Nelson Rodrigues e o Vestido | Annita Costa Malufe

busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
>>> Ribamar, de José Castello
>>> Whoopee
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Os Romances de Mainardi
Mais Recentes
>>> Resumo de Direito Penal (Parte Geral) C oleção Resumos 5 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer et alii pela Malheiros (2004)
>>> À Margem da lagoa Prateada 5 de Laura Ingalls Wilder pela Record (1967)
>>> Resumo de Direito Comercial (Empresarial) Coleção Resumos 1 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer pela Malheiros (2005)
>>> Blue Bloods - Vampiros em Manhattan de Melissa De La Cruz pela Moderna (2010)
>>> Responsabilidade civil e sua interpretação jurisprudencial de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Guida Allo Studio Della Linguistica Storica (i) Profilo Storico... de Benvenuto Terracini pela EdizioneDell Ateneo/ Roma (1948)
>>> Curso de direito civil brasileiro 5 volume direito da família de Maria helena diniz pela Saraiva (2000)
>>> Escola, Estado e sociedade de Bárbara freitag pela Corte (1979)
>>> Las Lenguas y los Pueblos Indoeuropeos - Con Mapas En Colores de P. Kretschmer y B. Hrozný pela Madrid (1934)
>>> La Parola Quale Mezzo D Espressione de Vittorio Bertoldi pela Raffaele Pironte & Figli/ Ital (1946)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini...Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini: Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> O Abismal de Maria Helena Nóvoa pela Melhoramentos/ Bienal Nestlé (1986)
>>> Prática dos registros públicos de Ozeias J. Santos pela Fapi (2007)
>>> Fordlândia de Eduardo Sguiglia pela Iluminuras (1997)
>>> Não Verás Nenum País Como Este: Um Relato Cronlógico da Violência e do Arbítrio - A Censura, As Negociatas, a Corrupção Impune de Sebastião Pereira da Costa pela Record/ RJ. (1992)
>>> Novo Código civil explicado e aplicado ao processo 2 volumes de Wilson Gianulo pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Novo dicionário de economia de Organização; Paulo Sandroni pela Best Seller (1998)
>>> Um Velho Velhaco e Seu Neto Bundão de Lourenço Cazarré pela Atual/ Sp. (1993)
>>> A Vingança do Timão de Carlos Moraes pela Brasiliense/ SP (1982)
>>> Um Herege Vai ao Paraíso: Cosmologia de um Ex- Colono Condenado P/ Inquisição (1680-1744) de Plínio Freire Gomes pela Companhia das Letras/SP. (1997)
>>> Sociedade pós-capitalista de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
ENSAIOS

Segunda-feira, 18/10/2004
Nelson Rodrigues e o Vestido
Annita Costa Malufe

+ de 8600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Vestido de Noiva é a segunda peça escrita pelo dramaturgo Nelson Rodrigues (1912-1980) e até hoje provavelmente a mais conhecida dentre sua obra – que inclui não apenas peças de teatro, mas também romances, crônicas, contos. Sua primeira e célebre montagem, realizada pelo diretor polonês Zbigniew Ziembinski em 1943, é considerada uma espécie de marco do nosso teatro moderno. Tão célebre que, durante muito tempo, era difícil dissociar o texto de Nelson da concepção cênica de Ziembinski.

Acerca desta estréia, gostaria de reter a seguinte fala do poeta Manuel Bandeira: “Sem dúvida, o teatro desse estreante desnorteia bastante, porque nunca é apresentado só nas três dimensões euclidianas da realidade física. Nelson Rodrigues é poeta. Talvez não faça nem possa fazer versos. Eu sei fazê-los. O que me dana é não ter como ele esse dom divino de dar vida às criaturas da minha imaginação”.

É por este mesmo texto de Nelson que Ziembinski se apaixonou ao chegar no Brasil resolvendo realizar com ele uma montagem que revolucionou o teatro brasileiro. Certamente o potencial revolucionário já estava presente ali, no universo criado por Nelson Rodrigues. Universo este que de fato “desnorteia”, perturba, excede nossa percepção do mundo e das coisas, da moral e das relações familiares. É neste sentido, principalmente, que ele pode ser considerado poético. Mas não só.

E aqui, no entanto, nada que transcorra em um tom grave, exagerado – pelo contrário: a linguagem de Nelson é simples, direta, os diálogos são rápidos, eficientes. Seu estilo beira a mais estrita simplicidade, o quase “não-estilo”. Daí que a leitura flui naturalmente, lemos Vestido de Noiva em um sopro, como se escorregássemos pelo texto, sem pausa. Ler uma peça de Nelson Rodrigues – e esta é uma regra que não se aplica apenas ao Vestido – é uma aventura deliciosa e instigante pelo reino das sensações e das surpresas.

É também por esta característica que devemos concordar quando Bandeira diz que Nelson Rodrigues é um verdadeiro poeta. Em seus diálogos, Nelson mostra uma incrível habilidade para fazer os personagens saltarem diante de nós, vivos, concretos. Daí sua força para provocar sensações no leitor, ou na platéia. Somos afetados por múltiplas emoções, quase contraditórias: hora nos pegamos rindo, hora aflitos, no minuto seguinte chorando, e, quase constantemente, tomados por um ambiente de angústia irremediável.

Já se falou em uma certa estética expressionista, acerca de Vestido de Noiva, um certo gosto pelo sombrio, pelo exagero. Vestido é uma peça onírica, que ousa investir no fantástico, na fabulação. Sua estrutura é o que em geral mais chama a atenção logo à primeira vista: a divisão entre os planos da realidade, da alucinação e da memória. Planos que se intercalam, em uma narrativa que se faz como resultante destes cruzamentos de temporalidades disparatadas: da memória de Alaíde, de sua alucinação e dos acontecimentos reais. Não são apenas três histórias, mas três tempos que se mesclam, compondo um plano maior de ação – ou ainda, uma resultante da ação dramática que se compõe destas três camadas. Uma ação dramática que parece ganhar espessura, dimensão a partir desta composição de tempos diferentes. Está aí uma das grandes inovações rodrigueanas: este ziguezaguear entre os planos, criando uma espécie de vertigem no leitor (ou na platéia) que é jogado em diversas temporalidades simultaneamente.

Aqui uma ressalva à nova edição da Nova Fronteira – edição econômica e com caráter didático, voltada para o vestibular – na qual o leitor irá encontrar na quarta capa um breve resumo da história da peça: para quem quiser acompanhar o efeito de expectativa que este entrelaçamento é capaz de provocar, cabe não ler este resumo que, logo de cara, estraga toda a surpresa contida no enredo. Surpresa e um certo clima de mistério que conferem à trama um suspense instigante, que tem o poder de nos prender na cadeira. Em Vestido temos muito bem armada a estrutura da tragédia grega, com a presença marcante das “peripécias”: momentos em que alguma informação nova entra na trama, modificando todo sentido que vinha se armando até então. A peça é toda montada assim, por sobressaltos, que vão pouco a pouco fazendo o sentido deslizar de um nível a outro. Que efeito pode ter uma peripécia que tiver sido antecipada?

Para ler Vestido de Noiva é preciso saber ouvir o constante senso de humor presente em Nelson Rodrigues. A tragédia não se faz aqui separada do cômico, das situações absurdas, exageradas, “barrocas” ou, como muitos já disseram: melodramáticas, que tanto caracterizam o universo rodrigueano. Ri-se do ridículo da situação humana, da natureza, afinal, realmente “melodramática” de todas as relações familiares se levadas ao extremo para o qual elas apontam. No limite, somos todos loucos, vivemos todos avizinhados pela loucura. Encontramos em Vestido uma máxima rodrigueana, como bem explicitou Sábato Magaldi: “O irracionalismo estaria no cerne do comportamento humano”. Máxima mais explicitamente presente naquelas que Sábato denominou de “peças psicológicas”, das quais Vestido faria parte, juntamente com A Mulher sem Pecado, Valsa nº.6, Viúva porém Honesta e Anti-Nelson Rodrigues. (Além das “peças psicológicas”, na classificação de Sábato, haveria na obra de Nelson as “peças míticas” e as “tragédias cariocas”.)

São conhecidos os dramas familiares e pessoais vividos por este escritor, dramaturgo, e jornalista por profissão (na qual começou cedo: aos treze anos como repórter policial) nascido no Recife e que, aos 4 anos, foi com a família morar no Rio de Janeiro. Uma vida marcada por mortes violentas, doenças, acidentes... Por si só, a história de Nelson – bem contada na biografia O Anjo Pornográfico, de Ruy Castro – constitui não apenas uma única, mas diversas tragédias.

Talvez muitos gostem de evocar a vida pessoal de Nelson por julgarem encontrar aí um chão firme que supostamente explicaria o disparate de suas criações. Nelson não negava partir de suas experiências vividas para escrever, e dizia: “Nas minhas obras eu tento transmitir algo que vem de dentro de mim. É trabalho duro, um sacrifício”. No entanto, para ele as obsessões do autor são mero suporte para o trabalho de escrita que surgirá depois e se tornará independente: “Eu acho que, para escrever bem, o escritor precisa de algumas obsessões, algumas idéias fixas, que sustentam a sua obra”. É fácil notar o quanto suas criações extrapolam a mera vivência pessoal, tendo o poder de nos afetar, falar de nós mesmos, de nossa condição humana, coisa que só nos é dada pelos verdadeiros grandes artistas. Nelson é nosso mestre tupiniquim das tragédias, é nosso Sófocles, nosso Ésquilo folhetinesco. Nosso poeta trágico que sempre valerá a pena ser lido e relido.

Para ir além






Annita Costa Malufe
São Paulo, 18/10/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu suplemento inesquecível de Humberto Werneck
02. Lembranças de Nova York de Rubem Fonseca
03. A Trilogia de João Câmara de José Nêumanne
04. São Paulo: veneno antimonotonia de Daniel Piza
05. Segundo encontro com Borges de Alberto Beuttenmüller


Mais Annita Costa Malufe
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/10/2004
23h14min
Como admiradora de Nelson Rodrigues, interessei-me e fiz uma leitura atenta, que agradou-me sobremaneira, pelo conteúdo e pelo estilo. Trouxe-me novas maneiras de ver a obra do grande mestre. Espero que textos desta natureza se multipliquem, para satisfação dos leitores.
[Leia outros Comentários de Maria Regina Maluf]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A INSPETORA E A COROA DA MADONA
SANTOS DE OLIVEIRA
EDIOURO
(1975)
R$ 99,00



SANGUE FRESCO
JOÃO CARLOS MARINHO
OBELISCO
R$ 6,77



SUPERINTERESSANTE A VERDADE SOBRE CHE Nº 261
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 6,99



AFRODIÁSPORA 1 - 3º ONGRESSO DE CULTURA NEGRA DAS AMÉRICAS
VÁRIOS
IPEAFRO
(1983)
R$ 30,00



A HISTÓRIA DE EDGAR SAWTELLE
DAVID WROBLEWSKI; JOSÉ RUBENS SIQUEIRA
INTRINSECA
(2009)
R$ 7,00



TEORIA E POLÍTICA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
CELSO FURTADO
ABRIL
(1983)
R$ 20,00



REFORMA ESPIRITUAL
MIGUEL THOMAZ
DO AUTOR
(2004)
R$ 10,00



AMANTE RENASCIDO
J. R. WARD
UNIVERSO DOS LIVROS
(2012)
R$ 39,90
+ frete grátis



ANSIEDADE E GRAVIDEZ
NADIR FARAH (DEDICATÓRIA)
FACULDADE DE MEDICINA
(1964)
R$ 18,82



ENCONTRO DIÁRIO COM DEUS - 2012
FREI EDRIAN JOSUÉ PASINI (ORG.)
VOZES
(2012)
R$ 8,81





busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server