Sobre o Caminho e o Fim | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Deus tem futuro?

Quinta-feira, 20/3/2008
Sobre o Caminho e o Fim
Ricardo de Mattos

+ de 4600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

"Fé e Razão constituem como que as duas asas pelas quais o espírito humano se eleva para a contemplação da verdade. Foi Deus quem colocou no coração do homem o desejo de conhecer a verdade e, em última análise, de conhecer a Ele, para que, conhecendo-O e amando-O, possa chegar também à verdade plena sobre si próprio." (João Paulo II, Carta-encíclica Fides et Ratio)

"A harmonia que regula as atividades do Universo revela combinações e fins determinados e, por isso mesmo, revela a força inteligente. Atribuir a formação primeira ao acaso seria um contra-senso, porque o acaso é cego e não pode produzir efeitos da inteligência. Um acaso inteligente não seria mais o acaso." (Allan Kardec, O Livro dos Espíritos, Livro I, Capítulo I)

"Por certo, os que crêem e os que praticam o judaísmo e os cristãos e os sabeus, qualquer dentre eles que creu em Allah e no Derradeiro Dia e fez o bem terá seu prêmio junto de seu Senhor; e nada haverá que temer por eles, e eles não se entristecerão." (Alcorão, Sura II, versículo 62)

Deus e Religião não se confundem. Deus transcende as religiões, e não há uma que, sozinha, consiga defini-Lo, nem a extensão de Sua vontade ou de Seu Juízo. Acredito que chegará a época em que o Pensamento não sofrerá mais a divisão artificial entre Ciência, Filosofia e Religião. O ser humano, tocado pela maravilha do mundo, nele verá um exemplar da obra divina e recorrerá tanto aos dados recolhidos pela Ciência quanto à disciplina da Filosofia para conhecer e compreender seu atual habitat, fechando o círculo ao louvar o autor de tanta perfeição. Um pensamento conciliatório, mas supra-religioso, supra-filosófico e supra-científico, deverá ter por fundamentos, entre outros ― mas não muitos ― a fé, a razão, o amor, a evolução, a moderação, a tolerância, a responsabilidade.

Deus é o pai de todos e de tudo Criador. No século XX o homem caiu em uma profunda crise espiritual, crise esta preparada pelo materialismo e ateísmo oriundos do século XIX. E pior: o que era crise existencial para alguns transformou-se em modismo para outros. Tornou-se bonito, tornou-se eloqüente, repetir que "Deus está morto", porque isso mostra ao menos que houve uma aproximação ― na maior parte das vezes apenas indireta ― de determinada obra, de certa corrente filosófica. Por outro lado, os dogmas religiosos cegaram o olho humano para o verdadeiro amor divino. Todavia, esta crise pode ser útil para que se afaste a idéia de um ser vingativo, de um "Senhor Deus dos Exércitos" e então comece-se a esboçar a idéia de um Deus de Amor, de Perdão e de Justiça. Esta tarefa muitas vezes é penosa para um indivíduo, que dizer para uma sociedade.

Há quem não acredite e teime em não acreditar "sem provas". Eu, quando quero provas da existência de Deus, vou para o jardim e observo as menores plantas. O homem as reproduz, faz cruzamentos e seleções, mas não consegue dispor da matéria do modo e quantidade adequados para criar um só grão de pólen viável. Ao visitar a famosa médium de Votuporanga, deparei-me com determinada mensagem: "Para quem não crê, nenhuma explicação é suficiente; para quem crê, nenhuma explicação é necessária". Não porque se louve a ignorância de se crer sem entender, mas porque quem crê acaba deparando-se cedo ou tarde com a resposta, e porque a Ciência ainda não respondeu tudo. As ciências todas são chaves para o conhecimento gradual do plano divino e seu autor. Mesmo que O negue? Sim, pois hoje se nega mas amanhã "cai a ficha".

A evolução do entendimento do homem de si para algo além de si e maior é gradual e, apesar do correr dos séculos, ainda presente. Há pessoas que já gozam de feliz beatitude, avançadas que estão na comunhão com Deus. Outras, ainda precisam de talismãs, objetos e intermediários, sem os quais não acreditam conseguir estabelecer contato com o Alto. Isso é natural, pois sendo o homem criado e Deus estando fora da criação, a distância, mesmo pressentida é assustadora. Daí a necessidade de tolerância no assunto. Para quem não acredita no próprio espírito, como exigir que acredite num maior? Se a pessoa acredita que o que chamamos espírito e alma nada mais são que projeções do cérebro, como fazê-la acreditar num ser cuja inteligência prescinde do aparelho cerebral para manifestar-se?

A Religião, por sua vez, é um instrumento, não um fim. Converti-me do catolicismo ao kardecismo justamente quando passei mais a explicar aquele do que a encontrar as explicações que eu precisava. Entretanto, toda grande religião encerra em si algo de verdadeiro sobre Deus, sobre a origem das coisas, sobre a origem do homem e seu papel espiritual. Parece que o Conhecimento foi polvilhado sobre o mundo, cabendo ao homem o trabalho de reuni-lo num todo coeso, lembrando-se que do trabalho e do empenho nasce o mérito. Vá-se a uma livraria e na seção de livros sobre religião encontra-se um número cada vez maior de estudos sobre pontos comuns.

"Pontos comuns?" Como conciliar Politeísmo e Monoteísmo? Tentando entender que as primeiras imaginaram um ser para cada virtude ou qualidade, e as segundas, um ser com todas as qualidades ou virtudes. Entre os gregos, apesar da previsão de Zeus como pai de todos, havia Marte protegendo a guerra; Palas Atena, a deusa da Sabedoria; Afrodite, a divindade relacionada ao Amor. O cristianismo e o islamismo consolidaram a idéia judaica inicial de um só Deus. O catolicismo, contudo, vertente do primeiro, parece ter querido delegar Suas funções, transformando-se no que já foi chamado "politeísmo de um só Deus". Em Cidade de Deus ― o tratado teológico, não o romance ―, Santo Agostinho criticava aos romanos justamente por esta difusão da divindade, por esta troca de um Único Perfeito por uma infinidade humanizada.

Afinal, quem está certo, o monoteísta ou o politeísta? Ambos, pois buscam aquilo que está fora e acima de si. Um crê no Supremo Arquiteto do Universo ― para usar o vocativo caro aos maçons ―, seja Ele intermediado ou não por um santo, por um anjo, por um espírito de maior elevação. Sobre esta classificação maçônica, ela acaba nos levando de volta ao texto de Allan Kardec citado na epígrafe: não se concebe um plano arquitetônico sem um arquiteto. O acaso inteligente não é mais acaso. O Politeísta, por sua vez, crê num conjunto de divindades, e fatalmente elegerá uma de sua preferência que se tornará o seu Uno. O hinduísmo prevê uma tríade básica: Brahma criando, Vishnu conservando e Shiva destruindo. Os membros do Hare Krishna concentram-se em Vishnu, figura principal do Bhagavad Gita.

O que atualmente impressiona os sentidos do homem é a dificuldade. Como é que um islamita e um hindu se unirão um dia para celebrar um mesmo Criador? Como o ateu se colocará ao lado do espiritualista? Terá o animista que entender primeiro toda a sutileza teológica das religiões? Acredito no pensamento unificado, num ecumenismo de sentido, ainda que continuem variando as formas de culto. E é bom que variem, para que o umbandista continue à beira da praia ofertando à Iemanjá, o canto gregoriano continue repercutindo pelas catedrais, os muezzins anunciem das torres das mesquitas o momento de orar, os dervixes rodopiem e certos budistas continuem girando suas rodas de oração. Luís da Câmara Cascudo, em Civilização e Cultura, afirma que não existe cultura superior ou inferior, mas sim cultura suficiente. Adapto a lição e repito que não há religião melhor que a outra, mas sim aquela suficiente ao Espírito que escolhe e acolhe. Não há uma escala de um credo ao outro: quando os espíritos encontram-se na altitude, não importa qual foi o ponto de partida de cada um.

Caso haja um esforço para observar as coisas de um ponto mais alto, um local onde os nomes e ritos não importem, até o ateísmo encontra o seu papel, o de purgar os erros e os exageros do fanatismo. Derruba os castelos de areia do erro e da superstição, mas peca por não oferecer nada em troca, mesmo sabendo da inclinação humana para o que está acima de si. O ateu empedernido em simplesmente negar assemelha-se, em hilária imagem encontrada no Evangelho de Tomé, ao cachorro dormindo na manjedoura, que não vai comer a palha e mesmo assim não deixa os bois comerem. Como o ateísmo não é um corpo filosófico mais coeso e perfeito do que qualquer outro que já tenha surgido, acabam surgindo curiosas contradições, como a do ateu que cultiva o espírito.

As feridas causadas pelas perseguições religiosas ainda estão abertas. O massacre da noite de São Bartolomeu; a estúpida revogação do Édito de Nantes; a guerra entre hinduístas e muçulmanos, que culminou com a separação territorial e criação do Paquistão; a perseguição secular aos judeus; o papel da Inquisição; o atentado de 11 de setembro. Entretanto, não foi a Religião quem causou todos estes horrores, mas o orgulho e a arrogância de indivíduos, que mascararam seus interesses sob um véu de religiosidade, encontraram adeptos e levaram seus propósitos até às últimas conseqüências. Todo culto sistematizado possui, no mínimo, três variáveis: a dos iniciados, a dos comuns e a dos fanáticos. Por vezes não se encontra entendimento entre os representantes de cada variável, que dizer entre eles e os de outras crenças. O teólogo aflige-se com a tacanhice do devoto, o fanático implica-se com ambos e o ateu coloca a todos num balaio só.

Diz-se que religião não se discute. Afirmo que sim, deve-se discutir. Não para que um crente tente superar e converter o outro, mas para que ambos exercitem-se no conhecimento daquilo que crêem, encontrem suas próprias deficiências, aprendam supri-las e apresentem suas próprias convicções para o conhecimento alheio. Por outro lado, acredito que nos dias de hoje o que mais dignifica uma pessoa ― e por extensão, seu credo ― é o exemplo.

Que o ser humano tem naturalmente a inclinação pelo divino, isto é fora de dúvida. Que a ausência de uma crença afeta o indivíduo, isso parece claro. Tanto afeta que, descontentes com a ortodoxia, um grupo de gregos reivindicou perante os tribunais da Grécia o direito de cultuar os antigos deuses. Um dos números da revista Vida&Religião noticia a criação de uma igreja em que o deus cultuado é o jogador de futebol Maradona. Outro número da mesma revista fala sobre uma seita de origem francesa para a qual Jesus Cristo, Buda, Maomé e outras figuras importantes seriam enviados de extraterrestres com a missão de dirigir a Humanidade em certo sentido. O ateu apega-se à Ciência e parece não admitir que haja outra resposta além dela. Tal como a Sociologia afirma não existirem vácuos de poder, não me parece demais observar a inexistência de vácuos de fé.

Decorre disso que é inviável alcançar-se uma sociedade sem nenhuma moral religiosa. Acaso são as leis humanas, exclusivamente, eficientes contra a generalização do furto, do roubo, da malversação do patrimônio público? Serão a lei humana e a ciência que impedem, de forma definitiva, que o pai toque sua filha e a irmã tente envolver o irmão? Há fatos que repugnam por serem contrários à lei do homem, mas há outros que repugnam de forma a exceder o mero entendimento legal. Onde essa legislação extra-humana? A Ética não é a resposta suficiente, pois se o fosse, ou não seriam necessárias comissões governamentais ou profissionais de ética, ou seus ditames seriam atendidos assim que proferidos. Se a obediência a um ditame ético é imposto mediante coerção estatal, então deixamos de ter um princípio ético e chegamos a um artigo legal. Observe-se, inclusive, que diante da discussão sobre se estas leis vêm da Natureza ou são criadas pela Sociedade, e da necessidade urgente de se ter algo comum em que se basear, é que se chegou à elaboração dos chamados Direitos Humanos. "Seja necessidade natural ou social, o que importa é que queremos que todo indivíduo, seja de que país, sexo, religião ou opção política for, tenha direito à vida, ao respeito, à integridade etc". Não duvido que este seja um primeiro passo do ecumenismo de sentido mencionado acima.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 20/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Homens x Mulheres, ainda de Marcelo Spalding
02. Não é assim um smartphone de Marta Barcellos
03. Deus & Filhos Cia. Ltda. de Adriana Baggio
04. Contramão, de Henrique Schneider de Luis Eduardo Matta
05. FLAP! Uma bofetada na indiferença* de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2008
01. O Presidente Negro, de Monteiro Lobato - 29/7/2008
02. Sobre o Acordo Ortográfico - 24/10/2008
03. Sobre o Caminho e o Fim - 20/3/2008
04. Sob Custódia, de Anita Desai - 15/12/2008
05. Olímpica - 26/8/2008


Mais Especial Deus tem futuro?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/3/2008
11h41min
É! Ultimamente todos queremos discutir sobre religião, principalmente aqui no Digestivo Cultural! Que bom! Mas por que alguém discutiria os textos bíblicos, se religião não se discute? Por que comentar sobre a divindade? Por que? -perguntariam. Ora, porque religião deve, sim, ser discutida, deve ser até atualizada, senão, os ensinamentos escritos em épocas de pouca informação cultural, moral e de ética, deixarão de ser bons e escravizarão os seguidores ao-pé-da-letra e continuarão a transmitir ensinamentos que atrapalham a evolução lógica da humanidade. Religião e política escravizam mesmo o humano, como dizia o Nietzsche, quando muitos entenderam que ele queria matar Deus. Deus deve, sim, ser o nosso criador, mas começou pela ameba, nossa ancestral. O melhor que temos a fazer é não continuar uma ameba! Ecumenismo é o melhor que há! Um Deus só e os profetas como ajudantes. Mas cuidemos-nos, passamos de espíritas para agnósticos e depois para ateus. É a evolução! Evoluímos sempre!
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
20/3/2008
13h19min
Ótimo texto! Até que enfim alguém que entende que as guerras, perseguições e outras barbáries cometidas em nome de religiões foram feitas por seres humanos! E que reconhece esse mesmo ser humano como um ser espiritual, a quem a matéria não satisfaz, que "tem naturalmente a inclinação pelo divino". Parabéns!
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
21/3/2008
17h02min
Sim, um texto bem fundamentado ao que se propõe. Porém, não alterou nem um pouco a minha visão a respeito. Talvez, tenha um pouco de inveja dos que crêem. Deve ser mais fácil. Mas a fé e razão são dicotômicas, do meu ponto de vista, e portanto, imcompatíveis. Infelizmente.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
24/3/2008
08h43min
O texto é atraente, meigo e sedutor. O único problema desta argumentação é que a salvação eterna (que é o que verdadeiramente importa) não é tão abrangente, nem tão ecumência. Jesus avisou que o caminho que leva ao Deus Vivo é estreito. "Pois larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz para a perdição e são muitos os que entram por ela, mas apertado é o caminho que conduz para a vida e são poucos os que acertam com ele". Está lá em Mateus 7: 13-14. Quando mergulhamos nos textos sagrados, e não ficamos no discurso especulativo, certas verdades espirituais são duras de ouvir porque exigem reflexão, renúncia, cruz, santidade e mudança de vida. Deus é Amor, mas sua Santidade o impede de aceitar qualquer coisa. Não querem discutir o caráter de Deus?
[Leia outros Comentários de Joel Macedo]
24/3/2008
20h13min
Ah, esses novos tempos! Aleluia! Quem diria, anos atrás, que presenciaríamos discussões tão produtivas, simples e claras, entre pessoas tão distintas... Viva a Internet! Seguindo a linha religião/ateismo, aparecem textos cada vez mais ricos, no Digestivo Cultural! Escritores se sucedem c/ esmero, pontuando sobre o tema. Isto resulta do convívio com o estudo, com a pesquisa, com o cultivo de valores humanos e atemporais. Ao fazê-lo, só expressam sua curiosidade diante da grandiosidade do Universo, da Terra, do próprio existir. As eternas indagações do ser humano sobre sua origem extracorpórea continuarão, ainda, por muito tempo, a povoar seus dias e noites. E a desenvolver na humanidade a consciência do Todo, em lugar do individual, o que fará c/ que ela cresça no sentido do respeito, do compartilhamento, da união do indivíduo com frações do seu próximo. A comunhão é o caminho. E se faz através do diálogo, por vezes interior, espiritual, do nosso ponto de vista com o dos demais.
[Leia outros Comentários de Elizabeth]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CASTOR E A MOTOSSERRA
SAMUEL MURGEL BRANCO
MILLENNIUM
(2004)
R$ 12,00



COBAIA DE MIM
JEFFERSON MAGALHÃES
AUREA
(2001)
R$ 10,00



O OBSERVADOR PARA ELE NÃO EXISTEM SEGREDOS
CARLOS EDUARDO MARTINELLI
CONEX
(2009)
R$ 14,00



ENCONTROS COM O INSÓLITO
RAYMOND BERNARD
RENES
(1970)
R$ 19,00



LA CIVILISATION AMÉRINDIENNE
CLAUDI R. CRÓS
PRESSES UNIVERSITAIRES
(1995)
R$ 50,00



LECRITURE MÊME: À PROPOS DE BARTHES
SUSAN SONTAG
CHRISTIAN BOURGOIS
(1982)
R$ 45,00



PIADAS DE SACANEAR ADVOGADO
RECONTADAS POR LUÍS PIMENTAL
MYRRHA
R$ 19,00



FUNDAÇÃO AGÊNCIA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO...
JULIO CERQUEIRA CESAR NETO
AGÊNCIA DA BACIA DO ALTO TIET
(2004)
R$ 15,00



SIM EU POSSO - A HISTÓRIA DE SAMMY DAVIS JR.
SAMMY DAVIS JR & JANE E BURT BOYAR
BLOCH
(1968)
R$ 24,00



BATISTÃO POR INTEIRO
ALEXANDRE GAZÉ
UCAM
(2003)
R$ 29,90
+ frete grátis





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês