O poeta Vogt, missionário do espanto | José Nêumanne

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
ENSAIOS

Segunda-feira, 18/11/2002
O poeta Vogt, missionário do espanto
José Nêumanne

+ de 3100 Acessos

A poesia sempre nega o lugar comum. Ao aprender essa lição - e entendê-la bem, por ser lingüista -, o poeta Carlos Vogt radicaliza a opção pelo lugar incomum. Em sua labuta poética, inaugurada com Cantografia, prêmio de revelação em poesia da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) em 1982, e exercida em seis livros - o sexto, Ilhas Brasil, acaba de sair a lume -, esse militante da educação (foi reitor da Unicamp) desarruma as palavras com garra, talento e desprendimento. É com esses instrumentos que ele promove a demolição e a reconstrução de aforismos. Como em Alegoria: "Quem foi rei/ nunca perde/ a realidade". Nesse anti-aforismo, perceba-se, além da substituição da ilusão majestática pelo realismo chão, a submissão do senso comum à lógica semântica, o que dá ao uso do lugar comum como matéria-prima a ser distorcida um charme muito especial. Outro exemplo irresistível, nesse campo da operação sobre o provérbio, em que o poeta investe contra o óbvio para alcançar um efeito crítico e instigante é Ultrarrealismo: "A vida/ limita/ a arte".

É notória essa sua preferência pelo epigrama, a difícil arte de sintetizar o escárnio e o pitoresco em versos curtos de breves palavras. Mesmo sem o rigor técnico (quase matemático) exigido pelos japoneses em seus haiku, a natureza epigramática não é avessa apenas à enxúndia, mas também às facilidades do anedotismo inconseqüente e episódico. Em Super-homem ("A vida pode continuar/ sem mim/ a vida"), Vogt nos dá uma idéia precisa de como é hábil na esgrima verbal em campo estreito e minado. É óbvio o confronto entre o título superlativo e a confissão simultaneamente minimalista e cósmica do corpo do poema, um mini-hino irreverente e resignado à precariedade da condição do gênero humano.

A confissão da própria pequenez, reconhecida de forma tão crua nesse poema, também comparece no tratamento auto-irônico, muito bem-vindo num ambiente de vaidade e autocomplacência como o é o da literatura (especialmente a poesia) no Brasil. É o caso de Desequilíbrio: "Eu confio na humanidade,/ mas ela não confia em mim". Essa autoderrisão não se limita, contudo, a um exercício de contranarcisismo oportunista. O poeta vai além: pinga gotas de ácido na própria condição humana, para assim penetrar mais profundamente na ossatura do gênero sem ficar só em impressões meramente epiteliais. O sarcasmo se faz presente de forma exemplar no conselho dado em Anfitriã: 'Não se decepcione:/ a vida o convidará/ para outros fracassos". Não há quem consiga ver esse título e esses três versos dispostos elegantemente sobre o papel em branco sem sentir um friozinho no baixo ventre. Será que estou exagerando?

Exagerado ou não, este resenhista reconhece que basta de decupar epigramas, pois seria uma simplificação - e grosseira - limitar a obra, e o sexto livro, de Vogt à brevidade de seus textos poéticos. O que os caracteriza (a obra como um todo e o livro em particular) é aquilo que a prefaciadora Marisa Lajolo classificou como espanto "face à vida, à morte, aos outros". O poeta, missionário do susto, dedica-se em Ilhas Brasil a depenar (Inconcluso: "O poema/ ovo/ sem pena") a linguagem por excelência desta nossa Era da Informação - a dos meios de comunicação de massa. Sua ironia abrasiva (não é ele o autor de um poema e um livro intitulados Metalurgia?) dedica-se à corrosão da linguagem peculiar de nossa mídia. Leia Círculo Virtuoso: "A CPI alimenta a imprensa/ que alimenta a CPI/ que se alimenta da imprensa/ que aumenta a CPI/ que se lamenta da imprensa". E responda: não é uma síntese cruel? Sim, mas não é uma síntese precisa?

Até aqui pode ter restado a impressão de que Carlos Vogt não se aventura pelo perigoso universo do poema largo, dedicando-se exclusivamente à ourivesaria exata da síntese epigramática. Será um equívoco. Mesmo de posse do poder da concisão, ele também se compraz no gosto da efusão, como lembrou o saudoso José Paulo Paes no texto que escreveu para a orelha de Metalurgia (de 1991). Está certo que em Metalurgia ele foi mais efusivo do que em Ilhas Brasil, mas também neste último ele se permitiu ao longo fôlego em poemas como Anagramas (homenagem às Anas de sua vida), Desenvolvimento Sustentável ou mesmo o que deu título à coletânea, nos quais deu vazão a sua veia crítica social e política, essencial num poeta que se preze (e é o caso), desde que não subordine (e não é o caso) o veio poético ao vezo retórico. Nele, a poesia vem antes e por cima.

Para ir além



Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no caderno Variedades do Jornal da Tarde.


José Nêumanne
São Paulo, 18/11/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Arte moderna, 100 anos de Daniel Piza
02. Dogville e a poesia de Michel Laub


Mais José Nêumanne
Mais Acessados de José Nêumanne
01. A Trilogia de João Câmara - 12/1/2004
02. O prazer, origem e perdição do ser humano - 29/4/2002
03. O CNJ e a Ancinav - 20/9/2004
04. O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard - 12/5/2003
05. Retrato de corpo inteiro de um tirano comum - 17/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATLAS DO CORPO HUMANO VOL. II 6232
DIVERSOS
ABRIL
(2008)
R$ 10,00



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 10,00



PARA TODOS OS GAROTOS QUE JÁ AMEI
JENNY HAN
INTRINSECA
(2015)
R$ 31,77



CLARISSA
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1997)
R$ 4,60



LANTERNA VERDE 48 - HAL JORDAN, VIDA APÓS A TROPA
EQUIPE DC
PANINI
(2016)
R$ 8,60



OS FATOS FICTICIOS POESIA
IZACYL GUIMARAES FERREIRA
LR
(1980)
R$ 6,00



1000 PERGUNTAS DE DIREITO ADMINISTRATIVO
REIS FRIEDE
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2005)
R$ 17,28



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS- ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRETÍGIO
(2005)
R$ 25,90
+ frete grátis



DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO ENDÓGENO DE PEQUENOS ESTADOS INSULARES
ALBERTINO FRANCISCO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



HISTÓRIA DO DEPARTAMENTO DE VOLUNTÁRIOS
HOSPITAL ALBERT EINSTEIN
NARRATIVA UM
(2004)
R$ 14,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês