Outro mundo | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 16/9/2005
Outro mundo
Eduardo Carvalho

+ de 4900 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Ninguém sabe mais onde fica a Moóca. Alguém soube, um dia? Como pego a Radial Leste, mesmo? É quase outra cidade. Outro mundo! E esse Teatro Arthur Azevedo, hein - alguém já ouviu falar? Um teatro que não vende café no intervalo porque é da Prefeitura! Vai entender... Isso não é da minha época! Ainda é São Paulo, lá? E em que ano estamos - 75 ou 2005? Tem até pipoqueiro na porta! Mas onde estaciono minha camionete?

Não é o pessoal dos Jardins que se acha bacana? Que se acha cosmopolita? Que se acha demais? Então - o que é bacana? O que é cosmopolita? O que é demais? Vai, me diga. Fantasma da Ópera? Caipirinha de lima da Pérsia? Ostra na calçada? Não, não! Que horror! Então gostoso é passear na Benedito Calixto, tranqüilo, no sábado. Ai, aquela feirinha... tem tanta coisa ótima, escondidinha... Adoro! É isso?!

Não consigo entender São Paulo. Fico até tonto. Como pode? Passei sábado e domingo aqui. Nunca tinha ido nessa feira da Benedito. Alguém acha graça? Uma coisa é coisa velha e barata. Outra coisa é coisa boa. É difícil elas coincidirem e serem... a mesma coisa. Tem gente que acha que coisa velha e barata é... raridade! Onde?! Onde?! Só vi bobagens. E aqueles livros? Quem compra? Nada legível. Nada nem um pouco interessante. Coisa de... coisa de intelectual. Só intelectual gosta de coisa velha e barata - e não liga para coisa boa...

E intelectual vai à Moóca? É longe, né?! A Moóca é meio... meio... Pra ver teatro? Teatro?! Intelectual quer dar aula de teatro! Intelectual ser jovem! E... e usar rabinho! Intelectual quer dar aula no Santa Cruz, no Clube Pinheiros... e ser amigo das menininhas! E jovem vai no teatro só pra ver Os Sertões, entende? Os Sertões! O interessante é aquela galera toda pulando pelada, chacoalhando tudo! O Zé tem cada sacada! Um... um gênio!

E sair da Vila pra quê? Pra quê, né? Ou dos Jardins? Com Paulo Autran aqui do lado?! Ninguém sai. A gente precisa parecer cosmopolita ou intelectual. Com quem eu vou conversar sobre... sobre... Bernard o quê, mesmo? Ah? Shaw? Estranho... devo ter ouvido falar... mas... é tanta coisa! Até a gente esquece, né?

É...

Falando sério: Major Bárbara deve ter sido o melhor programa de São Paulo nas últimas semanas. O Grupo Tapa e seu diretor, Eduardo Tolentino, merecem todos os prêmios culturais do mundo. Não deve ser fácil. Já é difícil selecionar os atores. Eduardo Tolentino acertou em todos. As atuações são impecáveis. Onde estava tanto talento? Para onde vai, depois que a peça sai de cartaz?

Sinceramente, fiquei um pouco perdido quando descobri - e demorei para descobrir - que estavam encenando Major Bárbara em São Paulo. Não reparei se saiu alguma coisa nos jornais. Se saiu, foi quase nada. E talvez eu não acreditaria. Acreditei vendo. Por 10,00 reais. Parece piada. A vontade é de pagar mais. Muito mais. Talvez não seja permitido, claro: o teatro é da Prefeitura.

Eu não deveria me espantar com essas coisas. Deveria assistir a peça e comentá-la apropriadamente. Mas acho que todo esse entorno - do teatro sem café, do público indefinido, do preço da entrada, do encanto simples da montagem - foi quase mais impressionante, para mim, do que a própria peça. Talvez eu esteja com uma visão distorcida do ambiente que uma montagem de Shaw merece. Prefiro me consolar, de qualquer forma, com o próprio Shaw: "Só a classe média se choca quando descobre que há maldade no mundo". Saí da Mooca e voltei para jantar nos Jardins.

Cronistas para os normais

Faz falta um cronista que escreva bem sobre a vida em São Paulo. Alguém que não tenha cotidiano de escritor e escreva decentemente. Sei que é difícil encontrar. Talvez o Ricardo Freire seja o mais adequado. Seria alguém que freqüente clubes e academias, bares e restaurantes, estilistas e livrarias, escritórios e igrejas, praças e shoppings. Eu acho que tem tanta coisa curiosa acontecendo nesses lugares que não entendo o que prende um escritor em casa.

Seria uma novidade se esse escritor entendesse o seguinte. O turismo mais original, hoje em dia, não é mais o geográfico nem o social. Não é novidade circular entre lugares e classes sociais. Eu posso ler um jornalista de qualquer lugar do mundo publicando em inglês sobre a vida em Burundi. E só existem - por mais fundo ou alto que você vá - umas três classes sociais. Agora, o interessante - o bacana mesmo - é almoçar no Leopoldina e jantar na Vila Madalena. É assistir ao show da Igreja Renascer no Pacaembu e depois pegar a missa na São José. É jogar uma sinuca no Clube Pinheiros e depois no Clube Indiano. Esses cronistas precisam parar de jantar nos mesmos lugares e conversar com as mesmas pessoas. Escrever exige trabalho de campo.

E trabalho de campo de escritor não é ir ao bar e conversar com outros escritores - nem dar aulas na faculdade nem participar de feiras do livro. Trabalho de campo de escritor é ir aonde outros escritores não vão - para depois escrever sobre o que outros escritores não escrevem. Repare no que está acontecendo. Gente que não tem o menor talento para literatura está dominando as livrarias com tranqueiras impressas só porque são escritas sobre a vida de... gente normal. E a vida dessas pessoas supostamente normais está sendo registrada - e comentada, digamos, com certa autoridade literária - por gente que não sabe escrever. Os verdadeiros escritores de São Paulo - se ainda existem - estão desperdiçando a chance de escrever sobre uma época: uma época muito mais interessante do que eles acham que é.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 16/9/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
02. A maldade humana de Gian Danton
03. A margem negra de Gian Danton
04. Predadores humanos de Gian Danton
05. O Bigode de Carina Destempero


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2005
01. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005
02. Minha formatura - 5/8/2005
03. Uma conversa íntima - 11/2/2005
04. A prática e a fotografia - 25/2/2005
05. Com pouco peso - 14/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/9/2005
19h02min
Eduardo, meu colega, a diferença dos escritores (quando o são) e dos cronistas de jornal é mais sutil do que isso. É a liberdade, talvez, de escrever só sobre o que se está a fim. Somente se algo o move. Escritores não têm pautas, graças a Deus. E também não precisam fazer trabalho de campo como o que você considera aí. Trabalho de campo de escritor é na linguagem.
[Leia outros Comentários de Ana Elisa Ribeiro]
17/9/2005
23h55min
Eduardo, parabéns pelo texto. Para narrares o que está aí, também olhaste de outra maneira a realidade em volta e percebeste o que não se percebe, não se quer perceber ou aquilo para o qual já se está cego, no cotidiano. Talvez seja um sintoma de época também se trancafiar, inventar coisas diante de um computador, falar com seus pares, seu gueto, sua tribo (tão pós-moderno isto). Sou jornalista e sinto toda esta rotina estafante de hoje, essa mania de produção (produzir conhecimento, defender uma suposta democracia, bla-blá-blá) também bastante distante da realidade mesmo, essa que está no bar daquela ruazinha mal-iluminada, na praça, no café, no shopping center (ah, shopping center não é lugar de escritor, de intelectual...), por que não naquela roda de pandeiro, ou das mulheres da vida que fazem ponto no mesmo local, e que meia cidade consome... Se de um lado parece haver um realismo meio que socialista, de só descrever a marginalidade, o crime, anos-luz depois de se saber que chocar não muda o mundo, por outro lado há uma classe inteira de intelectuais, escritores, etc., medindo as qualidades da flor, da flor-arquétipo, a flor mais bela e mais pura – uma flor de cera, completamente sem graça. Muito bem colocada esta questão de se perceber realidade, quando tomarmos coragem de encarar sem medo e com alegria os espasmos de vida que uma cidade contém, não vai haver tédio de narrar, mas necessidade de o fazer. Parabéns mais uma vez.
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
19/9/2005
14h12min
Viver na realidade antes dos 80 e' a receita certa para ter que usar Hena antes dos 30. :) Ótimo texto. Sempre que vou a São Paulo, e quero ir a algum lugar me sinto meio assim mesmo...
[Leia outros Comentários de Ram]
22/9/2005
20h21min
Eduardo, fantástico é você. Que idéias! Quem ficou com vontade de descer e ir ver a vida fui eu. E ir para São Paulo. Que idéia, que idéia!
[Leia outros Comentários de Andréa Trompczynski]
29/9/2005
11h33min
Eduardo, foi um prazer ler o que vc escreveu sobre nossa peça. Obrigada por colocar dessa forma tão inteligente o que para nós é a indignação pela falta de público (seria culpa da mídia?). Sabendo da qualidade, não só dessa peça que estamos encenando agora, mas de todo o trabalho do Grupo Tapa, as pessoas deveriam se deslocar de seus mundinhos, né? Agora estamos no Rio, e o problema da falta de público aqui ainda é pior que em São Paulo. Talvez o teatro, do jeito que o fazemos, esteja morrendo. Talvez sejamos os últimos e poucos espécimes que ainda nos importamos com a palavra, a mensagem, e não com o show, a fama. Para onde vamos depois? Lutar para conseguir montar mais um esétáculo de qualidade e continuar encenando (O Tapa tem teatro de repertório e atualmente está encenando "Os Executivos" e "A Madrágora"). Mas o prazer de dar prazer aos espectadores é mais do que compensatório!!!
[Leia outros Comentários de Emilia Rey]
3/10/2005
19h31min
Salve Eduardo!!! Quanto tempo! Eu tive o prazer de ver Major Bárbara e realmente é fantástico. Se você quiser conhecer uma São Paulo diferente do circuito pseudo-cultural de Patricinhas e Mauricinhos, é só ler os livros do João Antonio e anotar os endereços... Um abraço, Aguinaldo.
[Leia outros Comentários de Aguinaldo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ENFORCADO
TAMI HOAG
BERTRAND BRASIL
(2005)
R$ 17,85



SESSÃO DE TERAPIA
JAQUELINE VARGAS
ARQUEIRO
(2013)
R$ 10,00



CAMPANHAS ESTRATÉGICAS DE COMUNICAÇÃO DE MARCA
DON E. SCHULTZ & BETH E. BARNES
QUALITYMARK
(2001)
R$ 20,00



O INCÊNDIO DE TRÓIA
MARION ZIMMER BRADLEY
IMAGO
(1988)
R$ 10,00



E NÃO É QUE DEU CERTO?
VÁRIOS AUTORES
UNIVERSO DOS LIVROS
(2018)
R$ 25,00



O ROMANCE DESASTROSO DE JOSIANO E MARIANA OU A GESTA DO BOI MENINO
FERNADO LONA
MCGRAW HILL
(1977)
R$ 35,69
+ frete grátis



O REI ARTHUR E OS CAVALEIROS DA TÁVOLA REDONDA - SÉRIE REENCONTRO
THOMAS MALORY / ANA MARIA MACHADO - ADAPT.
SCIPIONE
(1996)
R$ 7,90



A AMANTE DE BRECHT
JACQUES PIERRE AMETTE
RECORD
(2005)
R$ 10,00



DINOSSAUROS - TRICERATOPS ( INCLUI DINOSSAURO ARTICULADO )
SACHIN GUPTA
CEDIC BOM BOM BOOKS
(2018)
R$ 40,00



MOMENTOS DO PENSAMENTO LUSO - BRASILEIRO
AQUILES CÔRTEZ GUIMARÃES
TEMPO BRASILEIRO
(1981)
R$ 26,28





busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês