Sobre a mulher que se faz de vítima | Fabrício Carpinejar | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
>>> É Possível Salvar a Europa? de Thomas Piketty pela Intrínseca (2015)
>>> Pensão Riso da Noite de José Condé pela José Olympio / Civilização Brasileira / Três (1973)
>>> O Caminho Para O Céu: Livro II das Crônicas da Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Ioiô Pequeno da Várzea Nova de Mario Leônidas Casanova pela Clube do Livro (1979)
>>> O Papa e Mussolini. A Conexão Secreta Entre Pio XI e a Ascensão do Fascismo na Europa de David I. Kertzer pela Intrínseca (2017)
>>> Entrevero de Vários Autores pela L&PM / Mpm
>>> Pesquisa FAPESP Nº 265 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> O Longo Adeus a Pinochet de Ariel Dorfman pela Companhia das Letras (2003)
>>> Contos de Voltaire pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 263 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> Divina Comédia - Coleção A Obra-Prima de Cada Autor, Série Ouro de Dante Alighieri pela Martin Claret (2002)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/1/2007
Sobre a mulher que se faz de vítima
Fabrício Carpinejar

+ de 20800 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Arte de Robert Motherwell

Não tenho nada contra mulheres arrogantes, pretensiosas, arrivistas, carreiristas, fatais. Não me importo. O sadismo não me incomoda, expressa vontade e determinação, ainda que insuportavelmente exageradas.

O que me provoca alergia é a mulher-vítima (assim como existe o homem-vítima), a que se considera injustiçada por antecipação. Vítima do mundo, de si, que conspira contra qualquer boa notícia, que desconfia do otimismo e se empenha para a tragédia. Ela não lutará pelo seu talento, vai logo se desculpar ou esperar que tudo fique igual.

Será extremista: ou é como ela quer ou não vale. Não aceita gradações, modulações, intervalos. Não respeita meio-termos, demora, paciência. Carrega sua verdade para todas as mentiras.

No primeiro confronto com os pais, replica: "não pedi para nascer". Na primeira resistência: "nada funciona comigo". Na discussão de casal: "eu não o mereço". Na primeira celebração: "não sei por que você me escolheu". No primeiro filho: "ele não se parece comigo".

A mulher-vítima se defendeu do que podia na infância. Agora nem a infância a acalma. É vingativa. Só que não com os outros. Renuncia e abdica de sua própria história para provar que tinha razão.

Ela se enxerga como a última das criaturas. Aliás, a penúltima das criaturas, pois se lembrará das baratas ao pensar nisso. Não seria capaz de casar consigo mesma. Não que não seja bonita, inteligente, sensível. É, na maioria das vezes. Mas não suporta a idéia de fracassar e fracassa na véspera por não controlar a ansiedade. Não que tenha medo de fracassar, esse é o problema: tem certeza de fracassar.

A mulher-vítima tropeça já avisando como vai cair. Faz a derrota premeditada. Não economiza água para contar os dramas, e toma os dramas dos outros como seus. Se ela usasse todo o discurso quando se lamenta para dar certo, não haveria concorrência.

A mulher-vítima não desabafa, chora antes. Em algum momento, não foi vítima. Em algum momento, se sentiu traída e não trocou de papel.

A mulher-vítima se isola, acha que ninguém entenderá seu sofrimento. Não permite que sua angústia converse com estranhos. Ou que sua alegria tenha amigos. A mulher-vítima é uma mãe que não deixa o corpo sair dessa encarnação.

É como o fogo, começa uma história e não consegue terminar. Será vítima do casamento, será vítima da falta de oportunidade, será vítima dos filhos, será vítima das contas. Ela não reage, ela concorda quando está apanhando das dificuldades - até ajuda a bater.

A mulher-vítima não muda, aguarda que o mundo mude por ela. É triste o jeito que ela se trata, ou o jeito que ela não se trata.

Fui criado por uma mulher excepcional, que não precisava de provas para ser percebida. Apesar de todas as qualidades, era uma mulher-vítima. A mulher-vítima não apaga suas virtudes, ela se esconde delas.

Não cansava de explicar aos filhos que foi abandonada pelo marido. Nunca a ouvi dizer algo de bom dele. Tudo que era bom dele vinha dela e do tempo que viveram juntos. Nunca se casou de novo para contrariar o passado ou absolvê-lo.

A mulher-vítima é romântica. Pelo motivo errado. Não trai suas dores e mágoas pelo orgulho de ter sofrido sozinha.

Nota do Editor
Fabrício Carpinejar é poeta, autor de sete livros: entre eles, Como no céu/Livro de visitas (2005), Cinco Marias (2004) e Caixa de Sapatos (2003). Este texto foi originalmente publicado em seu blog e é reproduzido aqui com sua autorização.


Fabrício Carpinejar
São Leopoldo, 18/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A ambição de poder (também na internet) de Julio Daio Borges
02. Leis de incentivo e a publicação independente de Pilar Fazito
03. Ex-míope ou ficção científica? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Fabrício Carpinejar
Mais Acessadas de Fabrício Carpinejar
01. A vida sexual da mulher feia - 17/2/2006
02. A Invenção de Orfeu de Jorge de Lima - 14/7/2005
03. Manoel de Barros: poesia para reciclar - 17/8/2006
04. Separar-se, a separação e os conselhos - 18/1/2005
05. Sobre a mulher que se faz de vítima - 18/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/1/2007
11h47min
Que artigo sexista! Não existem "mulheres vítimas" a não ser que estejamos falando de alguma mulher que foi vítima de doença ou de violência. Existem "pessoas vítimas". A vitimização é um forte componente cultural brasileiro, é a "cultura do tadinho" e não escolhe gênero nem idade para atacar. Essa "cultura do tadinho" vem sido combatida pelos movimentos sociais, através da valorização da diferença entre as pessoas, do papel das minorias na sociedade e valorização cultural. Por favor, moço, reveja seus conceitos. O machismo e o sexismo acabaram há pelo menos trinta anos.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
21/1/2007
10h19min
Fabrício consegue sintetizar muito bem a pena que sentimos ao conhecer uma mulher vítima (e não podemos esquecer que existem também homens-vítima...). Pessoas que preferem transformar a tristeza em amargura profunda, que se acham as pobres-coitadas de um mundo que não é simples para ninguém... É triste alguém que vive dos olhares de comiseração dos outros. "Vamos sentir piedade... dessa gente careta e covarde".
[Leia outros Comentários de Bia Cardoso]
24/1/2007
10h13min
Creio que o fato de Fabricio ter escolhido uma "mulher-vítima" é porque a ele talvez interesse mais pela alma feminina. Escrevemos sobre o que nos interessa. Ao elencar atitudes facilmente reconhecíveis em muitas pessoas (homens e mulheres) que conheço, o autor organiza uma realidade dispersa sobre a qual podemos refletir. Até porque, não há como negar, percebemos esse "coitadismo" em muitos de nossos afetos...
[Leia outros Comentários de Débora]
9/2/2007
12h49min
O texto é duro, e o pior, muito dolorido para quem lê e se enxerga, mas, é verdadeiro, não concordo com muitas coisas, como não se incomodar com arrogância, etc. Mas, me vi como uma mulher-vitima, filha de pais-vitimas, sendo que na minha família não somos ignorantes, feios, miseráveis, não, somos vistos como felizes, bonitos, inteligentes, guerreiros, mas, acredito que o conceito de humildade ensinado na sociedade cristã, acaba nos deixando inseridos na cultura do "tadinho", e é aí é que mora o perigo, pois, escondidos dentro da falsa modéstia, não revelamos ao mundo nossos verdadeiros talentos. Ser vilão, confiante, capacitado e saber disso se tornam sinônimos. Mas, quero rever alguns desses conceitos e penso que vai surtir efeito positivo para MIM.
[Leia outros Comentários de Thais Renata de Lima]
9/2/2007
14h33min
vítima, sim, dela própria, da porcaria que ela mesma criou para viver, para se proteger dela mesma, e da sua incompetência, diante de tudo... mas tipos são tipos e tem gosto pra tudo nessa vida.
[Leia outros Comentários de Teca Baima]
11/2/2007
15h18min
Apesar do apelo provocativo do título, me concentrei basicamente na culpa e não no sexo da "vítima"; assim pude perceber que tratava-se da abordagem defensiva, de uma opção pela inércia diante de uma tomada de decisão; uma falta de apetite para superar uma condição de deficiência e lutar contra algumas situações em que devemos nos confrontar contra os nossos próprios limites; uma situação tão real quanto cotidiana. Vitimizar-se é uma desculpa para não agir, não pensar sobre as responsabilidades das omissões e atribuir a outros a grandeza de se amar e se cuidar. Uma caminhada é feita do primeiro passo, é preciso enfrentar a primeira mentira e libertar-se do primeiro constrangimento para enfrentar o real. Autocomiseração é trapaça, e atirar sobre as costas de alguém a obrigação de sermos felizes é, minimamente, uma declaração de baixa auto-estima. As coisas conquistadas precisam ser conquistadas. "Navegar é preciso." Bravo, Carpinejar!
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEREIAS SENSUAIS DO CINEMA
DAVE WORRALL, LEE PFEIFFER
MADRAS
(2012)
R$ 50,00



SHERLOCK HOLMES. O SIGNO DOS QUATRO
ARTHUR CONAN DOYLE
LAFONTE
(2018)
R$ 15,00



FEIÇÕES E FISIONOMIA A HISTÓRIA DO BRASIL DE JOÃO RIBEIRO
PATRÍCIA SANTOS HANSEN
ACCESS
(2000)
R$ 40,00



INICIAÇÃO À BÍBLIA PARA VOCÊ ESTUDAR O ANTIGO TESTAMENTO VOL. 1
DIVERSOS - 6214
PAULINAS
(1980)
R$ 10,00



IGREJA E REPÚBLICA: MITO(S) E HISTÓRIA(S)
MARIA ALEGRIA F MARQUES E LUÍS CARLOS AMARAL
ASS DE AMIGOS MOSTEIRO S CRIST
(2011)
R$ 32,82



CRÔNICAS CIENTÍFICAS
ANNA VERONICA MAUTNER
ESCUTA
(1994)
R$ 12,00



DE VOLTA A REALIDADE
PAULO ROSSI SEVERINO
JORNALISTICA
(1999)
R$ 6,90



GLOBO RURAL--11 ANUARIO DE AGRONEGOCIO--AS 500 MAIORES EMPRESAS DO SETOR.
EDITORA GLOBO
GLOBO
(2015)
R$ 16,00



METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO
ANTONIO JOAQUIM SEVERINO
CORTEZ
(1996)
R$ 10,00



LEILÃO DO MIM
ARTUR DA TAVOLA
NOVA FRONTEIRA
(1981)
R$ 5,00





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês