Sinais de Vulgaridade | Alexandre Soares Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
Mais Recentes
>>> La Amada Inmóvil de Amado Nervo pela Soc. Edit. Latino- Americana (1950)
>>> Um (One) de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Um (One) de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Amando Uns aos Outros: o Desafio das Relações Humanas de Leo Buscaglia pela Record/ RJ.
>>> A força do entusiasmo de Prof.Gretz pela Viabilização de Talentos Humanos (2005)
>>> Legislação Penal Especial : Crimes Contra a Economia Popular.- Crimes Falimentares.- Crimes Contra a Liberdade de Imprensa de Manoel Pedro Pimentel (Min. Trib. Alçada Criminal / Sp) pela Revista dos Tribunais (1972)
>>> Os tomadores de decisão de Robert Heller pela Makron (1991)
>>> Farmácia de pensamentos de Sonia de Aguiar pela Relume Dumará (2000)
>>> Hipnotizando Maria de Richard Bach pela Integrare (2019)
>>> Tudo Sobre Finanças - Guia Prático de A a Z ( Exame) de Tim Hindle pela Nobel (2002)
>>> Estranho À Terra de Richard Bach pela Hemus
>>> Estranho À Terra de Richard Bach pela Hemus
>>> O cliente encantado de Julio Lobos pela Hamburg (1995)
>>> Biplano de Richard Bach - Nota (prelúdio) Ray Bradbury pela Hemus
>>> Ganhe Mais Investindo em Opções de Marcelo Piazza pela Saraiva (2010)
>>> Bem-vindo à Bolsa de Valores de Marcelo Piazza pela Saraiva (2010)
>>> Francisco de Assis de João Nunes Maia pela Fonte Viva (1990)
>>> Palavras Abertas de Haley Caldas: Organização pela Crivo/ Belo Horizonte (2012)
>>> O Quinto Evangelho de Huberto Rohden pela Martin Claret
>>> Os Enigmas do Vaticano de Alfredo Lissoni pela Madras (2005)
>>> Henderson, o Rei da Chuva (Encadernado) de Saul Bellow pela Livros do Brasil/ Lisboa: Port
>>> Seu futuro astrológico de Linda Goodman pela Record (1968)
>>> Point, Ligne, surface: Contribution À L analyse des Éléments Picturaux de Kandinsky pela Éditions de Beaune/ Paris (1963)
>>> Vivendo Melhor Através da Numerologia - Guia Prático de Aparecida Liberato pela Best Seller (1999)
>>> Palavras essenciais de Paulo Coelho pela Vergara (1999)
>>> Um Gosto e Seis Vinténs de Somerset Maugham (William) pela Livros do Brasil Lisboa/ Portugal
>>> A Outra Comédia (encadernado) de William Somerset Maugham (Trad).: Genolino Amado pela Globo/ Porto Alegre (1956)
>>> O Agente Britânico de W. Somerset Maugham pela Livros do Brasil Lisboa/ Port
>>> Destino de um Homem de William Somerset Maugham pela Livros do Brasil Lisboa/ Port
>>> Manual do guerreiro da luz de Paulo Coelho pela Planeta (2007)
>>> Novelas (encadernado) de Alfred de Musset pela Editorial Gleba/ Lisboa
>>> Os Melhores Contos Indianos (1ª Série)/ Antologias Universais/ Encad. de Prabhakar Kanekar (Trad. Direta da Língua Marathi pela Portugália/ Lisboa (2019)
>>> Cavalheiro de Salão/(encadernado Em Couro) de W. Somerset Maugham/ Tradução: Mário Quintana pela Globo/ Porto Alegre (1959)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultural (2002)
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
COLUNAS

Segunda-feira, 5/11/2001
Sinais de Vulgaridade
Alexandre Soares Silva

+ de 11500 Acessos
+ 19 Comentário(s)

A onipresença de picapes e “utilitários”. No início, eu achava engraçadinho. É muita feiúra de espírito. Um Passat amassado (dos antigos) seria menos mal.

Qualquer carro que custe mais que R$40 mil. Carro excessivamente limpo. Braço pra fora da janela. Decalques engraçadinhos. Qualquer tipo de decalque.

Gente que diz “balada”. Gente que diz “na night”, ou “eu sou da night”, etc. Gente que atende o telefone e diz: “Belezinha?”. Gente que vai pra Cancun na lua de mel.

Criança com celular. Qualquer um com celular.

Gente que apresenta a mulher como “minha esposa”.

Serviços de atendimento de absolutamente qualquer empresa do mundo todo (“Pois não, senhor? Mas, senhor, isto é para que possamos estar enviando o Notification Card Two Thousand Two em seu domicílio ou lugar de sua preferência, senhor”).

As músicas “New York, New York” e “My Way”. Cantores: Andrea Bocelli (“aquele ceguinho que canta”), Sarah Brightman, Charlotte Church. Música popular italiana para gerentes de RH (Eros Ramazotti, Laura Pausini, etc ad nauseam).

A maneira com que as pessoas adoooram Elis Regina, e sempre assumem que você adora também (alguém coloca um CD da Elis Regina, uma mulher com copo de uísque na mão sorri pra você e diz: “A Elis é o máximo, não é?”)

Lilian Witte Fibe. Sim, porque ver a vulgaridade de gente como Hebe Camargo ou Angélica é fácil demais. Versão masculina: João Dória Jr. Qualquer um que use aquelas camisas azuis ou corderosa com gola branca.

Telefilme “baseado numa história real”. Filme de época com mentalidade moderninha. Filme em que o vilão é vagamente aristocrático, mas o herói é “gente como a gente” (ouvindo rock no walkman durante concerto chato, por exemplo).

Gente que escreve carta para jornal, pra “parabenizar” ou “felicitar” pela “sensível reportagem” que “enfoca o problema dos” etc etc.

Crítica que diz que tal filme ou livro “transforma o sonho americano em pesadelo”, e qualquer uma das variantes dessa frase.

Professores de cursinho, porque são “engraçadinhos”.

O santo padroeiro das pessoas vulgares: Ayrton Senna.

O esporte mais vulgar: Fórmula Um. É o esporte nacional dos gerentes barrigudos que se cumprimentam de longe gritando: Graaaande Armandinho! Graaaaande Roberval! Sinceramente, até campeonato de aeróbica é melhor.

Cultura de bar. Figuras folclóricas “da noite”. Jornalistas esportivos. Poesia de jornalista da Globo (ai, que bonito).

“Homens de Marketing”. Aliás, a própria palavra “Marketing”. Diga: vendas.

Gente que diz “players” quando quer dizer concorrentes, e “líder” quando quer dizer chefe.

A seção O QUE ESTOU LENDO na Veja (mas é engraçado). A Veja toda, é claro.

Aqueles homens broncos de 60 anos que vão na padaria de sandália e acordam cedo pra ver programa agrícola na TV e lavar o carro, e que tem livros como “Rommel, a Rapôsa do Deserto”(sic) e “Heróis Esquecidos da FAB”. Ah, sim: eles admiram Mussolini porque “os trens sempre chegavam no horário”.

Madame de rosto esticado que diz: “Gente do nosso nível...”. Qual, Madame?

Air guitar.

Igrejas em que senhoras entusiasmadas balançam os braços ao som de violão.

Momento de vulgaridade paroxística: você foi convidado para jantar por um casal recémcasado, quando de repente percebe que os talheres são do Castelo de Caras! (Isso porque você já tinha fingido que não tinha visto o poster de Nova Iorque na sala.)

Livros de etiqueta. Gente que arrota e pede desculpas (soltar pum e pedir desculpas depois pelo menos é engraçado). Gente que manda cartão de agradecimento por qualquer coisa.


Alexandre Soares Silva
São Paulo, 5/11/2001


Mais Alexandre Soares Silva
Mais Acessadas de Alexandre Soares Silva
01. Polêmicas - 29/11/2002
02. Filhos de Francis - 15/11/2002
03. Defesa dos Rótulos - 30/5/2003
04. Apresentação - 6/11/1968
05. Quem Não Lê Não É Humano - 3/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/11/2001
23h07min
Mas eu acho que vulgaridade mesmo é ficar fazendo lista de coisas vulgares. Quem é [oposto de vulgar] não fica se preocupando com essas coisas...
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
8/11/2001
00h37min
Caro Rafael: Mas fazer listas de coisas vulgares é muito divertido. É divertido irritar as pessoas. Grande parte da atenção de Flaubert estava voltada para isso, é claro- e a de Nabokov também ( "The most exhilarating thing in the world", ele escreveu, "is the vulgarity of the philistine classes"). Não há pessoas menos vulgares do que esses dois- exceto talvez Bernardo Soares, que não cometeu a vulgaridade de existir. Sua presunção de que a coisa menos vulgar possível é não se preocupar com isso me lembra um episódio dos Simpsons, para ir para um nível um tanto menos highbrow. Marge diz: "Eu não faço a menor questão de ser cool. E é isso que faz com que no fundo eu seja cool". Lisa e Bart olham para ela e dizem: "Não".
[Leia outros Comentários de Alexandre Soares]
11/11/2001
19h24min
Que mau humor, hein, tche !
[Leia outros Comentários de João Batista Gartner]
11/11/2001
19h24min
Caro Alê, O texto é muito interessante mesmo que não concorde com algumas das vulgaridaes que você citou. Na maioria concordo e tenho certeza que ainda exitem muitas outras que não couberam no texto. A resposta dada ao Raphael foi clara porém pernóstica e digna de um rábula pela visão de um leitor amador como eu. Uma coisa que considero vulgar é ficar citando frases de autores famosos como Flaubert e Nabokov, se não me engano a caras também faz isso. Sim, eu já lí caras, e daí, estava no dentista. De qualquer maneira gostei muito de como saiu do salto alto com as analogia dos Simpsons. Abraços
[Leia outros Comentários de Ricardo Larroudé]
11/11/2001
20h17min
A questão da vulgaridade deve ser analisada com cuidado.... O que é vulgar para um pode não ser para outro. As músicas, por exemplo, podem trazer boas recordaçõespara uma determinada pessoa e taxar de vulgar ofende as lembranças dessa pessoa e sua personalidade. Por isso, achei de mau gosto (antes que se pense: não, eu não fiquei ofendido...foi só um exemplo!!)escrever algo sobre o que é vulgar....
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Magnani]
11/11/2001
21h23min
Chego a concordar com alguns ítens que você colocou no seu artigo, porém, jamais perderia o meu tempo, uma vez que certas destas coisas não chegam a me incomodar e passam muito desapercebidas (já que não merecem registro...) Mas se acha que essas coisas merecem atenção, vc pode escrever sobre as piores letras de pagode, ou as gafes sobre os participantes da "Casa dos Artistas"...
[Leia outros Comentários de Sergio Fuentes]
12/11/2001
09h28min
Sinto pena de você, meu caro. A vida é bem melhor com as diferenças. Graças a elas, temos pessoas de todos os tipos, e desta diversidade vem a grande riqueza e a grande maravilha da vida. Já pensou se fossem todos pasteurizados e certinhos como você? Que horror! Ainda bem que existem pessoas que por necessidade trafegam de pickups. Ainda bem que existem pessoas preocupadas em manter o carro limpo. Ainda bem que existem professores de cursinho engraçadinhos, que através de suas graças fizeram com que eu me lembrasse de uma resposta importante na hora da prova. Ainda bem que existem e existiram e ainda existirão, que na sua classificação serão vulgares, mas que talvez sejam muito mais felizes em sua vulgaridade, do que você que passa o tempo a observar e lamentar a vulgaridade dos outros, sabe-se lá com que sórdido propósito.
[Leia outros Comentários de Bentim]
12/11/2001
17h53min
Escrever um artigo como esse é como jogar Batalha Naval. Que bom que não acertei só na água, né?
[Leia outros Comentários de Alexandre Soares]
12/11/2001
20h59min
Que divertida essa discussão toda!
[Leia outros Comentários de Ana Luiza Heder]
19/11/2001
22h04min
Em certas passagens do texto há a confusão de vulgar com pedantismo.O vulgar é o do povo,o geral.Se quer sofisticação não detone o vulgar,mas sim o pedante e o brega.Ah,não é vulgar eu comentar esse testo.Nem pedante.
[Leia outros Comentários de Dijalma de Camargo.]
3/1/2002
19h43min
Longe de mim querer fazer com que as pessoas pensem- e depois quem é que se livra daquela fumacinha toda? Mas existe uma outra atividade que me desaponta não ver aplicada na sua mensagem, Madame. Chama-se "pontuação".
[Leia outros Comentários de Alexandre Soares]
5/1/2002
04h38min
Ah, é uma pena. Vejo que a mensagem de "Madame" foi retirada, fazendo com que a minha resposta pareça existir no vácuo. Digo que é uma pena, porque o estilo de "Madame" tinha um certo charme causado pela falta de pontuação, o que dava às suas frases a cadência sombria de uma menina aleijadinha dançando para turistas em Ciudad Bolivar. Enfim...
[Leia outros Comentários de Alexandre Soares]
7/1/2002
09h08min
Já é a segunda vez que sai esse texto, mas está mais divertida a discussão agora do que antes. É engraçado ver como as pessoas se desculpam por dar opinião, para ninguém pensar que são vulgares. Relaxem! Todos nós temos nosso lado brega! Até o Alexandre, que se deu ao trabalho de pensar sobre isso. Elis Regina é o máximo! E eu tenho uma caminhonete (suja)!
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
8/1/2002
03h34min
É claro, é claro. Concedo o ponto- teoricamente. Todo mundo tem as suas vulgaridadezinhas - até eu, suponho... Mas- Sonia! Se eles relaxarem, metade do meu prazer vai embora!
[Leia outros Comentários de Alexandre Soares]
14/1/2002
16h01min
Gostaria de sair em defesa do escriba Alexandre Soares Silva com o seu Sinais de Vulgaridade... Ele foi bárbaro! O barato disso são as discussões todas. E claro que esse teus comparsas (esses vulgares que te serviram)... Serviram a uma boa causa. O debate de idéias. Mais uma vez, parabéns, Alexandre Soares!!! Cacá Mendes
[Leia outros Comentários de Cacá Mendes]
6/3/2002
16h41min
Vulgar mesmo é o mau humor. Ahh... eu também sou muito vulgar, pois meu santo padroeiro Ayrton Senna e meu esporte predileto é automobilismo (Formula 1, categoria, anda meio parada). Também confesso adorar Guerra nas Estrelas, Simpsons e Matrix. Mas não me dou a vulgaridade de etiquetar outros fãs. Gostei do site é interessante, podia ser um pouco mais vulgar, mas é bom. Um abraço, parabéns! Daniel Nader
[Leia outros Comentários de Daniel Nader]
12/6/2002
22h14min
Defina a palavra vulgar se puder.
[Leia outros Comentários de Cássia Munhoz]
1/7/2004
11h50min
Chamar o autor de "escriba" é vulgar. Afirmar que ele "foi bárbaro" é de uma vulgaridade imperdoável. Já mencionar "debate de idéias" é desprezível.
[Leia outros Comentários de Reinaldo Braga]
5/12/2006
14h54min
Caro Alexandre, a capacidade de apreender o mundo, e as coisas desse mundo que nos rodeiam, é um grande sinal de inteligência, o que você tem de sobra. Mas como nignuém é perfeito, nem mesmo os inteligentes, os quais terminam por se excederem em suas idéias, sentindo-se superiores intelectualmente, quando, na realidade, acabam exibindo uma inteligência individual que se dobra ao ego inflamado... Ah! Sarah Brightman é uma diva, talentosa e uma excepcional cantora. Não mereceu ser criticada. ;-)
[Leia outros Comentários de Emanoel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DE NAO EM NAO
BARTOLOMEU CAMPOS DE QUEIROS
GLOBAL
(2014)
R$ 213,00



MATTOS, MALTA OU MATTA?
ALUIZIO AZEVEDO
NOVA FRONTEIRA/CASA RUY BARBOS
(1985)
R$ 17,85



MENOR IMPORTÂNCIA, A
CÁSSIO ZANATTA
REALEJO EDITORA
(2016)
R$ 33,52



SPHARION
LUCIA MACHADO DE ALMEIDA
ATICA
(1991)
R$ 5,00



O FUTURO DO FUTURO
NOENIO SPINOLA
FUTURA
(1998)
R$ 10,00



LATIFÚNDIO MIDIOTA - CRIMES, CRISES E TRAPAÇAS
LEONARDO WEXELL SEVERO
PAPIRO PRODUÇÕES
(2012)
R$ 20,00



O HOMEM DENTRO DO POSTE
ZELIO
HEMUS
R$ 8,00



AMOR BRASILEIRO
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2001)
R$ 5,00



JOÃO CLEMENTE BAENA SOARES: SEM MEDO DA DIPLOMACIA
CELSO CORRÊA PINTO DE CASTRO
FGV
(2006)
R$ 30,28



DE SOL A SOL O JAPÃO QUE NASCE NO BRASIL BOX COM I E II LIVROS
JORGE J. OKUBARA
TERCEIRO NOME
(2008)
R$ 64,26





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês