Alguém aí reconhece um poeta? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fuvest divulga lista de livros para 2017
>>> 35 anos do Clube da Esquina
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Inquietações de Ana Lira
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
Mais Recentes
>>> As Árvores e Seus Cantores de Sérgio Faraco (Org.) e Maria do Carmo Conceição Sanchotene pela Unisinos (1999)
>>> Jesus é nosso amigo de E. Leite/J. Santos pela AM Edições (1991)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Ediouro (1994)
>>> A Gang do Beijo de José Louzeiro pela Nova Fronteira (1997)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Globo (1998)
>>> O Grande Mentecapto de Fernando Sabino pela Record (2006)
>>> Morri Para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> O Rio Grande do Sul e a Ecologia de Henrique Luís Roessler pela Martins Livreiro (1986)
>>> A Ecologia das Selvas – As Florestas e a Sobrevivência de Frank Fraser Darling pela Artenova (1973)
>>> Conheça Ecologia Em Quadrinhos de Sthepen Croall & William Rankin pela Proposta (1981)
>>> Homem, Ecologia e Meio Ambiente – Série Divulgação Nº 8 de Vários Autores pela Fundação Brasileira para Conservação da Natureza (1971)
>>> O outro Nordeste (livro raro) de Djacir Menezes pela Arte nova (1970)
>>> A Classes Sociais no Capitalismo de Hoje de Nicos Poulantzas pela Zahar (1975)
>>> Our Ecological Footprint – Reducing Human Impact on the Earth de Mathis Wackernagel & William Rees pela New Society (2007)
>>> Lições Sobre o Capitulo Sexto (inédito) de Marx de Claudio Napoleoni pela Ciências Humanas (1981)
>>> Cebs - Cidadania e modernidade uma análise critica de Faustino L. C. Teixeira pela Paulinas (1993)
>>> RIMA – Relatório de Impacto Ambiental: Legislação, Elaboração e Resultados de Roberto Verdum e Rosa Maria Vieira Medeiros (Org.) pela Ufrgs (2006)
>>> A república de Weimar de Rita Thalmann pela Zahar (1986)
>>> Ensaios de sociologia (Max Weber) de Max Weber (org. Hans Gerth e C. Wright Mills) pela Zahar (1971)
>>> História Crítica do Pensamento 4 volumes de Louis Jacot pela Mundo Musical (1973)
>>> Ecología Política – Nº 48: Cartografía y Conflitos de Vários Autores pela Fundació ENT / Icaria (2014)
>>> Pedrinho Dá o Grito de Ana Cecília Carvalho e Robinson Damasceno dos Reis pela Formato (2013)
>>> Os camponeses e a política no Brasil de José de Souza Martins pela Vozes (1986)
>>> Partidos e Sistemas Partidários de Giovanni Sartori pela Universidade de Brasília (Zahar) (1982)
>>> Aparelhos ideológicos de Estado de Louis Althusser pela Graal (1985)
>>> População e Ambiente: Desafios à Sustentabilidade – Volume 1 de Joseph Hogan, Eduardo Marandola Jr. E Ricardo Ojima pela Blucher (2010)
>>> Essais sur la théorie de la science de Max Weber pela Plon (1965)
>>> Ciência & Ambiente – Nº 37: A Cultura do Automóvel de Vários Autores pela Ufsm (2008)
>>> Lineamenti Fondamentali Della Critica Delleconomia Politica 2 de Karl Marx pela La Nuova Italia (1978)
>>> Lineamenti Fondamentali della critica dell'economia politica 1 de Karl Marx pela La Nuova Italia (1978)
>>> Gai-Jin (2 volumes) de James Clavell pela Record (1996)
>>> Imperialismo fase superior do capitalismo (coleção bases 23) de Lenin pela Global (1982)
>>> Bloomsbury Dictionary of Quotations de Diversos Autores pela Bloomsbury (1989)
>>> A imaginação sociológica de C. Wright Mills pela Zahar (1975)
>>> The Wit & Wisdom of Mark Twain de Alex Ayres pela Harper & Row (1987)
>>> Vida e educação de John Dewey pela Melhoramentos (1975)
>>> The Penguin Dictionary of Modern Humorous Quotations de Fred Metcalf pela Penguin (1987)
>>> Um Trem com janelas Acesas de Teresa Noronha pela Atual (2014)
>>> A hora do amor de Álvaro Cardoso Gomes pela Canto Jovem FTD (1986)
>>> As mentiras que os homens contam de Luís Fernando Veríssimo pela Objetiva (2000)
>>> Antologia das flores - Flores de Cactos de Eduardo Lucas Andrade pela Do autor (2019)
>>> Édipo Rei - Antígona de Sófocles pela Martin Claret (2002)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2002)
>>> O bom Ladrão de Fernando Sabino pela Ática (2005)
>>> O que toda mulher inteligente deve saber de Steven Carter & Julia Sokol pela Sextante (2006)
>>> Filhos brilhantes, alunos fascinantes de Augusto Cury pela Academia de Inteligência (2006)
>>> Ponto de Sombra de Maria Filomena Coelho pela Arx (2020)
>>> O Diário de Anne Frank - 5F de Vários Autores pela Pe Da Letra (2020)
>>> Empresário de Sucesso no controle das crises: Lições de sobrevivência em tempos difíceis - 5F de Chris Robson pela Lafonte (2020)
>>> A Megera Domada - 5F de William Shakespeare pela Lafonte (2020)
COLUNAS

Quarta-feira, 26/7/2006
Alguém aí reconhece um poeta?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Como é que alguém reconhece um poema? Boa pergunta. Como é que alguém começa a escrever poesia? Por que alguém acha que sabe quando um texto é poesia e quando ele não é? E aquelas pessoas que dizem que você "está no caminho certo"? Que trajeto é esse? Quando começa e onde se estabiliza?

Um dia a professora ensinou o que era rima. Disse que ão rimava com ão. A classe inteira entendeu. Depois ela disse que poema era um texto escrito em verso. Era só escrever a frase e terminá-la em duas ou três linhas diferentes. Junte-se isso à rima e será provável acontecer um poema. Certo? Errado.

Mais adiante, um toque de métrica. Todos os exemplos de bons poetas. Olavo Bilac, uma máquina de calcular. Para ficar mais moderno, Chico Buarque. Não o músico, mas o poeta. Dizia Leibniz: "O prazer que obtemos da música vem da contagem, mas da contagem inconsciente. A música nada mais é do que aritmética inconsciente". Ai, meu Deus, eu nem sabia disso. Se soubesse, não teria gostado de música. Agora é tarde.

Mais adiante, outra professora mandou ler Manuel Bandeira. Aí alguém descobriu que nem sempre rima, nem sempre verso, nem sempre palavras bonitas. Poesia era o clima. Leminski ainda nem havia nascido.

Mas o trajeto acaba aí, quando alguém tem que ler os livros do vestibular e estudar para a prova. O trajeto só não acaba quando alguém resolve pegar um caminho paralelo. Vai lá, faz as próprias escolhas e avança pela direita. Não tem mais prova, nem múltipla escolha e nem "redija um pequeno texto". Só tem vontade e ritmo. E vai treinando, vai experimentando, livre para gostar e para detestar. Pega emprestado, compra, aluga. Vê o filme e lê o livro. Edição e reimpressão. Apresentação, prefácio, posfácio. Lê mais um. Um desconhecido. Poeta brasileiro, empreendedor. Edição própria, edição de bolso. Até que a poesia se instala. Como se fosse um software? Mais ou menos. Um reconhecedor de poetas apita quando um texto é poesia. E engraçado: não precisa ter gostado. Alguém separa quando é gosto e quando é fato. Certos poetas são poetas, mesmo que eu não goste do que eles fazem na sua sesmaria de papel. Não é problema meu. Mas há poetas que não o são. Como é que alguém sabe?

Maior dificuldade do mundo é explicar para alguém, um aluno, que seja, que literatura não é qualquer coisa. Não é juntar palavras bonitas e soltar assim, num desarranjo calculado. Nem é estilhaçar os sentidos e deixar tudo meio flutuante. Nem mesmo pode ser picar as frases em versos de 12 sílabas.

Literatura não é, necessariamente, o conteúdo. Não é suficiente, para ser literatura, que se conte uma boa história. Digo esta literatura de arte. Há outras, claro. Mas não basta arranjar um mote sensacional. Faça o teste: distribua a boa idéia por uns 5 escritores e veja no que dão. Uns mais, outros menos. Uns nada. Uns fazem da boa história uma nuvem. Outros, capturam minotauros com ela. Há quem a deixe do mesmo jeitinho que encontrou. Não aumentam nela sequer uma característica.

Há outro exercício: dê aos 5 escritores uma história ruim. Veja lá o que acontece, de novo. Quem sabe fazer bonito arranja para a história outra beleza. Se a história não é boa, o texto é. Tanta coisa é assim. Clarice Lispector, meu exemplo preferido, tinha por hábito inventar (ou não) histórias banais e fazer delas textos lindos e emocionais. Ou vão me dizer agora que é bárbaro saber de um cego mascando chicletes?

Já Gabriel García Marquez conta histórias boas e movimenta o mundo com elas. Ainda por cima são belas se forem só letras. Literatura. E como se explica isso a alguém?

E se o alguém começa a escrever e pede: dá uma olhadinha? Ai, posso aqui matar um santo. Vou dizer que não é, mas pode ser. O texto é ruim, a história costuma ser também. Então é o texto que salva a história, quando o conjunto é literatura. Percebe? Se a história é ruim, mas a alma é literária, então está tudo bem. Mas se o texto for ruim, nem a boa idéia se salva. Tudo por água abaixo.

Mas volto ao problema: como explicar isso a alguém? É possível ensinar a ver? Não gosto de tratar do mundo como se tudo fosse questão de dom. Não gosto. Parece coisa divina. Divina, mesmo, só a transformação. Senão não dava nem vontade de continuar.

Se alguém me chega com um poema ruim, eu digo: ainda não. Não quer dizer que um dia não possa vir a ser. Pegue esse poema ruim e mande um poeta (mesmo) tratá-lo. Num lifting de texto, ganha o poema ares de arte. Mesmo se a idéia for fraca, como vela. E às vezes não é palavra aqui, substitui, corta, cola. Não. Às vezes só o poeta engolindo e vomitando tudo de novo.

Como explicar a alguém que literatura é uma forma de usar a linguagem? São as mesmas palavras que estão no dicionário. Em qualquer um deles. São as mesmas pontuações que aparecem nas gramáticas. Mas por que elas não parecem as mesmas? Como se aprende a dar nelas uma liga poética? É o inesperado, diria o diabo. Confio.

Literatura é linguagem carregada de significado. Noutras palavras, disse isso o sábio Ezra Pound. Depois disse que era significado à máxima potência. Meio Leibniz, parecia matemática. De repente, é. Fazer o quê? Literatura é uma espécie de poção que você faz com as palavras da sua língua, com os temperos do seu estilo e as intimidades que você tem com o seu idioma. Essas intimidades é que são o segredo. Intimidades que as moças da vida dão, e só elas. Porque se você ficar muito cheio de pudores, não sai mais do que uma combinação burocrática de palavras do dicionário.

Mas como é que alguém faz isso? Não nasce. Não nasce, insisto. Todo mundo nasce podendo. Inclusive qualquer coisa. É fazendo exercício, atividade, tentativa. É assim que alguém percebe o gosto que as palavras têm quando os textos são literários. Lendo, relendo, achando bonito. Achar bonito já é outro problema. Achar bonito também não é para qualquer um que não tenha tentado. Achar bonito tem que ter olhos. Tem que ler e achar bonito. Quando alguém lê e pensa: como pode? Não é só a história, mas é o jeito dela. É assim. Como é que explica isso a alguém? Não sei. O jeito é fazer junto. Pegar alguém pela mão e tocar a fazer as coisas. Como as hortas, como os bolos, como os cultivos, de maneira geral.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu cinema em 2010 ― 2/2 de Wellington Machado
02. Das coisas que você detesta de Ana Elisa Ribeiro
03. Sobre o Oscar 2006 de Marcelo Miranda


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2006
02h01min
Fique tranquila, Ana. Você explicou tudinho :)
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
27/7/2006
11h41min
Humm... achei bonito seu texto. E me parece que é assim mesmo. Tentar, rasgar folhas, começar outra vez, de outro jeito... ter a idéia, mas não ter tempo de colocar no papel. Bater a cabeça na parede de raiva por ter perdido a idéia. Depois ter outra idéia, desta vez com papel e caneta ao alcance. Escrever, ler, reler, ficar satisfeito. Ou de novo... Não é pra muitos. Mas quando se alcança, é muito bom. Dá uma sensação de "eu posso, eu faço". Eu não sei se sou. Dizem por aí que sim. Eu gosto, ao menos, de tentar ser. Obrigado!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
28/7/2006
01h28min
Mais que uma boa pergunta. Talvez seja a pergunta fundamental da literatura. O que é poesia, afinal? Ana Elisa responde, em parte, algumas questões. O que já é muito. No entanto só o desejo de ser poeta não faz o poeta; nem disciplina ou esforço contínuo produzem, necessáriamente, boa poesia. Na verdade não produzem poesia nenhuma. O bom escritor pode simular, inteligentemente, um procedimento poético, mas nada é mais avesso à simulação do que um poema. Aquela história de 90 por cento de transpiração, 10 de inspiração, não serve pra poesia; que precisa de mais de 100 por cento de pura inspiração, os 90 de suor, mais uns 157 de dedicação, uns 415 de resignação... e por aí vai. Milhares de pessoas utilizam a forma poética em textos de toda ordem mas, repito, os poetas não são tantos assim. Ainda bem. Essa coluna da Ana Elisa, além de ótima, dá o que pensar.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
2/8/2006
14h51min
O mais legal é não dar rótulos... porque tem tanta poesia que não está em verso... e por outro lado tanta prosa versificada. Acho que esse é o barato de quem sabe lidar com a língua, com as infinitas possibilidades que as palavras abrem. Abraços
[Leia outros Comentários de Matheus]
4/8/2006
16h32min
Escrever, escrever, pra escrever tem que sangrar, sentir a dor do mundo e inspirar o mundo a partir da posia... viva poesia!!! Ana Elisa Ribeiro, seu texto faz pensar e dá uma vontade danada de sair escrevendo versos, verbos que servem a versos, verborragir versaria infindável. Valeu!
[Leia outros Comentários de andré Balbino ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O FIO DE OURO DE FATINU
JAY, FRANÇOISE
EDITORA ÉVORA
(2015)
R$ 49,90



O AMIGO DE CASTRO ALVES DESCOBRINDO OS CLÁSSICOS ACOMPANHA SUPLEMENTO
MOACYR SCLIAR
ÁTICA
(2013)
R$ 14,90



BLACK BEAUTY
ANNA SEWELL
PENGUIN BOOKS
(1994)
R$ 9,94



REMÉDIOS, FATORES DE CIVILIZAÇÃO
OSCAR CLARK
RIO DE JANEIRO
(1938)
R$ 65,71



PRÉCIS DE MÉDECINE JUDICIAIRE
A. LACASSAGNE
G MASSON
(1886)
R$ 370,00



O MONGE E O EXECUTIVO
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE
(2004)
R$ 20,72



NOVA RAINHA 72 EDÇÃO HISTÓRICA INDEPENDENCIA DO BRASIL
DIVERSOS AUTORES
RAINHA
(1972)
R$ 10,00



LE LIVRE DES SECRETS TRAHIS
ROBERT CHARROUX
ROBERT LAFFO
(1965)
R$ 12,90



FUGINDO DE CASA
SUZANA DIAS BECK;
MODERNA
(2003)
R$ 14,90



MARKETING PESSOAL - TÉCNICAS DE SUCESSO PARA ENFRENTAR CRISES PROFI
DERRICK SCOTT-JOB
BEST SELLER
(1994)
R$ 6,90





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês