Por Mares Nunca Dantes, de Geraldo Carneiro | Nanda Rovere | Digestivo Cultural

busca | avançada
29494 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
>>> Jikulumessu é a nova novela angolana que a TV Brasil estreia nesta quinta (25)
>>> Release | 'O importante, minha filha, é nunca tirar a mão do barro'
>>> Flávia Galli ministra a palestra "O Novo mundo descobre a Ásia" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Dia 27 de maio em Campinas: nova edição do "Casa Flamenca" do Café Tablao
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
>>> Ringue vago
>>> Presidenta e presidento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Sionismo e resistência palestina
>>> O melhor da década na literatura brasileira: prosa
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Os desafios de publicar o primeiro livro
>>> Um ano na Provence
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Avatar 3D e as tecnologias visuais do novo milênio
Mais Recentes
>>> Resumo de Criminologia
>>> O Crime nosso de cada dia
>>> A Ouvidoria Brasileira/Dez Anos da Associação Brasileira de Ouvidores
>>> Comunicação e Democracia/Problemas e Perspectivas
>>> Recepção Midiática e Espaço Público
>>> Garoto encontra Garota
>>> Cause Impacto!
>>> A Rainha da Fofoca Fisgada
>>> A Rainha da Fofoca em Nova York
>>> Superando os desafios íntimos
>>> Terra Sonâmbula
>>> A Rainha da Fofoca
>>> Todo Garoto Tem
>>> Tamanho 42 não é gorda
>>> Tamanho 44 também não é gorda
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu
>>> Pegando Fogo!
>>> Lembra de mim?
>>> Caçada Macabra
>>> Como eu era antes de você
>>> O Chamado do Cuco
>>> Nerve
>>> Traição entre Amigas
>>> O mundo dá voltas para meninas que não engolem sapos
>>> Guias Práticos Verbos: Empregos e Conjungação
>>> Tudo sobre meninos para meninas!
>>> Menina de vinte
>>> 20000 Léguas Submarinas - Edição Condensada
>>> Diário de um Banana - Dias de cão
>>> 365 dias do ano - Staying Strong
>>> Marina
>>> Blog da Cacau // Ninguém Merece
>>> Ai Amigas ! // Ninguém Merece
>>> A vida secreta das abelhas
>>> Luz del Fuego/A Bailarina do Povo
>>> Apaixonada por palavras. Crônicas.
>>> Quem é você, Alasca?
>>> A mala de Hanna - Uma história real.
>>> O tempo entre nós.
>>> First Light - Dois mundos, um segredo.
>>> Aquele Verão
>>> A princesa sob os refletores
>>> Fala sério, Professor!
>>> Homem & Mulher Viva a Diferença!
>>> O Livro Das Garotas Audaciosas
>>> A Passagem de Mael: um amigo
>>> Fala sério, Mãe!
>>> Fala sério, amiga!
>>> Gêneros Radiofônicos
>>> Relações Públicas e Micropolítica
COLUNAS

Segunda-feira, 8/3/2004
Por Mares Nunca Dantes, de Geraldo Carneiro
Nanda Rovere

+ de 8200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O escritor Geraldo Carneiro lançou no ano passado um CD denominado Por Mares Nunca Dantes, título obviamente inspirado no poema "Por Mares Nunca Dantes Navegados", de Luís Vaz de Camões.

Literatura e música se unem para narrar a fictícia vinda - acidental - de Camões para o Rio de Janeiro.

O CD é, na verdade, a versão do livro, de mesmo nome, lançado por Geraldo Carneiro em 2000, livro que também deu origem a uma montagem teatral, encenada no Rio de Janeiro em 2002.

A obra, um poema épico-burlesco, é uma homenagem-crítica aos 500 anos do Brasil. Ao atravessar o Cabo das Tormentas, a caravela de Camões cai numa espécie de buraco negro e acaba chegando ao Rio de Janeiro, mais de quatro séculos depois.

O CD possui 12 faixas que vão narrando as andanças do poeta português pela "cidade maravilhosa".

Um certo realismo fantástico acompanha a história, pois Camões se depara com um engenho que navega pelos ares, é atropelado por uma Besta (que na verdade é um carro), se encanta com a TV, entra em contato com o submundo carioca (traficantes, travestis, prostitutas...), com um pai (de santo) e acaba se apaixonando por Aurora Boreal, uma garota de programa. Um mundo que deve soar muito estranho para uma pessoa que viaja mais de quinhentos anos no tempo!

Um dos momentos interessantes do poema é quando Camões descobre no Real Gabinete Português de Leitura livros de sua autoria. Neste momento, ele percebe que as previsões do babalorixá Pai Creuzo Caveirinha (de que as suas obras seriam reconhecidas) estavam corretas. É o próprio Pai Creuzo que consegue enviar Camões novamente para o seu tempo. Outro momento interessante é quando ele é atropelado pela Besta e confundido com um indigente.

Há uma intrigante mistura entre a linguagem coloquial e o modo de falar, mais simples, das pessoas. O encontro de Camões com o traficante é um exemplo. A nossa herança cultural afro também está muito bem representada na figura do orixá. A junção entre a instigante obra poética de Geraldo Carneiro e as criativas músicas compostas por Lenine teve como resultado um trabalho de qualidade que merece ser prestigiado.

É uma crítica bem humorada ao Rio de Janeiro, à nossa História e à pouca valorização da nossa Língua Portuguesa. No poema, isso fica evidente num momento em que Camões reclama da falta de conhecimento de poesia por parte dos brasileiros ("Carta a Lisboa").

O elenco é um destaque à parte. Cantores e atores dão vida a ricos personagens. Pedro Paulo Rangel interpreta Luis de Camões; Daniel Dantas, o Executivo e o Traficante; Mariana de Moraes, Aurora Boreal; Jards Macalé, o office-boy Bode Preto; Olívia Byington, o Canto da Sereia; Tonico Pereira, Pai Creuzo Caveirinha, o Babalorixá de Belford Roxo; e Geraldo Carneiro, o Narrador.

Foi acertada a idéia de utilizar a figura de Camões como metáfora do embate entre o novo e o velho. Afinal, Camões é considerado o maior poeta lírico português e seus poemas ora são inovadores, ora revelam uma linguagem tradicional portuguesa.

Por Mares Nunca Dantes pode ser um interessante complemento didático. Obviamente, com a orientação do professor, pois a chamada "licença de criação do autor", acaba suprimindo fatos importantes. Não que essa liberdade seja ruim, mas exige um cuidado do educador na hora de utilizar esse tipo de obra.

O projeto de transportar a poesia para o CD, concretizada pela gravadora Biscoito Fino, merece aplausos. Além de ganhar força com interpretações competentes e com a música de Lenine, facilita o acesso das pessoas portadoras de deficiência visual à obra.

Compreender o conteúdo de Por Mares Nunca Dantes não é muito fácil em virtude da utilização de um português arcaico, mas está aí uma das delícias do trabalho de Geraldo Carneiro: produzir literatura de boa qualidade e oferecer ao público a chance de entrar em contato com a diversidade da nossa língua e com as modificações que ela foi sofrendo nestes 500 anos.

Para ir além






Nanda Rovere
São Paulo, 8/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lula, o filme de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Nanda Rovere
Mais Acessadas de Nanda Rovere em 2004
01. As 16 Datas que Mudaram o Mundo - 12/1/2004
02. Por Mares Nunca Dantes, de Geraldo Carneiro - 8/3/2004
03. Com Ela presta homenagem à Cássia Eller - 2/2/2004
04. União entre música e poesia - 16/2/2004
05. Impressões sobre São Paulo - 26/1/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/4/2004
10h17min
Nanda Rovere, grato pela indicação desse projeto Geraldo Carneiro. Cabe fazer, entretanto, uma pequena ressalva: ao contrário do que vocë afirma, Camões jamais escreveu um poema denominado "Por mares nunca dantes navegados". Este texto é o terceiro verso da primeira estrofe de "Os Lusíadas": "As armas e os barões assinalados/ que da ocidental praia lusitana/ por mares nunca dantes navegados/ passaram ainda além da Taprobana etc."
[Leia outros Comentários de Elso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS PENSADORES - BACON
FRANCIS BACON
NOVA CULTURAL
(1999)
R$ 10,00



ÁGUA VIVA
CLARICE LISPECTOR
CÍRCULO DO LIVRO
(1973)
R$ 9,70



NUANCES DA MEMÓRIA
BETE GIACOMINI
LITERALIS
(2004)
R$ 15,00



FACE A FACE - INGMAR BERGMAN
INGMAR BERGMAN
NORDICA
(1979)
R$ 13,00



ATRAVÉS DO ESPELHO
JOSTEIN GAARDER
CIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 12,00



O ROMANCE DE TRISTÃO E ISOLDA
JOSEPH BÉDIER
MARTINS FONTES
(1994)
R$ 7,00



DO OUTRO LADO DO ESPELHO
CARLOS A. BACCELLI - ESPÍRITO INÁCIO FERREIRA
DIDIER
(2013)
R$ 19,90



CUBA, CHILE, NICARÁGUA: SOCIALISMO NA AMÉRICA LATINA
EMIR SADER
ATUAL
(1992)
R$ 7,00



SANTA MARTA FABRIL S.A. - ABÍLIO PEREIRA DE ALMEIDA (TEATRO BRASILEIRO)
ABÍLIO PEREIRA DE ALMEIDA
SNT
(1973)
R$ 12,00



O DESMONTE DA NAÇÃO EM DADOS
IVO LESBAUPIN E ADHEMAR MINEIRO
VOZES
(2002)
R$ 29,60
+ frete grátis





busca | avançada
29494 visitas/dia
896 mil/mês