Alguém aí reconhece um poeta? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/7/2006
Alguém aí reconhece um poeta?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4900 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Como é que alguém reconhece um poema? Boa pergunta. Como é que alguém começa a escrever poesia? Por que alguém acha que sabe quando um texto é poesia e quando ele não é? E aquelas pessoas que dizem que você "está no caminho certo"? Que trajeto é esse? Quando começa e onde se estabiliza?

Um dia a professora ensinou o que era rima. Disse que ão rimava com ão. A classe inteira entendeu. Depois ela disse que poema era um texto escrito em verso. Era só escrever a frase e terminá-la em duas ou três linhas diferentes. Junte-se isso à rima e será provável acontecer um poema. Certo? Errado.

Mais adiante, um toque de métrica. Todos os exemplos de bons poetas. Olavo Bilac, uma máquina de calcular. Para ficar mais moderno, Chico Buarque. Não o músico, mas o poeta. Dizia Leibniz: "O prazer que obtemos da música vem da contagem, mas da contagem inconsciente. A música nada mais é do que aritmética inconsciente". Ai, meu Deus, eu nem sabia disso. Se soubesse, não teria gostado de música. Agora é tarde.

Mais adiante, outra professora mandou ler Manuel Bandeira. Aí alguém descobriu que nem sempre rima, nem sempre verso, nem sempre palavras bonitas. Poesia era o clima. Leminski ainda nem havia nascido.

Mas o trajeto acaba aí, quando alguém tem que ler os livros do vestibular e estudar para a prova. O trajeto só não acaba quando alguém resolve pegar um caminho paralelo. Vai lá, faz as próprias escolhas e avança pela direita. Não tem mais prova, nem múltipla escolha e nem "redija um pequeno texto". Só tem vontade e ritmo. E vai treinando, vai experimentando, livre para gostar e para detestar. Pega emprestado, compra, aluga. Vê o filme e lê o livro. Edição e reimpressão. Apresentação, prefácio, posfácio. Lê mais um. Um desconhecido. Poeta brasileiro, empreendedor. Edição própria, edição de bolso. Até que a poesia se instala. Como se fosse um software? Mais ou menos. Um reconhecedor de poetas apita quando um texto é poesia. E engraçado: não precisa ter gostado. Alguém separa quando é gosto e quando é fato. Certos poetas são poetas, mesmo que eu não goste do que eles fazem na sua sesmaria de papel. Não é problema meu. Mas há poetas que não o são. Como é que alguém sabe?

Maior dificuldade do mundo é explicar para alguém, um aluno, que seja, que literatura não é qualquer coisa. Não é juntar palavras bonitas e soltar assim, num desarranjo calculado. Nem é estilhaçar os sentidos e deixar tudo meio flutuante. Nem mesmo pode ser picar as frases em versos de 12 sílabas.

Literatura não é, necessariamente, o conteúdo. Não é suficiente, para ser literatura, que se conte uma boa história. Digo esta literatura de arte. Há outras, claro. Mas não basta arranjar um mote sensacional. Faça o teste: distribua a boa idéia por uns 5 escritores e veja no que dão. Uns mais, outros menos. Uns nada. Uns fazem da boa história uma nuvem. Outros, capturam minotauros com ela. Há quem a deixe do mesmo jeitinho que encontrou. Não aumentam nela sequer uma característica.

Há outro exercício: dê aos 5 escritores uma história ruim. Veja lá o que acontece, de novo. Quem sabe fazer bonito arranja para a história outra beleza. Se a história não é boa, o texto é. Tanta coisa é assim. Clarice Lispector, meu exemplo preferido, tinha por hábito inventar (ou não) histórias banais e fazer delas textos lindos e emocionais. Ou vão me dizer agora que é bárbaro saber de um cego mascando chicletes?

Já Gabriel García Marquez conta histórias boas e movimenta o mundo com elas. Ainda por cima são belas se forem só letras. Literatura. E como se explica isso a alguém?

E se o alguém começa a escrever e pede: dá uma olhadinha? Ai, posso aqui matar um santo. Vou dizer que não é, mas pode ser. O texto é ruim, a história costuma ser também. Então é o texto que salva a história, quando o conjunto é literatura. Percebe? Se a história é ruim, mas a alma é literária, então está tudo bem. Mas se o texto for ruim, nem a boa idéia se salva. Tudo por água abaixo.

Mas volto ao problema: como explicar isso a alguém? É possível ensinar a ver? Não gosto de tratar do mundo como se tudo fosse questão de dom. Não gosto. Parece coisa divina. Divina, mesmo, só a transformação. Senão não dava nem vontade de continuar.

Se alguém me chega com um poema ruim, eu digo: ainda não. Não quer dizer que um dia não possa vir a ser. Pegue esse poema ruim e mande um poeta (mesmo) tratá-lo. Num lifting de texto, ganha o poema ares de arte. Mesmo se a idéia for fraca, como vela. E às vezes não é palavra aqui, substitui, corta, cola. Não. Às vezes só o poeta engolindo e vomitando tudo de novo.

Como explicar a alguém que literatura é uma forma de usar a linguagem? São as mesmas palavras que estão no dicionário. Em qualquer um deles. São as mesmas pontuações que aparecem nas gramáticas. Mas por que elas não parecem as mesmas? Como se aprende a dar nelas uma liga poética? É o inesperado, diria o diabo. Confio.

Literatura é linguagem carregada de significado. Noutras palavras, disse isso o sábio Ezra Pound. Depois disse que era significado à máxima potência. Meio Leibniz, parecia matemática. De repente, é. Fazer o quê? Literatura é uma espécie de poção que você faz com as palavras da sua língua, com os temperos do seu estilo e as intimidades que você tem com o seu idioma. Essas intimidades é que são o segredo. Intimidades que as moças da vida dão, e só elas. Porque se você ficar muito cheio de pudores, não sai mais do que uma combinação burocrática de palavras do dicionário.

Mas como é que alguém faz isso? Não nasce. Não nasce, insisto. Todo mundo nasce podendo. Inclusive qualquer coisa. É fazendo exercício, atividade, tentativa. É assim que alguém percebe o gosto que as palavras têm quando os textos são literários. Lendo, relendo, achando bonito. Achar bonito já é outro problema. Achar bonito também não é para qualquer um que não tenha tentado. Achar bonito tem que ter olhos. Tem que ler e achar bonito. Quando alguém lê e pensa: como pode? Não é só a história, mas é o jeito dela. É assim. Como é que explica isso a alguém? Não sei. O jeito é fazer junto. Pegar alguém pela mão e tocar a fazer as coisas. Como as hortas, como os bolos, como os cultivos, de maneira geral.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pantanal de Marilia Mota Silva
02. Treze Teses sobre Cinema de Humberto Pereira da Silva
03. A cachorra da vizinha de Adriana Baggio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2006
02h01min
Fique tranquila, Ana. Você explicou tudinho :)
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
27/7/2006
11h41min
Humm... achei bonito seu texto. E me parece que é assim mesmo. Tentar, rasgar folhas, começar outra vez, de outro jeito... ter a idéia, mas não ter tempo de colocar no papel. Bater a cabeça na parede de raiva por ter perdido a idéia. Depois ter outra idéia, desta vez com papel e caneta ao alcance. Escrever, ler, reler, ficar satisfeito. Ou de novo... Não é pra muitos. Mas quando se alcança, é muito bom. Dá uma sensação de "eu posso, eu faço". Eu não sei se sou. Dizem por aí que sim. Eu gosto, ao menos, de tentar ser. Obrigado!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
28/7/2006
01h28min
Mais que uma boa pergunta. Talvez seja a pergunta fundamental da literatura. O que é poesia, afinal? Ana Elisa responde, em parte, algumas questões. O que já é muito. No entanto só o desejo de ser poeta não faz o poeta; nem disciplina ou esforço contínuo produzem, necessáriamente, boa poesia. Na verdade não produzem poesia nenhuma. O bom escritor pode simular, inteligentemente, um procedimento poético, mas nada é mais avesso à simulação do que um poema. Aquela história de 90 por cento de transpiração, 10 de inspiração, não serve pra poesia; que precisa de mais de 100 por cento de pura inspiração, os 90 de suor, mais uns 157 de dedicação, uns 415 de resignação... e por aí vai. Milhares de pessoas utilizam a forma poética em textos de toda ordem mas, repito, os poetas não são tantos assim. Ainda bem. Essa coluna da Ana Elisa, além de ótima, dá o que pensar.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
2/8/2006
14h51min
O mais legal é não dar rótulos... porque tem tanta poesia que não está em verso... e por outro lado tanta prosa versificada. Acho que esse é o barato de quem sabe lidar com a língua, com as infinitas possibilidades que as palavras abrem. Abraços
[Leia outros Comentários de Matheus]
4/8/2006
16h32min
Escrever, escrever, pra escrever tem que sangrar, sentir a dor do mundo e inspirar o mundo a partir da posia... viva poesia!!! Ana Elisa Ribeiro, seu texto faz pensar e dá uma vontade danada de sair escrevendo versos, verbos que servem a versos, verborragir versaria infindável. Valeu!
[Leia outros Comentários de andré Balbino ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIVE BEAT 2 TEACHERS BOOK
FREEBAIN E OUTROS
PEARSON LONGMAN
(2015)
R$ 99,00



O ESPIÃO QUE SIAU DO FRIO
JOHN LE CARRE
ABRIL
(1981)
R$ 10,00



ZAUBER DER FORMEN IN DER NATUR
PETER S. STEVENS
VERLAG MUNCHEN WIEN
(1974)
R$ 70,00



TRABALHANDO POR UMA SANTOS MELHOR
RAFAEL OLIVA
DO AUTOR
(2008)
R$ 15,00



A SENHORA DAS ÁGUAS
PHILIPPA GREGORY
RECORD
(2014)
R$ 65,00



A REVOLUÇÃO FRANCESA EXPLICADA À MINHA NETA
MICHEL VOVELLE
UNESP
(2007)
R$ 22,90



TREINE SUA MEMÓRIA - NUMERO 08
VARIOS AUTORES
COQUETEL
R$ 6,00



WOLFGANG AMADEUS MOZART
JEAN ET BRIGITTE MASSIN
FAYARD
(1990)
R$ 44,91



SISTEMÁTICA DE PLANTAS INVASORAS
CONDORCET ARANHA HERMÓGENES DE FREITAS
INSTITUTO CAPINEIRO
(1987)
R$ 19,00



DECISÕES FINANCEIRAS EM CONDIÇÕES DE RISCO
JOSÉ ROBERTO SECURATO
ATLAS
(1996)
R$ 39,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês