O fim do editor de livros | Raphael Vidal

busca | avançada
89692 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto Sinos volta a Teresópolis para oferecer aulas gratuitas
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Estou para publicar, podem morrer
>>> O novo GPT-4o
>>> 8º Salão do Livro
>>> Da Renovação Papal
>>> Polonaises
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bobagem
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Livro Minha Vida Fora De Serie 1 Temporada de Paula Pimenta pela Gutenberg (2014)
>>> A Vizinha Antipática Que Sabia Matemática. de Eliana Martins pela Melhoramentos (2014)
>>> Teoria Geral Da Administração. - Vol. 2 de Idalberto Chiavenato pela Campus (2001)
>>> Para Gostar De Ler 17 - Cenas Brasileiras de Rachel De Queiroz pela Ática (2003)
>>> Valiant - Vol.3 Novas Espécies de Laurann Dohner pela Universo Dos Livros (2016)
>>> Manual Prático de Doenças Alérgicas de Jean Blamoutier pela Andrei (1985)
>>> Superação: Devoções para uma vida absurdamente boa de Nick Vujicic pela Novo Conceito (2014)
>>> Luz na Escuridão de Romulo Barros pela Santuário (2017)
>>> O Que Eu Sei De Verdade de Oprah Winfrey pela Sextante (2014)
>>> A Doutrina De Buda: Siddharta Gautama de Siddharta Gautama pela Martin Claret (2007)
>>> Gandhi: Por Ele Mesmo de Vários Autores pela Martin Claret (2024)
>>> Grandes E Pequenos Problemas de Angel Aguarod pela Feb (2006)
>>> História Concisa Do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2002)
>>> Análise Dimensional e Teoria da Semelhança e dos Modelos Físicos de Fernando L. Carneiro pela Ufrj (1993)
>>> O Teatro Brasileiro Moderno de Decio De Almeida Prado pela Perspectiva (2009)
>>> Organize-se Num Minuto: 500 Dicas Para Por Ordem Em Sua Vida de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> A Arte Do Ator Entre Os Séculos XVI e XVIII de Ana Portich pela Perspectiva (2008)
>>> Histórias De Mulheres de Rosa Montero pela Agir (2007)
>>> Arte-educação No Brasil de Ana Mae Barbosa pela Perspectiva (2010)
>>> Livro ANONÁCEAS -do plantio à colheira de Marlon Cristian T. Pereira, Aluizio Borém pela Ufv (2021)
>>> A rebelliao das massas de José Ortega pela Martins Fontes (2007)
>>> Lettera A Un Bambino Mai Nato de Oriana Fallaci pela Bur (1997)
>>> O Sucesso Não Ocorre Por Acaso de Lair Ribeiro pela Leitura (2002)
>>> Aprenda A Viver O Agora de Monja Coen pela Academia (2019)
>>> Pedagogia do jogo Teatral: Uma Poetica do Efemero de Carmela Soares pela Hucitec (2010)
ENSAIOS

Segunda-feira, 23/5/2011
O fim do editor de livros
Raphael Vidal
+ de 7800 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Ele, editor, 46 anos, atravessa o Aterro do Flamengo dirigindo seu automóvel popular, escutando Buena Vista Social Club, imaginando o quanto seria diferente se não tivesse seguido sua paixão: abrir uma editora. Teria sido melhor ter continuado como funcionário, alto executivo? Aproveitado o FGTS para comprar um apartamento? Ter investido para ter sua aposentadoria sem riscos?

O risco está na profissão do editor como a palavra está na do escritor
A editora, aberta há seis anos, pequena, independente, nunca atrasou nenhuma conta, imposto, salário. Sempre em dia com tudo, terceirizou serviços, como logística de estoque, entregas, e-commerce, produção editorial, comprou sistema de gestão e sempre prezou em agir como grande. Emprega cinco funcionários e, mesmo assim, o editor, dono, bate ponto por quase doze horas diárias trabalhando para ver o negócio ir adiante.

Entre seus títulos, há grandes sucessos de mercado, alguns infantojuvenis adotados pelo FNDE/MEC, secretarias de educação e grandes escolas pelo país. O catálogo é em maioria de long-sellers, aqueles títulos de vida longa, que vendem pouco, mas vendem sempre. A tiragem é em média de mil e quinhentos exemplares e a distribuição envolve cerca de duzentos pontos pelo país.

Um quadro normal se não fosse o faturamento e as despesas. As contas não batem. Sim, claro que não batiam quase nunca desde sua abertura ― como toda pequena editora ―, mas empréstimos, capital de giro, cheque especial, cartão do BNDES e vendas governamentais servem para deixar o último suspiro sempre para mais tarde. E o risco está na profissão do editor como a palavra está na do escritor. O caso é que em quase dois anos tudo começou a mudar bastante. Mudar na editora e no mercado editorial.

A diferença entre o que publicar e como publicar
Alguns novos conceitos surgiram na vida do editor em pouquíssimo tempo:e-book, print on demand, crossmedia, transmídia, booktrailler, vook, tablets... Somando a isso, a correria - iniciada pelas e-book stores - pelos e-books. Afinal, o pulo do gato era não deixar que a pirataria chegasse primeiro. E quem não chegasse antes estava fadado a morte no século XX, já tão ultrapassado. Esse terror começou a dividir a cabeça do editor, preocupado, até agora, mais em saber o que publicar do que em como publicar.

O fato é que o mercado varejista estava diminuindo cada vez mais, pelo menos para os pequenos e independentes. Por um lado, livrarias de bairro fechando, perdendo espaço para as megastores, leitores comprando pelos sites, buscando o melhor preço. Por outro, o acesso fácil a softwares de edição, os freelancers entrando de sola no mercado ― como consequência a diminuição dos preços para o design editorial de uma obra ―, o surgimento em massa de "escritores" com a popularização da internet, a facilidade de financiamento de impressão em gráficas e o big bang: a modernização dos meios de impressão, com a qualidade do print on demand equiparada ao antigo offset.

Juntando tudo, o que vemos é a enorme quantidade de lançamentos disputando cada milímetro de cada estante de cada livraria, por onde ficarão, em maioria, até que o editor reclame seu livro de volta. A conclusão é catastrófica: não são os leitores que estão morrendo, os livros é que não param de nascer.

A opção, para os pequenos editores, foi passar a encarar o livro como conteúdo. Se aquele conteúdo será lançado em e-book, app, livro impresso ― e, se impresso, em qual tiragem, é o que parece importar agora.

O mercado de Heráclito
Quando Heráclito de Éfeso conclamou o panta rei, ou, tudo flui, muito antes da invenção da imprensa de Gutemberg, não iria imaginar que a metáfora do rio sempre em movimento iria caber tão bem ao mercado editorial em pleno século XXI. O editor imagina, mas não tem certeza do que virá pela frente, e as possibilidades são infinitas. O importante para ele, hoje, é passar pela mudança, nadando na direção do rio, tentando chegar em algum lugar, mesmo sabendo que não há ponto de chegada, somente o movimento, e que este, o movimento, é que precisa ser feito.

O dilema das editoras contemporâneas está em quebrar seus paradigmas, mudar seus conceitos e se transformar com esse movimento, mas, ao mesmo tempo, preservar o trabalho do editor. Enquanto muitos proclamam o fim do livro, o mercado, se continuar assim, esquecerá de preparar o funeral do editor. O livro continuará existindo, sem dúvida, mas já existem muitas editoras que nem sabem o papel de um editor. Não podemos esquecer que o conteúdo vale ouro e o editor continua sendo sua pedra-de-toque.

O caminho a seguir
Uma reunião curta. Tabelas, gráficos, valores, contas. Muitas contas. E a conclusão, óbvia: não há como pagar o salário dos funcionários no final do mês. Dos somente cinco funcionários.

A solução é reinventar-se. Trabalhar com impressão sob demanda, repensar o papel da distribuição, pensar nos e-books, usar a tecnologia a seu favor, vender o excesso do estoque como saldo, ir atrás do leitor de cada livro e convencer seus autores que as mudanças são efeitos do devir do próprio mercado. Seus funcionários devem também repensar o que fazem ali. Encarar o trabalho em uma pequena editora é quase que se tornar sócio do negócio. Se não for assim, procure sair o quanto antes.

Este é o caminho do rio. E para continuar nadando nele, ele, editor, 46 anos, precisa fechar os olhos e vender aquele anel há anos na família, única herança de sua avó, vitima de Auschwitz. Esse é o risco de todo editor. O mesmo que reflete toda a mudança que o mercado editorial está passando, exatamente agora. Preocupante? Sim, mas vão-se os anéis, ficam-se os dedos.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog FIMdolivro. Raphael Vidal é escritor, editor e alimenta também o microblog @fimdolivro.


Raphael Vidal
Rio de Janeiro, 23/5/2011
Mais Raphael Vidal
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/5/2011
09h25min
Nem livro nem editor terão fim! Somente serão reformulados. Possivelmente até evoluirão, como tudo o que ocorre na Natureza, no Cosmo. - O livro já foi de pedra lascada, passou ao papiro, depois impresso, as editoras e editores sempre procuraram 'vender os 'bestsellers' sem dar muita 'bola' para os escritores, principalmente os novatos. Chegou a Internet, multiplicaram-se os meios para evolução da distribuição, da propaganda, e multiplicaram-se os 'escritores', quer dizer, agora todos que aprendem, sofrivelmente, escrever já pensam em ser escritores... é mais ou menos como os garotos que querem ser 'jogadores de futebol'... todos querem! - Alguns sabem jogar bola, a maioria nem chutar sabe; e na literatura ocorre o mesmo, surgiram tantos escritores que nem sabem conjugar um verbo, ainda escrevem como quando 'crianças fazendo redação na escola', alguns escrevem 'idéia'... só para ser ter uma ideia; outros usam até gerundismo, daqueles tacanhos, em seus textos e contextos.
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
25/6/2011
11h39min
Concordo com Boris Vinha... o livro não vai acabar, só mudar. E há muitos escritores! E as editoras, quando darão retorno condizente a esses que fazem o principal? Ao autor deve caber a maior fatia, não tenho dúvidas disso.
[Leia outros Comentários de Gilson Volpato]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Iluminuras
Vanderley Mendonça
Patuá
(2012)



Livro Literatura Estrangeira The Joy Luck Club
Amy Tan
Cambridge
(2002)



Sebastiana Quebra-galho
Nenzinha Machado Salles
Civilização Brasileira
(1978)



Pensar e Ser Si Mesmo: Preleções Sobre a Subjetividade
Dieter Henrich
Vozes
(2018)



Densora 542
J. M. Coetzee
Companhia das Letras
(2015)



Nova Visão do Casamento
Masaharu Taniguchi
Seicho-No-Ie
(2003)



Eu Servi o Rei da Inglaterra
Bohumil Hrabal
Best Seller
(1988)



Cumplicidade Virtual
Candice Alcantara
Casa do Psicólogo
(2013)



Cadeia de Comando
Seymour de Hersh
Ediouro
(2004)



Claro Enigma
Carlos Drummond de Andrade
Companhia das Letras





busca | avançada
89692 visitas/dia
2,1 milhões/mês