Livros do amanhã | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
23968 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil exibe especial 'Sonho Meu' em homenagem a Dona Ivone Lara nesta sexta (20)
>>> Escritor Alexandre Hallais fecha parceria com a Soul Editora
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Alessandro Ferrari Jacinto e Marisa Folgato lançam 'Alzheimer' na Livraria Martins Fontes
>>> Programa de Edição de Textos de Docentes da Unesp 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
Últimos Posts
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
>>> Sem troco
>>> Libertarias
>>> A mandioca e o canário da terra
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mecanismos Internos: Ensaios sobre Literatura, de J.M. Coetzee
>>> A verdadeira resistência
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> E a lei cedeu diante dos costumes
>>> Casa Arrumada
>>> Anti-Jô Soares
>>> Algo em común
Mais Recentes
>>> Uma sustentável revolução na floresta
>>> il Riso in Tasca
>>> Trilogia Deutsch Perfekt- cidades da Alemanha- Hamburg-Koln, Dusseldorf ( 28 Seiten Spezial Nordrhein-Westfalen
>>> Ele viu os Céus abertos
>>> Curso de Estradas
>>> Mecânica dos Solos e suas Aplicações
>>> Construções de Concreto - Vol. 4
>>> Construções de Concreto - Vol. 3
>>> Construções de Concreto - Vol. 1
>>> Construções de Concreto - Vol. 5
>>> El Engaño Populista
>>> Los Brujos de Chávez
>>> Venezuela Energética
>>> Bumerán Chavez
>>> Estado Delincuente
>>> Boves El Urogallo
>>> Cuco
>>> A Bolsa e a Vida - 1ª Edição
>>> Função ceo a descoberta do prazer
>>> Função ceo a descoberta do amor
>>> As cores do amor
>>> Pecaminoso
>>> Coleção Beltranianas - Comunicação e Problemas Luiz Beltrão Parte III
>>> Silicone XXI
>>> Casas Junto Al Mar
>>> Minha Experiência em Brasília
>>> Meu pé de laranja lima
>>> Desenho de Paisagem Urbana
>>> Canaa
>>> Curso de Propriedade Intelectual Para Designers
>>> O Brasil Não Existe!
>>> Apartamentos Urbanos
>>> Arquitetura e Design. Sergio Rodrigues
>>> A Hora Futurista que Passou e Outros Escritos
>>> Uma História da Pintura Moderna
>>> Olhar Sobre o Passado - Volume 1
>>> Quase Vegetariano
>>> Macário
>>> A Dieta de Sonoma
>>> Electra(s)
>>> Anos 70
>>> Édipo Rei de Sófocles
>>> Design e Comunicação Visual
>>> Cézanne: Miniguia de Arte
>>> O Último Godot
>>> Pós Modernismo: Repensando a Arquitetura
>>> Mario Botta
>>> Cinematógrafo: Um Olhar Sobre A História
>>> Desenho a Cores: Técnicas de Desenho de Projeto para Arquitetos 2ª Ed
>>> A Mão Livre 2 Técnicas de Desenho
COLUNAS >>> Especial O que ler

Quinta-feira, 21/6/2007
Livros do amanhã
Gian Danton

+ de 4400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Quando eu tinha uns 12 anos ainda se usava encerar a casa e depois espalhar um monte de jornais pelo chão. Eu nunca entendi direito porque era necessário fazer isso, mas o fato é que se fazia... e eu era encarregado de encerar, lustrar e espalhar os jornais. Numa dessas ocasiões vi algo que me interessou num dos jornais espalhados pelo chão e já meio sujos de cera vermelha. Era uma artigo sobre histórias em quadrinhos, mais especificamente sobre O Fantasma. Fiquei lá acocorado, lendo e relendo a matéria. Não tinha a noção de que os gibis, tão desprezados, pudessem ser assunto de um artigo em jornal, quanto mais de um livro. Para mim foi algo revelador. Tempos depois eu assumi aquela mesma coluna no jornal.

A descoberta de que se podia escrever de forma séria sobre HQ foi fundamental para que eu procurasse livros sobre o assunto. A relação abaixo é um relato de uma busca que se iniciou naquele dia, acocorado sobre o chão encerado de vermelho e apresenta não todos os livros sobre o assunto, ou os mais importantes, mas os que mais me marcaram.

A primeira obra que li sobre o assunto foi O que é história em quadrinhos, de Sônia Luyten, da coleção Primeiros Passos (Brasiliense), emprestado da Biblioteca Pública. Para um livro sobre quadrinhos, era muito mal ilustrado, mas mesmo assim foi através dele que conheci alguns clássicos das HQs, como Little Nemo, Tarzan e Pogo. Além disso, o texto fluido da Sônia ajudava muito. É o primeiro livro que indico para quem quer está começando a pesquisar sobre o tema.

Já na faculdade, descobri, também na Biblioteca, Shazan!, uma coletânea organizada por Álvaro de Moya. Esse livro reúne artigos na maior parte do grupo que organizou a Primeira Exposição Internacional de Histórias em Quadrinhos (em 1951), além de Jô Soares e Naumim Aizen, filho de Adolfo Aizen, dono da editora Ebal, a maior da época.

É um volume pesado, de mais 300 páginas, mas com linguagem gostosa e repleto de ilustrações. Os temas abordados vão da pedagogia à política. Destaque para o artigo "Era uma vez um menino amarelo", de Álvaro de Moya, que serve de introdução ao volume, e "Os dilemas do Fantasma e do Capitão América", de Jô Soares, em que ele analisa a situação do Fantasma numa época em que a África lutava contra o colonialismo e do Capitão América numa época em que os EUA perdiam a guerra do Vietnã. Um texto curto e divertido, mas que faz profunda análise sociológica dos super-heróis.

Enfim, Shazan! É livro para ler diversas vezes, cada vez com um enfoque diferente.

Um dia, quando visita Belém, um amigo me emprestou As incríveis aventuras de Kavalier e Clay, de Michael Chabon. Chabon pesquisou a história da origem dos quadrinhos para fazer não um livro documental, mas um romance, e acabou construindo um amplo relato dos heróis que levantaram a indústria dos comics, muitas vezes sem ter qualquer retorno, mesmo financeiro, por isso.

Kavalier e Clay são dois jovens judeus fanáticos por ficção científica que se juntam para criar um personagem para aproveitar a onda de sucesso do Super-homem. Criam então o Escapista, um herói capaz de escapar de qualquer situação, da mesma forma que Kavalier havia escapado da Europa sob dominação nazista.

O que é fascinante em Chabon é como ele monta sua trama, mostrando como os acontecimentos particulares e sociais interferem na produção e, portanto, fazem com que o Escapista seja uma obra autoral, mesmo estando dentro de uma indústria. É natural, por exemplo, que os vilões das primeiras histórias sejam nazistas. Quando Kavalier conhece uma garota e se apaixona, o romance é introduzido na história. Quando os dois primos vão assistir ao filme Cidadão Kane, a HQ ganha ares de experimentação e proximidade da linguagem do cinema.

Kavalier e Clay são a personificação de figuras reais, que fizeram a história em quadrinhos: Jack Kirby, o criador do capitão América, Jerry Siegel e Joe Shuster, criadores do Superman, e Will Eisner, criador do Spirit. Chabon uniu suas histórias em uma só trama.

Além disso, o romance tem uma estrutura espiralada que obriga o leitor a ficar atento. A história começa lá no futuro e volta para o passado remoto, depois vai retornando ao futuro, para depois retroceder de novo.

Ao contrário do que muitos esperariam de um romance baseado em quadrinhos, As incríveis aventuras de Kavalier e Clay é um livro denso e profundo, que prima pela contextualização histórica e análise psicológica de seus personagens, mostrando toda a complexidade por trás dos comics de super-heróis. Sua qualidade é atestada pelo prêmio Pulitzer de 2001 na categoria de melhor romance.

Para entender melhor o livro de Chabon, vale ter na estante Homens do Amanhã, de Gerard Jones. Jones é roteirista de quadrinhos, tendo escrito, entre outros personagens, a Liga da Justiça, mas nos últimos anos tem se dedicado a pesquisar a origem dos quadrinhos de super-heróis.

Homens do Amanhã é focado em Jerry Siegel e Joe Shuster, os criadores do Super-homem, mas dá uma ampla panorâmica do surgimento desse tipo de diversão e de seus criadores. Jones mistura história, biografia de autores e análise de histórias. Ou seja, é um livro completo para quem quer entender esses heróis que usam a cueca sobre a roupa (inclusive isso é explicado no livro: os super eram baseados nos homens musculosos que se apresentavam em circos e que usavam short e malha).

O subtítulo da obra deixa claro o objeto de estudo: "geeks, gângsteres e o nascimento dos gibis". Os primeiros autores de super-heróis eram rapazes despreparados para o mundo, fãs de ficção-científica, facilmente manipulados e explorados pelas empresas para as quais trabalhavam. Eram também judeus, já que os norte-americanos achavam indigno se envolver com esse tipo de lixo cultural. Aparentemente, boa parte do preconceito contra os gibis está relacionado ao preconceito racial: algo feito por judeus não deve ser boa coisa.

No entanto, Jones mostra que os autores colocavam suas angústias e sonhos nos quadrinhos, fazendo muitas vezes uma obra autoral.

O que Homens do Amanhã é para os quadrinhos norte-americanos, A guerra dos gibis, de Gonçalo Júnior, é para os quadrinhos nacionais.

Gonçalo acompanhou a trajetória de Adolfo Aizen, dono da editora Ebal, do início modesto como jornalista até a criação da maior editora da América Latina, culiminando na melancólica decadência da Ebal. Como a Ebal focava quase toda a sua produção na área de quadrinhos, A guerra dos gibis acaba traçando um vasto panorama da nona arte no nosso país.

O livro se destaca especialmente por mostrar que a perseguição aos quadrinhos adquiriu no Brasil traços políticos por conta das brigas entre Roberto Marinho com seus inimigos. Como Marinho fez sua fortuna publicando gibis, a maneira mais fácil de atacá-lo era batendo nos quadrinhos.

A narrativa de Gonçalo Júnior é gostosa e o livro se lê de uma topada. O autor revela uma afeição por Adolfo Aizen que acaba sendo compartilhada pelo leitor.

O senão é que o livro é centrado demais nos editores. Uma outra obra, nos mesmos moldes, focado nos quadrinistas completaria a lacuna e seria o outro grande livro sobre os quadrinhos nacionais. Mas esse ainda está por ser escrito.

Nota do Editor
Gian Danton é autor do blog Idéias de Jeca-tatu.


Gian Danton
Macapá, 21/6/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
02. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
03. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
04. Omissão de Ricardo de Mattos
05. Lembrança de Plínio Zalewski de Celso A. Uequed Pitol


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2007
01. Os meninos da rua Paulo - 13/8/2007
02. Orwell na pior em Paris e Londres - 8/3/2007
03. Wikipedia e a informação livre - 2/5/2007
04. Logan's run - 21/5/2007
05. Livros do amanhã - 21/6/2007


Mais Especial O que ler
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/6/2007
16h01min
Quando eu tinha uns 12 anos ainda se usava encerar a casa e depois espalhar um monte de jornais pelo chão... hahahá, sou daquele tempo!!! Que delícia! Obrigada pelas tuas preciosas informações. Desenhos são "fascinantes" em quaisquer obras!!! Aprendi muito deste maravilhoso "dom" dos talentosos desenhistas, ilustradores, chargistas... Graças também a eles vejo o mundo com outros olhos! Grande abraço Gian e continue envolvido com esta ilustrada paixão!!!
[Leia outros Comentários de Maira Knop]
21/6/2007
16h51min
Adorei seu texto, Gian! Também gostaria de ver uma obra focada nos quadrinistas.
[Leia outros Comentários de Adriana Carvalho]
21/6/2007
22h29min
Otimo texto, Gian! Importantissimo que existam caras como vc e o Paulo Ramos (Blog dos quadrinhos - UOL) para exaltar esta arte tão pouco valorizada no Brasil. E não digo isso apenas como chargista, mas tb como leitor de quadrinhos. Ah, eu tb peguei esse tempo de cera vermelha no chão... rs. Abraços
[Leia outros Comentários de Diogo Salles]
22/6/2007
10h31min
Oi, Gian, tudo bem? infelizmente, na minha formação, não contei muito com a leitura de quadrinhos, um prazer que apenas agora estou descobrindo. Nunca é tarde, enfim.
[Leia outros Comentários de Daniel Lopes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A HISTÓRIA DE FERNÃO CAPELO GAIVOTA
JONATHAN SEAGULL / RICHARD BACH
NÓRDICA
(1975)
R$ 5,99



JAPONESES NO VALE DO AÇO
CARLOS ALBERTO CÂNDIDO
OLHARES
(2008)
R$ 20,00



DEPOIS DA ESCURIDÃO
SIDNEY SHELDON E TILLY BAGSHAWE
RECORD
(2010)
R$ 8,00



FEITIÇO - SAGA ENCANTADAS - LIVRO 2
SARAH PINBOROUGH
GENTE
(2013)
R$ 6,00



ABANDONAR-SE A DEUS PARA SER IGREJA - ANTHONY DE MELLO
ANTHONY DE MELLO
LOYOLA
(1993)
R$ 9,00



GUIA TURISMO 10+ BARCELONA
EDITORA DK
DK
R$ 12,99



O LADRÃO DE BLACK-TIE- UM ANÚNCIO ENIGMÁTICO E O X MISTERIOSO
E. W. HORNUNG
EDIOURO
R$ 8,14



ANA HORTA
SMP&B PROPAGANDA
SMP&B PROPAGANDA
R$ 14,90



O LADRÃO DE RAIOS
RICK RIORDAN
INTRÍNSECA
(2010)
R$ 15,00



NADA DURA PARA SEMPRE
SIDNEY SHELDON
CÍRCULO DO LIVRO
(1998)
R$ 5,90





busca | avançada
23968 visitas/dia
829 mil/mês