Não me envie a sua newsletter | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Amor fati
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Maria Erótica e o clamor do sexo
>>> Arte, cultura e auto-estima
>>> Escrevendo um currículo
>>> Frases que soubessem tudo sobre mim
>>> Por que somos piratas musicais
>>> 6 pedras preciosas do rock
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST)
Mais Recentes
>>> Porcelana Fria Encadernadas o Vol 1 ao Vol 10 de Org. Hugo García pela Bem Vindas (1999)
>>> Orçamento Participativo – A Experiência de Porto Alegre de Tarso Genro e Ubiratan de Souza pela Perseu Abramo (1997)
>>> A Mosca Azul – Reflexão Sobre o Poder de Frei Betto pela Rocco (2006)
>>> Ética e Cidadania de Herbert de Souza (Betinho) e Carla Rodrigues pela Moderna (2002)
>>> Olhares Sobre a Experiência da Governança Solidária Local de Porto Alegre de Jandira Feijó e Augusto de Franco (Org.) pela Puc/RS (2008)
>>> O Futuro da Cidade – A Discussão Pública do Plano Diretor de José Paulo Teixeira e Jorge E. Silva (Org.) pela Instituto Cidade Futura (1999)
>>> Ninguém Vive Sem Política de Adeli Sell pela Palmarinca (2002)
>>> O Impeachment de Olívio Dutra e o Estado Democrático de Direito de Paulo do Couto e Silva pela Do Autor (2000)
>>> Histórias Reais para Melhorar a Vida dos Gaúchos de Vários Autores pela PT Sul (2006)
>>> Congresso de Direito Municipal – A Federação e as Políticas Públicas em Debate – Oficinas de Vários Autores pela ESDM / VT Propaganda (2007)
>>> Discursos do Senador Pinheiro Machado de Pedro Simon (Org.) pela Senado Federal (2004)
>>> O Futuro do Trabalho – Fadiga e Ócio na Sociedade Pós-Industrial de Domenico de Masi pela José Olympio (2003)
>>> Mudando Paradigmas na Formação de Quadros Políticos de Ricardo João Santin (Org.) pela Hs (2009)
>>> Os Militares e a Guerra Social de Péricles da Cunha pela Artes e Ofícios (1994)
>>> Dez Anos de leis e de Ações Municipais: 2002 a 2011 de Vários Autores pela Câmara Municipal de Porto Alegre (2011)
>>> aris Boêmia. Cultura, política e os limites da vida burguesa 1830-1930 de Jerrold Seigel pela L&PM (1992)
>>> 30 anos do The New York Review of Books. A primeira antologia de Robert B. Silvers et alii pela Paz e Terra (1997)
>>> Lendo Freud. Investigações e entretenimentos de Peter Gay pela Imago (1992)
>>> 1680-1720. O império deste mundo de Laura de Mello Souza & Fernanda Baptista Bicalho pela Companhia das Letras (2000)
>>> The Face Magazine 4, Spring 2020 de Lara Strong pela Wasted Talent (2020)
>>> Photo 543 Octobre-Nevembre 2019 de Tony Kelly pela Photo (2019)
>>> The Entrepreneurs 2, 2020 de Business Handbook pela Monocle (2020)
>>> A Nave de Noé de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Miz Tli Tlan – Um Mundo que Desperta de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine de Black Widow pela Time (2020)
>>> ERKS – Mundo Interno de Trigueirinho pela Pensamento (1995)
>>> Entertainment Weekly Magazine July 2020 de Tenet pela Time (2020)
>>> Creative Review de Annual 2020 pela Creative Review (2020)
>>> Monocle Magazine July/August 2020 de Special Edition pela Winkontent (2020)
>>> Mojo 321 August 2020 de Paul Weller pela Mojo (2020)
>>> Mojo 320 July 2020 de Talking Heads pela Mojo (2020)
>>> Mojo 319 June 2020 de Nick Cave pela Mojo (2020)
>>> O Livro do Pênis de Maggie Paley pela Conrad (2001)
>>> A Colheita dos Grãos: Odes Sonoras de Filippi Fernandes pela Kotter (2020)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Nova Fronteira (2007)
>>> Introdução ao Estudos Linguísticos de Francisco da Silva Borba pela Pontes (1991)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> Linguística Textual - Introdução de Leonor |Lopes Fávero e Ingedore G. Villaça Koch pela Cortez (1988)
>>> Aulas Vivas de Marcos Tarciso Masetto pela Mg (1992)
>>> A Lenda do Baal Schem de Martin Buber pela Perspectiva (2003)
>>> La Théologie de La foi Chez Bultmann de J. Florkowski pela Du Cerf (1971)
>>> O Professor como Agente Político de Maria Anita e Viviane Martins pela Loyola (1987)
>>> Estilística da Língua Portuguesa de M Rodrigues Lapa pela Acadêmica (1968)
>>> Extensão ou Comunicação? de Paulo Freire pela Paz e Terra (1977)
>>> Conversas com quem gosta de Ensinar de Rubem Alves pela Cortez (2005)
>>> Reflexões sobre a Prática Docente de Maria Oly Pey pela Loyola (1992)
>>> O que é teoria? de Otaviano Pereira pela Brasiliense (1982)
>>> A Dieta Ideal de Marcio Atalla e Desere Coelho pela Paralela (2015)
>>> Rádio : 24 Horas de Jornalismo de Marcelo Parada pela Panda Books (2004)
>>> Dicionário da Língua Portuguesa Medieval de Joaquim Carvalho da Silva pela Eduel (2007)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/12/2008
Não me envie a sua newsletter
Julio Daio Borges

+ de 4100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Comecei com esse negócio de newsletter dez anos atrás. Em 1998, como eu já contei outras vezes, não eram todas as pessoas que tinham e-mail - então, era comum abrir a própria caixa postal e não encontrar nada, nada mesmo, nenhuma mensagem. Algumas aplicações até diziam - para o usuário não desistir de ter e-mail - "Sorry, you have no e-mails". Hoje pode parecer impossível um mundo quase sem spam, com poucas correntes de PowerPoint e mensagens que mais pareciam cartas, porque as pessoas se desdobravam, como no tempo do papel. Não havia MSN, nem caixa de comentários, nem, muito menos, Orkut ou Twitter.

Quando lancei a minha newsletter - que não passava de um texto que eu escrevia e disparava semanalmente -, juntava os poucos e-mails de jornalistas que eu conseguia (eles não divulgavam, às vezes nem off-line) e de interessados que, porventura, apareciam. Essa newsletter "velha" foi crescendo e até serviu de base para a newsletter de hoje do Digestivo Cultural. Mas era muito diferente. Quase ninguém tinha newsletter, porque quase ninguém tinha paciência de fazer o que eu fazia: juntar bolos de endereços e colá-los no campo de cópia oculta do Outlook (porque os serviços de webmail não aceitavam esse procedimento); colar, em seguida, o texto e o título; e disparar - isso quando endereços inválidos não retornavam (ou quando a conexão discada não caía no meio) - até percorrer todo o mailing. Nos dias subseqüentes era comum ainda receber mensagens de erro, junto com respostas automáticas de todos os gêneros.

Apesar dos feedbacks interessantes que recebi de jornalistas e escritores - e que me motivaram a construir o Digestivo Cultural - era trabalhoso manter uma newsletter, além da parte escrita em si, e as respostas nem sempre eram as mais positivas. Lembro do caso de um ex-colega da faculdade que me marcou, ainda antes do Digestivo. De repente - não lembro agora se por causa de um determinado texto -, ele resolveu protestar contra a minha newsletter. Depois de meses, ou anos, recebendo, vociferou contra ela, copiando amigos em comum, e comparando meu procedimento ao de alguém que tivesse instalado um outdoor no seu quarto, com letras garrafais piscando o meu nome, bem na cara dele. Óbvio: não era essa a minha intenção. Por que, afinal, ele nunca pedira para sair da minha newsletter? Discutimos, e nos estremecemos, por e-mail.

Nos últimos tempos - da explosão dos blogs pra cá, digamos -, eu lembro, com freqüência, desse colega meu (com quem fiz as pazes, aliás, no casamento de um amigo em comum). Eu sinto que explodiu o número de newsletters, ou, pelo menos, o número de newsletters que eu passei a receber. Tudo bem que eu sou Editor do Digestivo Cultural, que tem quase 30 mil assinantes no seu mailing e que tem por volta de 300 mil visitantes-únicos por mês. Mas, mesmo assim, eu acho que há um certo exagero no número de newsletters atualmente. Hoje qualquer pessoa que abre um blog, trata de disparar, ato contínuo, uma newsletter: "Ei, gente, venha ver o meu (novo) blog!". Também o blogueiro que não posta muito, e que quase abandonou seu blog várias vezes: "Ei, pessoal, tem post novo no meu (velho) blog!". Ou, ainda, o blogueiro que posta demais, é muito ansioso, e fica aporrinhando todo mundo pra ler: "Galera, desta vez eu quero comentários, hein?".

OK, nada contra quem tem blog, muito pelo contrário. Ocorre que, hoje, já existe uma ferramenta muito mais avançada que a newsletter por e-mail, para avisar as pessoas das atualizações que você faz no seu blog ou site. Chama-se feed RSS. Você simplesmente disponibiliza a quem for visitar o seu endereço na internet, e se o internauta gostar, assina o feed e acabou. Você não tem de saber o e-mail da pessoa, você não tem de saber nem quem é a pessoa. E essa ferramenta é tão mais avançada que a velha newsletter que a própria pessoa sai do seu feed de atualizações na hora em que ela quiser - e você nem fica sabendo, só tem acesso ao número total de assinantes. Eu sei que os feeds ainda não pegaram 100% no Brasil - tanto que, apesar dos feeds do Digestivo, eu continuo mantendo a newsletter do site por e-mail -, mas será que é justo ficar importunando as pessoas em troca de visitação?

Além das atualizações de blogs ou sites de muita gente que eu nem sei quem é (mas que, provavelmente, me conhece), eu recebo newsletters informativas com updates sobre a vida da pessoa. Isso mesmo. (E você ainda quer que eu continue recebendo passivamente?) Como publicamos muito sobre o assunto literatura no Digestivo, por exemplo, são pessoas informando, a mim e a um monte de outros indivíduos (com cópia oculta), sobre terem conseguido bolsas, terminado livros e até ganhado prêmios. O remetente da newsletter se torna, nesta época de facilidade de comunicação, relações públicas de si próprio. Não é mais "o contínuo de si mesmo", das crônicas do Nélson Rodrigues, mas é "o RP de si mesmo", em tempos de Twitter. (Tudo bem que, no Twitter, só "te segue" quem quer; já, por e-mail - sem o destinatário nem te conhecer direito - é covardia, não é?)

Sabe o que vai acontecer? O que já está acontecendo: as newsletters vão se banalizar e vão perder seu efeito. Porque, apesar de todo mundo saber criar (e "manter") uma newsletter hoje, quase ninguém está preparado para receber um não eletrônico ("Não, eu não quero receber a sua newsletter"), e, mais grave ainda, tem gente que não sabe como te tirar da própria newsletter. Eu estou falando aqui de cátedra, porque envio, diariamente, um ou mais e-mails pedindo para sair de uma nova newsletter de alguém que acabei de conhecer. (Alguém que - se não fosse pela newsletter não solicitada - eu nem "conheceria", quero dizer.) Quase que invariavelmente a pessoa se ofende e não concebe que eu - talvez como Editor do Digestivo Cultural - não me interesse por ela e pelas "novidades" dela. Já montei uma mensagem pronta, que explica que temos um endereço eletrônico especial para o envio de releases, mas nem sempre adianta - essas pessoas querem que eu, Julio, receba seus e-mails pessoalmente. Isso quando não pedem para sair da newsletter do Digestivo em atitude vingativa - como se uma publicação tivesse a obrigação de receber as "novidades" de seus leitores igualmente.

As pessoas não sabem, mas vão ficar sabendo agora. Quem insiste em me enviar sua newsletter - e não me deixa sair dela (ou, pior, não consegue me tirar) -, eu filtro ou até marco como spam. Ou seja, eu criei uma pasta, no meu webmail, para desviar essas pessoas (e suas mensagens indesejadas) da minha caixa de entrada - e só vou abri-las se sobrar tempo. Às vezes nem vou abrir: vou dar uma olhada na linha de assunto e apagar direto. Agora, se não me interessar mesmo, e o remetente for daquele tipo sem escrúpulos (que não te responde, nem te dá uma link de "opt-out"), vou carimbar como spam impiedosamente. Assim, meu webmail vai entender que, daquele remetente, só vem spam, marcando, automaticamente, todas as mensagens subseqüentes dele. E pior: marcando as mesmas mensagens - desse mesmo remetente - em todas as outras caixas postais dos demais usuários dessa ferramenta de webmail...

É por isso que as newsletters estão perdendo seu efeito. Mas a solução não é disparar ainda mais newsletters, com mais freqüência e para mais gente. É disparar menos. Ou, num mundo ideal, nem disparar. Eu confesso que já fui o rei das newsletters. (Aquele meu colega da faculdade talvez até tenha tido razão em me repreender.) Mas, hoje, você possivelmente nunca recebe uma newsletter minha, a não ser que seja um convite mensal, ou alguma coisa assim, que te diga efetivamente respeito. Não surjo inesperadamente na caixa postal de ninguém. Nem uso outras ferramentas, mal disfarçando newsletters, para tentar enganar as pessoas - estou falando de scraps no Orkut, por exemplo. O Digestivo tem suas próprias newsletters, evidentemente. Mas tenho pensado, sem brincadeira, em diminuí-las também. (E você pode sair delas automaticamente, basta clicar no link para remover.) Antes de me enviar qualquer coisa, a partir de agora, pergunte-se se o interesse da mensagem não é mais seu do que meu. Porque, daqui a pouco, vou fazer como um ex-chefe que tive: quando me copiarem, nem me dou ao trabalho de ler; só vou ler quando me escreverem de verdade, como nos primórdios do e-mail...


Julio Daio Borges
São Paulo, 26/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. No palco da vida, o feitiço do escritor de Cassionei Niches Petry
02. A bibliotecária de plantão de Ana Elisa Ribeiro
03. 10 grandes de Gian Danton
04. O desempenho da China no desenvolvimento de costas de Vicente Escudero
05. Cenas de um país machista de Daniel Lopes


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/12/2008
14h10min
Gostei, Julio, de sua coragem, de sua sinceridade. Acho que expor essas coisas ajuda as pessoas a pensarem melhor. Sei que muitas vão ficar ofendidas, mas fazer o quê? Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
2/1/2009
13h13min
Queria dizer essas palavras a algumas pessoas :( Agora começaram a enviar por e-mail posts que não solicitei. Ai MEODEUS. Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Maysa]
5/1/2009
12h00min
Julio, você tem razão. Marcar como Spam essas coisas que teimam em aparecer na nossa caixa de entrada é a melhor opção. Ficamos satisfeitos, nós e o remetente, que insiste em nos enviar newsletters e similares. Bissextamente até dá prá ler alguma coisa...
[Leia outros Comentários de José Antonio]
12/1/2009
09h33min
No início do ano 2000, comprei o meu primeiro PC: recebia pouquíssimas correspondências internáuticas, e abria vírus... Hoje, marco como lixo muita coisa, e deleto. Das newsletters que recebo, sempre dou uma olhadinha para ver o que tem de bom, e o seu artigo foi assim... Parabéns.
[Leia outros Comentários de Neli Aparecida]
12/1/2009
10h06min
Caro Júlio, eu leio as coisas que recebo. A razão? Gosto, simplesmente. Ou talvez seja por que eu possua alguns distúrbio mental, já que leio compulsivamente tudo que me cai às mãos. Assim aprendo, desaprendo, renovo, inovo, retroajo e avanço - sempre a viajar por admiráveis galáxias de nulidades e sabedorias. É isso: divirto-me.
[Leia outros Comentários de João Athayde]
12/1/2009
11h27min
Julio, discordo um pouco de algumas certezas que você encerra. Eu, por exemplo, prefiro a comodidade de receber a news na minha caixa postal e ler quando tiver oportunidade. E, sim, eu mantenho uma newsletter (um pouco atrasada nesse período de festas) com o conteúdo postado na semana e tenho um retorno bastante positivo com meus amigos e conhecidos. Sei que você prefere não recebê-la e, desavisadamente, como seu email estava na minha lista de contatos, disparei incorretamente para você. Peço sinceras desculpas e me esforçarei para que não aconteça. No entanto, não fico magoada, não. Entendo, perfeitamente, quem diz não poder receber minhas postagens - cada um tem um foco de trabalho, tem sua preferência literária, ou mesmo não quer encontrar sua caixa lotada depois que se recupera de um resfriado de dois dias. Acredito que as novidades sempre trazem suspeitas, medos, e assim vamos tomando partido. Mas tudo isso acabará se incorporando, de um jeito ou de outro, ao nosso cotidiano.
[Leia outros Comentários de Paula Cajaty]
27/1/2009
15h56min
Julio, parabéns pelo texto! Admiro a coragem de postar um texto com este conteúdo, as news andam meio saturadas e acabando com a paciência de muita gente, só nos resta marcar como "spam"...
[Leia outros Comentários de Priscila Thaís]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FILOSOFIA E NOÇÕES DE SOCIOLOGIA
JÚLIO CESAR RODRIGUES
SOMA
R$ 9,90



GRANDES ARTISTAS MICHELANGELO A RENASCENÇA
DAVID SPENCE
MELHORAMENTOS
(1998)
R$ 5,00



A ALCA
RUBENS RICUPERO
PUBLIFOLHA
(2003)
R$ 8,38



MACACO E A VELHA, O
N/D
MODERNA
R$ 26,00



A ERA GLACIAL DO JORNALISMO TEORIAS SOCIAIS DA IMPRENSA VOL 1 - 8357
BEATRIZ MAROCCO / CHRISTA BERGER (ORG.)
SULINA
(2006)
R$ 38,00



REFLEXÕES SOBRE A GUERRA MODERNA
JAYME RIBEIRO DA GRAÇA
BIBLIOTECA MILITAR
(1946)
R$ 14,70



RECEITAS INTERNACIONAIS- AJINOMOTO
VÁRIOS
AJINOMOTO
R$ 17,00



PRÉCIS DE PATHOLOGIE CHIRURGICALE TOME 3 COU - THORAX GLANDES MAMMA...
H. BOURGEOIS P. LECÉNE CH. LENORMANT
MASSON ET CIE
(1928)
R$ 53,30



1822 JUVENIL
LAURENTINO GOMES
NOVA FRONTEIRA
(2011)
R$ 13,89



AS ÁGUAS DE ESCORPIÃO
CLAIR DE MATTOS SANTOS
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1994)
R$ 7,00





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês