Cultura às moscas | Luís Antônio Giron

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> José Duarte- um Maquinita da Historia de Luiz Momesso pela 8 de Março (1988)
>>> Perfil Literário dos Presidentes das Sobrames Regionais- 2000/2002 de Varios Autores pela Santa Rita (2002)
>>> Dragões do Eter Vol. 3 - Círculos de Chuva de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Tecnica e Sociedade no Brasil - de Diana Gonsalves Vidal pela Contexto (1988)
>>> Projeto Resgate Pernambucano-vol. 01 de Varios Autores pela Alepe-pe (2007)
>>> Oásis do Meier de Altamir Tojal pela Calibar (2010)
>>> Redação para o 2 grau- Pensando lendo e escrevendo de Ernani e Nicola pela Scipione (1996)
>>> Gestao Radical: As Licoes Do Programa De Gestao Avancada Da Harvard Business de Mark Stevens pela Campus (2001)
>>> Os Vigilantes de Philip Cornford pela Record (1991)
>>> Inferno na Torre de Richard Martin Stern pela Record
>>> Contos Fluminenses-edições Criticas de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Discursos- Vol. 01 - 1974 de Ernesto Geisel pela Assessoria Imprensa Nacional (1975)
>>> Cantos do Brasil - o Caminho das Pedras de Shirley Souza pela Escala Educacional (2000)
>>> Remedio Amargo de Arthur Hailey pela Record
>>> A Câmera do Sumiço de Laura Bergallo pela Dcl (2007)
>>> Turismo Em Cronicas de Geraldo Granja Falcão pela Do Autor (1977)
>>> Bonecos na Ladeira de Adriana Victor pela Publikimagem (2011)
>>> Operação Rhinemann de Robert Ludlum pela Record (1974)
>>> Abilio Diniz. Caminhos E Escolhas de Renato pela Campus (2004)
>>> Historias Que o Tempo Esqueceu de Melchiades Montenegro Filho pela Fac Form (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index (1997)
>>> Respostas ao Criador das Frutas de Sonia Carneiro Leão pela Do Autor (2010)
>>> Envolvido pela Luz - 3ª de Betty J. Eadie pela Nova Era (1994)
>>> A Era Da Mulher de Alison Maitland pela Campus (2008)
>>> Mais rápido, barato e melhor de Michael Hammer e Outros pela Campus (2011)
ENSAIOS

Segunda-feira, 8/3/2004
Cultura às moscas
Luís Antônio Giron

+ de 7000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Cenas justapostas dão conta da situação das instituições culturais do Brasil, públicas e privadas. A Fundação Vitae anuncia encerramento da distribuição das Bolsas Vitae de Artes, que ao longo dos últimos 16 anos patrocinaram centenas de projetos artísticos e pesquisas independentes de governo ou universidade. É um dado triste, pois a Vitae, entidade de direito privado sem fins lucrativos, consistia no último bastião de credibilidade e autonomia fora dos circuitos oficiais ou bancários (eu mesmo recebi uma bolsa da instituição e constatei a total insenção com que julgaram o projeto que apresentei). O fundo destinado a sustentar pesquisas e produtos artísticos secou. As últimas bolsas sairão neste ano, e ponto final. Só restará ao pesquisador ou ao artista se associar a um acadêmico e travestir o palco de cátedra. Quantos têm vivido assim ultimamente, de produzir teses sem sentido, sem objetivo além da obtenção de bolsas-sanduíche. Tem sambista doutor, sim senhor!

Corta para Gilberto Gil. Em pouco mais de um ano de administração, Gil cantou e resmungou muito, mas fez o que se esperava: coisa nenhuma. Contou com a simpatia da imprensa, que o perdoou de todos os deslizes, os tropeços e desafinações. A desculpa é a de sempre, e a que marcou a administração nula do antecessor de Gil, Francisco Weffort: não há verba, a dotação orçamentária para a pasta da Cultura não chega a 1% e assim nada é possível, a administração cultural vira refém do descaso do Executivo, parari parará... O Executivo são os outros. O gabinete de Gil no Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro (o bom e velho prédio do MEC), vive vazio.

Não longe dali, vê-se a Biblioteca Nacional. Zoom através de uma janela do edifício. Este que é o maior tesouro brasileiro foi assumido pelo antiquário Pedro Corrêa do Lago. Ele assumiu o escritório neoclássico do quarto andar no prédio com boas intenções, apesar de o pessoal da biblioteca comentar a bocca chiusa que Gilberto Gil mandou uma raposa para gerir o galinheiro, já que Corrêa do Lago é dono de sebo e o acervo da biblioteca faz crescer o olho de qualquer bibliófilo. Claro que é uma observação maldosa. Dirigida por raposa ou cordeiro, o fato é que a BN está jogada às traças. Havia um projeto de informatização do conteúdo, mas virou apenas vitrine “moderna” para usuário pouco exigente se encantar. Os pesquisadores continuam a consultar as fichas centenárias porque sabem que o que vale na Biblioteca Nacional é o chamado “arquivo paralelo”, que não foi catalogado e muito menos informatizado. A página da Internet da instituição piorou nos últimos meses. Se antes era possível baixar um livro em Word, agora é preciso fazer download em PDF, que dificulta enormemente a leitura. Na administração da BN, tudo indica, continua a valer mais a aparência que a essência. Sim, sim, dinheiro falta, bons sentimentos abundam.

Travelling de volta ao prédio do MEC. Na Funarte, nada acontece. As publicações estão paradas desde o governo anterior e o desânimo é geral entre as pessoas que trabalham lá. Na gestão do escritor amazonense Márcio Souza, o movimento editorial da Funarte foi rico e lançaram-se vários livros de Márcio Souza e Francisco Weffort. O novo presidente da Funarte, o ator Antonio Grassi, não pode esperar tanto e, pelo jeito, não possui ambições literárias – o que pode ser uma benção para o contribuinte. Gil não tem necessidade de mamar no governo para lançar seus CDs – e sua mulher, Flora Gil, é reconhecida como gestora do patrimônio do músico. Ele teve um luxuoso álbum de fotografia lançado por ocasião de seu sexagésimo aniversário, sem pratocínio estatal. Gil não precisa. Mas Gil tampouco precisaria estar à frente de uma pasta para a qual não foi talhado. Parece estar ali mais para figurar e participar de excursões do que para administrar. OK, não há o que administrar, só do-ni antropológico, blablablá. Livro, alguém falou em livro? Não há política para isso. Os autores se submetem à sede que as editoras têm de literatura B ou auto-ajuda vendável. Entidades como a Câmara Brasileira do Livro e a Academia Brasileira de Letras se limitam a distribuir prêmios entre pares e promover eventos mundanos. É ultrajante para o público assistir à ascensão de vozes literárias que, num país sério, seriam arremetidas à fogueira do esquecimento.

Panorâmica na Bolsa de Valores do Rio, fusão com avenida Paulista com seus bancos e “institutos culturais”. A indefinição sorridente de Gil está provocando um impasse. O governo trancou o cofre. O Estado, via Petrobrás e Banco do Brasil, ainda é o provedor universal da maior parte das atividades de cultura no Brasil. As leis de incentivo fiscal, apesar de sua utilidade passada, não têm ajudado os cineastas e diretores de espetáculos. A produção cinematográfica empacou depois dos mega-sucessos de 2002 e 2003. As orquestras seguem na sua senda de ruínas popularescas, à exceção da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, bunker de virtuoses bem-pagos no meio da Cracolândia. Nem mesmo os bancos e empresas privadas estão interessados em manter o sustento da comunidade cultural. O jogo de interesses da iniciativa privada contém a liberdade dos artistas e manipula os produtos. Tudo, no fim das contas, vira presente para clientes. Com sorte, a cultura brasileira pode ser transformada em inofensivo brinde de fim de ano. Todos rezam para a conversão em prêmio.

Close no rosto do leitor diante do espelho. Não custa insistir em apontar um erro de raiz, o de que o brasileiro não sabe para que serve cultura porque não tem clareza do que seja “cultura”. O debate entre o que é público e privado terminou jogando areia nos olhos de uns e outros, ofuscando o problema fundamental, que subjaz a qualquer polêmica: cultura é vista por aqui como um adereço de carnaval, ou uma jóia a ser exibida em festa rica, um ex-voto de promessa eleitoral, um do-in indolor. A realidade é que a cultura se encontra numa situação miserável, seja lá qual idéia se alimente sobre o tema – manifestação popular, escada para social climbers, acumulação de conhecimento e artes ao longo da História, espírito absoluto, coisa de gênio ou mesmo bijuteria. Tudo já virou ultrapassado, até mesmo cobrar ação da área cultural, do governo e da iniciativa privada passou de moda. Cada um por si, ou, como dizem os Tribalistas, fé em Deus e pé na taba, submetendo a taba à liberdade do vazio. Sobe música. Que Gil volte ao gabinete e cante mais um reggae para o happy end geral da nação, aquele que começa assim: “Vamos fugir pra outro lugar, baby...”

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na revista Bravo! de agosto de 2003.


Luís Antônio Giron
São Paulo, 8/3/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. As Marcas do Tempo de Ryoki Inoue
02. Sereníssima de Ramon Mello
03. Lugar de mulher é... de Rita Lee


Mais Luís Antônio Giron
Mais Acessados de Luís Antônio Giron
01. Paulo Coelho para o Nobel - 21/11/2005
02. Villa-Lobos tinha dias de tirano - 3/11/2003
03. Francisco Alves, o esquecido rei da voz - 5/8/2002
04. JK, um faraó bossa-nova - 6/2/2006
05. A blague do blog - 11/8/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/3/2004
12h11min
Giron, corroboro com o que vc escreveu. Percebo que os mecanismos da estrutura cultural estão completamente ultrapassados. O problema não é apenas na forma, como também no conteúdo. Li o livro do Afonso Santanna "Desconstruindo Duchamp" e ali tb é detectado várias mazelas da área cultural. Eu acho que as moscas já foram embora. Diuk Mourão
[Leia outros Comentários de Diuk Mourão]
30/4/2004
19h41min
Apóio inteiramente o protesto de Giron. Como pesquisadora que muitas vezes precisa recorrer à Biblioteca Nacional, tenho sentido cada vez mais a "polícia" da direção da instituição. Parece que privatizaram a BN. Lamentável.
[Leia outros Comentários de Maria Helena Carmo]
9/11/2004
18h19min
Só um adendo: agora, em novembro de 2004, a Fundação Biblioteca Nacional cobra 20 reais por "direito de uso de imagem" de fotografias que pesquisadores precisam para suas pesquisas. Por que a BN não cobra nada para o uso das imagens exclusivas da BN pela revista "Nossa História", dirigida pelo presidenre da Biblioteca Nacional? É ou não é um escândalo?
[Leia outros Comentários de Luís Antônio Giron]
1/4/2005
01h29min
acho que Gilberto Gil esta' fazendo o que pode com muito empenho, trabalho e transparencia. se o Brasil nao tem dinheiro, e' outra coisa...
[Leia outros Comentários de vania malta paes]
23/10/2006
09h39min
Não tenho solução para o problema cultural do País, e é triste saber da real situação... Nosso povo não tem a cultura da leitura... isso é uma verdade.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Inovações no Código de Processo Civil
J. J. Calmon de Passos (2ª Edição)
Forense
(1995)



Desativação de Mina Conceitos Planejamento e Custos
José Baptista de Oliveira Júnior
Edufba
(2006)



Como Ser um Gestor de Sucesso
Diego Maia
Cdpv
(2012)



Manual Simplificado de Direito Constitucional para Concursos
Max Kolbe
Vestcom
(2012)



Talk Talk
T C Boyle
Dtv
(2008)



Da Posse e das Ações Possessorias
Tito Fulgêncio (encadernado)
Saraiva
(1936)



Spiral Guides Mallorca
Carol Baker
Aaa
(2001)



Apache Server Comentarios Detalhados do Codigo do Apache Server
Greg Holden
Makron Books
(2001)



Opinião Pública: Técnicas de Formação e Problemas de Controle
Sarah Chucid da Viá
Loyola
(1983)



Ticumbi Cadernos de Folclore Nº 12
Guilherme Santos Neves
Funarte (rj)
(1976)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês