu conteúdo através deles, o que faz com que muitas malas diretas de conteúdo (newsletters) percam sua razão de ser. Como se não bastasse, o Flickr permite que seus amigos "assinem" as imagens que você cria... Você vai usar e-mail pra quê?

Talvez para a transmissão de comprovantes e documentos ― como tem gente que ainda usa o aparelho de fax hoje em dia ― e, claaaro, para publicidade não solicitada (e-mail marketing). Quem diria que os burocratas, advogados, jornalistas e publicitários seriam defensores desse meio que um dia foi a maior expressão da internet... (Quem sabe, daqui a uma década, deixemos a Web para que eles tomem conta...)

Descanse em paz, senhor e-mail! Poucos chorarão seu triste fim, sob certos aspectos semelhante ao velho, cansado e desatualizado serviço de envio de mensagens de texto por correio. Este, por mais que seja chamado de "tradicional", teve um importante papel na democratização, inovação e expansão do serviço de mensageiros (os tais moleques de recados) que veio a substituir. Mas quem se importa com isso?

O darwinismo tecnológico é cruel. Ainda bem.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no site de Luli Radfahrer.


Luli Radfahrer
São Paulo, 19/5/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Só é louco quem não é de Claudia Lage
02. Crítica literária ainda existe? de José Castello
03. Allen Stewart Konigsberg de André Forastieri
04. Leonard Cohen de Mariana Ianelli
05. Aquarela de um Brasil sem cor de Túlio Henrique Pereira


Mais Luli Radfahrer
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/5/2008
13h18min
Concordo com quase tudo do texto de Luli. Gostei muito. É isso mesmo, os novos meios surgem para melhorar nossas formas de comunicação, nos adptamos a eles e a tecnologia evolui cada vez mais. Porém, "uma carta manuscrita, enviada dentro de um envelope selado" jamais será irrelevante!
[Leia outros Comentários de Juliana Galvão]
30/5/2008
14h01min
Idéias relevantes, Luli. No entanto, vale lembrar que recebi seu texto graças a um e-mail. Acontece.
[Leia outros Comentários de Bruno Mourão]
1/6/2008
16h24min
Como disse o Bruno, idéias relevantes! No entanto, também recebi seu texto pela newsletter deste digníssimo site. Portanto, não acho que o fim do e-mail esteja próximo e acho que não existirá um fim. Ele sempre será MAIS uma ferramenta de comunicação, como são as cartas manuscritas, muito relevantes ainda hoje.
[Leia outros Comentários de Taís Kerche]
11/8/2013
15h34min
Vidente!!!Os e-mails, como meio de comunicação e troca de ideias entre amigos, parceiros, etc. do pessoal da minha faixa etária (50 anos)ainda durou até o início de 2012, quando todos foram cooptados pelo Facebook. Agora, minha caixa de mensagens só tem spans (maioria esmagadora), publicidade consentida, alguns documentos de trabalho (substituindo o velho fax) e pouquíssimas mensagens pessoais. A situação de abandono é tão grande que, quando mando um e-mail importante, tenho que ligar para a pessoa e avisar que o enviei. Descane em paz ao lado dos cd's.
[Leia outros Comentários de José FRID]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poemas In Branco
MDG Ferraz
Todas as Musas
(2016)
+ frete grátis



Fursorgliche Belagerung
Heinrich Boll
Kiepenheuer e Witsch
(1979)



Vers Une Pédagogie de La Personne
Jean Vial
Puf
(1975)



Geografia Geral e do Brasil - Espaço Geografico e Globalização
Eustaquio de Sene/joao Carlos Moreira
Scipione
(2011)



The Handbook of Skiing
Karl Gamma
Knoff
(1992)



Criando o Próprio Futuro
Simon Franco
Ática
(1998)



Verdades, Atos e Fatos Ainda Não Ditos
Maria do Monte Serrat
Arajá
(1990)



Mini Vade Mecum Civil e Empresarial 2014-2015
Darlan Barroso
Rt
(2014)



Bichinhos Escondidos. Pinguim Preto e Branco - Volume 1
Difusão Cultural do Livro
Dcl
(2013)



Genetics of Human Male Fertility
Christopher Barratt e Outros
E D K
(1997)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês