Entrevista com Fabrício Carpinejar | Digestivo Cultural

busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
>>> Amor, entre o céu e o fardo
>>> O Estranho Mundo Atual que Julgamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Festival da Mantiqueira
>>> Eleições
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Por que ler poesia?
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> Os superestimados da música no Brasil
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Influências da década de 1980
Mais Recentes
>>> A Mulher Carioca aos 22 Anos de João de Minas pela Dantes (rj) (1999)
>>> O Poder Constituinte 3ª Edição de Manoel Gonçalves Ferreira Filho pela Saraiva (1999)
>>> Questões Comentadas de Direito Ambiental de Terence Trennepohl e Natascha Trennepohl pela Juspodivm (2008)
>>> Máximo de Mínimos: Poesia Reunida de Elcio Fonseca pela Autor (2004)
>>> Acidente de Trabalho e Moléstias Profissionais de J R Feijó Coimbra pela Edições Trabalhistas (rj)
>>> O Direito e os Advogados nos Eua de Erwin N. Griswold pela Forense (rj) (1967)
>>> Crise e Escritura : uma Leitura de Clarice Lispector e Vergílio de Ivo Lucchesi pela Forense Universitária (1987)
>>> Denunciação da Lide no Direito Processual Civil Brasileiro de Sydney Sanches pela Revista dos Tribunais (sp) (1984)
>>> Estados Unidos - Textos Acadêmicos de Fundação Alexandre de Gusmão pela Fundação Alexandre de Gusmão (2008)
>>> Depositário Judicial de Edilton Meireles pela Lejus (1999)
>>> Crimes Contra a Honra de Marcelo Fortes Barbosa pela Malheiros (1995)
>>> Pragmática da Violência: o Nordeste na Mídia Brasileira de Daniel do Nascimento e Silva pela 7 Letras e Faperj (rj) (2012)
>>> Coisas de Menino (edição 2009) de Eliane Ganem pela José Olympio (2010)
>>> Processo Tributário 2ª Edição de Paulo Cesar Conrado pela Quartier Latin (2007)
>>> Capitalismo e Força de Trabalho de Seminário Ufbahia - 1983 pela Ufba (1983)
>>> Lart Medieval: Histoire de Lart de Elie Faure pela Livre de Poche (1964)
>>> A Cpi Municipal - 4ª Edição de Jose Nilo de Castro pela Del Rey Books (2000)
>>> Educação para o Século XXI de Jorge Cardelli, Miguel Duhalde e Laura Maffei pela Instituto Polis (sp) (2003)
>>> Fundamentos Filosóficos de La Clinica Homeopática de Dra Maria Clara Bandoel pela Albatros Ediciones (1986)
>>> Pensando o Espaço e o Território na Metrópole do Rio de Janeiro de Antonio de Ponte Jardim pela Autor (rj) (2007)
>>> A Politica Positiva e Seus Commentadores de Alfredo Severo pela Jornal do Commercio (rj) (1941)
>>> Portugal no Presente de Joaquim José Freire Lagreca pela Indústria Gráfica (1975)
>>> Time Out Amsterdam de Time Out pela Time Out (1995)
>>> Enciclopédia Estudo: 1500 Palavras Quarta Edição de Américo Areal (edição Portuguesa) pela Asa (1989)
>>> Revista de Filosofia Nº117 Jan Junho de 2008 de Ufmg pela Ufmg (2008)
>>> El Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Plaza e Janes (1984)
>>> Superdotados & Psicomotricidade de Rosa M. Prista pela Vozes (petrópolis, Rj) (1993)
>>> Ensino a Distância: Módulo 2 - Questões e Exercícios Navegação de Ministério da Marinha, Diretoria de Portos pela Dir de Portos e Costa (mm) (1996)
>>> Del Libro y Su Historia de Gaston Litton pela Bowker (buenos Aires, Argentin (1971)
>>> A Outra Face do Coronel de Antônio José do Couto Soares pela Bagaço (2001)
>>> The New Nineteenth-century European Paintings And de Gary Tinterow, Susan Alyson e Barbara Burn (comp.) pela Metropolitam Museum (n. Y.) (1993)
>>> O Advogado Perante a Previdência e a Assistência Social no Brasil de Francisco Costa Netto (dedicatória) pela Casa do Advogado (1976)
>>> Windsurf: Prancha À Vela de Jean-luc Marty pela Ediouro (tecnoprint - Rj) (1982)
>>> Ii Simpósio Nacional Sobre Aterosclerose Coronária de J. Eduardo M. R. Sousa (editor); Lylian Vasco pela Ayesrst Sp) (1973)
>>> Paraísos Fiscais (capa Dura) de Alexis Cavicchini (editor) pela Tama (sp)
>>> Português sem Segredos de Miriam Margarida Grisolia e Renata C Shorgia pela Madras (2004)
>>> Ministério Público: Provas e Concursos de Glauber Tatagiba (org) pela Del Rey (belo Horizonte) (2004)
>>> O Dicionário do Futuro: as Tendências e Expressões Que Definirão de Faith Popcorn e Adam Hanft pela Campus (2002)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 1 de Câmara dos Deputados pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Autos de Devassa da Inconfidência Mineira Volume 8 de Câmara dos Deputados (vol 8) pela Câmara dos Deputados (1976)
>>> Eduquer En Seduquant de Louis Evely pela Presto Print (bruxelas)
>>> Londres: Citypack Guia + Plano de Louise Nicholson; El País pela El País (2011)
>>> Abraham Lincoln: the War Years (1864-1865) Vol 3 de Carl Sandburg pela A Laurel (1963)
>>> Pour et Contre Saussure: Vers Une Linguistique Sociale de Louis Jean Calvet pela Petite Bibliotheque (1975)
>>> Court Serpent de Bernard Du Boucheron pela Gallimard Blanche (2004)
>>> Padrão de Balanços de Carlos Sanmartin e Solano Carlos Sanmartin pela Autor (rj) (1974)
>>> La Bourse des Valeurs et les Opérations de Bourse de Gaston Défossé e Yves Flornoy (12 Edition) pela Presses Universitaires (paris) (1984)
>>> La Otan... a Lo Claro 2ª Edicion de Luís Otero (elaboracion) pela Editorial Popular (madri) (1981)
>>> Perfect Phrases For Motivating and Rewarding Employees Second Ed de Harriet Diamond, Linda Eve Diamond pela Mcgraw-hill Education (2010)
>>> Eficácia das Normas Constitucionais Sobre Justiça Social de Celso Antônio Bandeira de Mello (relator) pela Conferência Nacional Oab (1982)
ENTREVISTAS

Segunda-feira, 6/11/2006
Fabrício Carpinejar
Julio Daio Borges

+ de 18600 Acessos
+ 4 Comentário(s)


Fabrício Carpinejar, em foto de Renata Stoduto

Fabrício Carpinejar, 34 anos, nasceu em Caxias do Sul (RS). Filho dos poetas Carlos Nejar e Maria Carpi, hoje separados, juntou seus sobrenomes em sua estréia poética, As Solas do Sol (1998). A partir de 2000, foram outros três livros anuais de poemas: Um Terno de Pássaros ao Sul, Terceira Sede e Biografia de uma árvore – até a antologia Caixa de sapatos (2003), que lhe conferiu notoriedade nacional, pela editora Companhia das Letras.

Desde 2004, é editado pela Bertrand Brasil por onde lançou
Cinco Marias (poemas), Como no céu/ Livro de Visitas (2005, poemas e prosa poética) e O Amor Esquece de Começar (2006, crônicas) – sendo este último uma compilação de textos a partir do seu blog na internet. Mantém ainda a coluna semanal Consultório Poético, no site da revista Superinteressante. Foi laureado pela Academia Brasileira de Letras (prêmio Olavo Bilac, 2003), pela União Brasileira dos Escritores (Cecília Meireles, 2002) e recebeu o Açorianos de Literatura já duas vezes, em 2001 e 2002. Desde o ano passado, coordena o Curso de Formação de Escritores e Agentes Literários, na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos).

O mote para esta Entrevista foi o Prêmio Érico Veríssimo, concedido a Carpinejar pela câmara municipal de Porto Alegre, no último dia 23 de outubro, aniversário do poeta. Aqui, Fabrício conta como é fazer parte de uma família de poetas. Afirma que, ao contrário do que atualmente se acredita, é possível viver de literatura. Não se considera uma unanimidade e nem um autor precoce. Acha que a internet é o suporte ideal para a contundência e para a concisão do verso, mas lamenta que a Rede esteja infestada de pseudônimos. Sobre a crítica de Wilson Martins à sua poesia, pensa que ele jamais elogiará um poeta que pratique o verso livre e que tenha menos de 40 anos. Para aqueles que o acusam de “marqueteiro”, tem uma resposta na ponta da língua: “Parece que hoje é crime confiar no próprio trabalho”. Quanto ao assédio das fãs, brinca que quer ser “o Wando da poesia”. Carpinejar conclui, ainda, que é um “feio carismático” e alerta que “a literatura não substitui a vida”. – JDB


1. Fabrício, vamos começar pelo começo. Eu acho brilhante esse seu sobrenome e já li em algum lugar que, com ele, você junta seus pais que se separaram [Maria Carpi e Carlos Nejar, ambos poetas]... Sei que você tem já a sua família e que não discute poesia com seus genitores nas refeições de todo dia, mas discute nas datas comemorativas? Como é isso? Já li também que seus pais, quando te liam, só te "detonavam"... É verdade? Por último, o que você acha de um Leitor do Digestivo que falou que você é “melhor” do que a sua mãe mas “pior” do que o seu pai? Essas comparações ainda fazem algum sentido para você – ou poesia, em família, por ser trabalho, virou assunto tabu?

As comparações não fazem sentido para mim. Nem poderiam. Era o que faltava competição dentro de casa, já chega fora. Acho que ocorre uma provocação afetiva, que não é concorrência, ainda mais com três vozes bem diferentes. Um tenta desafiar o outro, isso é possível. Meus pais davam pitacos sobre minha produção no começo, agora ficaram preguiçosos ou viram que não tinha conserto. Meus palpites funcionam mais com o pai do que com a mãe. O pai é mais aberto. A mãe escuta, escuta e não me leva a sério. Meu medo é ser pior do que eu. Ou que meu sobrenome termine sendo o meu melhor verso (risos).

2. No embalo da pergunta anterior, como “se fez” poeta? No seu blog, há uma porção de epifanias, em prosa, sobre sua sensibilidade poética já na adolescência e na infância... Quando descobriu que faria poesia? “Poeta”, pra você, é profissão? É assim que você preenche a ficha cadastral do hotel? É assim que você se apresenta pras pessoas do mundo real? Resumindo o romance de formação: dá pra viver de direito autoral (a poesia é uma vocação que, pra você, valeu a pena)?

Não ponho datas nos poemas, muito menos sei precisamente o dia em que os pássaros escreveram e as árvores voaram. Eu me fiz poeta pelas deficiências. Como sofria muita gozação na escola, em função da feiúra e dos problemas de dicção, aprendi a me defender defendendo os outros. Nunca soube me defender, mas sempre consegui vencer o medo e o nervosismo para evitar ataques aos outros. Quando havia algum colega sendo discriminado, me tornava seu melhor amigo. Estar do lado mais fraco é poesia. Poesia não combina com o senso comum. Escrevia cartas de amor, mas sempre tive letra feia e não me apaixonei por mim. Eu assino mesmo “escritor” na ficha do hotel. Até porque, na maioria das vezes, estou ali como autor fazendo palestras ou participando de eventos. Seria um disparate colocar "jornalista" ou "professor". É possível viver de literatura. Já foi exclusividade de autores consagrados e maduros, no fim da trajetória, mas hoje há vários casos de jovens contemporâneos que se dedicam somente a escrever e largaram as demais atividades, como Luiz Ruffato, Marcelino Freire e Cíntia Moscovich. Digo: viver de literatura não é somente viver de direito autoral, porém do entorno, que inclui leituras públicas, saraus, debates, conferências e textos. Antes, no meu caso, o jornalista sustentava o escritor, agora o escritor sustenta o jornalista.

3. Vou ser bem pessoal agora (que me desculpem os Leitores...): eu gosto muito de você, do que você faz, mas tenho medo da sua consagração precoce... Você não tem medo, não? Agora, ganhou o Prêmio Erico Verissimo, pelo conjunto da obra... – embora tenha publicado quase um dezena de livros, você não tem nem 35 anos! ABL, UBE, Açorianos de Literatura... o que falta pra você, o Nobel de Literatura? Não tem mesmo medo de esgotar as possibilidades, de secar o poço da inspiração, de chegar do outro lado do arco-íris e não encontrar nenhum pote de ouro?

Se secar o poço da inspiração, paro de escrever. A literatura não é uma religião. Não vou amarrar um livro explosivo na cintura por uma causa. A literatura não substitui a vida, ela nos prende mais a ela. Não entendo quando um escritor se sente realizado ao escrever um livro. Eu me sinto cada vez mais irrealizado – aumenta a fome. O desejo não pretende se satisfazer para continuar desejando. Eu me realizo ao jogar futebol, namorar, ir a um show. Não é falando de amor que estarei amando. Um livro não vai justificar minha biografia. Nunca. Não vai me isentar da covardia de deixar o tempo passar. Não vou desprezar meu cotidiano porque escrevi alguma coisa que preste. Há uma tendência pela impunidade, que o escritor é capaz de fazer qualquer loucura porque é escritor. Que vale tudo para se conseguir uma obra-prima. Não vale tudo, posso lhe garantir. O escritor tem uma responsabilidade dobrada: de escrever para viver e de viver para ser escrito. O escritor não tem imunidade parlamentar. É sua falta de imunidade que o fortalece, porque não se verá pronto e sempre estará apto a receber o mundo como se fosse uma nova cicatriz. Em relação à precocidade, como definir qual é o meu tempo? E se eu viver até os 40 anos, estou recebendo prêmios tarde, no fim da vida. O talento não pode ser medido pela idade ou pela sua promessa. Não desejo concessões comigo, prefiro o rigor e a crítica. Não espero a complacência. Meu pior me melhora. O Nobel não deve ser uma ambição ou projeto de um escritor, porém um acidente.

4. Misturando sua carreira, que eu considero meteórica, com aquela história da sua formação, o que você ensina no seu Curso de Formação de Escritores e Agentes Literários na Unisinos? Indo direto ao ponto: acha que talento é algo transmissível (DNA, idem, no seu caso)? Eu sei que a idéia do curso não é simplesmente "ensinar a escrever", mas encaminhar as pessoas que estão escrevendo atabalhoadamente sem direção... Ainda assim, penso que estamos todos – inclusive na internet – alimentando o mito de que “qualquer um consegue”... Queria ouvir sua opinião.

Verdade. Há uma facilidade para escrever, mas vejo a internet como uma extensão das cartas, não uma extensão da literatura. Pode vir a ser literatura, ou pode ser apenas comunicação. Escrever não torna alguém escritor. Ter vocação ainda não é suficiente – depende de trabalho, disciplina, dedicação. Não acredito que o talento venha de um “sangue azul”. Só se for da caneta Bic. Não se procura uma oficina sem ter sido provocado antes. Quem busca o curso, já tem uma disposição, uma vontade, um ânimo diferenciado para se entregar à leitura. Encontrará sua voz a partir do confronto com outras vozes. Aumentamos a voz quando alguém grita com a gente. Os livros gritam – raros notam. Os leitores que escutam e respondem serão os novos autores.

5. Pergunta inevitável: a internet, os blogs, as revistas todas (de novo)... Qual o seu palpite para essa geração? Eu juro que conheci você através do blog do Polzonoff – você acredita? Tem visto poesia que valha a pena na Rede? Acha que é um bom suporte? E as publicações – por que ainda têm pouco poder de aglutinação? Por que não surgiu uma revista de poesia de arrebentar? Não concorda que já temos quorum?

Acredito, Polzonoff foi um entusiasta da poesia de Terceira Sede e Biografia de uma árvore. Vejo prosa poética que vale a pena na internet. Exercícios líricos que já formam involuntariamente um livro. Um exemplo: Eduardo Baszczyn, de São Paulo, com Coisas da Gaveta. É um suporte ideal para a contundência e concisão do verso. O poema é a pré-história do cinema. Do desenho animado. Do clipe. Pensamento em disparada, música da respiração, imagens encadeadas. Sobre revista de poesia digital, Jussara Salazar organiza a bela La Gioconda. Dá uma conferida. Pipol e Edson Cruz também são capazes de realizar uma animação em alto nível, como foi provado em Mnemozine (ligado ao site Cronópios).

6. E a crítica, continua morta viva, como nas décadas anteriores, ou está atenta a esses fenômenos? Sei que, tirando um ou outro Wilson Martins, você é uma “unanimidade poética” como há muito não se via... Já ouvi também críticas a você no sentido de que é um incansável divulgador da própria obra – do tipo que fica tentando conquistar até os corações mais relutantes... A fortuna crítica, hoje, virou uma questão de ser, como o Nélson Rodrigues dizia, “o contínuo de si mesmo”?

Unanimidade? Todos temos índice de rejeição, inclusive na família. Valorizo a discordância, desde que com o cuidado e a elegância para não destruir e, sim, ajudar. Ler é se importar com o destino da linguagem. Uma das mazelas da internet são os laranjas. Se eu entro num blog e não gosto, não vou deixar comentário ali ofendendo o autor. Esqueço o link e sigo adiante. O silêncio é uma forma de crítica, bem mais educada. Lamento quem se julga dono da sabedoria literária a ponto de julgar, ameaçar com grosserias, sob o escudo do anonimato. Respeito muito o trabalho de Wilson Martins, pois ele acredita sinceramente no que diz. Mesmo que não tenha nada a ver com o que penso. Já percebi que ele dificilmente elogiará um poeta abaixo dos 40, que faça verso livre. Mas é um crítico puro, no sentido de que não é um ficcionista se servindo da crítica, suscetível às panelas e tribos. Acompanho autores escrevendo na imprensa, que procuram elogiar apenas quem escreve na linha deles. Isso é sectarismo. Ouvi – algumas vezes – que sou marqueteiro de minha obra. Adoto apenas uma postura profissional com a literatura e parece que é crime confiar no próprio trabalho. Tenho o interesse de que outros possam viver com mais folga da literatura depois de mim.

7. Aliás, são notórias as brigas da Geração 90 – de certo modo, a sua geração – com a crítica estabelecida (“Que crítica estabelecida?”, perguntaria Paulo Francis)... Enfim, não falo exatamente do seu caso, mas não acha que falta um belo puxão de orelha em certos escritores que ficam falando grosso mas que estão em todos os eventos de literatura, que são editados ano a ano e que infestam as revistas e os jornais? Ou seja: apesar de ter abertas para si as portas do mercado editorial, por que ainda um certo ramo da Geração 90 insiste em se comportar como “rebelde sem causa”?

Perfeito. Ser marginal é um status, assim como ser louco. E é possível perceber que a marginalidade é um modo bem rápido de ter sucesso. Não recomendo ser o que não se é, pois é duro ser louco ou marginal. Sinceridade não faz literatura, faz o escritor. A Geração 90, de muitos amigos, conseguiu seu espaço. Agora cada integrante tem que merecer a permanência em sua época e, depois, na história. Confesso que tenho ciúme de quem fala grosso. Minha voz é esganiçada.

8. Mudando para temas mais amenos, desde o lançamento do seu O Amor Esquece de Começar, eu olho pra você, para o seu “consultório sentimental”, e lembro do Neruda de O Carteiro e o Poeta... Sua esposa não reclama do assédio? Como você faz pra dar conta das cartas, hoje e-mails (e comentários), das fãs? Brincadeira: sei que você é pai de família extremoso, etc. e tal, mas não teme ficar com essa fama de titular da coluna Corações Solitários?

Não sou eu que seduzo, a verdade seduz. Assim como não sou a poesia, por mais que a escreva e interprete. Sou um feio carismático. Não apresento índole de galã. Careca e narigudo são as únicas semelhanças que guardo com Neruda. Eu não dou conta das cartas e e-mails, tento responder lentamente. Do Consultório Poético, escolho uma por semana para palpitar publicamente. Recebo cerca de quarenta em sete dias. Queria ser mais ágil, porém sei da importância do que digo e me envolvo na atmosfera de cada apelo. Não podemos esquecer que Nelson Rodrigues montou um consultório sentimental no Diário da Noite. Ele usava o pseudônimo de Myrna. A diferença é que sou meu próprio pseudônimo. É óbvio que minha mulher reclama do assédio. Brinco com ela de que meu sonho é ser o Wando da poesia brasileira e dizer: joguem as calcinhas (risos)! O humor alegra o casamento e diminui o ciúme, que também sinto dela.

9. Quando recebi seu primeiro press-release, li lá que o Brasil inteiro estava “carpinejando”... E o mundo? Portugal também está, neste momento, carpinejando? Como é recebida a sua mensagem no além-mar? França, Itália... Como é ser traduzido por Curt Meyer-Clason, o célebre tradutor de Guimarães Rosa? Você também confere as suas edições estrangeiras como o autor de Grande Sertão: Veredas? Ou concorda com aquela máxima de que poesia é justamente o que se perde na tradução?

Acompanho com admiração, como se não fosse comigo. Opino sem muita profundidade, com misto de curiosidade e intuição. Mas assino embaixo da máxima: o que se perde na tradução se ganha em ousadia. Traduzir é ler errado e escutar certo.

10. Para terminar: sempre quando falo com você, fico sabendo de um projeto novo, fora aqueles outros todos que você já toca... dá pra conciliar? Como é o seu dia-a-dia? Tenho curiosidade... Acorda, leva os filhos na escola, bloga, atende às solicitações da imprensa, almoça, dá aulas, escreve poesia, escreve matérias para revistas e jornais, responde aos telefonemas, aos e-mails, janta, dá palestra, conversa sobre o dia com a esposa, dorme... Está de acordo com Spinoza, que dizia que “intelecto” é também “vontade” (força de vontade)? (Às vezes eu acho que os escritores brasileiros – ao contrário de você – reclamam demais e fazem de menos...)

Vontade é uma senha. Sempre me agradou mais um time raçudo do que um time genial. O que é genial busca se exibir mais do que jogar. O que é genial procura ser visto mais do que olhar. Sim, amo o que faço. Demais. O que pode ser um problema: desconheço os limites para dar uma trégua. Como gosto, posso me esgotar fisicamente sem perceber. Desde pequeno, nunca adiantou espernear. Como tenho três irmãos, reclamar não fazia diferença. Ninguém da minha família esperava que fosse escritor. Para falar a verdade, nem eu. A ausência de expectativa me livrou da cobrança. Tive que chamar atenção de mim para somente assim chamar atenção dos outros. Eu me esforcei o dobro. Hoje não olho para baixo para evitar a vertigem. Me perco mais voltando do que indo para frente. Além de fazer tudo o que você antecipou, ainda vou ao cinema com o Vicente, adoro dançar e participar de baladas, passear de bicicleta amarela, freqüentar livrarias e cafés, namorar, jogar futebol, ir ao Beira-Rio no final de semana, descobrir algum restaurante escondido, me encontrar com os amigos, ler e não fazer nada. Minha normalidade é deliciosa. Não preciso impressionar para ser feliz.


Julio Daio Borges
São Paulo, 6/11/2006


Mais Entrevistas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/11/2006
12h25min
Muito boa essa entrevista! Ouvir Fabrício Carpinejar, seja lá de que forma for, é um bálsamo para a alma. Mas não posso deixar de mencionar a condução inteligente do entrevistador. Parabéns aos dois.
[Leia outros Comentários de cissa lafayette]
22/7/2008
08h35min
A entrevista com Fabrício Carpinejar é uma prazerosa leitura. Comecei a ler por ler e, gostei de ser suavemente "arrastada" por um raro mundo de idéias e de confidências. Aliás, quanto ao entrevistador, já me manifestei outras vezes, apreciando o faro único, original e alentador.
[Leia outros Comentários de Lygia Dias de Toledo]
17/9/2008
18h00min
Carpinejar traduz-se com inteligência: entre idéias e confidências.
[Leia outros Comentários de regina lima]
12/5/2009
08h47min
Maravilhoso! Ler Carpinejar é sempre imprescindível! Descobri-o numa livraria através de um fã, que havia lido "O Canalha", daí comprei "O Amor esquece de começar" e apaixonei-me pela maneira espetacular que o autor externa suas idéias. Divino!
[Leia outros Comentários de Rozilene F. da Costa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO SE ESCREVE? MORFOLOGIA SINÔNIMOS E ANTÔNIMOS VOL 6
EDUARDO PERÁCIO (COLABORADOR)
ABRIL RECREIO
R$ 5,00



DESMUNDO
ANA MIRANDA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2017)
R$ 26,90



SITUAÇÃO VACINAL DOS TRABALHADORES DA SAÚDE NUM MUNICÍPIO DO INTERIOR
JOSÉ MILTON DE SENA FILHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ETNOGRAFIA VIRTUAL DOS ÍNDIOS PANKARARU NO SERTÃO PERNAMBUCANO
RICARDO BITENCOURT UND JURACY MARQUES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



LUXAÇÃO CONGÊNITA DO QUADRIL EM CAMPO GRANDE/MS
AURELIO FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 153,00



RECENT PAINTINGS
STEVEN CAMPBELL
RIVA YARES GALLERY
(1989)
R$ 30,00



DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DE COMPRESSIBILIDADE DO SOLO
JERFSON LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CONTROLE ATIVO DE ESTRUTURAS COMPOSTAS INTELIGENTES COM INCERTEZAS
THALES RENATO BERTOLAZZO TREVILATO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FELIZ ANO VELHO
MARCELO RUBENS PAIVA
BRASILIENSE
(1985)
R$ 10,00



LES PIERRES PRECIEUSES
HENRI JEAN SCHUBNEL
PUF
(1968)
R$ 22,82





busca | avançada
22804 visitas/dia
1,1 milhão/mês