Não me envie a sua newsletter | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
45452 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil transmite desfile do Grupo de Acesso de São Paulo
>>> Documentário "Trieletrizado" destaca a malha multicultural do carnaval de Salvador
>>> Fotógrafo celebra esporte e felicidade no samba
>>> TV Brasil apresenta atrações do Carnaval de Salvador nesta sexta (5)
>>> A AUTOESTIMA DO SEU FILHO,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> A proposta libertária
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> E Foram Felizes Para Sempre
>>> O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth'
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Com quantos eventos literários se faz uma canoa?
>>> Terna e assustadora realidade
>>> De louco todos temos um pouco
>>> A coerência de Mauricio Macri
Colunistas
Últimos Posts
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> Uma cidade se inventa
>>> Vale a pena ver de novo
Últimos Posts
>>> Sem pesos na consciência
>>> Falando das flores
>>> O espelho
>>> O que a morte disse para Hércules?
>>> Uber confusão
>>> Na solidão dos objetos (Objetos)
>>> AÇÃO DE GRAÇA
>>> Metáfora em cedro
>>> Quimeras
>>> Em busca de extrema unção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O beatle George
>>> Cisne Negro
>>> Eugênio Christi
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> Seu Mauro
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Um defeito de cor, um acerto de contas
>>> Entrevista de Emprego
>>> Entrevista de Aniversário
>>> Memórias de Lorenzo da Ponte
Mais Recentes
>>> Rvista Planeta 1 e 2
>>> Morte em Pemberley
>>> Coleção A Ditadura - 4 volumes
>>> Bagagem perdida
>>> French Mapping Of The Americas - The De L' Isle, Buache, Dezauche Succession (1700-1830)
>>> Os redentores - Ideias e poder na América Latina
>>> Guia da medicina homeopática
>>> Pensar é transgredir
>>> O tempo é um rio que corre
>>> Pelas portas do coração
>>> Sementeira de Luz
>>> É tudo tão simples
>>> Mulheres audaciosas da Antiguidade
>>> As melhores histórias da mitologia - vol. 1
>>> Ghostlight - A Luz Espiritual
>>> Adeus Volodia
>>> A Viúva
>>> O Gato Brasileiro e Outros Contos Sensacionais
>>> O Segredo Mortal
>>> A Estátua de Mármore
>>> O Caminho de Volta
>>> As Possuídas
>>> Vernônia / Ironweed
>>> A Voz do Coração
>>> Não Mato por Prazer
>>> Caro Amor
>>> Mão de Chicote
>>> Um Ciclone na Jamaica
>>> A Pérola
>>> Horizonte Perdido
>>> Cartas do Pequeno Príncipe
>>> A Rua das Ilusões Perdidas
>>> A Mulher Pintada
>>> Amigas Íntimas
>>> Estas Fotos Foram Mandadas para Sua Esposa
>>> O Chefão Podearroz
>>> No País das Sombras Longas
>>> Ninja
>>> Arsenal de Família
>>> A Máquina do Amor
>>> Eterno Não É para Sempre
>>> KG 200 - o Esquadrão Fantasma
>>> A Vítima do Ano
>>> A História de Oliver
>>> O Fio da Navalha
>>> Yargo - uma História de Amor
>>> Rádio em Ação
>>> O real e o seu duplo
>>> Nunca vai embora
>>> Bahia de todos os santos
COLUNAS

Sexta-feira, 26/12/2008
Não me envie a sua newsletter
Julio Daio Borges

+ de 3000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Comecei com esse negócio de newsletter dez anos atrás. Em 1998, como eu já contei outras vezes, não eram todas as pessoas que tinham e-mail - então, era comum abrir a própria caixa postal e não encontrar nada, nada mesmo, nenhuma mensagem. Algumas aplicações até diziam - para o usuário não desistir de ter e-mail - "Sorry, you have no e-mails". Hoje pode parecer impossível um mundo quase sem spam, com poucas correntes de PowerPoint e mensagens que mais pareciam cartas, porque as pessoas se desdobravam, como no tempo do papel. Não havia MSN, nem caixa de comentários, nem, muito menos, Orkut ou Twitter.

Quando lancei a minha newsletter - que não passava de um texto que eu escrevia e disparava semanalmente -, juntava os poucos e-mails de jornalistas que eu conseguia (eles não divulgavam, às vezes nem off-line) e de interessados que, porventura, apareciam. Essa newsletter "velha" foi crescendo e até serviu de base para a newsletter de hoje do Digestivo Cultural. Mas era muito diferente. Quase ninguém tinha newsletter, porque quase ninguém tinha paciência de fazer o que eu fazia: juntar bolos de endereços e colá-los no campo de cópia oculta do Outlook (porque os serviços de webmail não aceitavam esse procedimento); colar, em seguida, o texto e o título; e disparar - isso quando endereços inválidos não retornavam (ou quando a conexão discada não caía no meio) - até percorrer todo o mailing. Nos dias subseqüentes era comum ainda receber mensagens de erro, junto com respostas automáticas de todos os gêneros.

Apesar dos feedbacks interessantes que recebi de jornalistas e escritores - e que me motivaram a construir o Digestivo Cultural - era trabalhoso manter uma newsletter, além da parte escrita em si, e as respostas nem sempre eram as mais positivas. Lembro do caso de um ex-colega da faculdade que me marcou, ainda antes do Digestivo. De repente - não lembro agora se por causa de um determinado texto -, ele resolveu protestar contra a minha newsletter. Depois de meses, ou anos, recebendo, vociferou contra ela, copiando amigos em comum, e comparando meu procedimento ao de alguém que tivesse instalado um outdoor no seu quarto, com letras garrafais piscando o meu nome, bem na cara dele. Óbvio: não era essa a minha intenção. Por que, afinal, ele nunca pedira para sair da minha newsletter? Discutimos, e nos estremecemos, por e-mail.

Nos últimos tempos - da explosão dos blogs pra cá, digamos -, eu lembro, com freqüência, desse colega meu (com quem fiz as pazes, aliás, no casamento de um amigo em comum). Eu sinto que explodiu o número de newsletters, ou, pelo menos, o número de newsletters que eu passei a receber. Tudo bem que eu sou Editor do Digestivo Cultural, que tem quase 30 mil assinantes no seu mailing e que tem por volta de 300 mil visitantes-únicos por mês. Mas, mesmo assim, eu acho que há um certo exagero no número de newsletters atualmente. Hoje qualquer pessoa que abre um blog, trata de disparar, ato contínuo, uma newsletter: "Ei, gente, venha ver o meu (novo) blog!". Também o blogueiro que não posta muito, e que quase abandonou seu blog várias vezes: "Ei, pessoal, tem post novo no meu (velho) blog!". Ou, ainda, o blogueiro que posta demais, é muito ansioso, e fica aporrinhando todo mundo pra ler: "Galera, desta vez eu quero comentários, hein?".

OK, nada contra quem tem blog, muito pelo contrário. Ocorre que, hoje, já existe uma ferramenta muito mais avançada que a newsletter por e-mail, para avisar as pessoas das atualizações que você faz no seu blog ou site. Chama-se feed RSS. Você simplesmente disponibiliza a quem for visitar o seu endereço na internet, e se o internauta gostar, assina o feed e acabou. Você não tem de saber o e-mail da pessoa, você não tem de saber nem quem é a pessoa. E essa ferramenta é tão mais avançada que a velha newsletter que a própria pessoa sai do seu feed de atualizações na hora em que ela quiser - e você nem fica sabendo, só tem acesso ao número total de assinantes. Eu sei que os feeds ainda não pegaram 100% no Brasil - tanto que, apesar dos feeds do Digestivo, eu continuo mantendo a newsletter do site por e-mail -, mas será que é justo ficar importunando as pessoas em troca de visitação?

Além das atualizações de blogs ou sites de muita gente que eu nem sei quem é (mas que, provavelmente, me conhece), eu recebo newsletters informativas com updates sobre a vida da pessoa. Isso mesmo. (E você ainda quer que eu continue recebendo passivamente?) Como publicamos muito sobre o assunto literatura no Digestivo, por exemplo, são pessoas informando, a mim e a um monte de outros indivíduos (com cópia oculta), sobre terem conseguido bolsas, terminado livros e até ganhado prêmios. O remetente da newsletter se torna, nesta época de facilidade de comunicação, relações públicas de si próprio. Não é mais "o contínuo de si mesmo", das crônicas do Nélson Rodrigues, mas é "o RP de si mesmo", em tempos de Twitter. (Tudo bem que, no Twitter, só "te segue" quem quer; já, por e-mail - sem o destinatário nem te conhecer direito - é covardia, não é?)

Sabe o que vai acontecer? O que já está acontecendo: as newsletters vão se banalizar e vão perder seu efeito. Porque, apesar de todo mundo saber criar (e "manter") uma newsletter hoje, quase ninguém está preparado para receber um não eletrônico ("Não, eu não quero receber a sua newsletter"), e, mais grave ainda, tem gente que não sabe como te tirar da própria newsletter. Eu estou falando aqui de cátedra, porque envio, diariamente, um ou mais e-mails pedindo para sair de uma nova newsletter de alguém que acabei de conhecer. (Alguém que - se não fosse pela newsletter não solicitada - eu nem "conheceria", quero dizer.) Quase que invariavelmente a pessoa se ofende e não concebe que eu - talvez como Editor do Digestivo Cultural - não me interesse por ela e pelas "novidades" dela. Já montei uma mensagem pronta, que explica que temos um endereço eletrônico especial para o envio de releases, mas nem sempre adianta - essas pessoas querem que eu, Julio, receba seus e-mails pessoalmente. Isso quando não pedem para sair da newsletter do Digestivo em atitude vingativa - como se uma publicação tivesse a obrigação de receber as "novidades" de seus leitores igualmente.

As pessoas não sabem, mas vão ficar sabendo agora. Quem insiste em me enviar sua newsletter - e não me deixa sair dela (ou, pior, não consegue me tirar) -, eu filtro ou até marco como spam. Ou seja, eu criei uma pasta, no meu webmail, para desviar essas pessoas (e suas mensagens indesejadas) da minha caixa de entrada - e só vou abri-las se sobrar tempo. Às vezes nem vou abrir: vou dar uma olhada na linha de assunto e apagar direto. Agora, se não me interessar mesmo, e o remetente for daquele tipo sem escrúpulos (que não te responde, nem te dá uma link de "opt-out"), vou carimbar como spam impiedosamente. Assim, meu webmail vai entender que, daquele remetente, só vem spam, marcando, automaticamente, todas as mensagens subseqüentes dele. E pior: marcando as mesmas mensagens - desse mesmo remetente - em todas as outras caixas postais dos demais usuários dessa ferramenta de webmail...

É por isso que as newsletters estão perdendo seu efeito. Mas a solução não é disparar ainda mais newsletters, com mais freqüência e para mais gente. É disparar menos. Ou, num mundo ideal, nem disparar. Eu confesso que já fui o rei das newsletters. (Aquele meu colega da faculdade talvez até tenha tido razão em me repreender.) Mas, hoje, você possivelmente nunca recebe uma newsletter minha, a não ser que seja um convite mensal, ou alguma coisa assim, que te diga efetivamente respeito. Não surjo inesperadamente na caixa postal de ninguém. Nem uso outras ferramentas, mal disfarçando newsletters, para tentar enganar as pessoas - estou falando de scraps no Orkut, por exemplo. O Digestivo tem suas próprias newsletters, evidentemente. Mas tenho pensado, sem brincadeira, em diminuí-las também. (E você pode sair delas automaticamente, basta clicar no link para remover.) Antes de me enviar qualquer coisa, a partir de agora, pergunte-se se o interesse da mensagem não é mais seu do que meu. Porque, daqui a pouco, vou fazer como um ex-chefe que tive: quando me copiarem, nem me dou ao trabalho de ler; só vou ler quando me escreverem de verdade, como nos primórdios do e-mail...


Julio Daio Borges
São Paulo, 26/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Retrato do Leitor enquanto Anotação de Duanne Ribeiro
02. Obscura paisagem em peça de Mirisola e Oliveira de Jardel Dias Cavalcanti
03. A Virada, de Stephen Greenblatt de Ricardo de Mattos
04. Tiros, Pedras e Ocupação na USP de Duanne Ribeiro
05. Em defesa das calçadas de Eduardo Carvalho


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/12/2008
14h10min
Gostei, Julio, de sua coragem, de sua sinceridade. Acho que expor essas coisas ajuda as pessoas a pensarem melhor. Sei que muitas vão ficar ofendidas, mas fazer o quê? Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
2/1/2009
13h13min
Queria dizer essas palavras a algumas pessoas :( Agora começaram a enviar por e-mail posts que não solicitei. Ai MEODEUS. Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Maysa]
5/1/2009
12h00min
Julio, você tem razão. Marcar como Spam essas coisas que teimam em aparecer na nossa caixa de entrada é a melhor opção. Ficamos satisfeitos, nós e o remetente, que insiste em nos enviar newsletters e similares. Bissextamente até dá prá ler alguma coisa...
[Leia outros Comentários de José Antonio]
12/1/2009
09h33min
No início do ano 2000, comprei o meu primeiro PC: recebia pouquíssimas correspondências internáuticas, e abria vírus... Hoje, marco como lixo muita coisa, e deleto. Das newsletters que recebo, sempre dou uma olhadinha para ver o que tem de bom, e o seu artigo foi assim... Parabéns.
[Leia outros Comentários de Neli Aparecida]
12/1/2009
10h06min
Caro Júlio, eu leio as coisas que recebo. A razão? Gosto, simplesmente. Ou talvez seja por que eu possua alguns distúrbio mental, já que leio compulsivamente tudo que me cai às mãos. Assim aprendo, desaprendo, renovo, inovo, retroajo e avanço - sempre a viajar por admiráveis galáxias de nulidades e sabedorias. É isso: divirto-me.
[Leia outros Comentários de João Athayde]
12/1/2009
11h27min
Julio, discordo um pouco de algumas certezas que você encerra. Eu, por exemplo, prefiro a comodidade de receber a news na minha caixa postal e ler quando tiver oportunidade. E, sim, eu mantenho uma newsletter (um pouco atrasada nesse período de festas) com o conteúdo postado na semana e tenho um retorno bastante positivo com meus amigos e conhecidos. Sei que você prefere não recebê-la e, desavisadamente, como seu email estava na minha lista de contatos, disparei incorretamente para você. Peço sinceras desculpas e me esforçarei para que não aconteça. No entanto, não fico magoada, não. Entendo, perfeitamente, quem diz não poder receber minhas postagens - cada um tem um foco de trabalho, tem sua preferência literária, ou mesmo não quer encontrar sua caixa lotada depois que se recupera de um resfriado de dois dias. Acredito que as novidades sempre trazem suspeitas, medos, e assim vamos tomando partido. Mas tudo isso acabará se incorporando, de um jeito ou de outro, ao nosso cotidiano.
[Leia outros Comentários de Paula Cajaty]
27/1/2009
15h56min
Julio, parabéns pelo texto! Admiro a coragem de postar um texto com este conteúdo, as news andam meio saturadas e acabando com a paciência de muita gente, só nos resta marcar como "spam"...
[Leia outros Comentários de Priscila Thaís]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VERDI - THE ILLUSTRATED LIVES OF THE GREAT COMPOSERS
PETER SOUTHWELL-SANDER
OMNIBUS PRESS ( INGLATERRA )
(1986)



TEORÍA DE LA CLASE OCIOSA
THORSTEIN VEBLEN
FONDO DE CULTURA ECONÓMICA
(2004)



DEUSES DA ATLÂNTIDA , OS
GUIMARÃES, TORRIERI
RIDEEL
(2005)



O CLUBE FILOSÓFICO DOMINICAL
ALEXANDER MCCALL SMITH
COMPANHIA DAS LETRAS
(2007)



SOMBRAS DA ROMÃZEIRA
TARIQ ALI
RECORD
(1998)



CURA DAS FERIDAS DO DIVÓRCIO
BARBARA LEAHY SHLEMON
RABONI
(1995)



SÓCRATES
( PLATÃO, XENOFONTE)
NOVA CULTURAL
(1999)



QUEM É DEUS, AFINAL?
ROB BELL
SEXTANTE
(1987)



AS AVENTURAS DO SR. PICKWICK - 2 VOLUMES
CHARLES DICKENS
ABRIL CULTURAL
(1982)



NO INÍCIO -A CRIAÇÃO NA BÍBLIA E NA CIÊNCIA
NATHAN AVIEZER
EXODUS
(1996)





busca | avançada
45452 visitas/dia
1,5 milhão/mês