Lembrando a Tribo | Millôr Fernandes

busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/9/2008
Lembrando a Tribo
Millôr Fernandes

+ de 6100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A tribo intelectual se reúne. Não é todo dia, mas é quase toda noite.

Encontros normais, sempre agradáveis, em que os presentes analisam os ausentes ― os ausentes, é claro, nunca têm razão. Amanhã seremos nós os sem razão. Apesar de tudo, um dia sempre poderemos dizer, saudosamente, como no filme de Monicelli: "Nós, que nos amávamos tanto".

De vez em quando alguém da tribo promove um encontro maior ― o que a periferia chamaria de festa ― para reunir todos e mais alguém. Não há regras, mas há um padrão. Todos são, um pouco mais, um pouco menos, famosos. Entre os famosos, claro, há o famoso da hora ― lançou o último livro, fez o último show, ganhou o prêmio do festival de Calcutá, de Caracala, dos Pireneus, tudo fajuto, saudado como se fosse verdadeiro. Mas há também os prêmios indiscutíveis, a coroa de Berlim, a medalha de Baireux, o ouro do Japão, gozados para esvaziar grandiloqüência.

Não há regras, mas há padrões: mulheres bonitas, um ou mais casais em processo de dissolução, duas lésbicas (uma escritora, outra pintora, uma sapatona, outra sapatilha, não se conhecem), um cantor que está lançando seu primeiro CD, alguém da área rica procurando se afirmar, um muito engraçado (quase todos aqui tentam ser), um que as mulheres não sabem ainda em que time joga, mas "é uma graça", um diplomata que veio da Coréia, uma quarentona vestida pra matar, muito seio, muita coxa, muita roupa apertada onde (as outras acham) não deve, um casal caçador de aventuras sem risco, uma divulgadora que conhece todo mundo, um casal (suspeita-se que alagoano) que não conhece ninguém, uma cantora de ópera, um analista de mainframes residente no MIT, todos os escritores, todos os cineastas, todos os humoristas. Na arca cabe tudo, exceto crianças e (bebe-se muito, e é bom não confundir) alcoólatras.

As pessoas vêm para euforias e ânsias ― ou inesperados ― vêm para se meter e conferir, para dar vazão, ter comunhão. Todos são íntimos, ou já tiveram algum encontro, um affair, um nariz consertado pelo outro, pequenas intimidades visíveis ou grandes intimidades zelosamente divulgadas. Os que chegam primeiro são mais calmos, mas, à medida que a reunião se amplia, os que chegam já chegam mais quentes. Há gritinhos, beijinhos, beijos mais afoitos, apertões meramente formais, ocasionais, ou mais entregues ― somos todos mui amigos. Cheiramo-nos, esfregamo-nos, lambemo-nos ― momentos fáticos, é só procurar no Aurélio.

Bebidas correm, alguns se servem sós, a estrela maior e dona da casa ajuda, sugere, insinua, oferece, conversa-se sobre tudo e qualquer coisa, os assuntos sempre ficam no ar, interrompidos por gente que chega ou se agrega, oferecendo tópico novo sempre inoportuno. A máfia nos assegura, a todos os habitués habituados, e deixa mais ou menos de fora os ianomâmis. Tentamos ajudá-los: "Vocês ainda moram em Pirapora?".

A reunião é uma tensão permanente ― fracassa se houver demais, fracassa se não houver nenhuma. O novelista de tevê, com quase 2 metros de altura, que surge sem ter sido convidado, triscado e inconveniente, como sempre, agride a atmosfera, e a anima exatamente quando o embaixador em Paramaribo, chato sem galochas, tinha levado a conversa de seu grupo à sonolência. E a gostosona gaúcha que entra ameaçando todas as mulheres e estuprando todos os homens (figuradamente, é claro) abre novo caminho nas relações intersexuais.

Já são 2 da matina, houve conversas de todos os matizes, música, canto, as piadas chegaram ao escabroso, os (muitos) que ainda não partiram têm uma intimidade inimaginável numa reunião de bancários, mas fiquem tranqüilos ― a noite não vai acabar em orgia, fornicação, sexo grupal ou striptease. Isso é no andar de baixo. Aqui é a ilha da fantasia, e, no fim, respeito é bom e todos gostam. Se há algum desregramento visível, insinuado ou combinado, isso será resolvido depois, entre as partes interessadas. Os outros apenas observam e registram para a maledicência telefônica de amanhã de manhã.

Mas a festa tem fecho de ouro quando há surpresa, mesmo pros que já não se surpreendem com coisa nenhuma. Entra inesperadamente, trazido pelo embaixador do grupo, o português timorense, prêmio Nobel da Paz, cercado por seus acólitos, assessores e profetas, todos com muita barba, muito cabelo desgrenhado, dois terços aparentemente sem banho, cheios de proselitismo com justa causa, para comungar com esses intelectuais brasileiros, companheiros, irmãos, artistas da pesada. Entra no exato momento em que Chico Caruso com seu vozeirão (ninguém é Caruso impunemente) começa a cantar o maior hit de sua carreira: "Sou pederasta".

Quié qué isto, ô pá?

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Veja.


Millôr Fernandes
Rio de Janeiro, 22/9/2008

Mais Millôr Fernandes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2008
10h57min
Desde Erasmo (o Carlos, em Festa de Arromba) não vejo uma crônica tão boa sobre tribos que se reúnem.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
22/9/2008
14h24min
Millôr, tem uma parte em "A Cabra Vadia" do Nelson Rodrigues que ele e um amigo estão indo a um show ou passeata e tem um espaço reservado com uma triste (triste!) plaquinha escrita: "intelectuais". O espaço era bem grande e o amigo do Nelson fala: "nossa, tudo isso é intelectual?". Pois é, agora eles fazem balada! E as webcelebridades, hein, hein? Dão até autógrafo. No meu aniversário vou reservar umas cadeiras e pôr plaquinha: "Intelectuais".
[Leia outros Comentários de Andréa Trompczynski]
23/9/2008
09h39min
A crônica já é ótima, mas ler o comentário de Andréa adicionou mais à fina ironia do texto. Lembro agora uma frase que um ex-colega de trabalho falava muito (com ironia também): "sou meio intelectual meio de esquerda". Parece que plagiava outro amigo, outra crônica. Gente que com certeza circula neste site, mas, ironias e paradoxos, também circulam nessas festinhas de bacanas...
[Leia outros Comentários de Tarcila Lucena]
23/9/2008
17h20min
Millôr não poderia deixar de ser uma dessas coisas geniais. Mas é GENIAIS mesmo, sem usar essa palavra romanticamente ou desperdiçadamente.
[Leia outros Comentários de Pardal]
24/9/2008
09h18min
Eu, toda a vez que vou a um destes barzinhos da Vila Madalena, cheios de intelectuais, fico feliz em ver que o país tem solução. Falta apenas vontade política. Fico feliz em ver que a relação homem x mulher está resolvida. Eles não chegam nelas. Fico feliz de ver que as classes sociais foram igualadas e os garçons são chamados pelo nome. Me alegra ver que as elites são culpadas de todos os problemas do mundo, e me acabo bebendo à saúde delas. Me encanta ver a impecável manifestação da democracia racial, sexual, social, corporal. Só não vale o regime. Me anima ver tudo esclarecido pelos chistes incompreensíveis, que matam os ouvintes de rir. Ah, uma pena furar esta atmosfera seleta, de homens destacados e singulares, indistintos na fumaça de cubanos, e voltar para a vida comum.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
29/9/2008
10h52min
Meu Deus, perfeito. Tenho participado pouco destes rega-bofes, mas lendo o texto foi como se estivesse lá. Só a veia satírica e observadora do Millôr para descrever algo tão perfeito.
[Leia outros Comentários de Stefano]
7/10/2008
08h58min
Millôr, gênio, sempre uma homenagem à inteligência. Mas o filme "Nós, que nos amávamos tanto" ("C´eravamo tanto amati") é do Ettore Scola, não do Mario Monicelli.
[Leia outros Comentários de Mario Madureira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONJUGAR VERBOS DE ESPAÑA Y DE AMERICA - 1ª EDIÇÃO - C/ CD AUDIO
ALFREDO GONZALES HERMOSO
EDELSA
(2011)
R$ 104,86



LA MUSICA COMO MEDICINA DEL ALMA
JUNE BOYCE TILLMAN
PAIDOS ESPANHA
(2003)
R$ 50,00



OS PERUS - CRIAÇÃO E APROVEITAMENTO
J. REISORG
MELHORAMENTOS
R$ 17,51



BELMIRO
MÁRIO RUDOLF
NOOVHA AMERICA
(2003)
R$ 5,00



THE WALKING DEAD - A ASCENSÃO DO GOVERNADOR ROBERT KIRKMAN
ROBERT KIRKMAN
GALERA
(2013)
R$ 5,00



DAHMANE
BENEDIKT TASCHEN
TASCHEN
(1994)
R$ 69,90



DA INTERPRETAÇÃO JURÍDICA 2ª EDIÇÃO
MÁRIO FRENZEM DE LIMA (CAPA DURA)
FORENSE (RJ)
(1955)
R$ 17,82



PINHO, PINHEIRO, PINHAO
L. MARQUES
MELHORAMENTOS
(1969)
R$ 7,00



OS SUPER MARKETERS
ROBERT HELLER
HARBRA
(1990)
R$ 6,90



ESPUMAS FLUTUANTES
CASTRO ALVES
KLICK
R$ 6,99





busca | avançada
74137 visitas/dia
1,8 milhão/mês