Traço superior do acontecimento | Daniel Piza

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
>>> Ferreira Gullar em dose única
>>> MPB: raízes e antenas conectadas
>>> Bernstein: 5ª de Shostakovich
Mais Recentes
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
>>> Mistery behind the wall de Gertrude Chandler Warner pela Scholastic inc (1991)
>>> Trotz allem ein Stuck Himmel de Max Ronner pela Gotthelf Verlag (1979)
>>> There is a tide de Agatha Christie pela Dell (1970)
>>> Cantora Revelação de Roberto Belli pela BrasiLeitura (2015)
>>> He - A Chave do Entendimento da Psicologia masculina de Robert A, Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo de Matemática Financeira pela Saraiva (2007)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1998)
>>> Ao ponto da tristeza de Aaron Appelfeld pela Kinnet, Zmora-Bitan, Dvir (2012)
>>> Conhecer & Aprender - Sabedoria dos Limites e Desafios de Pedro Demo pela Artmed (2021)
>>> Stiletto de Harold Robbins pela Record (1980)
>>> Tudo Pela Vida de Danielle Steel pela Record (2003)
>>> Autobiografia De Malcolm X de Malcom X e Alex Haley pela Record (1992)
>>> Uma verdade inconveniente: O que devemos saber (e fazer) sobre o aquecimento global de Al Gore pela Manole (2021)
>>> Estatística Aplicada Às Ciências Sociais de Pedro Alberto Barbetta pela Ufsc (2006)
>>> Asas de Sandra Lya pela All Print (2000)
>>> Pedro A. Morettin; Wilton Oliveira Bussab de Estatística Básica pela Saraiva (2005)
>>> Estórias para contar de William Netto Candido pela Própria (2002)
>>> Matemática financeira e suas aplicações de Alexandre assaf Neto pela Atlas (2021)
>>> Ameaçada pelo Amor de Joanna Maitland pela Harlequin (2003)
ENSAIOS

Segunda-feira, 21/9/2009
Traço superior do acontecimento
Daniel Piza

+ de 3200 Acessos


Euclides da Cunha por Cícero.

A prosa de Euclides da Cunha não é menos controversa do que suas opiniões sobre raça e progresso. Mais do que em qualquer outro clássico brasileiro, inclusive Guimarães Rosa, ela tem sido um obstáculo para muitos leitores, tão árido e abafado quanto a travessia de Queimadas para Canudos. Por sinal, seu estilo é comumente associado à vegetação da caatinga, por seus galhos tortuosos, mas também poderia ser à floresta amazônica, pois caudaloso e superlativo. O fato é que suas dificuldades podem ser transpostas, sim, se o leitor chegar a ela preparado, e não como o Exército ao sertão baiano; e do lado de lá vai encontrar uma realidade poderosa, marcante, com um arsenal de recursos que o idioma não via desde o Padre Vieira.

Isso não é desculpar os excessos de Euclides. O grande crítico da época, seu amigo José Veríssimo, em mais de uma resenha se queixou das inversões sintáticas e períodos entrecortados. Euclides reconheceu, mas disse que já não tinha como se livrar desses "estigmas". Se atentamos para seus textos dos últimos anos, depois da viagem à Amazônia em 1905, percebemos que ele tentou frear mais, interpondo número maior de frases sintéticas, mais coloquiais, como "o Purus é um enjeitado". Mesmo assim, lá está seu fraseado extenso, grandiloquente, suas mesóclises ("revelou-se-lhe") e aquilo que a meu ver são seus maiores problemas: o vocabulário, mais do que amplo, repleto de nomes pomposos ao lado de termos técnicos ("esterilizam-se os ares urentes"); e a profusão de advérbios e adjetivos, uma mania gongórica de sempre acompanhar cada substantivo de pelo menos um qualificativo.

Não é o caso de dizer que sem tais excessos o estilo não seria o mesmo, não significaria a mesma experiência estética e existencial de sua leitura. Uma boa edição a deixaria ainda mais absorvente. Mas o que quero dizer é que a recompensa de tais esforços ao leitor ― ainda que ele tome a razoável decisão de seguir mesmo quando não compreende todas as palavras, a fim de se manter atado ao ritmo acima de tudo ― é incalculável. Há momentos tão belos na prosa de Euclides que dá vontade de ler em voz alta. Não por ser uma prosa poética, no sentido de uma prosa que tem métricas e rimas como as da poesia, mas por ser uma combinação de prosa poética com prosa científica. Sem esta, o estilo de Euclides não iria tão longe.

Afinal, mais do que leitor de John Milton, Victor Hugo e Castro Alves, ou de beletristas como Coelho Neto e naturalistas como Zola, ele era leitor de cientistas viajantes como Alexander Von Humboldt e Alexandre Rodrigues Ferreira, que faziam descrições às vezes líricas da geologia, fauna e flora; e de social-darwinistas como Herbert Spencer e positivistas como Benjamin Constant, com suas argumentações em torno de etnias evoluídas. Ponha mais uma pitada dos grandes historiadores do século 19, como Michelet e Carlyle, e as influências principais estão pesadas. Mas o estilo de Euclides, como o de Machado ou Rosa, não pode ser explicado assim; é muito próprio para ser visto como simples combinatória de influências. Com o ideal de unir ciência e arte, classicismo e romantismo, ele ousou e inventou como poucos.

Uma das linhas de força de seu estilo é a colagem de gêneros. Ora ele escreve como geógrafo, ora como historiador; ora como romancista, ora como ensaísta. É também o primeiro grande jornalista literário brasileiro, porque sempre tenta se ater aos fatos; melhor ainda, que permitiu que os fatos mudassem sua opinião, ainda que continue marcada em boa parte por preconceitos de época. Sua narrativa de guerra, A Luta, é um prodígio porque encadeia os eventos sem deixar de construir pontes intermitentes com o que disse antes em A Terra e O Homem. Euclides sempre abre seus textos com o "macro", com a descrição panorâmica de uma região, espécie de Google Earth em verbo. Depois vai fechando sua lente no grupo social e, por fim, em indivíduos, como a sertaneja de mangas sujas de sangue que teve pai e filho degolados pela República. A discordância sobre suas generalizações não tira a força dessa convergência.

Sua saudável ambição em Os Sertões era notar o que ninguém mais notara, o "traço superior do acontecimento". E "traço" aqui remete tanto à sua visada geológica (como a de Darwin), que destaca a topografia insular do arraial (a qual, impedindo a "mestiçagem extrema", teria preservado a bravura estoica dos jagunços), como à sua escrita pictórica. Ele recorre a todas as figuras de linguagem e retórica que conhecemos (metáfora, símile, antítese, hipérbole, enumeração, aliteração, até ironia e oxímoro) e a uma enorme variação de ritmos, a justaposições e cortes ― que hoje chamamos de cinematográficos, embora nenhum cineasta os recrie. Isso acentua as expressões memoráveis: "o espasmo assombrador da seca"; "arrastando a carcaça claudicante"; "cada parede se rachava em seteiras"; "peitos broqueados à bala ou sarjados à faca".

Quando vai à Amazônia, não por acaso, se refere a ela como o maior "quadro" da Terra, embora lamente sua falta de linhas verticais e variação cromática. No célebre texto "Judas Asvero" enfeixado em À Margem da História, é óbvia sua preocupação em transcrever a cena com a marcação de todos os pontos no espaço, desenhando a composição, e com alternância de frases breves e longas que lhe dá movimento: "Caminha. Não para. Afasta-se no volver das águas. Livra-se dos perseguidores. Desliza, em silêncio, por um estirão retilíneo e longo; contorneia a arqueadura suavíssima de uma praia deserta." Extensivo e intensivo, Euclides enxergava mais drama onde os outros só viam trama.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado n'O Estado de S. Paulo, em 16 de agosto de 2009.


Daniel Piza
São Paulo, 21/9/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do tamanho dos textos de Sérgio Rodrigues
02. O historiador das idéias de Pedro Maciel


Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




José Resende Entrevista a Lúcia Carneiro
José Resende
Lacerda
(1999)



Máscaras Reveladas
M. L. Pontes
Modo
(2014)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Histoire de La Civilisation Antique
Th Zielinski
Payot
(1931)



Os Fornecedores de Cana e o Estado Intervencionista
Delma Pessanha Neves
Uff
(1997)



Etat et Société En Allemagne Sous Iii Reich
Gilbert Krebs e Gérard Schneilin
Presses Sorbonne Nouvelle
(1997)



La Roja Lampara del Incesto
Robin Fox
Fondo de Cultura Economica
(1990)



Histórico dos Logradouros de Carazinho
Lio Guerra Bocorny
Fundescar
(1995)



Reforma Essencial, A
Roberto Nogueira Ferreira
Geração
(2002)



Juventude, Realidade de Hoje, Perspectivas para o Amanhã
Associação Cultural Arquidiocese de S S do Rj
Acassrj
(2000)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês