Entrevista com Harry Crowl | Digestivo Cultural

busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
>>> São Paulo recebe exposição ‘À Meia Luz Na Pele’ em dois pontos da capital
>>> Santander instala painel eletrônico em prédio para levar arte ao centro de São Paulo
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Villa no segundo turno
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> Sobre os jornais e a internet
>>> Cem anos de música do cinema
>>> Inutilidades e pianos
>>> Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem
>>> Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem
>>> Fotógrafa da Amazônia é destaque na Europa
>>> Educadores do Futuro
Mais Recentes
>>> Biblioteca do Escoteiro Mirim - Completa 20 Volumes de Disney pela Círculo do Livro (1989)
>>> Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio (1830) Volume I: A Ciência da Lógica de G. W. F. Hegel pela Edições Loyola (2005)
>>> Islamismo e humanismo latino: Diálogos e desafios de Arno Dal Ri Júnior (org.) pela Vozes (2004)
>>> Consciência e liberdade em Sartre: por uma perspectiva ética de Carlos Eduardo de Moura pela EdUFSCar (2012)
>>> Sartre: Direito e Política - Ontologia, liberdade e revolução de Silvio Almeida pela Boitempo (2016)
>>> Imigração Atual: Dilemas, Inserção Social e Escolarização - Brasil, Argentina, EUA de Leda Maria de Oliveira Rodrigues pela Escuta (2017)
>>> Os Céticos Gregos de Victor Brochard pela Odysseus (2009)
>>> Ontologia, Conhecimento e Linguagem: Um encontro de Filósofos Latino-Americanos de Plinio Smith Ulysses Pinheiro, Marco Rufino pela Mauad (2001)
>>> Discurso do Método de Descartes pela Lafonte (2017)
>>> Pensamento Alemão no Século XX - Volume 3: Grandes Protagonistas e Recepção da Obra no Brasil de Wolfgang Bader , Jorge de Almeida pela Cosac Naify (2013)
>>> Revista Matéria Prima - Práticas Artísticas no Ensino Básico e SecundárioVol. 6 (1), janeiro–abril 2018, quadrimestral de Vários pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa & Centro de Investigação e de Estudos em Belas-Ar (2018)
>>> Ser e Tempo de Martin Heidegger pela Vozes (2012)
>>> AIDS no Brasil : A agenda de construção de uma epidemia de Jane Galvão pela 34 (2000)
>>> Trópicos utópicos: Uma perspectiva brasileira da crise civilizatória de Eduardo Giannetti pela Companhia das Letras (2016)
>>> Razão e Sensibilidade de Jane Austen pela Tricaju (2021)
>>> Arsène Lupin e a Rolha de Cristal de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> O Livro da Selva de Rudyard Kipling pela Principis (2021)
>>> Tarzan de Edgar Rice Burroughs pela Principis (2021)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-exupéry pela Tricaju (2021)
>>> A Odisseia de Homero pela Principis (2021)
>>> Persuasão de Jane Austin pela Principis (2019)
>>> Verdade ao Amanhecer de Ernest Hemingway pela Bertrand Brasil (2015)
>>> Sonhos na Casa da Bruxa e Outros Contos de H. P. Lovercraft pela Principis (2020)
>>> Cinco Semanas Em um Balão de Júlio Verne pela Principis (2020)
>>> Da Terra á Lua de Júlio Verne pela Principis (2020)
ENTREVISTAS

Segunda-feira, 3/5/2010
Harry Crowl
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 15000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Harry Crowl nasceu em Belo Horizonte no ano de 1958. Compositor e musicólogo, com um catálogo até o momento de 120 obras, sua música tem sido executada e transmitida frequentemente no Brasil e em vários países por grupos e orquestras, dos quais se destacam o Trio Fibonacci (Canadá), o Ensemble Recherche (Alemanha), Orchestre de Flutes Français e Ensemble 2E2M (França), Moyzes Quartet (Eslováquia), The George Crumb Trio (Áustria), Orquestras de Câmara da Rádio Romena e da Cidade de Curitiba, Orquestras Sinfônicas do Paraná, Minas Gerais e Municipal de Campinas.

Foi delegado brasileiro junto à SIMC (Sociedade Internacional de Música Contemporânea), entre 2002 e 2006. Tem participado dos principais festivais dedicados à música contemporânea no Brasil, como a Bienal de Música Brasileira Contemporânea (Rio de Janeiro), Festivais Música Nova (São Paulo/Santos), ENCOMPOR (Porto Alegre), Festival Latino-Americano de Música Contemporânea (Santiago, Chile), entre vários outros. Atualmente, é Professor da Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Diretor Artístico da Orquestra Filarmônica da Universidade Federal do Paraná e produtor de programas de rádio da Paraná Educativa FM.

A entrevista abaixo, que trazemos ao publico leitor do
Digestivo, trata da criação do artista e traz uma reflexão sobre os caminhos e descaminhos da música contemporânea em nosso país e fora dele.

Pelo seu currículo vê-se que você tem um trânsito internacional no universo da música erudita contemporânea. Como anda a criação e a recepção dessa música pelo mundo?

A música de concerto nunca deixou de ser executada. Mesmo a música contemporânea tem mantido o seu espaço através de festivais e programações regulares em todas as partes onde a cultura de tradição ocidental tenha maior penetração. Aliás, tem havido um crescimento significativo dessa música na Ásia.

A música erudita contemporânea (tal como ocorre nas artes plásticas) parece um espantalho do qual todo mundo teme e corre. Até A sagração da primavera, de Stravinsky, ainda parece incomodar o público dos concertos, acostumado a um repertório bem tradicional. Como você vê explica essa situação de rejeição ainda hoje?

Bem, assim como nas artes visuais, trata-se de uma expressão que tende a ter seu público próprio. Essa rejeição absoluta à música mais moderna, ou do século XX de um modo geral, só acontece em sociedades muito conservadoras onde música é apenas sinônimo de canção, ou de alguma melodia para ser cantarolada. As sonoridades trazidas pelo século passado já estão profundamente arraigadas na sociedade moderna. Basta ficarmos atentos à música no cinema e na mídia de modo geral, nas várias manifestações de música popular, como o rock progressivo e a música tecno, ou (pseudo)eletrônica das baladas.

Como compositor você poderia relacionar algumas características das suas composições?

Há, na minha música, um estado de contemplação no plano mais superficial e uma grande inquietação subliminar. Quando uso formas pré-estabelecidas, essas não são as consagradas pelo classicismo, como a sonata, rondó, variação, passacaglia etc. Crio formas próprias ou busco formas em obras do século XVIII para trás e que são provenientes, muitas vezes, de música religiosa, e utilizo a técnica de variação contínua, frequentemente. Há sempre uma narrativa que aponta para referências externas à música, como a literatura, poesia, ou imagens visuais de qualquer natureza.

Você tem musicado textos/obras de poetas como Affonso Ávilla, Haroldo de Campos e da poesia simbolista. Como se dá a relação entre a música e esses textos nas suas composições?

Diria que, apesar de, no caso do Affonso e do Haroldo, se tratar de poetas de vanguarda, ligados a uma linha de experimentação da linguagem, a minha abordagem tende a ser a partir de uma dramaturgia tradicional, no sentido de sublinhar os textos com a música. Ou seja, tenho a preocupação de manter a inteligibilidade dos textos e explorar a sonoridade do idioma. No caso da poesia simbolista, procurei explorar o caráter intimista e um tanto sombrio desses textos que, para mim, se identificam muito com uma certa porção do sul do Brasil.

Existe algum (ou alguns) compositor que você admira muito e que influencia a sua música?

Naturalmente. Tenho admiração por muitos compositores atuais, mas a minha preferência ainda recai sobre compositores da velha guarda, ou seja, da primeira metade do século XX. Citaria Ives, Villa-Lobos, Schönberg, Berg, Debussy, Stravinski, Messiaen e Lutoslawski.

Como tem sido a recepção de sua música pelo mundo?

Não posso reclamar. Não é fácil, especialmente para um compositor que está fora do circuito principal de Europa/América do Norte/Ásia, como eu, conseguir espaço. A recepção é sempre boa. Mais discreta em alguns lugares e muito calorosa em outros. Nos últimos dois anos, tive quatro estreias em Paris, cidade com a qual nunca tivera maior proximidade. Já tive acolhidas surpreendentes na Áustria e na Dinamarca, durante a década de 1990 e, mais recentemente, na Bulgária. Fico muito surpreso quando chegam ao meu conhecimento transmissões de gravações de minhas obras em países completamente fora do meu círculo de relações, como já foi o caso de Israel e países africanos como Argélia e Cabo Verde, através de programas de rádio.

Artistas da escola de Viena como Schönberg, Webern e Berg, são ainda importantes como referência para música contemporânea?

Sim, é claro. Esses compositores sempre vão ser uma referência obrigatória para a música que vem sendo escrita depois deles, mesmo que seja para negá-los. A expansão do pensamento musical a partir deles foi um marco na história da música.

Pode-se dizer que a música contemporânea é um instrumento de reflexão sobre o seu próprio tempo?

Acho que se pode dizer isso de toda a arte. Evidentemente, como vivemos numa época na qual a informação sobre tudo e todas as épocas está facilmente disponível, encontramos alguns compositores que preferem se alienar e escrever música como se fazia há 150 anos. Mas isso também é um fenômeno atual. Há um permanente confronto entre o conceito de arte como entretenimento versus arte como reflexão. Na música, isso não é diferente.

Como musicólogo, você acha que no Brasil ainda falta muito para se criar uma visão ampla da história de nossa música e de instrumentos eficazes para a sua preservação?

Diria que muito se avançou no sentido de se levantar a questão sobre a importância de se executar música produzida no Brasil em várias épocas. Hoje, temos um conhecimento quase satisfatório sobre a música produzida no período colonial. Mas falta ainda uma reflexão crítica mais aprofundada. Estamos ainda muito influenciados por preconceitos da época do modernismo, tais como a necessidade de legitimação do discurso através de um viés nacionalista. Há, para mim, uma necessidade de uma maior integração da musicologia com as teorias da história, assim como com a sociologia e a antropologia. Esse problema frequentemente se reflete nas discussões culturais sobre música. O antagonismo entre a música popular e a de concerto tende ainda a ter uma sobrevida no Brasil. Há ainda um patrulhamento estético em muitos segmentos, inclusive em alguns meios acadêmicos, no que diz respeito à produção mais recente.

Existe ainda na música contemporânea um conceito como chef d'oeuvre? Ou existe uma total liberdade de regras e preceitos como nas artes plásticas?

De um modo geral, não. Há uma total liberdade de regras, sim. Mas espera-se sempre que haja coerência no discurso musical.

No Brasil a tradição da música erudita brasileira me parece que ainda fica à sombra da europeia, pois o repertório das orquestras brasileiras pouco executa obras de nossa música. Por quê? Esse quadro está mudando? Há espaço para os compositores contemporâneos?

As orquestras no Brasil, na sua grande maioria, não têm qualquer política cultural. São organismos públicos que servem, na maioria dos casos, de instrumentos de poder e prestígio dos regentes, ou dos políticos por trás delas. A música europeia que tocam é a do passado, dentro do desgastado cânone clássico/romântico. O espaço para os compositores atuais tem dependido da relação, sempre pessoal, com os regentes das orquestras. Já venho reivindicando, há vários anos, a criação da figura do compositor-residente, que existe há bastante tempo nas orquestras mais importantes do mundo.

Para ir além
Site oficial de Harry Crowl.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/5/2010


Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Luis Eduardo Matta por Julio Daio Borges


Mais Entrevistas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/5/2010
16h11min
Prezado Harry, a música do século XX não tem rejeição apenas em sociedades muito conservadoras, mas em 98% da população. Dentre os 2% restantes, 90% compõem-se de pessoas que não compreendem, não gostam, mas para passar por intelectualizados, aplaudem... Além disso, o "cânone clássico/romântico" jamais poderá ser "desgastado", pois ele é o que move a arte desde que o mundo é mundo. A alternância entre "clássico" (forma acima de conteúdo) e "romântico" (conteúdo acima da forma) existe desde sempre, até hoje, inclusive. A música do século XX nada mais é do que uma forma "neo-clássica" de se fazer música, a partir da organização anti-natural do dodecafonismo de Shöenberg até as repetições ultra pensadas das peças de Philip Glass. Tudo é forma acima de tudo. Recentemente, alguns compositores, como parece ser o seu caso, tentaram renovar a forma, ou prescindir dela. Em todo caso, esta seria uma maneira de "re-romantizar" a música, fazendo com que o eterno ciclo "clássico/romãntico" se perpetue. Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Paulo Mauad]
30/6/2010
11h29min
Acabei de ler a entrevista do compositor Harry Crowl ainda sob impacto do último concerto da Orquestra Municipal de Campinas que assisti domingo passado. Um dos raros corpos estáveis de música erudita que se mantém fora dos grandes centros e fomenta o interesse e a difusão deste gênero musical no país seja com um repertório tradicional ou divulgando novos autores. Na mesma cidade, a Orquestra Sinfônica da Unicamp, universidade de referência, apenas realiza concertos "intra-muros" de nenhum acesso à população local. Independente da discussão da abrangência de repertório na dicotomia "contemporâneo versus cláasico" há uma questão que me parece anterior e mais urgente: as políticas públicas de apoio e veiculação cultural à música erudita no Brasil. Do contrário, seja ouvindo Bartok, Berio ou Bach, continuaremos vendo uma diminuta elite, envelhecia e conservadora, conotando ares de "templo" a espaços que deveriam ser de todos.
[Leia outros Comentários de Luiz Claudio Lins]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Mapa da Austr?lia
Eust?quio Gomes
Geração Editorial
(1998)



Where Memories Lie - a Novel
Deborah Crombie (capa Dura)
William Morrow
(2008)



Nos Bastidores da Alma
Nilza Kfouri
Do Autor
(2009)



Instrumentos de Deus: um Livro Que Toca
Moraes Moreira e Parceria; Romero Cavalcanti (ilus
José Olympio
(1986)



Marketing on the Internet - Quarta Edição
Jan Zimmerman
Maximum Press
(1999)



O Ministério do Medo 3ª Edição
Graham Greene
Record



Desenho Geométrico Métodos e Exercícios Volume 2
Rubens
Loyola
(1980)



Comment Dire?: Grammaire Simplifiee
"job", Sinjan, Berger, Spiegeleer
Cle International
(1993)



Jardim de Aninha
Vera Lucia Figueiredo
Autores Associados
(2005)



Loucuras e Canções
Luciano Bahia
Cultura Brasileira
(2002)





busca | avançada
65494 visitas/dia
2,5 milhões/mês