Haydn: 200 anos da morte | Irineu Franco Perpetuo

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
>>> Palestra: Marco Antônio Villa
Mais Recentes
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
>>> Ansiedade - Como enfrentar o mal do século de Augusto Cury pela Saraiva (2013)
>>> Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso Nota 10 de Rachel Polito pela Saraiva (2017)
>>> A Crise de 1929 ( Pocket ) de Bernard Gazier pela L&Pm Editores (2009)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> São Bernardo 25ª edição. de Graciliano Ramos pela Record (1975)
>>> Princípios da Filosofia do Direito de Hegel pela Martins Fontes (1976)
>>> O Tronco do Ipê - Clássicos Brasileiros categoria estrela 1227 de José de Alencar (notas de M Cavalcanti Proença) pela Ouro
>>> Violência Contra a Mulher - Aspectos Gerais e Questões Práticas da Lei 11.340/2006 de Dominique de Paula Ribeiro pela Gazeta Jurídica (2013)
>>> A Sabedoria de Gandhi de Richard Attenborough pela Sextante (2008)
>>> Vida de Jesus - Origens do Cristianismo de Ernest Renan pela Martin Claret (2006)
>>> The Landmark Dictionary Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Arnon Hollaender; Sidney Sanders pela Richmond (2009)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/6/2009
Haydn: 200 anos da morte
Irineu Franco Perpetuo

+ de 6000 Acessos

"Pai" da sinfonia e do quarteto de cordas, mestre do classicismo vienense, admirado por Mozart, professor de Beethoven: idolatrado por seus contemporâneos e reverenciado pela posteridade, Joseph Haydn (1732-1809) é uma daquelas figuras musicais tão gigantescas que nem todas as hipérboles e elogios parecem conseguir dar conta de sua real envergadura.

Em 2004, o Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão tomou-o como tema, e o planeta musical celebra o legado do compositor em 2009, ano do bicentenário de falecimento. Contudo, a quantidade, a qualidade e a importância histórica das obras de Haydn são tão avassaladoras que sempre parecemos estar em débito com esse artesão sofisticado e inquieto.

Não custa lembrar que o primeiro texto sobre música publicado no Brasil tinha como tema o autor de A criação. Trata-se da Notícia histórica da vida e das obras de José Haydn, do francês Le Breton, editado no Rio de Janeiro, em 1820.

A obra de Haydn era bem conhecida em nosso país graças a seu aluno Sigismund Neukomm (1778-1858), que viveu por aqui entre 1816 e 1821. O maior compositor brasileiro daquele período, o padre mulato José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), citou um tema da Sinfonia nº 94 "Surpresa", em seu Método de pianoforte, e compôs um salmo Laudate omnes gente, para "encomendações dos inocentes falecidos", que era, ele mesmo escreveu na folha de rosto, "arranjado sobre alguns motivos da grande obra da criação do mundo do imortal José Haydn".

Como se vê, muito antes que se falasse em globalização, suas partituras eram publicadas e interpretadas por toda parte. Os quartetos op. 50, por exemplo, foram dedicados ao rei da Prússia; os op. 33, ao grão-duque (mais tarde, tsar Paulo I) da Rússia; as Sete últimas palavras de Cristo eram encomenda espanhola, de Cádiz, e as sinfonias Paris conquistaram a capital francesa.

Detalhe: a obra circulava, mas não seu autor. Nascido na vila austríaca de Rohrau, em uma família de artesãos e comerciantes, Haydn (cujos irmãos, o compositor Michael e o tenor Johann, também se tornaram músicos profissionais) foi contratado pelos nobres húngaros da família Esterházy em 1761, passando quase quatro décadas de sua existência a serviço dos mesmos.

No castelo de Eisenstadt (perto de Viena, o que lhe permitia atuar ativamente na capital austríaca) e, mais tarde, na isolada propriedade rural de Eszterháza, escreveu um volume monumental de música vocal (especialmente missas e óperas) e instrumental.

O catálogo publicado em 1957 pelo musicólogo holandês Anthony von Hoboken (1887-1983) traz cifras espantosas, não apenas no que se refere aos gêneros mais difundidos (mais de cem sinfonias, 68 quartetos de cordas), mas também itens que hoje vemos como curiosidades, como as 175 obras compostas para o baryton, instrumento de cordas da família das violas que era tocado pelo príncipe Nikolaus Esterházy (1714-1790).

Por sinal, foi só depois do falecimento de Nikolaus, e o consequente afrouxamento de seus laços com os Esterházy, que Haydn pôde viajar para o exterior. A convite do violonista e empresário musical J.P. Salomon, esteve na Inglaterra na década de 1790, divulgando sua música e compondo peças seminais, como as sinfonias Londres e os oratórios A criação e As estações. Foi ainda para emular o britânico God save the king que ele escreveu, em homenagem ao imperador da Áustria, Gott erhalte Franz den Kaiser, melodia que hoje é o hino nacional alemão.

Não deve ter feito nada bem a esse patriota ter visto Viena bombardeada e ocupada pelas tropas francesas em seus últimos dias de vida, em maio de 1809. Ao saber do declínio da saúde do músico, Napoleão, apesar da guerra, ordenou que uma guarda de honra fosse colocada à porta de sua casa, na capital austríaca. Um exemplo de respeito e reverência da política pela música que, infelizmente, continua a ser atípico e raro, 200 anos depois.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na Revista Concerto, em maio de 2009.


Irineu Franco Perpetuo
São Paulo, 8/6/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Novos caminhos para a cultura de Mauro Dias


Mais Irineu Franco Perpetuo
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Comunicación de Masas e Imperialismo Yanqui
Herbert I. Schiller
Gustavo Gili
(1976)



Amor Numa Rua Escura
Irwin Shaw
Nova Cultural
(1988)



Geração Alpha - Matemática - 8º Ano
Carlos N. C. de Oliveira; Felipe Fugita
Sm Didáticos
(2017)



O Mundo Vai Acabar Em 2012?
Raymond C. Hundley
Thomas Nelson Brasil
(2010)



O eu dividido: estudo existêncial da sanidade e da loucura
R. D. Laing
Vozes
(1987)



Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa 3
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2013)



Chico Bento Moço- O Manto Misterioso
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2015)



Globalização, Justiça & Segurança Humana - Capacitação para a compreensão dos grandes desafios do
Robério Nunes Dos Anjos Filho (Org.)
Esmpu - série pós-graduação
(2011)



Cebolinha - Pense Em uma Coisa Bem Boa - Nº 95
Mauricio de Sousa
Panini Comics



Meu Filho é uma Bagunça
Martin L. Kutschere
Harper Collins
(2014)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês