Ler muito e as posições do Kama Sutra | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um monstro que ri
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
>>> Apresentação
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Homenagem a Orestes Barbosa
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
Mais Recentes
>>> O desafio historiográfico
>>> Decifrando o Genoma
>>> O Baudolino
>>> O Império do Sol
>>> Encanto Mortal
>>> A Ilha do Dia Anterior
>>> Ciência Política
>>> O Trabalho Infantil na Cidade de São Paulo
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Controlando a Osteoporose
>>> Encantando Totalmente o Cliente
>>> As Vinhas da Ira _ Volume II
>>> Ser Mãe
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Sonetos Escolhidos
>>> Nada Dura Para Sempre
>>> Dioniso & Cia. na moqueca do dendê: desejo, revolução e prazer na obra de Jorge Amado
>>> Ciência & Realidade 6ª série
>>> Redação Curso Básico Vol 1
>>> Redação Curso Básico Vol 2
>>> A Conquista da Matemática 7ª Série
>>> Redação Curso Básico Vol 3
>>> Português Através de Textos 5
>>> Português Através de Textos 7
>>> Ciência & Realidade 7ª série
>>> Ciência & Realidade 5ª série
>>> A Conquista da Matemática 6ª Série
>>> Caderno de Português Fundamental 5ª série
>>> Bom Tempo Estudos Sociais Ciências 4
>>> Língua Portuguêsa Vol 4
>>> Descobrindo a Gramática
>>> Português Através de Textos 6
>>> Verdades Fundamentais da Parábola do Rico e de Lázaro
>>> Dificuldades Bíblicas e Outros Estudos Vol. 1 (2ª ed.)
>>> Um rabino conversa com Jesus- um diálogo entre milênios e confissões
>>> Conceitos de crítica
>>> Conceitos fundamentais da poética- (2ª ed.)
>>> Marketing Digital Novas tecnologias & Novos Modelos de Negócio
>>> Excel 2007
>>> Project para Profissionais
>>> O crime do padre Amaro (15ª ed.)
>>> A câmara clara - nota sobre a fotografia (2ª ed.)
>>> Os Cátaros e o Catarismo
>>> Quem matou Palomino Molero?
>>> Uma poética de romance - Matéria de carpintaria - ed. revista e ampliada
COLUNAS

Quarta-feira, 2/6/2004
Ler muito e as posições do Kama Sutra
Ana Elisa Ribeiro

+ de 23400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Como muita gente sabe, a prensa foi inventada na Europa, mais precisamente na Alemanha. Também foi lá que inventaram o códice, esse tipo de livro que fica em pé nas estantes até hoje, com páginas costuradas e coladas sobre outras páginas. Esse tipo de livro lê-se em pé ou deitado, sentado no vaso sanitário ou em cadeiras de balanço, deitado na rede ou de pé no ônibus lotado. Basta segurar com uma das mãos, de maneira que ele não se feche, e entrar na leitura. Tal tecnologia foi inventada também no Velho Continente por pessoas que buscavam praticidade e formas inteligentes de tornar o livro um objeto portátil.

À medida que o objeto livro mudava de tamanho, de forma, de uso, o leitor (ainda apenas o burguês) também se descobria propenso a outros hábitos e a outras práticas de leitura. Exemplo disso é que a leitura oral deixou de ser a prática mais comum e aceita para se tornar preterida pela recém-"descoberta" leitura silenciosa. Este modo de ler encantava o leitor, que se sentia em relação mais íntima com a obra, detentor solitário da informação, pensativo e magicamente decodificador das letras impressas. Não era necessário oralizar para compreender e nem outras pessoas ouviriam o que se lia. A leitura, agora, podia seguir em segredo, particularizada e dada a reflexões muito pessoais.

E junto com as mudanças de hábitos ligadas à leitura, uma nova forma de ler passou a ser almejada pelo leitor que se pretendia autônomo: a leitura crítica, um método "industrioso" de ler e dar toques pessoais ao que se aprendia. Talvez, também, um método mais "perigoso", uma vez que a leitura ajuda a "pensar". E estamos até hoje tentando fazer com que as pessoas leiam e, mais do que isso, sejam engenhosas nas relações criativas que podem estabelecer entre seus repertórios pessoais e os textos que lêem.

Se antes o leitor estava acostumado e, de certa forma, condicionado às leituras coletivas, às sociedades e gabinetes de leitura (europeus, norte-americanos e brasileiros, principalmente no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Minas), com a leitura silenciosa ele pode refletir sozinho e aguçar seu senso crítico, desejável e precioso para a formação do letrado. Mas trocar idéias sempre foi vontade de quem tem algo a dizer sobre o que leu, de quem gosta de polêmica ou de quem quer apenas compartilhar assuntos e formatos.

Em Minas, no século XVIII, foram abafadas algumas tentativas de formação de sociedades de leitura, uma vez que um estado escondido entre montanhas, no interior do país, tão distante da fiscalização da corte, poderia representar perigo na constituição iminente de um público leitor cheio de idéias, críticas e asinhas de fora. Assim é que se sabe do parecer interessante do Visconde de Cayru sobre uma sociedade de leitura em São João del-Rei: "Ainda que sejam úteis as sociedades puramente Litterarias", "que se pode esperar de hum Estalebecimento excentrico e sem base?".

Além desse questionamento, o Visconde ainda escreveu que a "liberdade de pensamento e expressão, em todos os assumptos de conhecimentos humanos" poderia "implicar com a Religião e Politica" [grifos do autor]. E para ficar de acordo com a "lei" e driblar as negativas do parecerista, os autores do projeto estipularam um artigo que, aos olhos do Visconde, era "insufficiente": "Poder-se-ha interromper e rejeitar a leitura, quando escandalizar o systema politico e religioso, ou o decoro civil". Sobre o perigo de haver leitores nas Minas, eis os motivos: "tão remota da Corte, e sem Inspecção de Authoridade".

Pensando nas práticas de leitura atuais e nas tentativas escolares de "educar" leitores críticos, por onde anda o desafio de formar cidadãos letrados? O que fazer com um aluno que lê pouco e lê mal, mesmo em cursos como História e Letras? Como lidar com a disseminação da informação aos borbotões, pela televisão, pelos livros, pela Internet, o que dá certa impressão de acessibilidade, mas, de fato, produz reflexões generalistas e homogeneizadas sobre análises superficiais de assuntos alçados a uma importância questionável?

Do lado oposto aos que tentam levar leitura e engenhosidade a todos ainda estão muitos viscondes de Cayru. Para quem não quer parar de tentar, apesar do cansaço, restam os livros e as histórias do Visconde de Sabugosa.

Conto
Um dia, um norte-americano, em plena guerra do Iraque, aportou nas Minas Gerais e conheceu uma mocinha vinte anos mais nova e o cara tocava guitarra e dizia que era um blueseiro original, diretamente de Portland, terra da chuva, para Belo Horizonte, que diz ele que tem o melhor clima do mundo, e o americano tomava suco de manga, cantava em inglês, curtia Tom Jobim e tinha uma cicatriz na nuca, mas jamais perderia o charme se continuasse com aquele corpão de 18 anos, e o cara compôs um blues You can't have it all ao lado de uma fogueira enquanto eu tomava minha vodca com limão e o fazia se lembrar dos avós judeus russos, e ele me dizia que venderia uma casa, um carro, que gosta mais de gatos do que de cães, que tinha medo da minha juventude, que surfava no Hawaii, que conhecia o mundo e mais um pouco, que não sentia insegurança em BH, que voltaria, sim, com certeza, voltaria, baby, e se eu podia ajudá-lo a encontrar um apartamento pra alugar que era em BH mesmo que ele queria ficar, o americano não falava na guerra, mas curtia coisas bacanas, vestia camisas pólo, não conhecia Frida Kahlo, ficou conhecendo a senhora Rivera num cinema de shopping, naquele domingão à noite, mesmo dia em que conheceu a expressão 'que porra é essa?' e passou a usar 'queimar o filme' com mais freqüência, um americano que gostava de grão-de-bico, chamava isso de humos, queria comer comida italiana em Minas e elogiava os tomates secos, também curtia o azedo do maracujá e os beijos franceses das brasileiras, ele dizia que era artista, perguntava pelas pessoas da cidade, dizia que Toninho Horta era foda, que as montanhas são lindas e que só se casaria novamente por amor, jamais pelo visto permanente, Frida ia e vinha, falava espanhol às vezes, e o americano dizia que conheceu o México, chamava minha melhor amiga pelo apelido, que aprendeu comigo, disse que acha que o filho está bem nos EUA, que eu pareço ser amante de um outro guitarrista, até me perguntou se tenho fetiche com guitarras, não o vi tomando álcool até hoje, mas ele diz que toma, diz que é pra eu caminhar vinte minutos por dia, ao que eu respondo com cara de bosta, aprendeu semana passada que 'shit' é merda em português e acha meu inglês sexy, diz que tenho sotaque indefinido, que eu falo formalmente, e eu faço pirraça, 'tá no meu país, porra, vai falar a minha língua', e tenho medo de vingança, polícia lingüística, e odeio quando brasileiros idiotas treinam inglês com ele, mas o americano fica no hotel, ali na Tupis, e eu fico em casa, ali na montanha, feriadão, não tem nada pra comer, mousse de maracujá pra fazer par com o suco, não chupei chicletes hoje, mas tive vontade, mas beijar com chiclete exige manobra, tomei água, escrevi uns versos e fechei mais um dia da minha biografia tosca, mineira por gosto, virginiana por acidente, severa que nem doença, gripada quando muda o tempo, belo-horizontina por contraste, notívaga por questões biológicas, aliás, o que diria o dr. Sérgio Penna?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 2/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
02. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
03. A fotografia é um produto ou um serviço? de Fabio Gomes
04. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 1. À Beira do Abismo de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Literatura como arte - 25/8/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/6/2004
15h38min
Dá gosto ler sempre o que a Ana Elisa escreve e publica por aqui. Desde Insatisfação, Quando escrevo tenho dito, o cérebro "leve" das mulheres, o que é o livro, entre outros. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
11/6/2004
10h00min
O texto de Ana Elisa sobre as dificuldades que os jovens hoje têem de ler me tocou profundamente. Talvez por ser professor universitário ou por ter tido, na figura do meu pai, um exemplo de leitor assíduo. Acredito muito na máxima de que: quem não lê, mal ouve, mal fala e mal vê. Nos dias de hoje estamos assistindo uma verdadeira marcha cuja bandeira é o "recuo da teoria". (Exemplo? Os mestrados que antes precisavam ser feitos em 6 anos, para que desse tempo do mestrando aprofundar as suas leituras e criar uma teoria no mínimo descente, hoje são parcos 2 anos, sendo que 1 é para dar conta dos créditos das disciplinas...)
[Leia outros Comentários de Welington Silva]
18/6/2004
07h31min
Tambem me surpreendi com a linguagem rasteira e leve. Tocar nos pontos onde doi a ferida... Meu pupilo de 16 anos "sabe" de "tudo" do mundo, mas aquela sabedoria superficial... Duvidas?Segundo ele devem ser tiradas na Mother Google (essa sim sabe das coisas!) Em que mundo estamos vivendo, afinal? Alguem viu ai meu "Elogio da Loucura"?
[Leia outros Comentários de Themis]
6/3/2015
09h26min
que texto importante! leve, com humor, sério. Adorei.
[Leia outros Comentários de suzana lucia andres ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VENCENDO O PASSADO
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2009)
R$ 17,00



SANTA EVITA (EVITA PERÓN) - TOMÁS ELOY MARTÍNEZ
TOMÁS ELOY MARTÍNEZ
COMPANHIA DAS LETRAS
(1996)
R$ 10,00



COLEÇÃO: MITOLOGIA (3 VOLUMES) - ABRIL CULTURAL
VICTOR CIVITA (EDITOR)
ABRIL CULTURAL
(1973)
R$ 150,00



KANT (COLEÇÃO OS PENSADORES)
IMMANUEL KANT
NOVA CULTURAL
(1999)
R$ 14,00



A FONTE DA SABEDORIA - JOVENS
NIDAI-SAMA
M.O.A
(1996)
R$ 5,15



NOVA HISTÓRIA UNIVERSAL DA MÚSICA - KURT PAHLEN (MÚSICA ERUDITA)
KURT PAHLEN
MELHORAMENTOS
(1991)
R$ 40,00



O MAGO - A INCRÍVEL HISTÓRIA DE PAULO COELHO
FERNANDO MORAIS
NOVAS PÁGINAS
(2015)
R$ 13,00



CRISTIANÍSMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



PSICOLOGIA,ORGANIZAÇÕES E TRABALHO
JOSÉ CARLOS ZANELLI, JAIRO EDUARDO BORGES-ANDRADE, ANTONIO VIRGILIO BASTOS BITTENCOURT
ARTMED
(2004)
R$ 50,00



ORDENAMENTO JURÍDICO COMUNITÁRIO UNIÃO EUROPEIA- MERCOSUL
MARIA TERESA CÁRCOMO LOBO
DEL REY
(1997)
R$ 27,00





busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês