Sermão ao cadáver de Amy | João Pereira Coutinho

busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
>>> Ribamar, de José Castello
>>> Whoopee
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
Mais Recentes
>>> Curva de rio de Juarez de Oliveira pela Caminhos da Literatura (1987)
>>> O Anjo da Morte de Ricardo Reis de Jose Sarmago pela Caminho (1984)
>>> O livro da música de Keith Spence pela Zahar (1981)
>>> Os Abutres de Taylor Caldwell pela Record
>>> Água Viva: Uma Gênese do Desenvolvimento de Eloi Fernández y Fernández pela Nova Fronteira/ RJ. (2003)
>>> A Casa Grande de Taylos Caldwell pela Record
>>> Legislação ambiental de José Geraldo Brito Filomeno. Organização pela Imprensa Oficial do Estado SP (2000)
>>> A Mulher Secreta de Victoria Holt pela Círculo do Livro
>>> Execução civil e cumprimento de sentença. Vol. 3 de Sérgio Shimura & Gilberto Gomes Bruschi pela Método (2009)
>>> Direito Processual do Trabalho de Wagner D. Giglio pela Saraiva (2005)
>>> Comentários à Constituição Brasileira de 1988. Vol. 1. Arts. 1 ao 43 de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1990)
>>> Resumo de Direito Penal (Parte Geral) C oleção Resumos 5 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer et alii pela Malheiros (2004)
>>> À Margem da lagoa Prateada 5 de Laura Ingalls Wilder pela Record (1967)
>>> Resumo de Direito Comercial (Empresarial) Coleção Resumos 1 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer pela Malheiros (2005)
>>> Blue Bloods - Vampiros em Manhattan de Melissa De La Cruz pela Moderna (2010)
>>> Responsabilidade civil e sua interpretação jurisprudencial de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Guida Allo Studio Della Linguistica Storica (i) Profilo Storico... de Benvenuto Terracini pela EdizioneDell Ateneo/ Roma (1948)
>>> Curso de direito civil brasileiro 5 volume direito da família de Maria helena diniz pela Saraiva (2000)
>>> Escola, Estado e sociedade de Bárbara freitag pela Corte (1979)
>>> Las Lenguas y los Pueblos Indoeuropeos - Con Mapas En Colores de P. Kretschmer y B. Hrozný pela Madrid (1934)
>>> La Parola Quale Mezzo D Espressione de Vittorio Bertoldi pela Raffaele Pironte & Figli/ Ital (1946)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini...Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
ENSAIOS

Segunda-feira, 22/8/2011
Sermão ao cadáver de Amy
João Pereira Coutinho

+ de 9200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Morreu Amy Winehouse e os moralistas de serviço já começaram a aparecer. Como abutres que são.

Não há artigo, reportagem ou mero obituário que não fale de Winehouse com condescendência e piedade. Alguns, com tom professoral, falam dos riscos do álcool e da droga e dão o salto lógico, ou ilógico, para certas políticas públicas.

Amy Winehouse é, consoante o gosto, um argumento a favor da criminalização das drogas; ou, então, um argumento a favor de uma legalização controlada, com o drogado a ser visto como doente e encaminhado para a clínica respetiva.

O sermão é hipócrita e, além disso, abusivo.

Começa por ser hipócrita porque este tom de lamentação e responsabilidade não existia quando Amy Winehouse estava viva e, digamos, ativa.

Pelo contrário: quanto mais decadente, melhor; quanto mais drogada, melhor; quanto mais alcoolizada, melhor. Não havia jornal ou televisão que, confrontado com as imagens conhecidas de Winehouse em versão zoombie, não derramasse admiração pela "rebeldia" de Amy, disposta a viver até o limite.

Amy não era, como se lê agora, uma pobre alma afogada em drogas e bebida. Era alguém que criava as suas próprias regras, mostrando o dedo, ou coisa pior, para as decadentes instituições burguesas que a tentavam "civilizar".

E quando o pai da cantora veio a público implorar para que parassem de comprar os seus discos ― raciocínio do homem: era o excesso de dinheiro que alimentava o excesso de vícios ― toda a gente riu e o circo seguiu em frente. Os moralistas de hoje são os mesmos que riram do moralista de ontem.

Mas o tom é abusivo porque questiono, sinceramente, se deve a sociedade impor limites à autodestruição de um ser humano. A pergunta é velha e John Stuart Mill, um dos grandes filósofos liberais do século XIX, respondeu a ela de forma inultrapassável: se não há dano para terceiros, o indivíduo deve ser soberano nas suas ações e na consequência das suas ações.

Bem dito. Mas não é preciso perder tempo com filosofias. Melhor ler as letras das canções de Amy Winehouse, onde está todo um programa: uma autodestruição consciente, que não tolera paternalismos de qualquer espécie.

O tema "Rehab", aliás, pode ser musicalmente nulo (opinião pessoal) mas é de uma honestidade libertária que chega a ser tocante: reabilitação para o vício? Não, não e não, diz ela. Três vezes não.

Respeito a atitude. E, relembrando um velho livro de Theodore Dalrymple sobre a natureza da adição ("Junk Medicine: Doctors, Lies and the Addiction Bureaucracy"), começa a ser hora de olhar para o consumidor de drogas como um agente autônomo, que optou autonomamente pelo seu vício particular ― e, em muitos casos, pela sua destruição particular.

As drogas não se "apanham", como se apanha uma gripe; não se "pegam", como se pega um doença venérea; e não são o resultado de uma mutação maligna das células, como uma doença oncológica. As drogas não "acontecem"; escolhem-se.

O drogado pode ficar doente; mas ele não é um doente ― é um agente moral.

Mais: como explica Dalrymple, que durante décadas foi psiquiatra do sistema prisional britânico, o uso de drogas implica um voluntarismo e uma disciplina que são a própria definição de autonomia pessoal. E, muitas vezes, o uso de drogas é o pretexto para que vidas sem rumo possam encontrar um. Por mais autodestrutivo que ele seja.

Moralizar o cadáver de Amy Winehouse? Não contem comigo, abutres.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no jornal Folha de S. Paulo. (Leia também a Entrevista com João Pereira Coutinho.)


João Pereira Coutinho
Londres, 22/8/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Cultura do Consenso de André Forastieri
02. Um kadish para Tony Judt de Sérgio Augusto
03. Seis Sonetos Salvages de Douglas Diegues
04. Crônica, um gênero brasileiro de José Castello
05. Retrato edulcorado de uma rainha de Eugenia Zerbini


Mais João Pereira Coutinho
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/9/2011
09h58min
Perfeito. O argumento e as drogas, para quem as quer ou precisa. Destruição de um entre bilhões de seres é pouco. A guerra acaba com milhares todos os dias, e outros se acabam com a fome. Portanto, uma só, coitadinha, não vai fazer falta a não ser para os seus fãs, durante um tempo. Depois tudo é esquecido. Concordo com a argumentação. E mais, com a moralização do setor, fazendo a legislação vitimar de vez os "viciados" com a regularização, pagamento de impostos (como o cigarro e as outras drogas atualmente "lícitas") e permitir o usuário "plantar e colher" a sua maconha de todos os dias. Acabou a polícia atrás de traficantes e a consequente perda da sua influência na política e outros envolvidos (não precisamos enumerar) e malefício do seu contágio. Problema resolvido. Parabéns pelo artigo. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
16/9/2011
09h36min
Quando um usuário de crack, de olhos virados e arma na mão, agredir sua família, prezado João P. Coutinho, volte e diga se o discurso anti-drogas é somente uma questão moralizante. Agora, - já comento antes que venha resposta besta - sei que você disse as belas palavras sobre "não havendo danos a terceiros". Mas, caro escritor, no papel isso é lindo e funciona, mas, na prática de nossas cidades, a coisa é mais tenebrosa. Tudo bem, você está em Londres. Aí, droga é outra realidade. Aqui (droga!) um pouco de discurso "moralizante" pode ser uma questão de sobrevivência da sociedade. Ah, claro, resta dizer que, para mim, diferente do que muitos jornalistas pensam, "sociedade" inclui também os mais pobres. Vem aqui numa favela de Belo Horizonte pra dizer a um moleque de treze anos que ele pode usar drogas À vontade desde que não roube ninguém para tanto. Vem aqui, na Savassi, dizer a um playboy que ele pode cheirar cocaína à vontade, desde que não atropele ninguém na volta. Abraço, Cesar
[Leia outros Comentários de Cesar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS FILMES QUE NÃO FILMEI - GUTIERREZ ALEA
SILVIA OROZ
ANIMA
(1985)
R$ 4,50



A PERCEPÇÃO DA SAÚDE AUDITIVA NO TRABALHO DE SUPERVISORES DE PRODUÇÃO
CARLOS AUGUSTO GOERCHE GONSALEZ
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O MESTRE DA VIDA
AUGUSTO CURY
ACADEMIA DE INTELIGENCIA
(2001)
R$ 9,90



MULHERES NEGRAS-TECENDO IDENTIDADES COM CABELOS E ARTEFATOS CULTURAIS
CLAUDIA REGINA RIBEIRO PINHEIRO DAS CHAGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



MEMORIALISTAS PORTUGUESES
CASTELO BRANCO CHAVES
BIBLIOTECA BREVE
(1978)
R$ 16,75



HIP HIP HOORAY! 4 - STUDENT BOOK
BEAT EISELE / OUTROS
LONGMAN
(2010)
R$ 39,00



RUMO AO CENTRO-OESTE, O BRASIL EM REGIÕES
JOSÉ ARBEX JR. E NELSON BACIC OLIC
MODERNA
(1996)
R$ 6,99



1890 - 1990 CEM VEZES PRIMEIRO DE MAIO
NÃO DEFINIDO
DPH
(1990)
R$ 20,00



ARQUIVO X: A FRAUDE Nº5
LES MARTIN / CHRIS CARTER
CARAS
(1996)
R$ 4,00



A CELEBRAÇÃO DO DIA
CYRO DEL NERO
THEATRON
(2008)
R$ 75,00





busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server