Nadia Boulanger (1887-1979) | Lauro Machado Coelho

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 16/11/2009
Nadia Boulanger (1887-1979)
Lauro Machado Coelho

+ de 6100 Acessos

Há exatos 30 anos, em 22 de outubro de 1979, com 92 anos, Nadia Boulanger falecia na França. Professora e mentora de grandes músicos ― entre os quais o brasileiro Almeida Prado e o regente principal da Osesp Yan Pascal Tortelier ― Boulanger foi uma das mais influentes personalidades musicais do século XX.

O brasileiro Almeida Prado, que foi seu aluno, fala da maneira casual como ela lhe falava: "Hoje terminaremos a aula um pouquinho mais cedo, porque Gabriel vem jantar". Esse amigo, de quem Nadia Boulanger falava com tanta intimidade, era Gabriel Fauré. Porque, pelo salão da Rue Ballu, em Fontainebleau, onde morava essa mestra extraordinária, passou todo o mundo musical que estava em Paris entre as décadas de 1920 e 1970 do século passado. De Fauré, que foi seu professor, a Astor Piazzolla e Philip Glass, que foram seus alunos, todos estimavam e respeitavam "Mademoiselle Fontainebleau", uma grande dama absolutamente singular.

Em um delicioso documentário que Bruno Monsaingeon fez sobre ela, quando Nadia completou 90 anos ― e que a mostra tão lúcida quanto aos 30 ―, Leonard Bernstein conta um episódio curioso. Um dia, trouxe-lhe uma canção que acabara de compor. Tocou-a e ela o ouviu atentamente. Quando ele terminou, Nadia perguntou: "E se você trocasse aquela nota assim assim?" Lennie o fez e, de repente, confessa, algo transfigurou inteiramente a melodia: "Essa era Nadia Boulanger!", conclui Bernstein. "Era capaz de, à primeira audição, detectar onde estava o problema e de dar a sugestão exata para corrigi-lo."

Pudera, estava no sangue! Sua avó, Marie-Julie, era cantora, e o avô, Frédéric, um grande violoncelista. O pai, Ernest, aluno de Charles-Valentin Alkan, ganhou o Prix de Rome de 1835 e, na capital italiana, conheceu a princesa russa Raíssa Nishiétskaia, que seria a mãe de Nadia e Lili Boulanger. Esta era uma compositora talentosíssima, a única mulher a ganhar o Prix de Rome, em 1913. Morreu em 15 de março de 1918, com apenas 25 anos, e deixou uma obra pequena, mas que nos faz lamentar a termos perdido tão jovem. Foi por achar que nunca poderia igualar o gênio da irmã que Nadia renunciou à composição. E tornou-se a mais notável professora de seu tempo. Tão exigente com seus alunos quanto consigo mesma ― a ponto de Yehudi Menuhin tê-la chamado de "a terna tirana", na biografia dela que publicou, em 1977, em colaboração com Alan Kendall.

Existe, na Wikipedia, uma lista de 47 alunos notáveis de Mme. Boulanger ― entre eles Almeida Prado, Cláudio Santoro e Egberto Gismonti. E ela está incompleta, pois nem Nadia e nem Annette Dieudonné, sua companheira da vida inteira, se preocuparam em registrar a procissão de estudantes que passaram pelas suas mãos. Mas o compositor americano Virgil Thomson, que foi a Paris aprender com ela, dizia: "Toda cidade americana tem duas coisas: uma máquina de vender chicletes e um aluno de Nadia Boulanger". Por exemplo, o maestro Yan-Pascal Tortelier, atual titular da Osesp, de São Paulo, diz que duas pessoas foram fundamentais para a sua formação musical: o seu pai, o violoncelista Paul Tortelier, e "Mademoiselle".

Ela tinha apenas seis anos ao entrar no Conservatório de Paris, onde estudou órgão com Alexandre Guilmant e Louis Vierne, composição com Fauré e Charles-Marie Widor. O seu espírito rebelde impediu-a de vencer o Prix de Rome de 1908, pois em vez da fuga pedida aos candidatos, ela apresentou um quarteto de cordas. Apesar da opinião de Camille Saint-Saëns, que estava na banca, deram-lhe apenas o segundo prêmio e, depois disso, ela não concorreu mais ― o Prix de Rome perdeu muito com isso, diga-se de passagem.

Antes da morte de Lili, ela tinha tentado a composição orientada pelo compositor Raoul Pugno, com quem trabalhou dez anos. Tinha uma autocrítica patológica ― resultado do respeito pelo gênio da irmã ― mas chegou a completar uma Rapsódia para piano e orquestra, o ciclo de canções Les heures claires e a ópera La ville morte. A morte de Pugno, em 1914, e o início da I Guerra Mundial impediram a estreia desse drama lírico, e a partitura permaneceu inédita (ainda se possui a redução vocal e a orquestração dos atos I e III). O resgate dessas composições deveria ser tema de grande interesse para os pesquisadores franceses da atualidade.

A escrita de "Mademoiselle" era nitidamente pós-impressionista, pois ela não escondia de ninguém "desconfiar muito do atonalismo". Mas isso não a impedia de apreciar muito a música de Ígor Stravinsky, de quem regeu a primeira apresentação do Dumbarton Oaks em Washington, em 1938; e de estar aberta às tendências que marcaram a evolução da música contemporânea, nunca se recusando a debater, com isenção, as ideias dos serialistas, da música eletroacústica ou dos minimalistas.

Regia desde 1912 ― época em que isso era totalmente incomum para uma mulher ― e teve nas mãos a batuta da Filarmônica de Nova York, da Sinfônica de Boston, da Philadelphia Orchestra, da Hallé de Manchester e da Sinfônica da BBC. Em sua primeira turnê pelos Estados Unidos, regeu a estreia da Sinfonia para órgão e orquestra de Aaron Copland, um dos muitos que tinham se sentado ao lado de seu piano para beber-lhe as palavras.

Se os franceses a respeitam, nada se compara à veneração que os Estados Unidos têm por ela. De 7 a 9 de outubro de 2004, em homenagem aos 25 anos de sua morte, o American Music Research Center, da Universidade do Colorado, organizou um ciclo de concertos e de conferências para relembrá-la. E o cartaz que anunciava esses eventos trazia a reprodução de Orphée et Eurídice, a litografia que Rainier e Grace de Mônaco encomendaram a Marc Chagall, em 1967, para presentear Nadia no dia de seu 80º aniversário. O seu papel como pedagoga; a música de Lili, de que ela foi uma constante e devotada divulgadora; a música de várias gerações de compositores que passaram pelas suas mãos: todos os aspectos da vida e da obra de "Mademoiselle Fontainebleau" foram dissecados. Questões que devem voltar a apaixonar quem se lembra dela, neste mês de outubro em que se completam 30 anos de que o piano da Rue Ballu se calou.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado na Revista Concerto de outubro de 2009. Lauro Machado Coelho é jornalista, crítico musical e autor de vários livros, sendo o mais recente Sinfonia fantástica ― Vida e obra de Hector Berlioz, lançado este mês.


Lauro Machado Coelho
São Paulo, 16/11/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Decompondo uma biblioteca de Alberto Mussa
02. Cronista puro-sangue de Humberto Werneck


Mais Lauro Machado Coelho
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FISIOTERAPIA NEUROLÓGICA
DARCY ANN UMPHRED
MANOLE
(1994)
R$ 50,00



IGREJA NO BRASIL - DIRETÓRIO LITÚRGICO - 1996
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
CNBB
(1996)
R$ 7,00



NOVELA DAS SETE: 1986, O ANO QUE DEVERIA DAR CERTO
LINDINOR SÁ LARANGEIRAS
LITTERIS
(1986)
R$ 26,28



WHERED YOU GO, BERNADETTE: A NOVEL
MARIA SEMPLE
LITTLE BROWN AND COMPANY
(2012)
R$ 30,00



A IGREJA DOS TEMPOS CLÁSSICOS (I)
DANIEL ROPS
QUADRANTE
(2000)
R$ 75,00



ENGAGE LEVEL 2 STUDENT BOOK AND WORKBOOK
ALICIA ARTUSI; GREGORY J. MANIN
OXFORD DO BRASIL
(2011)
R$ 20,00



POR UM NASCIMENTO CONSCIENTE
HAROLDO E FLÁVIA DE FARIA CASTRO
GROUND
(1977)
R$ 10,00



ATLÂNTIDA O OITAVO CONTINENTE
CHARLES BERLITZ
CIRCULO DO LIVRO
R$ 16,80



CORAGEM. O PRAZER DE VIVER PERIGOSAMENTE
OSHO
CULTRIX
(1999)
R$ 20,00



EDUCAÇÃO - UM NOVO OLHAR
ROSANA ANDRÉIA
FOCO
(2019)
R$ 40,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês