Haydn: 200 anos da morte | Irineu Franco Perpetuo

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> De Repente, Nas Profundezas do Bosque de Amós Oz pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alicia En El País de los Sueños - una Mirada Desde El Psicodrama de Gloria Reyes Contreras pela Do Autor
>>> Aplicação Prática de Gestão de Pessoas por Competências de Rogerio Leme pela Qualitymark (2005)
>>> Goosebumps Horrorland- a Vingança do Boneco Vivo - Vol-1 de R. L. Stine pela Fundamento (2010)
>>> Édipo Claudicante: do Mito ao Complexo de Antonio Carlos Farjani pela Edicon (1987)
>>> Geografia do Brasil - Dinamica e Contrastes de Helio Carlos Garcia e Tito Marcio Garavello pela Scipione (1992)
>>> O Último dos Moicanos Coleção: Clássicos de Bolso de J. Fenimore Cooper pela Ediouro
>>> Viagem ao Inonsciente de W. A. Mambert pela Nordica (1973)
>>> O Mundo Mágico de J. K. Rowling - a Magia do Cinema de Jody Revenson pela Panini Books
>>> Fundamentos de Matemática Elementar 4: Sequências Matrizes Deter... de Gelson Iezzi e Outros pela Atual (2013)
>>> Direitos do Torcedor e Temas Polêmicos do Futebol de Décio Luiz Jose Rodrigues pela Rideel (2003)
>>> Groo: Amigos e Inimigos (volume 1) (lacrado) de Sergio Aragonés pela Mythos Books
>>> Fundações Direito de Edson José Rafael pela Melhoramentos (1997)
>>> Psicometria Genética de Sara Paín pela Casa do Psicólogo (1992)
>>> O Caminho Rumo a Tamanrasset de Charles de Foucauld pela Paulinas (2009)
>>> A Gata Borralheira Clássicos Recontados de Charles Perrault pela Melhoramentos (2013)
>>> Política de Segurança: os Desafios de uma Reforma de Guaracy Mingardi (orgs.) pela Fund. Perseu Abramo (2013)
>>> Reengenharia Revolucionando a Empresa de Michael Hmmer pela Campus (1994)
>>> Zeus e a Conquista do Olimpo de Hélène Montarde pela Cia. das Letras (2012)
>>> Técnicas para uma Leitura Rápida e Eficaz de Donald Weiss pela Nobel (1992)
>>> Engenharia dos Quadrados Mágicos de Ordem Impar de Roberto Ferreira Filho pela Imprensa Universitária (2017)
>>> Coaching para Alta Performance e Excelência na Vida Pessoal de André Percia/ Bruno Juliani/ Mauricio Sita pela Ser Mais (2014)
>>> Além do Quintal: Poemas e Aquarelas - Autografado de Marlene Edir Severin pela Papa Terra (2011)
>>> Fotografia Digital - Aprendendo a Fotografas Com Qualidade de Enio Leite pela Viena (2015)
>>> O Retrato do Rei de Ana Miranda pela Cia das Letras (1991)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/6/2009
Haydn: 200 anos da morte
Irineu Franco Perpetuo

+ de 6200 Acessos

"Pai" da sinfonia e do quarteto de cordas, mestre do classicismo vienense, admirado por Mozart, professor de Beethoven: idolatrado por seus contemporâneos e reverenciado pela posteridade, Joseph Haydn (1732-1809) é uma daquelas figuras musicais tão gigantescas que nem todas as hipérboles e elogios parecem conseguir dar conta de sua real envergadura.

Em 2004, o Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão tomou-o como tema, e o planeta musical celebra o legado do compositor em 2009, ano do bicentenário de falecimento. Contudo, a quantidade, a qualidade e a importância histórica das obras de Haydn são tão avassaladoras que sempre parecemos estar em débito com esse artesão sofisticado e inquieto.

Não custa lembrar que o primeiro texto sobre música publicado no Brasil tinha como tema o autor de A criação. Trata-se da Notícia histórica da vida e das obras de José Haydn, do francês Le Breton, editado no Rio de Janeiro, em 1820.

A obra de Haydn era bem conhecida em nosso país graças a seu aluno Sigismund Neukomm (1778-1858), que viveu por aqui entre 1816 e 1821. O maior compositor brasileiro daquele período, o padre mulato José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), citou um tema da Sinfonia nº 94 "Surpresa", em seu Método de pianoforte, e compôs um salmo Laudate omnes gente, para "encomendações dos inocentes falecidos", que era, ele mesmo escreveu na folha de rosto, "arranjado sobre alguns motivos da grande obra da criação do mundo do imortal José Haydn".

Como se vê, muito antes que se falasse em globalização, suas partituras eram publicadas e interpretadas por toda parte. Os quartetos op. 50, por exemplo, foram dedicados ao rei da Prússia; os op. 33, ao grão-duque (mais tarde, tsar Paulo I) da Rússia; as Sete últimas palavras de Cristo eram encomenda espanhola, de Cádiz, e as sinfonias Paris conquistaram a capital francesa.

Detalhe: a obra circulava, mas não seu autor. Nascido na vila austríaca de Rohrau, em uma família de artesãos e comerciantes, Haydn (cujos irmãos, o compositor Michael e o tenor Johann, também se tornaram músicos profissionais) foi contratado pelos nobres húngaros da família Esterházy em 1761, passando quase quatro décadas de sua existência a serviço dos mesmos.

No castelo de Eisenstadt (perto de Viena, o que lhe permitia atuar ativamente na capital austríaca) e, mais tarde, na isolada propriedade rural de Eszterháza, escreveu um volume monumental de música vocal (especialmente missas e óperas) e instrumental.

O catálogo publicado em 1957 pelo musicólogo holandês Anthony von Hoboken (1887-1983) traz cifras espantosas, não apenas no que se refere aos gêneros mais difundidos (mais de cem sinfonias, 68 quartetos de cordas), mas também itens que hoje vemos como curiosidades, como as 175 obras compostas para o baryton, instrumento de cordas da família das violas que era tocado pelo príncipe Nikolaus Esterházy (1714-1790).

Por sinal, foi só depois do falecimento de Nikolaus, e o consequente afrouxamento de seus laços com os Esterházy, que Haydn pôde viajar para o exterior. A convite do violonista e empresário musical J.P. Salomon, esteve na Inglaterra na década de 1790, divulgando sua música e compondo peças seminais, como as sinfonias Londres e os oratórios A criação e As estações. Foi ainda para emular o britânico God save the king que ele escreveu, em homenagem ao imperador da Áustria, Gott erhalte Franz den Kaiser, melodia que hoje é o hino nacional alemão.

Não deve ter feito nada bem a esse patriota ter visto Viena bombardeada e ocupada pelas tropas francesas em seus últimos dias de vida, em maio de 1809. Ao saber do declínio da saúde do músico, Napoleão, apesar da guerra, ordenou que uma guarda de honra fosse colocada à porta de sua casa, na capital austríaca. Um exemplo de respeito e reverência da política pela música que, infelizmente, continua a ser atípico e raro, 200 anos depois.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na Revista Concerto, em maio de 2009.


Irineu Franco Perpetuo
São Paulo, 8/6/2009

Mais Irineu Franco Perpetuo
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Grande Desafio / 4ª Ed - Confira !!!
Pedro Bandeira
Ática
(1999)



Fundamentos Da Filosofia - História e grandes Temas
Gilberto Cotrim
Saraiva
(2006)



Livro - Escute Seu Coração
Osho
Gente
(2006)



Turma da Mônica Princesas & Princesas - Branca de Neve: Cinderela
Robson Barreto de Lacerda
Girassol
(2012)



Evangelii Gaudium - a Alegria do Evangelho
Jorge Mario (papa Francisco) Bergoglio
Paulus
(2013)



Livro - A Física e o Nosso Mundo
Hans Christensen Von Baeyer
Campus
(2004)



Dezesseis Luas
Margaret Stohl/Kami Garcia
Record
(2011)



Tratado de Clínica Psiquiátrica
Isaías Paim
epu
(1991)



Ninguém Morre Duas Vezes
Luiz Lopes Coelho
De Mão Em Mão
(2012)



A Nova Contabilidade Social: uma Introdução À Macroeconomia
Leda Paulani e Márcio Bobik Braga
Saraiva
(2007)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês