Wilson Martins (1921-2010) | Miguel Sanches Neto

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 12/4/2010
Wilson Martins (1921-2010)
Miguel Sanches Neto

+ de 6900 Acessos

Do ponto de vista técnico, Wilson Martins (1921-2010) faz parte da escola francesa de crítica, e teve em Albert Thibaudet (1874-1936) o seu mestre. Na esteira desta tradição, Wilson valorizava a historicidade do pensamento nacional, aí incluída a literatura. O espaço de tal prática era o jornal, onde Wilson Martins, à maneira de seus antecessores, como um Sérgio Milliet (1898-1966) ou um Álvaro Lins (1912-1970), exerceu uma forma de pensar intimamente relacionada com o movimento editorial do país. O crítico, neste formato, assumiu-se como um leitor seletivo da produção contemporânea, uma espécie de bibliotecário que arquivava nos anais da história um conjunto válido de títulos. E este é um outro aspecto que deve ser ressaltado na atuação deste paranaense: todos os livros lidos e comentados, mesmo quando sofriam as avaliações mais rigorosas, eram tidos pelo crítico como obras relevantes, que mereciam figurar entre as produções da inteligência nacional. Pois mais importante do que a sentença expedida pelo crítico era o seu papel de salvar da produção cada vez mais massificada um coletivo de obras que se destacaram.

O crítico assim visto dialogava com o passado, fazendo apostas em contemporâneos. Esta perspectiva histórica exigia dele uma disposição para ler o máximo da produção atual, sem deixar de considerar nosso patrimônio intelectual. Era em confronto com a tradição, que ele tão bem conhecia, e com os contemporâneos já na categoria de mestres, que Wilson Martins avaliava os lançamentos. Esta foi a regra da crítica literária nacional até meados do século XX, quando a Nova Crítica toma corpo entre nós, com o aumento da influência norte-americana. O pensamento nacional vai se deslocar de uma gramática de jornal para uma gramática universitária, e a análise de obras passa a se dar dentro de correntes de teorias (literárias, filosóficas, linguísticas etc.), e não mais a partir da leitura extensiva das obras de criação.

Professor da Universidade Federal do Paraná (1952-1962), da Universidade de Kansas (1962), da Universidade de Wisconsin-Madison (1963-1965) e da Universidade de Nova York (1965-1991), Wilson Martins nunca se afastou da crítica de jornal nem de seu tema-maior, a inteligência brasileira. Seguiu sendo um crítico arquivista, interessado em acompanhar o fluxo das ideias no país.

Este modelo de crítico que nunca deixou a trincheira do jornal rendeu a Wilson Martins muita incompreensão. Foi acusado de conservador (e de fato o era, pois conservava a produção do país em suas coletâneas críticas), de ultrapassado (por dilatar uma influência francesa aposentada pelas escolas norte-americanas e por outras mais recentes da Europa), de pouco profundo (por não estender seus artigos breves e lapidares sobre os livros), de violento (por não medir palavras na hora de escancarar defeitos que ele julgava ver numa obra) e de obscurantista (por não reconhecer as sumidades construídas pelo marketing). Não obstante toda a fúria recair sobre ele, manteve-se inabalável em seu propósito inicial de ler toda a produção válida do país e tentar pensá-la como conjunto. Era isso a crítica semanal de Wilson Martins, uma ampliação de seu grande ensaio sobre o Brasil, a História da inteligência brasileira ― onde ele acompanha a produção editorial do país ou sobre o país de 1500 a 1960. Seus volumes de crítica continuam este projeto até a sua morte. Por incrível que pareça, embora plagiados (principalmente em dissertações e teses), seus pontos de vista ainda não tiveram influência nos estudos universitários.

E isso é plenamente explicável. Nosso modelo de pensamento continua mantendo uma relação de dependência com os centros culturais, e boa parte da universidade brasileira paga royalties aos nomes estabilizados internacionalmente. O próprio método de estudo é contrário ao da crítica militante. O sentido de trânsito que prevalece na universidade é da teoria crítica para a produção criativa, enquanto Wilson Martins, fiel ao velho método francês, trabalhava numa perspectiva diametralmente inversa: partia da produção concreta do país para construir um painel, sem valorizar a ideia de progresso. Somos este país desde sempre. Mudaram-se os aspectos externos, mas nossa imagem de fundo continua paralisada. Sua crítica era focada na identidade nacional, uma identidade macunaímica, como Mário de Andrade tão bem representou ― escancarar isso era algo muito incômodo.

Nesta dimensão exercida por Wilson Martins, prevaleciam alguns aspectos. Um deles é o deslocamento do crítico. Morando sempre fora dos centros nacionais do campo de poder (ou em Curitiba ou nos Estados Unidos), Wilson pôde manter uma independência bastante grande ― claro que ela não era total. Como não precisava dos ganhos como crítico, pôde externar opiniões que eram altamente impopulares e perigosas, assumindo todos os riscos. Esta é outra imagem do crítico, a de alguém que está sempre na corda bamba, não apenas por não referendar as unanimidades da hora, mas principalmente por se expor em seus julgamentos, considerando obras e autores desconhecidos como valores literários e decretando como irrelevantes as vozes mais poderosas.

A sua coluna de crítica (iniciada em 1942) foi, portanto, um território independente da cultura brasileira, onde os autores se agigantavam ou se apequenavam. Muitos querem saber quais foram os grandes nomes descobertos pelo crítico, mas este método não estava voltado para a descoberta de talentos em botão. Buscava, isso sim, uma compreensão abrangente da cultura do país.

Assim, para o autor que ocupava a periferia do campo literário, Wilson Martins era uma oportunidade de atenção e de ter seu nome anexado à inteligência nacional. Sua coluna de crítica raramente refletia as posturas do jornal ou do editor, eram sempre intelectualmente assinadas por um crítico de vasta leitura e com idiossincrasias muito nítidas, como a valorização da legibilidade do texto. O fato é que a lógica da mídia não funcionava ali. Aquele era um espaço próprio, que ninguém conseguia pautar.

Toda a grandeza deste projeto vem de uma energia imensa, o que lhe permitiu ser o maior leitor da cultura nacional, e de uma adequação total ao ofício: ele era e queria ser unicamente crítico. Nunca se imaginou em outro papel, e mesmo o magistério foi para ele uma forma de independência financeira que patrocinou o seu projeto matinal: ler o maior número de obras de autores brasileiros. Não queria ser ficcionista ou poeta. Era crítico. Era o crítico.

A pergunta que se faz agora, quando ele infelizmente concluiu o seu trabalho, é: qual o nível de acerto de seus julgamentos? A resposta deverá ser dada pelas gerações de amanhã. A nós, resta apenas concluir que, com sua morte, aumentam os consensos sobre a produção contemporânea. Findou a voz que mais ousava discordar. E que mais discordou ao longo dos últimos 60 anos.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na edição de março de 2010 do jornal Rascunho, na qual foram publicados vários textos em homenagem a Wilson Martins.

Para ir além






Miguel Sanches Neto
Ponta Grossa, 12/4/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Cultura do Consenso de André Forastieri
02. Vivendo de brisa de João Ubaldo Ribeiro
03. Marina candidata de Milton Hatoum
04. O pingente que deu certo de Sérgio Augusto
05. O Nobel da crise de Sérgio Augusto


Mais Miguel Sanches Neto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FREDDIE S WAR LEVEL 6 - ANO
JANE ROLLASON
CAMBRIDGE
(2010)
R$ 19,90



MONSTRO DO PÂNTANO - RAÍZES DO MAL - VOLUME 1
GRANT MORRISON; MARK MILLAR; PHIL HESTER
PANINI
(2017)
R$ 24,90



O ESPECTADOR NOTURNO
JERÔME PRIEUR
NOVA FRONTEIRA
(1995)
R$ 13,39



EXPOSIÇÃO COMEMORATIVA DOS 70 ANOS DO UNIBANCO
INSTITUTO MOREIRA SALLES
IMS
(1994)
R$ 20,00
+ frete grátis



GRANDE SOL DE MERCÚRIO
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 10,00



SUJEITO DAGOBERTO
ALBERTO ALECRIM
ROCCO
(2006)
R$ 4,90



BIOLOGIA REVISADA - 1ª EDIÇÃO
WILLIS HARMAN
CULTRIX
(2013)
R$ 37,95



ANATOMIA DA CRÍTICA
NORTHROP FRYE
CULTRIX
(1973)
R$ 60,00



CONDUTA ESPIRITA
WALDO VIEIRA ANDRE LUIZ
FEB
(1995)
R$ 9,00



DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO ILUSTRADO VEJA LAROUSSE 22
ABRIL
ABRIL
(2006)
R$ 5,50





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês