Digestivo nº 386 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
30533 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Show com grupo Tambora faz um mergulho na obra de compositoras de diversos países da América Latina
>>> Pianista revelação, Juliana D'agostini mostra seu talento no Natal Musical do VillaLobos
>>> Ana Marson lança livro de crônicas em São Paulo
>>> Música, dança e boa conversa na "Semana Preta" do Centro de Referência da Dança
>>> Vila Cultural Cora Coralina recebe exposição 'Tempos Líquidos'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Rios inversos
>>> Você pertence a um não lugar
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Ária da Rainha da Noite
>>> Let us protect you in the labyrinth
>>> Um coral de 10 mil vozes
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Steve Jobs sobre o mundo
>>> O Presidente Negro, de Monteiro Lobato
>>> Sobre o gênio que é Harold Pinter
>>> Gente que corre
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
Mais Recentes
>>> Pensamento Complexo: suas aplicações à liderança, à aprendizagem e ao desenvolvimento sustentável
>>> Dictionnaire D'Analyse du Discours (1ª ed.)
>>> Defenda seus direitos
>>> O momento da sua virada
>>> Uma Viagem Aos Reinos
>>> Trilha para os Jovens
>>> Titan - O mundo de aventuras fantásticas
>>> Sonhos Lúcidos
>>> Raiva. Seu Bem, Seu Mal
>>> O Shadowdale Vale Das Sombras
>>> O perdedor
>>> O livro secreto da maçonaria
>>> O livro da quituteira
>>> O caso Schreber
>>> O Caminho do mago
>>> Lobisomem O - Apocalipse - Rpg
>>> Livro do Mestre - Advanced Dungeons e Dragons
>>> Gurps. Modulo Básico
>>> Francisco de Assis e Francisco de Roma: Uma Nova Primavera na Igreja
>>> Forgotten Realms 3 Guia De Campanha Para Undermontain
>>> Cinema: O Divã e a Tela
>>> Até os Felizes Sofrem
>>> Assessoria de Imprensa
>>> As Virtudes da Casa
>>> Além do bem e do mal
>>> Aleister Crowley - A Biografia de um Mago
>>> A realização espontânea do desejo
>>> Belo Desastre
>>> Nao deixe para depois o que voce pode fazer agora
>>> Ecos Dos Mortos
>>> O pai sessenta minutos
>>> A Noite dos Quatro Furacões
>>> Caixa de Pássaros
>>> Qualidade em Serviços
>>> O Quarto Poder - Uma Outra História - 1ª Edição
>>> Sem Vestígios - Revelações de um Agente Secreto da Ditadura
>>> O Arroz de Palma - Edição Comemorativa
>>> Cisnes Selvagens - Três Filhas da China
>>> Sobre o Céu e a Terra - As Ideias do Papa Francisco
>>> Sobre Heróis e Tumbas - 2002
>>> O Homem de Beijing - 1ª Edição
>>> Compêndio de Análise Institucional e Outras Correntes - Teoria e Prática
>>> As Cartas Ácidas da Campanha de Lula de 1998 - 1ª Edição
>>> A Igreja Universal e Seus Demônios - Um Estudo Etnográfico
>>> Eugene H peterson ( o caminho de Jesus e os atalhos da igreja)
>>> Cadernos do nosso tempo Cinema Brasileiro
>>> Ciência Contemplativa
>>> O Absurdo e a Graça
>>> Farra no Formigueiro
>>> Picasso - Coleção Crianças Famosas
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 24/10/2008
Digestivo nº 386
Julio Daio Borges

+ de 1200 Acessos




Além do Mais >>> Um Nobel para Paul Krugman
Alex Atala é um gênio da alta gastronomia. Ponto. Todas as demais considerações a seu respeito são meramente acessórias. Capitaneando o D.O.M. desde 1999, esse chef não tem nada a esconder e explica com palavras escolhidas o que considera a razão de seu sucesso. Atala conta que, durante a infância e juventude, nunca apresentou nenhuma aptidão especial. Até ir-se para a Europa. Lá, meteu-se a cozinhar e terminou passando 6 anos em estágios e empregos pela França, pela Bélgica e pela Itália. Os franceses lhe revelaram sua disciplina quase militar, transmitindo os rigores da técnica. Os belgas não se mostraram muito diferentes dos franceses. E os italianos, apaixonados, legaram-lhe o gosto pela experimentação e as lições de quem se dedica aos que afetivamente lhe são próximos: a família, cuja figura central é sabidamente “la mamma”. Assim, talvez, se explique a importância que Alex Atala dá às reações e aos sentimentos de seus clientes, quando eles entram em contato com os seus pratos. Não há o que dizer sobre eles, são perfeitos. E é exatamente isso que esse jovem mestre procura, tão logo lança um novo cardápio: nenhuma descrição pormenorizada, apenas o mais puro êxtase. Como bem coloca, o sabor e o cheiro são intransmissíveis por qualquer meio, requerendo presença física (paladar e olfato, mais precisamente). Portanto, aconselha: se alguém quer conhecer Alex Atala, deve provar de sua comida – que é o que ele faz melhor. Não tem a menor intenção de mudar, expandindo-se ou desdobrando-se por outras mídias – seu negócio é cozinhar mesmo. Acontece que, além dessa habilidade extraordinária que lhe permitiu tomar de assalto a cena brasileira, estabelecendo-se com a autonomia de um artista de vanguarda, Atala é carismático e possui um conhecimento enciclopédico, não só de cozinha internacional, mas de pratos genuinamente brasileiros (dentre esses, estão os mais de 300 que lançou em dois anos praticamente). Qualquer conversa com ele se transforma numa aula, dada a erupção de ingredientes, receitas e temperos. Logo, é natural que se lhe peça a transmissão urgente de uma bagagem que só ele tem. O tempo urge. Seus discípulos e admiradores também. Resumindo: a visita ao D.O.M. é eminente. Afinal, é nosso dever asseverar que Deus continue Ótimo e Máximo, sempre. Amém. [3 Comentário(s)]
>>> Paul Krugman
 



Literatura >>> Cartas, de Antônio Vieira
Alex Atala é um gênio da alta gastronomia. Ponto. Todas as demais considerações a seu respeito são meramente acessórias. Capitaneando o D.O.M. desde 1999, esse chef não tem nada a esconder e explica com palavras escolhidas o que considera a razão de seu sucesso. Atala conta que, durante a infância e juventude, nunca apresentou nenhuma aptidão especial. Até ir-se para a Europa. Lá, meteu-se a cozinhar e terminou passando 6 anos em estágios e empregos pela França, pela Bélgica e pela Itália. Os franceses lhe revelaram sua disciplina quase militar, transmitindo os rigores da técnica. Os belgas não se mostraram muito diferentes dos franceses. E os italianos, apaixonados, legaram-lhe o gosto pela experimentação e as lições de quem se dedica aos que afetivamente lhe são próximos: a família, cuja figura central é sabidamente “la mamma”. Assim, talvez, se explique a importância que Alex Atala dá às reações e aos sentimentos de seus clientes, quando eles entram em contato com os seus pratos. Não há o que dizer sobre eles, são perfeitos. E é exatamente isso que esse jovem mestre procura, tão logo lança um novo cardápio: nenhuma descrição pormenorizada, apenas o mais puro êxtase. Como bem coloca, o sabor e o cheiro são intransmissíveis por qualquer meio, requerendo presença física (paladar e olfato, mais precisamente). Portanto, aconselha: se alguém quer conhecer Alex Atala, deve provar de sua comida – que é o que ele faz melhor. Não tem a menor intenção de mudar, expandindo-se ou desdobrando-se por outras mídias – seu negócio é cozinhar mesmo. Acontece que, além dessa habilidade extraordinária que lhe permitiu tomar de assalto a cena brasileira, estabelecendo-se com a autonomia de um artista de vanguarda, Atala é carismático e possui um conhecimento enciclopédico, não só de cozinha internacional, mas de pratos genuinamente brasileiros (dentre esses, estão os mais de 300 que lançou em dois anos praticamente). Qualquer conversa com ele se transforma numa aula, dada a erupção de ingredientes, receitas e temperos. Logo, é natural que se lhe peça a transmissão urgente de uma bagagem que só ele tem. O tempo urge. Seus discípulos e admiradores também. Resumindo: a visita ao D.O.M. é eminente. Afinal, é nosso dever asseverar que Deus continue Ótimo e Máximo, sempre. Amém. [2 Comentário(s)]
>>> Cartas de Antônio Vieira
 



Internet >>> Farofa Moderna, de Vagner Pitta
Alex Atala é um gênio da alta gastronomia. Ponto. Todas as demais considerações a seu respeito são meramente acessórias. Capitaneando o D.O.M. desde 1999, esse chef não tem nada a esconder e explica com palavras escolhidas o que considera a razão de seu sucesso. Atala conta que, durante a infância e juventude, nunca apresentou nenhuma aptidão especial. Até ir-se para a Europa. Lá, meteu-se a cozinhar e terminou passando 6 anos em estágios e empregos pela França, pela Bélgica e pela Itália. Os franceses lhe revelaram sua disciplina quase militar, transmitindo os rigores da técnica. Os belgas não se mostraram muito diferentes dos franceses. E os italianos, apaixonados, legaram-lhe o gosto pela experimentação e as lições de quem se dedica aos que afetivamente lhe são próximos: a família, cuja figura central é sabidamente “la mamma”. Assim, talvez, se explique a importância que Alex Atala dá às reações e aos sentimentos de seus clientes, quando eles entram em contato com os seus pratos. Não há o que dizer sobre eles, são perfeitos. E é exatamente isso que esse jovem mestre procura, tão logo lança um novo cardápio: nenhuma descrição pormenorizada, apenas o mais puro êxtase. Como bem coloca, o sabor e o cheiro são intransmissíveis por qualquer meio, requerendo presença física (paladar e olfato, mais precisamente). Portanto, aconselha: se alguém quer conhecer Alex Atala, deve provar de sua comida – que é o que ele faz melhor. Não tem a menor intenção de mudar, expandindo-se ou desdobrando-se por outras mídias – seu negócio é cozinhar mesmo. Acontece que, além dessa habilidade extraordinária que lhe permitiu tomar de assalto a cena brasileira, estabelecendo-se com a autonomia de um artista de vanguarda, Atala é carismático e possui um conhecimento enciclopédico, não só de cozinha internacional, mas de pratos genuinamente brasileiros (dentre esses, estão os mais de 300 que lançou em dois anos praticamente). Qualquer conversa com ele se transforma numa aula, dada a erupção de ingredientes, receitas e temperos. Logo, é natural que se lhe peça a transmissão urgente de uma bagagem que só ele tem. O tempo urge. Seus discípulos e admiradores também. Resumindo: a visita ao D.O.M. é eminente. Afinal, é nosso dever asseverar que Deus continue Ótimo e Máximo, sempre. Amém. [1 Comentário(s)]
>>> Farofa Moderna
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CODIGO COMERCIAL
GISELE DE MELO BRAGA TAPI
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2004)
R$ 5,99



TRAVESSIAS DO PÓS TRÁGICO
ROBERTO VECCHI (ORG)
UNIMARCO
(2006)
R$ 10,00



TRACE
NORA ROBERTS
HARLEQUIN
(2014)
R$ 5,00



MUNDOS EM CONEXÃO
GEOFFREY D. FALK
CULTRIX
(2012)
R$ 18,90



AS MENTIRAS QUE OS HOMENS CONTAM
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2001)
R$ 10,58



ANTOLOGIA POÉTICA DE AUGUSTO DOS ANJOS
AUGUSTO DOS ANJOS
EDIOURO
(1997)
R$ 3,00



OS CEM MELHORES CONTOS BRASILEIROS DO SÉCULO
ITALO MORICONI
OBJETIVA
(2009)
R$ 16,00



INOCENTE, O
HARLAN COBEN
ARQUEIRO
(2013)
R$ 21,00



CHINA 25 ANOS,25 SÉCULOS.
FRANCIS AUDERY
PAZ E TERRA
(1976)
R$ 25,00
+ frete grátis



TEX Nº 209 - MENSAGEIRO DA MORTE 
SERGIO BONELLI
GLOBO
(1987)
R$ 5,00
+ frete grátis





busca | avançada
30533 visitas/dia
1,1 milhão/mês