Aquarela de um Brasil sem cor | Túlio Henrique Pereira

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
ENSAIOS

Segunda-feira, 11/7/2011
Aquarela de um Brasil sem cor
Túlio Henrique Pereira

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em estadia em Paris, reverberando um cotidiano regional, eis que ao pegar o metrô e fazer o mesmo trajeto por duas semanas seguidas (Cité Universitaire, Porte d'Orléans, Gare de l'Est, Riquet) tive o vislumbre de imagens e palavras que remeteram as minhas velhas inquietaçoes sobre o Brasil. As palavras são do título de um best-seller muito bem sucedido nos Estados Unidos, escrito pela norte-americana Kathryn Stockett, cujo título original The Help recebeu tradução para o francês de La couleur des sentiments e em português de A Resposta.

Antes da leitura do título de La couleur des sentiments, confesso que desconhecia sua autora e toda a fama em torno de sua obra. Relato que o vislumbre se deu pela promoção em outdoor, ampla e muito didática, da capa do livro, que mostra duas mulheres negras dispostas nos planos periférico-centrais da imagem, ocupando os lados direito e esquerdo da capa. Ambas vestem uniformes de babá e pajeiam um bebê branco, que está no plano central do cartaz. Vieram-me, imediatamente, os estudos de Frantz Fanon (1925-1961) à memória por considerar aquelas duas negras a exteriorização do discurso desse estudioso em busca da evidência do negro na França e na Argélia das décadas de 1950-1960. Cheguei ao ponto de pensar, equivocadamente, que apenas um negro como ele poderia ser capaz de vincular aquela representação do matiz preto de um negro ou negra a uma propaganda para comercialização de um produto. Ainda que este produto se tratasse de um livro.

Mas, em seguida me veio a racionalização do lugar comum e a lógica de que, apesar de negras, aquelas mulheres pertenciam a um espaço particular: eram babás e o bebê, branco, representava outro lugar comum reservado à violência da subserviência determinada pela cor e pela classe, impondo a introjeção a partir das relações conflitivas protagonizadas por muitas mulheres negras que desempenhavam serviços domésticos em residências de famílias legitimamente caucasianas, principalmente, no que se refere a famílias europeias e, muito pouco, estadunidenses ou brasileiras, na época do recorte de 1960, estabelecido pela autora da obra, e até mesmo posterior no que diz respeito ao Brasil.

Como negro miscigenado que sou, ocupado pela pesquisa das identidades negras pluralizadas e opacizadas no Brasil, desejei adquirir aquele livro. Depois da aula pesquisei pelo título e descobri que se tratava de uma autora norte-americana branca. O fato mais preocupante foi de que se referia a um best-seller com mais de 100 semanas na lista dos mais vendidos do New York Times. Não que haja algo em desfavor dos autores brancos contando histórias sobre negros, ponto que, para citar o economista e pesquisador George Ermakoff, é recorrente e quase exclusivo desde a Antiguidade Clássica até os tempos modernos no Ocidente. Tampouco diz respeito a um simples olhar de repulsa aos mais vendidos do mundo. Mas, todos sabem que não precisa ser gênio para notar que esses romances populares agradam por sua leveza rasa, linearidade narrativa, limitação histórico-contextual e, muitas das vezes, a calcificação de clichês encharcados de uma visão romântica de seu relator.

As temáticas em torno das questões sociais abordadas por esses romances são muitas vezes motes induzidos que elevam o potencial de mercado do produto, considerando suas inúmeras propagandas gratuitas. Não digo que não haja qualidade nesses gêneros, mas que há catarses e investimentos em demasia.

Gosto dos best-sellers para ler durante o trajeto de viagens curtas e até longas. Cresci lendo Agatha Christie, Sidney Sheldon e depois de crescido Khaled Housseini. Estes autores e suas obras já me fizeram refletir sobre muitos aspectos da vida, principalmente, porque sabem fazer com que vejamos a objetividade da sistematização humana, ou seja, o cotidiano. No entanto, nós humanos somos complexos e não nos vemos representados no óbvio, ainda que ele se pareça mais óbvio que o habitual. E é neste aporte das obviedades que digo não ter lido, até o presente momento, La couleur des sentiments. Portanto, esta crônica não se trata de uma crítica sobre o livro, mas das impressões imanadas a partir da visualização de sua abordagem iconográfica na versão francesa.

Ao continuar a pesquisa pela biografia e a obra da autora, descobri que ela será a estrela da vez na 15ª Bienal do Livro Rio, a se realizar na cidade do Rio de Janeiro do dia 1º ao dia 11 de setembro de 2011. E tive o prazer de comparar a iconografia das capas das versões estadunidense, francesa, brasileira com outras que me foi possível o acesso. Novamente, me vi surpreendido com a ideia da presença e ausência do corpo negro, de modo geral, na mídia brasileira, especialmente. As propagandas em torno da visita de Kathryn Stockett, ao contrário do que se vê em Paris, não evidenciam a capa do romance, a razão principal de sua vinda, mas sim a fotografia da loura senhora Stockett. O mais curioso, portanto, é a concepção da capa da versão brasileira, ao dar destaque a duas mãos entrelaçadas, realçando a integralidade do mito de uma harmonia ou de uma verdade interracial no Brasil.

As capas nas versões alemã e espanhola também não tocam na questão étnico-racial de forma direta. Em particular, a versão espanhola traz um prato de cookies sabor baunilha com esparsas gotas de chocolate. O título recebe a tradução de Criadas y Señoras. Na Espanha e, especialmente, na Argentina, a presença da etnia negra dos sujeitos transplantados da África, é um fenômeno mais complexo do que nos casos do Brasil e da França, o que não quer dizer que não houve exploração escrava de negros nesses países, mas conforme suscitou o linguista holandês Teun Van Dijk ― em seu estudo sobre a dominação étnica e o racismo discursivo em Espanha e na América Latina de 2009 ― esses países teriam erradicado seus negros nos períodos de Guerra. Entretanto, tanto a Argentina como a Espanha vivenciam na contemporaneidade sérios problemas sócio-culturais e políticos por ignorarem a presença de uma diversidade étnica em sua formação populacional de reminiscentes ameríndios.

O título recebe a tradução de Gute Geister na versão alemã e uma iconografia singela com motivo florido, lembrando um papel de parede de uma residência de luxo. Nessa capa não há associação às questões étnicas. Todavia, uma amnésia do massacre aos judeus e, em menor proporção, aos africanos, cria um imaginário de uma identidade étnica supostamente coesa na Alemanhã atual por parte de leitores desavisados.

Dos títulos que citei aqui para o livro da senhora Stockett, o mais evidente e de criteriosa composição poética digna da arte literária, que requer tão simplesmente o estranhamento de quem consome arte, é, sem dúvida, o de versão francesa. Observando o título e o tratamento dado à imagem da versão intitulada La couleur des sentiments, fui capaz de compreender muito mais as sensações do sentir-se negro, do que sentiria no Brasil, com as referências midiáticas antagônicas sobre as relações interraciais. É preciso ir muito além do que se vê no politicamente correto e sentir a dor dos limites que determinam a vida pública e a vida privada no mundo ocidental brasileiro, onde o público é negro e o privado se quer branco.

As palavras desse título e suas imagens tratam da recriação da cor, da sensação do sentir pela cor, bem como do ato de se despertar ou se motivar por ela. Talvez seja este o estranhamento a que tanto nos falou o médico e etnógrafo antilhano Frantz Fanon. Ou ainda possa ser esse o estranhamento de quem passeia pelo metrô parisiense e se depare com aquela iconografia que nos chama a atenção para o matiz preto de duas mulheres de etnia negra.

De modo geral, em Paris, ao contrário do que não se vê nas grandes metrópoles brasileiras como São Paulo/SP, Salvador/BA e Goiânia/GO ― destaco as capitais que empiricamente conheço ―, o corpo negro está nas lojas de grife vendendo perfumes, comidas e utensílios de uso comum. Este corpo também está em cartazes afixados pelas ruas, anunciando espetáculos, automóveis, eletrônicos, cosméticos e toda grife de cultura e política a que se possa pensar. É evidente que são representações em menor visibilidade do que a que se faz daquele corpo branco, mas faz-se importante frisar que, apesar de poucas, essas representações na Paris do século XXI existem, mesmo face à grande onda de racismo que podemos nela verificar.

Falar da representação midiática do matiz preto do corpo negro na mídia brasileira é falar do silêncio do seu povo, cuja educação vem depois do esporte, vem depois da exaltação do mundo do Canaval de malandros e heróis citados pelo antropólogo brasileiro Roberto DaMatta, vem depois da paixão por carros e, depois, até da preocupação com a saúde, alimentação, democracia, política e saberes. É falar de um país que externamente é conhecido por suas mulatas suntuosas, ou como escreveu um dia Ary Barroso (1903-1964), um país de morenas sestrosas de olhares indiscretos, mas que em seus concursos de misses procura eleger somente as louras para vender um branqueamento epidérmico.

Falar dessas representações midiáticas no Brasil é falar do país com o maior poder de compra de automóveis do mundo. Senhores e sinhás que aguardam na fila de espera para pagar por seus veículos sem choro nem vela, mas que a cada mês titubeiam por desembolsarem R$100,00 pela manutenção de trabalhadoras domésticas, em sua maioria, negras e mulatas. Negras e mulatas a quem são negadas, desde a Colônia, transporem os limites de sua condição social historicamente intimidativa.

As propagandas em torno da esperada visita de Kathryn Stockett, ao contrário do que se vê em Paris, não poderiam evidenciar na sociedade brasileira a capa do romance na síntese do que ele reverbera, pois há nessa sociedade o prevalecimento do silêncio daquilo que não se fala, o tabu da escravidão mesclado ao interdito do que se contempla sobre a diversidade da cor da pele.

No Brasil, melhor do que mostrar a imagem ressignificada de duas negras em seus uniformes de serviço em um outdoor para a promoção de venda de um produto cultural simbólico, no caso do livro, é mantê-las em seus lugares comuns. O discurso para se justificar esse silêncio e a opacidade da presença do matiz escuro na mídia brasileira é quase unânime, ecoando em som alto e firme: "o negro não vende". Será? E o que ou quem determina uma segmentação de mercado e faz significar a formação de públicos consumidores? Neste contexto a questão poderia ser reformulada para "interessa que se consolide ou se reconheça um público consumidor formado por negros e suas variações no universo étnico-diversificado no Brasil?" Além disso, e mais doloroso que isso, é pensar que seja necessário que se faça uma abordagem capitalista para que se reivindique uma reinserção social de caráter étnico.

Posto isso, cabe o entendimento mimético de que o Brasil dos brasileiros é nada menos que um mulato inzoneiro, cujo corpo é pintado com uma aquarela sem cor. E, geralmente, ninguém consegue vê-lo sorrindo em um outdoor na Avenida Paulista. O Brasil insiste querer ser Colônia de uma Europa que não existe mais. É mambembe e até malemolente como me disse uma francesa negra, que na França existe. O Brasil ainda está inconsciente do seu ato de despertar.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Túlio Henrique Pereira é autor do livro de poemas O Observador do Mundo Finito. (Leia também "Um defeito de cor, um acerto de contas" e "Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito".)

Para ir além






Túlio Henrique Pereira
Vitrória da Conquista, 11/7/2011

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Salinger que poucos leram de Jorio Dauster
02. Marina candidata de Milton Hatoum
03. Oscar Wilde, dândi imortal de J.C. Ismael
04. A TV paga no Brasil de Sergio Kulpas
05. Fim da Web como Terra Prometida de Tiago Dória


Mais Túlio Henrique Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/7/2011
23h37min
É verdade que há um certo Brasil que ainda precisamos entender, conhecer de verdade. Nosso país é feito de brancos, negros e gente de toda cor e feições. Mas muitos brasileiros se escondem em uma figura que eles veem do Brasil que não existe mais. O Brasil sou eu, é você. Há uma certa discussão recente sobre o assunto, mas este não é tratado da forma como deveria. Colocar negros como protagonistas não satisfaz a necessidade de revelar o que pensamos e de admitir que temos uma perspectiva errada com relação a cor de pessoas. Se "o negro não vende" é porque os mais escuros adimiram mais a outra raça do que a sua própria, ou porque aqueles que têm uma superioridade implícita em seus pensamentos fingem estar tranquilos quanto ao assunto, porque são todos iguais, e temem discuti-lo e ofenderem-se a si mesmos...
[Leia outros Comentários de Marcos Paulo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aprendiz do Futuro Cidadania Hoje e Amanha
Gilberto Dimenstein
Ática
(1997)



Sonata ao Luar
Álvaro Cardoso Gomes
Quinteto
(1995)



Liberte-se das Velhas Ideias
Patrick Lencioni
Elsevier
(2010)



O Vento e a tempestade - Volume I
Francisco Dirceu Barros
Consullex
(2021)
+ frete grátis



A Questão Nacional em Porto Rico: o Partido Nacionalista 1922-1954
Kátia Gerab Baggio
Anna Blume
(1998)



Não Existe Vitória sem Sacrifício
Diego Hypolito
Benvirá
(2019)



Português e Literatura
Aires da Mata Machado Filho
Santa Maria S/a
(1955)



Francisco de Asís (em Espanhol) - 3 Ex.
João Nunes Maia / pelo Espírito Miramez
Fonte Viva
(1998)



Tenho Diabetes Tipo 1, E Agora
Mark Barone
All Print
(2010)



Conexões: de George Washington a Compadre Washington
George Washington a Compadre / Superinteressante
Abril
(2016)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês