Sermão ao cadáver de Amy | João Pereira Coutinho

busca | avançada
55186 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
>>> Evento Super Hacka Kids reúne filmes, games, jogos de mesa e muita diversão para a família
>>> SESC BELENZINHO RECEBE RÁDIO DIÁSPORA
>>> Música de Feitiçaria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Últimas Notas Sobre A FLIP
>>> O futuro a Deus pertence (e Ele é brasileiro)
>>> Junho artístico em Sampa
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Feedback
>>> A Epopeia de Gilgamesh, pela WMF Martins Fontes
>>> A Era do Gelo
>>> Bar ruim é lindo, bicho
>>> Speak, Memory
>>> 24 de Fevereiro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Auto da barca do inferno farsa de Inês Pereira auto da índia de Gil Vicente pela Ática (2003)
>>> O Sombrio Chamado de Kelly Shimohiro pela Novo Século (2019)
>>> Auto da compadecida de Ariano Suassina pela Nova Fronteira (2014)
>>> Uma Janela Aberta de Nadir Paes Viana pela Aliança (2012)
>>> O Crime do Padre Amaro - Série bom livro de Eça de Queirós pela Ática (2006)
>>> Os Meninos da Caverna de Rodrigo Carvalho pela Globo (2018)
>>> O Último Olimpiano - Percy Jackson Livro 5 de Rick Riordan pela Intrínseca (2010)
>>> Club Penguin: O passageiro clandestino de Disney pela Melhoramentos (2010)
>>> Kindred: Laços de Sangue de Octavia E. Butler pela Morrobranco (2019)
>>> Ciência & Fé: Milagres e Mensagens de Nilson Dimarzio pela Do Autor (2005)
>>> Moby Dick - Trad. e adap. Carlos Heitor Cony de Heman Melville pela Nova Fronteira (2013)
>>> 1001 Filmes para ver antes de morrer de Steven Jay Schneider pela Sextante (2010)
>>> Diário de um Banana 11 - Vai ou Racha (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 10 - Bons Tempos (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 13 - Batalha Neval (pocket) de Jeff Kinney pela Diário de um Banana 13 - Batalha Neval (2018)
>>> Diário de um Banana 12 - Apertem os Cintos (pocket) de Jeff Kinney pela V&R (2018)
>>> Diário de um Banana 9 - Caindo na Estrada de Jeff Kinney pela V&R (2015)
>>> Diário de um Banana -Faça Você mesmo de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 1 - Um Romance em Quadrinhos de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 2 - Rodrick é o Cara de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 3 - A Gota D'água de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 4 - Dias de Cão de Jeff Kinney pela V&R (2012)
>>> Diário de um Banana 5 - A Verdade Nua e Crua de Jeff Kinney pela V&R (2013)
>>> Diário de um Banana 6 - Casa dos Horrores de Jeff Kinney pela V&R (2013)
>>> Diário de um Banana 7 - Segurando Vela de Jeff Kinney pela V&R (2013)
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/8/2011
Sermão ao cadáver de Amy
João Pereira Coutinho

+ de 11100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Morreu Amy Winehouse e os moralistas de serviço já começaram a aparecer. Como abutres que são.

Não há artigo, reportagem ou mero obituário que não fale de Winehouse com condescendência e piedade. Alguns, com tom professoral, falam dos riscos do álcool e da droga e dão o salto lógico, ou ilógico, para certas políticas públicas.

Amy Winehouse é, consoante o gosto, um argumento a favor da criminalização das drogas; ou, então, um argumento a favor de uma legalização controlada, com o drogado a ser visto como doente e encaminhado para a clínica respetiva.

O sermão é hipócrita e, além disso, abusivo.

Começa por ser hipócrita porque este tom de lamentação e responsabilidade não existia quando Amy Winehouse estava viva e, digamos, ativa.

Pelo contrário: quanto mais decadente, melhor; quanto mais drogada, melhor; quanto mais alcoolizada, melhor. Não havia jornal ou televisão que, confrontado com as imagens conhecidas de Winehouse em versão zoombie, não derramasse admiração pela "rebeldia" de Amy, disposta a viver até o limite.

Amy não era, como se lê agora, uma pobre alma afogada em drogas e bebida. Era alguém que criava as suas próprias regras, mostrando o dedo, ou coisa pior, para as decadentes instituições burguesas que a tentavam "civilizar".

E quando o pai da cantora veio a público implorar para que parassem de comprar os seus discos ― raciocínio do homem: era o excesso de dinheiro que alimentava o excesso de vícios ― toda a gente riu e o circo seguiu em frente. Os moralistas de hoje são os mesmos que riram do moralista de ontem.

Mas o tom é abusivo porque questiono, sinceramente, se deve a sociedade impor limites à autodestruição de um ser humano. A pergunta é velha e John Stuart Mill, um dos grandes filósofos liberais do século XIX, respondeu a ela de forma inultrapassável: se não há dano para terceiros, o indivíduo deve ser soberano nas suas ações e na consequência das suas ações.

Bem dito. Mas não é preciso perder tempo com filosofias. Melhor ler as letras das canções de Amy Winehouse, onde está todo um programa: uma autodestruição consciente, que não tolera paternalismos de qualquer espécie.

O tema "Rehab", aliás, pode ser musicalmente nulo (opinião pessoal) mas é de uma honestidade libertária que chega a ser tocante: reabilitação para o vício? Não, não e não, diz ela. Três vezes não.

Respeito a atitude. E, relembrando um velho livro de Theodore Dalrymple sobre a natureza da adição ("Junk Medicine: Doctors, Lies and the Addiction Bureaucracy"), começa a ser hora de olhar para o consumidor de drogas como um agente autônomo, que optou autonomamente pelo seu vício particular ― e, em muitos casos, pela sua destruição particular.

As drogas não se "apanham", como se apanha uma gripe; não se "pegam", como se pega um doença venérea; e não são o resultado de uma mutação maligna das células, como uma doença oncológica. As drogas não "acontecem"; escolhem-se.

O drogado pode ficar doente; mas ele não é um doente ― é um agente moral.

Mais: como explica Dalrymple, que durante décadas foi psiquiatra do sistema prisional britânico, o uso de drogas implica um voluntarismo e uma disciplina que são a própria definição de autonomia pessoal. E, muitas vezes, o uso de drogas é o pretexto para que vidas sem rumo possam encontrar um. Por mais autodestrutivo que ele seja.

Moralizar o cadáver de Amy Winehouse? Não contem comigo, abutres.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo. (Leia também a Entrevista com João Pereira Coutinho.)


João Pereira Coutinho
Londres, 22/8/2011

Mais João Pereira Coutinho
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/9/2011
09h58min
Perfeito. O argumento e as drogas, para quem as quer ou precisa. Destruição de um entre bilhões de seres é pouco. A guerra acaba com milhares todos os dias, e outros se acabam com a fome. Portanto, uma só, coitadinha, não vai fazer falta a não ser para os seus fãs, durante um tempo. Depois tudo é esquecido. Concordo com a argumentação. E mais, com a moralização do setor, fazendo a legislação vitimar de vez os "viciados" com a regularização, pagamento de impostos (como o cigarro e as outras drogas atualmente "lícitas") e permitir o usuário "plantar e colher" a sua maconha de todos os dias. Acabou a polícia atrás de traficantes e a consequente perda da sua influência na política e outros envolvidos (não precisamos enumerar) e malefício do seu contágio. Problema resolvido. Parabéns pelo artigo. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
16/9/2011
09h36min
Quando um usuário de crack, de olhos virados e arma na mão, agredir sua família, prezado João P. Coutinho, volte e diga se o discurso anti-drogas é somente uma questão moralizante. Agora, - já comento antes que venha resposta besta - sei que você disse as belas palavras sobre "não havendo danos a terceiros". Mas, caro escritor, no papel isso é lindo e funciona, mas, na prática de nossas cidades, a coisa é mais tenebrosa. Tudo bem, você está em Londres. Aí, droga é outra realidade. Aqui (droga!) um pouco de discurso "moralizante" pode ser uma questão de sobrevivência da sociedade. Ah, claro, resta dizer que, para mim, diferente do que muitos jornalistas pensam, "sociedade" inclui também os mais pobres. Vem aqui numa favela de Belo Horizonte pra dizer a um moleque de treze anos que ele pode usar drogas À vontade desde que não roube ninguém para tanto. Vem aqui, na Savassi, dizer a um playboy que ele pode cheirar cocaína à vontade, desde que não atropele ninguém na volta. Abraço, Cesar
[Leia outros Comentários de Cesar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História
Maria Lucia Ruiz Di Giovanni
Cortez
(1992)



A Identidade Secreta dos Super Heróis
Brian J. Robb
Valentina
(2017)



Nada a Perder - Livro 3
Edir Macedo; Douglas Tavolaro
Planeta do Brasil
(2014)



Livro - As Colinas Ocas
Mary Stewart
Best Seller
(1973)



De Minas para o Mundo (lacrado)
Leda Nagle
Autêntica
(2010)



Psicologia Tratado Sobre las Ciencias de La Conducta
Henry Clay Lindgren
Labor
(1977)



Sobre o Conceito e Consciência de Classe
Georg Lukacs e Adam Schaff
Escorpiao
(1973)



Entre Palácios e Pavilhões: a Arquitetura Efêmera da Exposição
Ruth Levy
Eba Publicações
(2008)



Vozes e Silêncios
José Luís Monteiro
Musa
(1997)



Democracia, Hoje - Um Modelo Político Para o Brasil
Maria Garcia (Coord)
Ibdc
(1997)





busca | avançada
55186 visitas/dia
2,0 milhão/mês