Por Mares Nunca Dantes, de Geraldo Carneiro | Nanda Rovere | Digestivo Cultural

busca | avançada
31576 visitas/dia
586 mil/mês
Mais Recentes
>>> Cia de Danças de Diadema apresenta-se na CAIXA Cultural Rio de Janeiro
>>> Confraria do Vinil chega ao Cachaça Social Club na Lapa
>>> Windsor Marapendi apresenta Companhia Estadual de Jazz
>>> CarnaRock KISS FOR KIDS
>>> Para compreender a filosofia de Schopenhauer
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Imprimam - e repensem - suas fotografias
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Longa vida à fotografia
>>> Oswald de Andrade e o
>>> Nuvem Negra*
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Vocês, que não os verei mais
>>> Em nome dos filhos
>>> O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope'
>>> Píramo e Tisbe
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Fotógrafa da Amazônia é destaque na Europa
>>> Matiz carmim (série: Sonetos)
>>> Gente que corre
>>> Inventário de provas
>>> Escrever, escrever, escrever...
>>> Políticos e suas politicas
>>> Marceneiro
>>> Hércules e seu doutorado sanduíche com Aristóteles
>>> Caminhos
>>> Eroti(cidade)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Há vida inteligente fora da internet?
>>> As melhores capas de 2008
>>> Por uma lógica no estudo da ortografia
>>> Píramo e Tisbe
>>> A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte
>>> A vida se elabora no Ano Novo
>>> Pais e filhos, maridos e esposas II
>>> Surviving IPO Fever
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> Como uma criança
Mais Recentes
>>> A droga da obediência
>>> A droga do amor
>>> Anjo da morte
>>> Anjo da morte
>>> Robin Hood
>>> A marca de uma lágrima
>>> Rick e a girafa
>>> Julinho, o sapo
>>> Como se fosse dinheiro
>>> O homem que sabia javanês
>>> O reizinho mandão
>>> O catador de papel II
>>> O código polinômio
>>> História de sinais
>>> Judy Moody Salva o Mundo!
>>> História econômica Agricultura, indústria e populações
>>> A Questão Pneumatológica em Yves Marie-Joseph Congar- O Espírito e o Verbo- As duas Mãos do Pai
>>> A testemunha ocular do crime
>>> Morte na Mesopotâmia
>>> O mistério do trem azul
>>> Spharion
>>> Os crimes A B C
>>> Uma Exposição das Sete Eras da Igreja
>>> Vovó tem Alzha... o quê?
>>> Física - Volume Único - Curso Completo
>>> A menina que roubava livros
>>> Sonhos de Volúpia
>>> Ciprestre Triste
>>> CLT - Consolidação das Leis do Trabalho
>>> Autobiografia de um Iogue
>>> Lazarillo de Tormes + Cd - Nível 3 - Colección Leer En Español
>>> O manual da fotografia digital
>>> Gabriela, cravo e canela
>>> O Morro dos Ventos Uivantes
>>> Calendário do Poder
>>> Uma Longa Jornada
>>> O Futuro da Democracia - 7ª Edição Revista e Ampliada
>>> O espírito de empresa
>>> Sucesso sem Stress
>>> O Agente Infiitrado
>>> A arte da seduçaõ
>>> Reengenharia da informaçaõ
>>> Bases Fisiológicas da Educaçao Física e dos Desportos
>>> Reprodução Humana
>>> Enciclopédia do Patrimonio da Humidade
>>> O caminho para a paz interior
>>> Famílias feitas para vencer
>>> Um võo lendário na rota da Aéropostale
>>> Nações do Mundo
>>> Nações do Mundo
COLUNAS

Segunda-feira, 8/3/2004
Por Mares Nunca Dantes, de Geraldo Carneiro
Nanda Rovere

+ de 8100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O escritor Geraldo Carneiro lançou no ano passado um CD denominado Por Mares Nunca Dantes, título obviamente inspirado no poema "Por Mares Nunca Dantes Navegados", de Luís Vaz de Camões.

Literatura e música se unem para narrar a fictícia vinda - acidental - de Camões para o Rio de Janeiro.

O CD é, na verdade, a versão do livro, de mesmo nome, lançado por Geraldo Carneiro em 2000, livro que também deu origem a uma montagem teatral, encenada no Rio de Janeiro em 2002.

A obra, um poema épico-burlesco, é uma homenagem-crítica aos 500 anos do Brasil. Ao atravessar o Cabo das Tormentas, a caravela de Camões cai numa espécie de buraco negro e acaba chegando ao Rio de Janeiro, mais de quatro séculos depois.

O CD possui 12 faixas que vão narrando as andanças do poeta português pela "cidade maravilhosa".

Um certo realismo fantástico acompanha a história, pois Camões se depara com um engenho que navega pelos ares, é atropelado por uma Besta (que na verdade é um carro), se encanta com a TV, entra em contato com o submundo carioca (traficantes, travestis, prostitutas...), com um pai (de santo) e acaba se apaixonando por Aurora Boreal, uma garota de programa. Um mundo que deve soar muito estranho para uma pessoa que viaja mais de quinhentos anos no tempo!

Um dos momentos interessantes do poema é quando Camões descobre no Real Gabinete Português de Leitura livros de sua autoria. Neste momento, ele percebe que as previsões do babalorixá Pai Creuzo Caveirinha (de que as suas obras seriam reconhecidas) estavam corretas. É o próprio Pai Creuzo que consegue enviar Camões novamente para o seu tempo. Outro momento interessante é quando ele é atropelado pela Besta e confundido com um indigente.

Há uma intrigante mistura entre a linguagem coloquial e o modo de falar, mais simples, das pessoas. O encontro de Camões com o traficante é um exemplo. A nossa herança cultural afro também está muito bem representada na figura do orixá. A junção entre a instigante obra poética de Geraldo Carneiro e as criativas músicas compostas por Lenine teve como resultado um trabalho de qualidade que merece ser prestigiado.

É uma crítica bem humorada ao Rio de Janeiro, à nossa História e à pouca valorização da nossa Língua Portuguesa. No poema, isso fica evidente num momento em que Camões reclama da falta de conhecimento de poesia por parte dos brasileiros ("Carta a Lisboa").

O elenco é um destaque à parte. Cantores e atores dão vida a ricos personagens. Pedro Paulo Rangel interpreta Luis de Camões; Daniel Dantas, o Executivo e o Traficante; Mariana de Moraes, Aurora Boreal; Jards Macalé, o office-boy Bode Preto; Olívia Byington, o Canto da Sereia; Tonico Pereira, Pai Creuzo Caveirinha, o Babalorixá de Belford Roxo; e Geraldo Carneiro, o Narrador.

Foi acertada a idéia de utilizar a figura de Camões como metáfora do embate entre o novo e o velho. Afinal, Camões é considerado o maior poeta lírico português e seus poemas ora são inovadores, ora revelam uma linguagem tradicional portuguesa.

Por Mares Nunca Dantes pode ser um interessante complemento didático. Obviamente, com a orientação do professor, pois a chamada "licença de criação do autor", acaba suprimindo fatos importantes. Não que essa liberdade seja ruim, mas exige um cuidado do educador na hora de utilizar esse tipo de obra.

O projeto de transportar a poesia para o CD, concretizada pela gravadora Biscoito Fino, merece aplausos. Além de ganhar força com interpretações competentes e com a música de Lenine, facilita o acesso das pessoas portadoras de deficiência visual à obra.

Compreender o conteúdo de Por Mares Nunca Dantes não é muito fácil em virtude da utilização de um português arcaico, mas está aí uma das delícias do trabalho de Geraldo Carneiro: produzir literatura de boa qualidade e oferecer ao público a chance de entrar em contato com a diversidade da nossa língua e com as modificações que ela foi sofrendo nestes 500 anos.

Para ir além






Nanda Rovere
São Paulo, 8/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
02. O irmão alemão, de Chico Buarque de Jardel Dias Cavalcanti
03. Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. Tectônicas por Georgia Kyriakakis de Humberto Pereira da Silva
05. Imagina se fosse o contrário de Julio Daio Borges


Mais Nanda Rovere
Mais Acessadas de Nanda Rovere em 2004
01. As 16 Datas que Mudaram o Mundo - 12/1/2004
02. Por Mares Nunca Dantes, de Geraldo Carneiro - 8/3/2004
03. Com Ela presta homenagem à Cássia Eller - 2/2/2004
04. União entre música e poesia - 16/2/2004
05. Impressões sobre São Paulo - 26/1/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/4/2004
10h17min
Nanda Rovere, grato pela indicação desse projeto Geraldo Carneiro. Cabe fazer, entretanto, uma pequena ressalva: ao contrário do que vocë afirma, Camões jamais escreveu um poema denominado "Por mares nunca dantes navegados". Este texto é o terceiro verso da primeira estrofe de "Os Lusíadas": "As armas e os barões assinalados/ que da ocidental praia lusitana/ por mares nunca dantes navegados/ passaram ainda além da Taprobana etc."
[Leia outros Comentários de Elso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIA DA CULTURA TEATRAL
MAX GEISENHEYNER
HERDER
(1961)
R$ 32,00



O RETRATO DE DORIAN GRAY
OSCAR WILDE
ABRIL COLEÇÕES
(2010)
R$ 20,00



PRÉ-ESCOLA É NÃO É ESCOLA
MARIA LUCIA A. MACHADO
PAZ E TERRA
(1991)
R$ 10,00



NIETZSCHE- O FILÓSOFO DO NIILISMO E DO ETERNO RETORNO
SNTÔNIO C. BRAGA
ESCALA
(2011)
R$ 15,50



ECCE HOMO
FRIEDRICH NIETZSCHE
SARAIVA DE BOLSO
(2010)
R$ 10,00



MAPA DA VIDA
EDSON DE PAULA E MAURÍCIO SITA
SER MAIS
R$ 29,45
+ frete grátis



ANTOLOGIA DA CARIDADE UMA REFLEXAO TEOLOGICO PASTORAL
MARCIO ANATOLE DE SOUSA ROMEIRO
LOYOLA
(2002)
R$ 7,00



HQ A TURMA DO PERERÊ + ALMANAQUE 1
ZIRALDO
ABRIL JOVEM
(1991)
R$ 7,00



FESTA DE CRIANCA
LUIS FERNANDO VERISSIMO
ATICA
(2011)
R$ 8,00



ESAÚ E JACÓ / MEMORIAL DE AIRES
MACHADO DE ASSIS
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 15,00





busca | avançada
31576 visitas/dia
586 mil/mês