Oiti | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pixel Show promove gratuitamente exibição do documentário "The Happy Film"
>>> Inédito no Brasil, espetáculo canadense SIRI estreia em novembro no Oi Futuro
>>> Antonio Nóbrega apresenta show comemorativo pela passagem dos 25 anos do Instituto Brincante
>>> Visita Temática : Os Múltiplos Tempos da Coleção de Ema Klabin
>>> Chagall é tema de palestra na Casa Museu Ema Klabin
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
>>> Academia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
>>> Apresentação
>>> Modernismo e Modernidade
>>> Deus ex machina
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Homenagem a Orestes Barbosa
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> O que é crítica, afinal?
Mais Recentes
>>> Ciência & Realidade 6ª série
>>> Redação Curso Básico Vol
>>> Redação Curso Básico Vol 2
>>> A Conquista da Matemática 7ª Série
>>> Redação Curso Básico Vol 3
>>> Português Através de Textos 5
>>> Português Através de Textos 7
>>> Ciência & Realidade 7ª série
>>> Ciência & Realidade 5ª série
>>> A Conquista da Matemática 6ª Série
>>> Caderno de Português Fundamental 5ª série
>>> Bom Tempo Estudos Sociais Ciências 4
>>> Língua Portuguêsa Vol 4
>>> Descobrindo a Gramática
>>> Português Através de Textos 6
>>> Verdades Fundamentais da Parábola do Rico e de Lázaro
>>> Dificuldades Bíblicas e Outros Estudos Vol. 1 (2ª ed.)
>>> Um rabino conversa com Jesus- um diálogo entre milênios e confissões
>>> Conceitos de crítica
>>> Conceitos fundamentais da poética- (2ª ed.)
>>> Marketing Digital Novas tecnologias & Novos Modelos de Negócio
>>> Excel 2007
>>> Project para Profissionais
>>> O crime do padre Amaro (15ª ed.)
>>> A câmara clara - nota sobre a fotografia (2ª ed.)
>>> Os Cátaros e o Catarismo
>>> Quem matou Palomino Molero?
>>> Uma poética de romance - Matéria de carpintaria - ed. revista e ampliada
>>> Brasil: uma História a saga de um país
>>> The Hero With a Thousand Faces
>>> Treinamento total para jovens Campeões
>>> The American Folk Scenee
>>> Born to Win
>>> Novíssima Gramática Ilustrada
>>> Marketing Management, Millenium Edition
>>> Dicionário Básico de Filosofia
>>> Dicionario Técnico Industrial, Alemão Portugues
>>> Fundamentos dePsicologia Educacional
>>> As pedagogias do conhecimento
>>> The Extended Phenotype
>>> Parques de Diversões no Brasil
>>> Tabela de Composição Quimica dos Alimentos
>>> Estatistica Fácil
>>> Brazil's Second Chance
>>> Matemática Paiva Vol 2 Manual do Professor
>>> Matemática Paiva Vol 3 Manual do Professor
>>> Conexões com a Matemática Vol 2
>>> Conexões com a Matemática Vol 3
>>> Conexões com a Matemática Vol 1
>>> Matemática Paiva Vol 1 Manual do Professor
COLUNAS

Quinta-feira, 20/11/2008
Oiti
Elisa Andrade Buzzo

+ de 5300 Acessos
+ 4 Comentário(s)


foto: Nina Jacobi

Foi horrível o dia em que derrubaram a árvore ― árvore, diga-se de passagem, sem nome. Uma operação da prefeitura cuidava de arrancar tudo o que estava podre por dentro e perigava cair. Época em que uma chuva mais forte com ventania resultava em carro, moto esmagada e algumas centenas de árvores destronadas.

Daí, fizeram um cordão de isolamento. Primeiro eles iam cortando os galhos mais altos, depois, na vez da polpa ainda carnuda do tronco, a serra elétrica era empunhada com tanta força que parecia se tratar de questão de vida ou morte. E era.

A árvore esquecida tornara-se a estrela principal do dia. Depois, já imaginava subir a rua sentindo sua ausência como algo com que enfim me habituaria. Afinal, a árvore mais acima, que também fora cortada, já era uma lembrança tão espatifada quanto a da vez.

O ruído do corpo caindo, assim de chofre, foi um baque profundo para quem ouviu e viu tudo assim de cima, e nenhum grito haveria de salvar o que já se perdia no ar. A árvore logo de frente... foi quase uma suicida sem escolha, atirada do alto. A rua parou para assistir ao espetáculo e algumas horas depois ― fato consumado ― ninguém mais se lembraria do tronco nanico e farelento que restou. O vento se encarregou das últimas folhas, que se confundiram com outros restos da cidade.

As histórias de árvores, nem que estejam limitadas a um quarteirão qualquer, se espalham com a mesma resistência ― e insistência ― com que capim brota dos vãos dos paralelepípedos, ou com que alguns hibiscos florescem vendo o mundo por entre grades já sem serventia.

Um dia, uma moradora do prédio veio com uma conversa de que "pinheiro dava infiltração". Implicância ou birra, lá se ia o pinheiro que a cada fim de ano ficava iluminado. Nesta escutaram também "oiti" e quase o novo morador é despejado, concreto betonado no ínfimo quadrado de respiro.

Fora outra condômina que havia trazido a indefesa e plantado, não sem um misto de indiferença e desconfiança por parte do condomínio, no lugar vazio deixado pela árvore sem nome.

Muda com um galho fino e três folhinhas titubeantes, viajara pelo interior de São Paulo no banco do carro com a coragem dos destemidos e a certeza dos bem-aventurados. Diziam que o oiti era bom porque, vegetal bem-comportado, "não caía folha" e "se dava bem em centros urbanos". Ainda assim, já sentia o peso das estatísticas. A cada mil árvores plantadas pela prefeitura, só metade vingavam... Pois sobreviver seria o desafio da diminuta folhagem, alvo do vandalismo de quem puxa uma planta como se fosse papel de impressora, dos sacos de lixo esmagando a vegetação como se fossem peso de papel.

Logo o oiti ganhou uma cerca delimitando sua fraca vida. Diria, de quem suga a vida assim, timidamente, um poeta:

Soneto à estrela

Chuva fina de verão
escorre mansa nas telhas,
suavemente goteja
translúcida semente.

Germina na escuridão
plantinha não planejada,
crescendo a esmo no chão,
por alma alguma velada.

Vegetal pálido inerte,
oscila ao rumor do vento.
Não sabe, mas um dia,

como num passe de mágica
reinventado será
distante estrela guia.


E me ponho a imaginar um mundo ideal das árvores, onde elas poderiam crescer em liberdade. Nada daquela poda higiênica por causa dos fios de alta tensão (aliás, neste mundo todos os fios seriam subterrâneos). Lá o asfalto não as sufoca até o caule, os galhos só secam no inverno rigoroso, enquanto por dentro a seiva é quente, e continua a circular. Há boulevards e quinconces com suas árvores enfileiradas como uma tropa a saudar. Trepadeiras multicoloridas costuram os prédios de pedra seculares. Os homens plantam flores, mesmo sabendo que elas podem, e irão, morrer.

O desenvolvimento deste mundo dependeria exclusivamente das vontades e caprichos da natureza. As piscinas seriam ecológicas e por que não uma multa para quem joga papel na rua ou passa arrancando um pedacinho de planta. Estas não seriam usadas em muros de prédios e casas para dificultarem aos ladrões o acesso, mas pela beleza que só quem viu o cinza e o concreto total sabe que há nos diversos tons de verde.

Volto ao oiti e me dou conta de que muitas vezes ele se torna invisível, parte de uma paisagem diária, concreta. Mais visíveis são as árvores doentes, juntando-se ao coro dos maltrapilhos que vagam pela cidade.

São insistentes essas pequenas árvores que crescem fazendo uma careta, entortadas, e não têm medo de se ferirem com os ônibus que as atropelam em alta velocidade. Ou então as grandes, que de tão belas acabaram conquistando seu espaço e vão espraiando suas raízes como se fossem lombadas, obstáculos naturais. São elas, com seu jogo de sombra e luz, que deixam um bairro mais bonito e agradável.

Então, abro as cortinas para o sol entrar e revejo do 3º andar a copada verdejante do oiti. Oi! Já não posso mais contar quantos galhos e folhas brotaram em cinco anos. Os passarinhos ainda não deram conta do potencial, mas os frutos virão.


Elisa Andrade Buzzo
Bordeaux, 20/11/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pelo que sempre serei lembrado de Eduardo Mineo
02. O inventário da dor de Lya Luft de Marcelo Spalding
03. A Marie Antoinette de Sofia Coppola de David Donato
04. 2006, o ano dos livros de Fabio Silvestre Cardoso
05. Crônicas do ordinário de Ana Elisa Ribeiro


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. Olimpíadas sentimentais - 28/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/11/2008
09h36min
Não há como não associar árvores a pessoas e vice-versa. Assim como essas, aquelas também possuem suas histórias. Lendo teu texto de hoje, Elisa, lembrei-me de um pé de cupuaçu, que houve no quintal de minha casa. A muda, eu a trouxe de uma cidade vizinha, e a plantei logo que nos mudamos para a casa. Ela cresceu, mas, preguiçosa, só nos deu um fruto ao longo dos anos de sua existência. Por causa disso (eu até escrevi uma crônica sobre esse cupuzeiro), minha esposa passou a implicar com ele, e eu acabei mandando-o derrubar (e isso gerou um outro texto). Duro e triste golpe para mim, que amava o meu pé de cupuaçu, fruta tão gostosa, e que - entre tantas outros tipos de "comida", dá um "vinho" maravilhoso. Mas é assim mesmo, assim como as pessoas, as árvores - frutíferas ou não, também têm o seu momento de derrota. Um abraço e parabéns pelo teu texto.
[Leia outros Comentários de Américo Leal Viana]
20/11/2008
18h55min
Com freqüência, vemos acirradas polêmicas entre as pessoas. Uns nem admitem ouvir que o mundo esteja melhorando. Outros, ao contrário, dizem que está melhor a olhos vistos, em comparação aos tempos passados. Nunca se chega a um acordo. Os argumentos de lado a lado são contundentes. Os pessimistas apontam para as guerras infindáveis, as catástrofes climáticas provocadas pela interferência danosa do homem na natureza, o contingente de miseráveis largados à própria sorte em todo o planeta, o advento de novas doenças incuráveis, os crimes hediondos em profusão... Os otimistas afirmam que tudo isto ainda é menos incidente, comparado ao que ocorria há um século, que dirá séculos... Uma moça plantou um oiti no lugar da árvore derrubada.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
22/11/2008
10h09min
Dantesco o cenário das ruas de Contagem e Belo Horizonte, conseqüência do último vendaval ocorrido agora, novembro de 2008. Árvores arrancadas de suas raízes, atiradas sobre os passeios, manchando de verde o concreto, com suas folhas balançando ao vento, como se acreditassem que ainda estivessem vivas. E cada árvore que se perde, apaga em torno de si a história de um tempo, como se fora o desmonte de um cenário de uma peça gloriosa, ou da morte involuntária de um ator. Mas fica em nós a esperança de que as que virão em seus lugares encontrarão seres humanos melhores, devotados não somente à ecologia, mas à vida e à história de seu tempo.
[Leia outros Comentários de Antônio P. Andrade]
2/12/2008
19h41min
Querida Elisa, pelos deuses! Dediquei a minha manhã a plantar um belo pinheiro no jardim de casa. Que loucura quanto a essa invenção estapafúrdia em relação ao plantio da referida planta! Elisa, aqui em minha cidade apavora-me a destruição sistemática de toda flora urbana: seja por vandalismo ou até mesmo por conta das autoridades municipais. Em Campinas há um tradicional Instituto Agronômico! Na verdade, CAQUÉTICO, haja vista o apodrecimento de antigas árvores destituídas de qualquer tratamento no que se refere à recuperação das referidas. O quadro atinente ao assunto que o seu importante texto traz a lume exige solução! BASTA DE BARBÁRIE! Quisera que as nossas indignações fossem o suficiente para que autoridades esclarecidas (no interior da mídia, entre prefeitos, governadores, deputados etc.) pusessem um fim a tal calamidade! por meio de campanhas de conscientização!
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SOBRE FORMIGAS E CIGARRAS
ANTÔNIO PALOCCI
OBJETIVA
(2007)
R$ 10,00



UM DEUS DIFERENTE ( HONEST TO GOD)
JOHN A T ROBINSON
HERDER
(1967)
R$ 47,50
+ frete grátis



LOKI
MARVEL COMICS
PANINI
(2010)
R$ 20,00



HISTÓRIA E ENSINO DE HISTÓRIA
THAIS NÍVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
(2011)
R$ 20,00



IVANHOÉ
WALTER SCOTT
VICTOR CIVITA
(1983)
R$ 1,00



DE IBSEN A GENET: LA REBELIÓN EN EL TEATRO
ROBERTO BRUSTEIN
TROQUEL
(1970)
R$ 45,00



COMO SE DEFENDER DE ATAQUES VERBAIS
BARBARA BERCKHAN
SEXTANTE
(2011)
R$ 15,00



O PLANETA SIMBIÓITICO + UMA NOVA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO
LYNN MARGULIS
ROCCO
(2001)
R$ 50,00
+ frete grátis



OS JOGOS TEATRAIS DE VIOLA SPOLIN: UMA PEDAGOGIA DA EXPERIÊNCIA
KARINE RAMALDES E ROBSON CORRÊA DE CAMARGO
KELPS
(2017)
R$ 35,00
+ frete grátis



AS VIAGENS DE GULLIVER
JONATHAN SWIFT
SOL
(2000)
R$ 7,00





busca | avançada
25931 visitas/dia
1,1 milhão/mês