Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
26396 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
>>> Cabelo faz finissage no BNDES Rio
>>> Palombar realiza temporada gratuita em Cidade Tiradentes durante o mês de Junho.
>>> VIVA NANÁ! homenageia o saudoso percussionista pernambucano Naná Vasconcelos no Sesc 24 de Maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
>>> O último Shakespeare
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Figuras de linguagem e a escrita criativa
>>> Meu Tom Jobim
Mais Recentes
>>> Mundo dos sonhos realidade e imaginação
>>> A Literatura no Brasil- Volume 4
>>> A Literatura no Brasil- volume 6
>>> Eu, Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> Asterix Entre os Bretões- Número 4
>>> Apresentação de Jorge de Lima
>>> Rei Negro
>>> A Literatura no Brasil volume 5 Modernismo
>>> Miragem
>>> O Rajá do Pendjab - vol. 1
>>> A Aldeia Ancestral
>>> Inocência Heróica
>>> A Colheita
>>> -Inéditos - Revista volume 2
>>> A Literatura no Brasil Volume 3
>>> A Revolução das Moedas Digitais- Bitcoins e Altcoins
>>> O Menino de Capivari - Volumes I, II e III
>>> Por uma Geografia Nova
>>> Oriundi - os Italianos em Capivari
>>> Filosofia da Realidade e da Projeção
>>> Astrojildo Pereira - in Memoriam
>>> J. Prata - Belas Páginas
>>> Vida, Paixão e Poesia de Rodrigues de Abreu
>>> Vida, Paixão e Poesia de Rodrigues de Abreu
>>> Salomé e Outros Versos
>>> Salomé e Outros Versos
>>> Ensinar a Pensar -Teoria e Aplicação
>>> Na Escola que Fazemos - Uma reflexão interdisciplinar em edução popula
>>> Educação e Mudança
>>> Acompanhantes Terapêuticos e Pacientes Psicóticos
>>> A Beleza da Arte
>>> A Ronda das Ruas
>>> O Combate a Corrupçao Nas Prefeituras do Brasil
>>> Ciencias e Tecnologias Col. Pesquisas e Praticas Em Educacao
>>> Prática Pedagógica Competente: Ampliando os Saberes do Professor
>>> Os Segredos do Gerente 8020
>>> Excelência no Secretariado: A Importância da Profissão nos...
>>> Segurança E Medicina Do Trabalho
>>> Gestão de Investimentos - Pocket
>>> Plano de Negócios
>>> Marinheiros e professores: crônicas simples ade, construtivismo
>>> Jogo de Areia
>>> Pare de Dar Murro em Ponta de Faca
>>> Administração de Vendas
>>> A Grande História da Evolução. Na Trilha dos Nossos Ancestrais
>>> Terapia Intravenosa e Infusoes
>>> Terapia Intravenosa e Infusoes
>>> Terapia Intravenosa e Infusoes
>>> Os Verdadeiros Líderes da Mudança
>>> 50 Técnicas Essenciais Da Administração
BLOG

Sexta-feira, 16/9/2005
Blog
Redação

 
São Francisco Xavier II


(Começa aqui...)

* * *

No segundo dia, logo pela manhã, desfrutamos do impecável café da manhã da Fred, no refeitório da Kolibri. Muitas frutas, granola, mel, bolos, pães, manteiga, queijos e geléias saudáveis (a Fred é vegetariana). A trilha sonora, durante a temporada, foi escolhida por ela a dedo (um dia até tocou, por coincidência, meu amigo Juarez Maciel). Com base nas dicas da Patrícia, do Photozofia, a Fred nos aconselhou conhecer primeiro os locais próximos à pousada (a 6 Km da cidade) e, depois, rumar para o centro de São Francisco Xavier (onde estavam as outras atrações). Foi o que fizemos, depois de eu folhear, em sua biblioteca, um livro do Davi Arrigucci Jr., em que ele falava sobre o cacto de Manuel Bandeira: áspero e intratável.

* * *

A primeira parada foi o Trutário Mariser. Até então eu não sabia nada sobre trutas; nem a Carol. Descobrimos que a sua criação pode ser extremamente complicada. O último dono do Trutário, por exemplo, enfartou depois de saber que dezenas de milhares de trutas haviam morrido, por conta de um ato falho de um funcionário seu, que, tomando umas e outras, descuidou delas durante uma tempestade. O dono chegou, avistou os urubus, sentiu o cheiro - e quase bateu as botas. Quem nos contou isso foi a dona Marina, que, com sua filha e seu genro, hoje administra(m) o Trutário. Além de estar aberto para a pesca, serve pratos (que ela mesma prepara) e cuida, obviamente, de todo o ciclo de vida das trutas: desde a fecundação, os embriões, até a idade adulta e o abate. Não degustamos nada, mas nos deliciamos com a visão da Cachoeira das Andorinhas, ali pelo caminho (outra dica da Patrícia) - o sol finalmente saía e o tempo melhorava.

* * *

Até o Trutário, foi uma boa caminhada, mas, para A Rosa e o Rei, uma pousada próxima à nossa, seguimos de carro. (A Carol queria arriscar a ida de bicicleta, mas depois de avistar as subidas consideráveis, concordou que a melhor opção era mesmo a motorizada.) Quem nos recebeu, n'A Rosa e o Rei, além da vista deslumbrante, foi a Simara, que, fora o fato de ser artista dos teares, é a gerente de lá e também crooner nas horas vagas... A Rosa e o Rei está localizada num vale, basicamente em três níveis principais, circundados por cachoeiras e pela estrada. Chega-se no superior (dos chalés de cima e do deck), entra-se pelo intermediário (o restaurante, a recepção e o espaço para a prática de tai chi chuan), passa-se pela "fogueira" (um amplo círculo onde as pessoas se reúnem, à noite, ao redor do fogo) e alcança-se enfim o ponto mais baixo do relevo, próximo à sala de massagem, com mais chalés e a trilha para as duas cachoeiras principais, justamente: a Rosa e o Rei, o princípio feminino e o princípio masculino, conforme nos explicou o Fred, idealizador e dono.

* * *

O Fred, ficamos sabendo por seu amigo Wilson (que chegou depois), foi operador da bolsa de valores (ou "jogador", como se dizia antes), e apresentou-se para nós como empreendedor no ramo da agricultura que, tendo um problema no joelho, mudou sua vida completamente depois do tratamento através do tai chi chuan. Quando o cumprimentei pelo feito de haver montado A Rosa e o Rei (que é inclusive um case para a engenharia e a arquitetura), ele resumiu conclusivo: "Nós não fazemos nada; quem faz é a energia. Nós somos...". "Instrumento", acrescentei - e ele acedeu. Fomos convidados para almoçar e para dividir a mesa com ele e com a Simara. A comida, excelente, também vegetariana, é uma sugestão para os hóspedes experimentarem, durante a sua estada, refeições mais leves. Provamos ainda do chá, do vinho do Fred e, em mim, ficou a impressão de um queijo fresco e de um doce de leite. O almoço se encerrou, já no meio da tarde, com o convite dele para voltarmos dali a dois dias e participarmos de uma "prática"...

* * *

Corta para a noite. Já no Photozofia, depois de uma passagem pela pousada Kolibri, participamos, a convite do Sandro e da Patrícia, da abertura da exposição dos artistas Morgan e Sandra Soublin, lá mesmo no Photozofia. O Morgan, cheio de temas orientais; e a Sandra, mais delicada, com inspirações a partir da própria natureza, depois de uma temporada na França. Nossa suspeita era de que o Morgan tivesse uma ascendência árabe, mas ele nos contou uma história muito divertida de quando expunha em São Paulo, junto a inúmeros outros pintores, na Praça da República. Como todos faziam as mesmas coisas, ele, um rebelde, filho dos anos 60, inovou com motivos de embarcações da época dos grandes descobrimentos. Passou, de repente, a vender muito e, gerando bafafá, logo foi imitado na Praça. Quando a Praça da República inteira pintava, como ele, embarcações, passou a pintar flores, com o foco de luz desviado. Veio novo bafafá e veio nova onda de imitações. Passou, por fim, a estudar motivos orientais e a representá-los minuciosamente - de forma que nunca mais foi imitado.

* * *

Outra história, essa comovente, que o Morgan nos contou, foi sobre sua experiência com arte & terapia. Dispôs-se a ser professor de um rapaz que praticamente perdeu o contato com o mundo, atacado pela sociofobia e pela síndrome do pânico. No início, praticamente não falava e como sempre ocorre, desconfiava até da presença do professor. Hoje - digo, meses depois -, cumprimenta o Morgan ("Oi, professor"), faz sua lição de casa e, quando uma atitude de alguém próximo a ele lhe agrada, promete presentear a pessoa com um abajur - objeto que aprendeu a confeccionar graças às aulas do professor Morgan. Às vezes saem os dois para uma volta no quarteirão. O aluno, muito desconfiado, olhando para todos os lados e o professor pedindo que ele relaxe. Tem funcionado. O Morgan diz que tem feito melhor até pra ele do que para o clinicado. Eu acredito. E acredito, inclusive, que é a melhor obra do Morgan.

* * *

A noite se encerrou no Boteco do Rao, outra dica da Patrícia do Photozofia e outra sugestão enfática da Fred da Kolibri. Comentário, a respeito, do próprio Rao: "A Frederica falou bem de mim? Você sabe que esses alemães são meio sádicos...". O Rao é, antes de tudo, um grande gozador. E tem um passado que daria uma bela biografia (embora não confirme muitos dos fatos, é um envolvente contador de histórias). Carlos Rao, irmão da jornalista Gisela Rao, é figura conhecida dos anos 80, mais precisamente da Kaos Brasilis, a loja que vestia todo o Rock BR e que ajudou a fundar. "Sou o Charlie Boy, que eles dizem por aí...". Saiu de São Paulo há doze anos, morou em Ubatuba, casou-se algumas vezes (não revela quantas), teve dois filhos e descobriu São Francisco Xavier (não exatamente nesta ordem). Lá é, além de portador dessa aura meio mítica, o rei da gastronomia do improviso - o Rao prepara pratos, ao sabor do clima, com o que tiver na mão. Eu e a Carol preferimos não arriscar tanto e apreciamos então os risotos de seu jovem chef, o bem-apessoado Sereno. Rimos das piadas, e das músicas, e dos causos, principalmente do Orestes "Pinga" Lavorini, acompanhado pelo instrumento de sopro de Hilda Bueno (é, lá têm musica ao vivo...).

* * *

(Continua aqui...)

* fotos de Ana Carolina Albuquerque

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
16/9/2005 às 13h10

 
São Francisco Xavier I

Mais uma vez descumpri a minha promessa de blogar diretamente do local do crime. O Leitor que me perdoe. Mas, também, que se prepare, porque São Francisco Xavier foi o ápice da Era dos Festivais. Nunca coletamos tanto material. Quando digo "coletamos" não me refiro apenas à equipe do Digestivo Cultural (ou até me refiro), mas me refiro sobretudo a mim e a Carol. Eu, com dados; ela, com imagens. Sem brincadeira, daria pra montar uma revista. Ou uma grande reportagem (quem sabe, um dia desses, realizo o sonho de abrir uma seção de reportagens no Digestivo Cultural...). Seria um bom começo, mas agora não dá. Vamos ao que interessa afinal.

* * *

O convite para São Francisco Xavier surgiu através da Patrícia Ioco, do Photozofia. A idéia dela e do Sandro, seu marido, era realizar a segunda edição do Encontro de Cordas da Mantiqueira ("Mantiqueira", eu aprendi, quer dizer "Montanha que Chora", em tupi guarani). Recebi o release num dia de semana e como havia o interesse, meu e da Carol, de conhecer São Francisco Xavier, propus à Patrícia a cobertura do seu Festival de Música, citando os exemplos de Campos do Jordão, de Búzios, de Rio Preto e da Flip. Ela se mexeu para conseguir uma pousada, a Kolibri, e também conversou com os restaurantes locais - ao final, tínhamos uma programação completa para o feriado. Fomos.

* * *

Saímos na quinta-feira, dia 8, pela Carvalho Pinto em direção a Campos do Jordão. A Carol tinha aquele guia Fuja de São Paulo, da Folha, que eu lhe dei de presente anos atrás, e, graças a uma pequena confusão, escolhemos o caminho mais longo para São Francisco Xavier, depois de nos aconselharmos com a polícia rodoviária, que forneceu um segundo mapa, para a alegria da Carol (ela é mulher-mapa). Passamos por Quiririm, por Santo Antônio do Pinhal e por Monteiro Lobato até chegar ao nosso destino final. Demorou uma hora a mais: 3h30 em vez de 2h30 (o que seria o normal se seguíssemos por São José dos Campos). Não me lembro da primeira impressão da cidade agora...

* * *

Antes de passar na Patrícia (e no Sandro), e no Photozofia, partimos direto para a pousada, pra descarregar o carro etc. A Kolibri, antes de ser uma indicação da Patrícia, tinha sido também, por coincidência, uma indicação do seu Lechner, cliente da Carol (a Carol, além de fotógrafa oficial do Digestivo Cultural, é arquiteta). A Fred, dona da pousada (seu nome, aportuguesado, seria, como disse o Rao - outro "local" -, Frederica, mas "Fred" é como ela prefere ser chamada...), a Fred nos surgiu como um alemã risonha, amigável, cheia de idéias e artista plástica ainda por cima (vem também daí sua sensibilidade e sua iniciativa em nos alojar). Ficamos, para o encanto da Carol, no que ela divertidamente chamou de "estrebarria" ("estrebaria", de cavalos, mas considere os dois erres por conta do sotaque alemão). A Fred, e seu marido, e sua família, que administram a Kolibri, converteu (converteram) a antiga sede - uma fazenda - adaptando as construções originais. Então, dorminos, simpaticamente, numa linda ex-baia para cavalos. A fotografia, mais ou menos, explica.

* * *

Fora isso, a Fred nos contou que veio, com seu marido, de Hamburgo para Santos (ele trabalha em portos, claro). Chegaram ao Brasil e foram ficando, ficando... Até que descobriram São Francisco Xavier e tiveram idéia da pousada Kolibri. A Fred nos mostrou, através de um tour, a recepção, o refeitório, a sala de música (seu marido toca piano), mas o que mais me despertou interesse foi sua sala de leitura (ou biblioteca). Meus olhos foram direto para sua coleção da Pléiade francesa (tenho alguns volumes mas, observando os dela, lembrei, na hora, das aulas do Milton Hatoum sobre Flaubert). Havia, ainda, livros em português (óbvio), em espanhol, em inglês e em alemão (talvez em mais alguma língua que eu não tenha detectado...). Conhecemos, ainda nesta primeira noite, os gatos da Fred e os cachorros. A Carol gostou, particularmente, da Soquete, que pediu para subir no colo dela - então a gatinha, que parecia um cobertor, bateu na porta da nossa "baia" nas noites posteriores. Às vezes, abrimos; às vezes, não.

* * *

Nossa próxima parada foi, óbvio, o Photozofia, a razão inicial da nossa vinda. Encontramos a Patrícia e o Sandro. Ela nos contou que ambos se conheceram graças a um trabalho na rádio Cultura (de São Paulo); ela vinha de Santo André, ele vinha da Argentina. Alimentavam o sonho de criar os filhos fora da metrópole paulistana e o projeto de inaugurar um restaurante, com espaço para shows e exposições, veio à tona com a idéia de mudar para São Francisco Xavier. Nasceu o Photozofia em 2000. É muito difícil comparar com qualquer lugar de São Paulo. (As fotos dizem alguma coisa...) O destaque, a meu ver, é a cara que o Sandro conferiu à sua casa de espetáculos: cheia de materiais reciclados, muitos de demolição, como as estruturas de ferro, as mesas igualmente, e o lustre que foi da BM&F. No Photozofia, são vendidos, ainda, CDs de músicos independentes e são servidas brusquetas maravilhosas (nesta primeira noite já pudemos experimentar...).

* * *

A Patrícia nos contou, ainda, que a idéia do Festival de Música, Encontro de Cordas na Mantiqueira, surgiu numa conversa nas mesas do Photozofia, em que participavam, obviamente, o Sandro e o músico Braz da Viola. Desde a abertura da casa noturna já havia um fluxo constante de artistas, principalmente vindos de São José dos Campos, que procuravam um lugar para se apresentar e encontravam abrigo no espaço que a Patrícia e o Sandro erigiram. Além do Festival, ficamos sabendo que a cidade sedia ainda uma mostra de artes, para os realizadores locais, e inclusive assistimos a uma seqüência de fotos em que desfilavam os artistas e as obras devidamente clicados na última edição (eu e a Carol conheceríamos cada um deles nos dias subseqüentes...).

* * *

Nossa última parada, nesse primeiro dia, seria a pizzaria Caboclo, uma indicação da Patrícia. Lá conhecemos o Donizette, a Vilma e o Guilherme - também uma família que trabalha unida: ele fazendo as pizzas, ela atendendo às mesas e ele, o filho, servindo. Todos muito simpáticos, contaram que a pizzaria começou como um hobby nos finais de semana, que se consagrou e que ganhou fama. Donizette, que trabalha originalmente em construção civil, de segunda a sexta-feira, foi inclusive convidado para abrir uma pizzaria nos mesmos moldes em São Paulo, mas não aceitou: "Pra quê? Pra ficar rico e ser seqüestrado? Eu, não!". (Eu e a Carol adoramos essa justificativa...) Na verdade, uma das razões para o sucesso da sua pizza é um suporte onde a mesma, depois de assada, não esfria (por causa de uma pedra específica - Donizette, prometo que não conto o segredo, tá?). Imperdível. Pena não termos tido tempo para voltar e comer a versão doce da mesma pizza...

* * *

(Continua aqui...)

* fotos de Ana Carolina Albuquerque

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/9/2005 às 17h12

 
Novos Talentos

"(...) Numa busca ligeira na Internet, é possível ter acesso a dezenas de sites dedicados a divulgar 'jovens talentos', enquanto no mundo real acontece parecido: por todo o país, incontáveis oficinas literárias de escritores veteranos convivem com uma boa quantidade de guias e manuais sobre a arte da ficção, tudo isso feito de encomenda para quem procura atalhos que conduzam, afinal, ao mais parecido possível com o sucesso. Por isso, não há exagero em se falar de epidemia - já que disso afinal se trata: no País dos Iletrados, a literatura vem se revelando cada vez mais um instrumento de visibilidade social. Obstinados em defender seu (inegável) direito de serem lidos, todos parece que se esquecem do pequeno 'detalhe': o dever de escrever bem - e, sem isso, nenhuma literatura se sustenta."

De Antonio Fernando Borges, para a No Mínimo, porque não custa lembrar, de vez em quando, que escrever bem é fundamental.

[Comente este Post]

Postado por Fabio Silvestre Cardoso
15/9/2005 às 16h53

 
Estupra mas não mata

É o "recado pros companheiros de cela do Maluf", dado pelo Cássio, do Tome Cálcio, que linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/9/2005 às 13h19

 
primadipartire

"Mentre leggete questo post, se tutto è andato bene, io sono già morto e sepolto." [Tradução livre: "Enquanto você lê este post, se tudo correu bem, já devo estar morto e enterrado".]

Ciro Milani e a incrível história do blogueiro milanês que (supostamente) cometeu suicídio on-line (porque parece post do Pedro Doria; e porque essa não é nova: aqui, no Digestivo, até o Polzonoff já tentou [e o Rodrigo, comentou...] - via La Cosa Húmeda).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/9/2005 às 12h37

 
Generaciones de blogueros

(...)Primero fueron los geeks, que crearon los blogs, la tecnología que hay detrás y los hicieron crecer. Posteriormente fueron los que llama "extrovertidos", gente que descubrió en los blogs una herramienta para tener una voz pública, compuesto sobretodo por periodistas o por bloggers políticos. Finalmente están los bloggers consumidores, o lo que vendría a ser lo mismo, la entrada en masa del usuario medio de internet, especialmente los más jóvenes, y especialmente a través de MSN Spaces. Esta última generación ve los blogs como algo normal, sin las complicaciones filosóficas de las anteriores generaciones, especialmente la primera.(...)

Víctor R. Ruiz, no seu Linotipo, sobre o comentário do comentário.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
14/9/2005 às 12h15

 
Reinventing Radio

Current media distributors and large-scale media creators are going to find themselves suddenly operating in a market of peer creators, where hundreds of people can create and interact and respond to the media around them. The network is already a challenge to broadcast - people who use the internet a lot use television less - but this is a new challenge. It's a challenge of participation - where one-to-many broadcast-style content has to figure out how to find new ways of getting their "audience" involved. This is a challenge that's all over the place - and it's a problem of bandwidth. How does one show or product or team respond to and respect the input of hundreds of thousands of individuals, and reflect it in what they make? If you're Last.fm it's easy - you give everyone something different. But if you're a popular content creator with one outward channel that's the same for everyone, things get a little harder. How will they adapt?

Tom Coates, sobre o Phonetags (para quem ainda não entendeu a importância das famosas tags...).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
14/9/2005 às 12h07

 
un dos sitios máis modélicos

Un portal de libros e de actualidade cultural brasileira. É un dos sitios máis modélicos de información cultural na rede que visito, mestura a promoción de novidades con ensaios e forums. Moi interesante.

Manuel Bragado, sobre este Digestivo, direto da Galicia.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
13/9/2005 às 08h56

 
The Super Network

These days, the company [Yahoo!] has two distinct faces. In Silicon Valley, a band of happy hackers, the descendants of [Jerry] Yang and [David] Filo, work to out-engineer the guys up the street at Google. In Santa Monica, 350 miles south, the Yahoo! Media Group has slapped down $100 million for a 10-year lease on the 230,000-square-foot Yahoo! Center, formerly MGM's home. The office park covers an entire city block, squatting amid the offices of HBO, MTV, Lion's Gate, and Universal. The company won't comment on its mission in LA, but in an internal email making rounds on the Web, Yahoo! COO Dan Rosensweig says, "The growing consumer demand for compelling content on the Internet and the proliferation of broadband is an exciting opportunity. We need to enhance our presence in the entertainment capital of the world."

Josh McHugh, na Wired (porque o Yahoo! está reinventando, também, a televisão...).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
13/9/2005 às 08h47

 
Do bom

Auto-intitulado "um programa sem ensaio", Claro que é Rock tem tudo para se firmar como "o programa de rock da TV brasileira". Com a programação nas rádios cada vez mais desinteressante, a MTV cada vez mais comportamento e a TV aberta cada vez mais burra, o Multishow começa a saltar uns pontos acima com a - também cada vez mais - melhor faixa de TV por assinatura.

Mario Marques no Laboratório Pop.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
12/9/2005 às 15h24

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




40 ANOS DE BÍBLIA NA LINGUAGEM DE HOJE
SBB
BIBLE SOCIETY
(2013)
R$ 18,00



RASTROS DO VERÃO
JOÃO GILBERTO NOLL
RECORD
(2008)
R$ 7,79



O GRANDE ATIRADOR
BUFALO BILL
GLOBO
(1938)
R$ 18,00



BÚFALO BILL - COM 250 ILUSTRAÇÕES
W. O' CONNOR
BRUGUERA
R$ 5,00



OPEN SOURVE LICENSING SOFTWARE FREEDOM AND INTELLECTUAL PROPERTY LAW
LAWRENCE ROSEN
PRENTICE HALL
(2005)
R$ 50,00



O SEQUESTRO
ALBERTO BERQUÓ
NOVA FRONTREIRA
(1997)
R$ 8,00



OS MESTRES E AS CRIATURAS NOVAS
JIM MORRISON
ASSÍRIO & ALVIN
(1987)
R$ 50,00



INÉS É MORTA, VEADO, PIRANHA E OUTROS BICHOS
RAUL CANAL
ANDRADE
(2008)
R$ 10,00



OS PENSADORES NIETZSCHE VOL. 2
FRIEDRICH NIETZSCHE
NOVA CULTURAL
(1991)
R$ 10,00



CURSO DE ESTETICISTA - VOLUME 2
ISABEL TORROBA
PARANINFO
(1988)
R$ 58,00





busca | avançada
26396 visitas/dia
708 mil/mês