Nelson Rodrigues e o Vestido | Annita Costa Malufe

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Sultão & Bonifácio, parte IV
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
Mais Recentes
>>> O Exu do Fogo de Marcílio Borges pela Madras (2013)
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
ENSAIOS

Segunda-feira, 18/10/2004
Nelson Rodrigues e o Vestido
Annita Costa Malufe

+ de 9000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Vestido de Noiva é a segunda peça escrita pelo dramaturgo Nelson Rodrigues (1912-1980) e até hoje provavelmente a mais conhecida dentre sua obra – que inclui não apenas peças de teatro, mas também romances, crônicas, contos. Sua primeira e célebre montagem, realizada pelo diretor polonês Zbigniew Ziembinski em 1943, é considerada uma espécie de marco do nosso teatro moderno. Tão célebre que, durante muito tempo, era difícil dissociar o texto de Nelson da concepção cênica de Ziembinski.

Acerca desta estréia, gostaria de reter a seguinte fala do poeta Manuel Bandeira: “Sem dúvida, o teatro desse estreante desnorteia bastante, porque nunca é apresentado só nas três dimensões euclidianas da realidade física. Nelson Rodrigues é poeta. Talvez não faça nem possa fazer versos. Eu sei fazê-los. O que me dana é não ter como ele esse dom divino de dar vida às criaturas da minha imaginação”.

É por este mesmo texto de Nelson que Ziembinski se apaixonou ao chegar no Brasil resolvendo realizar com ele uma montagem que revolucionou o teatro brasileiro. Certamente o potencial revolucionário já estava presente ali, no universo criado por Nelson Rodrigues. Universo este que de fato “desnorteia”, perturba, excede nossa percepção do mundo e das coisas, da moral e das relações familiares. É neste sentido, principalmente, que ele pode ser considerado poético. Mas não só.

E aqui, no entanto, nada que transcorra em um tom grave, exagerado – pelo contrário: a linguagem de Nelson é simples, direta, os diálogos são rápidos, eficientes. Seu estilo beira a mais estrita simplicidade, o quase “não-estilo”. Daí que a leitura flui naturalmente, lemos Vestido de Noiva em um sopro, como se escorregássemos pelo texto, sem pausa. Ler uma peça de Nelson Rodrigues – e esta é uma regra que não se aplica apenas ao Vestido – é uma aventura deliciosa e instigante pelo reino das sensações e das surpresas.

É também por esta característica que devemos concordar quando Bandeira diz que Nelson Rodrigues é um verdadeiro poeta. Em seus diálogos, Nelson mostra uma incrível habilidade para fazer os personagens saltarem diante de nós, vivos, concretos. Daí sua força para provocar sensações no leitor, ou na platéia. Somos afetados por múltiplas emoções, quase contraditórias: hora nos pegamos rindo, hora aflitos, no minuto seguinte chorando, e, quase constantemente, tomados por um ambiente de angústia irremediável.

Já se falou em uma certa estética expressionista, acerca de Vestido de Noiva, um certo gosto pelo sombrio, pelo exagero. Vestido é uma peça onírica, que ousa investir no fantástico, na fabulação. Sua estrutura é o que em geral mais chama a atenção logo à primeira vista: a divisão entre os planos da realidade, da alucinação e da memória. Planos que se intercalam, em uma narrativa que se faz como resultante destes cruzamentos de temporalidades disparatadas: da memória de Alaíde, de sua alucinação e dos acontecimentos reais. Não são apenas três histórias, mas três tempos que se mesclam, compondo um plano maior de ação – ou ainda, uma resultante da ação dramática que se compõe destas três camadas. Uma ação dramática que parece ganhar espessura, dimensão a partir desta composição de tempos diferentes. Está aí uma das grandes inovações rodrigueanas: este ziguezaguear entre os planos, criando uma espécie de vertigem no leitor (ou na platéia) que é jogado em diversas temporalidades simultaneamente.

Aqui uma ressalva à nova edição da Nova Fronteira – edição econômica e com caráter didático, voltada para o vestibular – na qual o leitor irá encontrar na quarta capa um breve resumo da história da peça: para quem quiser acompanhar o efeito de expectativa que este entrelaçamento é capaz de provocar, cabe não ler este resumo que, logo de cara, estraga toda a surpresa contida no enredo. Surpresa e um certo clima de mistério que conferem à trama um suspense instigante, que tem o poder de nos prender na cadeira. Em Vestido temos muito bem armada a estrutura da tragédia grega, com a presença marcante das “peripécias”: momentos em que alguma informação nova entra na trama, modificando todo sentido que vinha se armando até então. A peça é toda montada assim, por sobressaltos, que vão pouco a pouco fazendo o sentido deslizar de um nível a outro. Que efeito pode ter uma peripécia que tiver sido antecipada?

Para ler Vestido de Noiva é preciso saber ouvir o constante senso de humor presente em Nelson Rodrigues. A tragédia não se faz aqui separada do cômico, das situações absurdas, exageradas, “barrocas” ou, como muitos já disseram: melodramáticas, que tanto caracterizam o universo rodrigueano. Ri-se do ridículo da situação humana, da natureza, afinal, realmente “melodramática” de todas as relações familiares se levadas ao extremo para o qual elas apontam. No limite, somos todos loucos, vivemos todos avizinhados pela loucura. Encontramos em Vestido uma máxima rodrigueana, como bem explicitou Sábato Magaldi: “O irracionalismo estaria no cerne do comportamento humano”. Máxima mais explicitamente presente naquelas que Sábato denominou de “peças psicológicas”, das quais Vestido faria parte, juntamente com A Mulher sem Pecado, Valsa nº.6, Viúva porém Honesta e Anti-Nelson Rodrigues. (Além das “peças psicológicas”, na classificação de Sábato, haveria na obra de Nelson as “peças míticas” e as “tragédias cariocas”.)

São conhecidos os dramas familiares e pessoais vividos por este escritor, dramaturgo, e jornalista por profissão (na qual começou cedo: aos treze anos como repórter policial) nascido no Recife e que, aos 4 anos, foi com a família morar no Rio de Janeiro. Uma vida marcada por mortes violentas, doenças, acidentes... Por si só, a história de Nelson – bem contada na biografia O Anjo Pornográfico, de Ruy Castro – constitui não apenas uma única, mas diversas tragédias.

Talvez muitos gostem de evocar a vida pessoal de Nelson por julgarem encontrar aí um chão firme que supostamente explicaria o disparate de suas criações. Nelson não negava partir de suas experiências vividas para escrever, e dizia: “Nas minhas obras eu tento transmitir algo que vem de dentro de mim. É trabalho duro, um sacrifício”. No entanto, para ele as obsessões do autor são mero suporte para o trabalho de escrita que surgirá depois e se tornará independente: “Eu acho que, para escrever bem, o escritor precisa de algumas obsessões, algumas idéias fixas, que sustentam a sua obra”. É fácil notar o quanto suas criações extrapolam a mera vivência pessoal, tendo o poder de nos afetar, falar de nós mesmos, de nossa condição humana, coisa que só nos é dada pelos verdadeiros grandes artistas. Nelson é nosso mestre tupiniquim das tragédias, é nosso Sófocles, nosso Ésquilo folhetinesco. Nosso poeta trágico que sempre valerá a pena ser lido e relido.

Para ir além






Annita Costa Malufe
São Paulo, 18/10/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A humanidade segundo Saramago de Mariana Ianelli
02. São Paulo: veneno antimonotonia de Daniel Piza
03. Fragmentos de um Paulo Francis amoroso de Daniel Piza


Mais Annita Costa Malufe
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/10/2004
23h14min
Como admiradora de Nelson Rodrigues, interessei-me e fiz uma leitura atenta, que agradou-me sobremaneira, pelo conteúdo e pelo estilo. Trouxe-me novas maneiras de ver a obra do grande mestre. Espero que textos desta natureza se multipliquem, para satisfação dos leitores.
[Leia outros Comentários de Maria Regina Maluf]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor em S. Petersburgo
Heinz G. Konsalik
Klick
(1998)



Balanço da Bossa e Outras Bossas - 5ª Edição - 4ª Reimpressão
Augusto de Campos
Perspectiva
(2015)



Pollyanna
Eleanor H. Porter
Companhia Nacional



Clareando
Maria Rosa Teixeira
Ie
(2003)



Cinqüenta Tons de Liberdade
E. L. James
Intrínseca
(2012)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Psicologia Econômica - Estudo do Comportamento Econômico
Vera Rita de Mello Ferreira
Campus
(2008)



A Filosofia da Arte Moderna
Herbert Read
Ulisseia



Prevenção a Uso de Drogas - uma Visão Espírita
Paulo Pio
Letras e Textos
(2012)



Mónica y Su Pandilla 5 La Sirena
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2010)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês