Para que o Cristianismo? | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 25/5/2010
Para que o Cristianismo?
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5300 Acessos
+ 15 Comentário(s)

Tem algum sentido ainda a religião no mundo moderno e, principalmente, o Cristianismo? O animal humano precisaria ainda dos valores metafísicos organizados na forma de doutrinas religiosas que servem no mais das vezes apenas como sistemas vigilantes da moral e da conduta dos comportamentos sociais?

Os avanços da engenharia genética, em que pesquisas científicas produzem em laboratório "células sintéticas", com genomas artificiais gerando vida (reconstituição do organismo doente) e também gerando morte (a possibilidade destas bactérias criadas detonarem a autodestruição das células quando colocadas em contato com a vida fora do laboratório ― como o fatal Antraz, usado em guerras biológicas), faz o homem ter a sensação de estar substituindo Deus. Quem manipula, cria ou destrói a vida agora somos nós, e não Papai do Céu.

Livros e mais livros têm sido publicados reacendendo o debate sobre a inexistência de Deus. Indagou certo pensador: quando, finalmente, enterraremos de uma vez por todas nossos mortos, nossos "Cristos", "Guevaras", "Lênins" etc.? Acrescente-se agora, com a nova onda de ateus finalmente saindo do armário, e com os escândalos da igreja católica, com processos contra padres que andam estuprando crianças sob sua proteção, a necessária pergunta direta: o cristianismo é bom para o mundo?

Esta pergunta é o título do livro lançado agora pela Garimpo Editoral, no qual debatem a questão dois americanos, o pastor Douglas Wilson, que acredita que o cristianismo é bom e verdadeiro, e o ateu Christopher Hitchens, que acredita que o cristianismo é uma grande mentira e, no final das contas, algo perverso.

O livro se organiza a partir de capítulos onde a fala de cada um revela sua oposição ao pensamento emitido pelo debatedor no capítulo anterior. O debate é quente, inteligente, dos dois lados. Mas a grande questão que o livro suscita é a seguinte: estamos num tempo em que verdades dogmáticas não colam mais. Que o poder exercido por religiões supostamente bem intencionadas, mas no fundo perversas, pode ser colocado no banco dos réus de um tribunal internacional que procura preservar a vida acima de tudo, inclusive acima da crença em um suposto Deus criador.

Mais ainda, o livro reabilita o debate público sobre o sentido que algumas ideias tiveram no passado da história e a irrelevância que podem vir a ter na vida atual. Revela ainda a possibilidade civilizada de se chocar conceitos, verdades e preceitos que antes estavam longe do debate por serem consideradas verdades intocáveis, artigos da fé cega (que no fundo tem se provado uma faca amolada), e que, agora, podem ser questionadas, discutidas, repensadas à luz da própria história destas ideias.

Nos ambientes onde a intelligentsia vive, como diz Adorno, é fato que deve-se levar em consideração a historicidade em relação a quaisquer constructos metafísicos de método ou de verdade. Nos meios menos informados, no entanto, isso não é levado em consideração, sendo a fé que impera em sua absoluta e inquestionável certeza.

Após a crítica de Nietzsche às ideias morais "a golpes de martelo" e Schopenhauer, com seu pessimismo, o imperativo categórico que move o pensamento moderno é o de que a hipótese de um ideal metafísico deve ser, no mínimo, dinamitada.

Retomando mais de perto o livro O cristianismo é bom para o mundo? ― Um debate (Garimpo Editorial, 2010, 80 págs.), podemos dizer que algumas ideias são centrais no debate entre Hitchens e Wilson. A primeira delas, apresentada por Hitchens como oposição ao seu interlocutor, diz que o que move inicialmente o debate é o fato de ele considerar uma falsidade "as alegações metafísicas da religião, e também tem a ver com o que penso ser um despropósito a afirmação de que a religião é a fonte moral em nossa conduta".

Outra ideia de Hitchens é relacionar Deus ao absolutismo: "Para mim, a ideia de que uma pessoa possa desejar um senhor supremo, absoluto e imutável, cujo reinado seja eterno e inquestionável, alguém que exija propiciação incessante e que nos mantém debaixo de vigilância contínua, não importa se estamos dormindo ou acordados, vigilância que não tem fim depois de nossa morte, bem, essa ideia para mim é desconcertante. Um sistema assim tão pavoroso significaria que palavras como 'liberdade' e 'livre-arbítrio' não têm sentido algum. Esse estado de Big-Brother celestial seria o cúmulo do totalitarismo, muito mais hermético e tirano do que o estado visto em 1984, pois os 'crimes do pensamento' ― ofensas cometidas apenas na imaginação ― seriam detectadas no momento em que ocorressem".

Um terceiro ponto levantado por Hitchens diz respeito ao fato da Igreja Católica, embora proclame suas benesses, também ter que responder pelos sistemas opressivos com os quais colaborou ou instituiu. "A igreja católica tem de gastar muito tempo para responder pelos crimes cometidos contra a humanidade, e gasta muito dinheiro hoje para indenizar as vítimas de ações de estupro e tortura contra crianças".

Segundo Hitchens, a religião ocidental cristã nos condena desde seu mito fundador. Adão e Eva são punidos de forma repugnante por terem exercido uma faculdade a eles concedida na criação. E nós, que nem lá estivemos, somos condenados a pagar por essa transgressão até o fim dos tempos, tendo que rastejar para alcançar o favor de um Senhor tirano difícil de agradar. Esse dado faz Hitchens dizer que a Bíblia não passa de um conto de fadas sinistro, recheado com a dimensão vazia do sobrenatural. A conclusão de sua tese é de que existem maiores chances de se viver democraticamente em países onde a religião é pouco presente do que em países fortemente religiosos (veja-se o caso dos totalitarismos do Irã, Afeganistão talibã e Arábia Saudita). Por isso, entre outras coisas, o cristianismo é inútil para o mundo.

Já Douglas Wilson tem outra forma de pensar a religião e Deus. Seus argumentos são quase de um poeta. Deus tem suas dádivas: "Ele sabia que o pôr do sol em tons de azul, laranja e cinza seria tão lindo e incrível que nos deu olhos para que pudéssemos enxergar em cores". A vida como um milagre incessante de beleza e admiração é obra de um ser supremo. (A velha ladainha de sempre, eu diria, com a licença do leitor.) Ele ainda nos diz que Deus nos deu mente e coração com a única finalidade de podermos agradecer ao Supremo por essas suas benesses.

Diz Wilson: "Ele poderia ter feito todos os alimentos nutritivos, mas com gosto de jornal ensopado de óleo. Em vez disso, Ele nos deu sabores de melancia, castanha de caju, cerveja preta, pipoca com manteiga, maçãs, pão fresquinho, picanha assada e uísque 25 anos. E claro, Ele sabia que precisávamos agradecer-lhe tudo isso; então nos deu mente e coração". Bela poesia, não é Sr. Wilson? (Ainda bem que ele não se esqueceu de nos dar uísque 25 anos.)

Essa dádiva, a vida e seu milagre, só podemos e só temos que agradecer a alguém, no caso, Deus. Afinal, diz Wilson, "conforme aprendemos com nossa mãe, quando alguém nos dá um presente como esse, a única resposta é agradecer à pessoa".

Ele retoma o apóstolo Paulo para insistir nessa proposição do lugar central do relacionamento do homem com Deus: a gratidão. Ou seja, Deus é Deus e ser grato a ele é a única coisa de importante que nos resta nesta vida. E o cristianismo está aí para ser a ponte entre os homens agradecidos e a Suprema potência do universo. E também o melhor sistema especulativo para guiar a vida do homem a partir da máxima "ama o teu próximo".

Hitchens dirá que essa regra não necessita da religião para existir, pois toda sociedade que se pretende minimamente estável adotaria essa máxima naturalmente como princípio ou desapareceria. Além do mais, em nome de deuses supremos sabemos que assassinatos intermináveis foram praticados ao longo da história. E sabemos que o mal muitas vezes é praticado em nome de um bem questionável.

O debate se estende dentro do livro a outras questões, de importância vital nesse debate, mas que no fundo retomam o tema central que é sobre a importância ou não do Cristianismo para o mundo. Não cabe nesse artigo retomar todas elas, por falta de espaço. No entanto, uma coisa acaba ficando como lição: que o cristianismo não seja nossa única forma de ética para a vida, dadas as implicações que religiões totalitárias causam no próprio meio social. Não se deve, pois, confundir ética social com cosmologia e poder supremo.

A vida social exige ética, mas, como disse Heráclito, "o ser e não ser permanentes da dialética do universo não são orientados para um objetivo específico, ético ou moral, o universo é um fogo eterno e não foi feito nem pelos homens nem pelos deuses. Não tem ética, portanto."

Do meu ponto de vista particular, acho que Hitchens tem muito de novo a dizer ao leitor; quanto a Wilson, tem somente uma velha ladainha a repetir.

Para terminar, faço uso de um trecho de Heine, citado por Hitchens, para que o leitor pense por si: "Na escuridão, um cego é o melhor guia; mas quando chega a luz do dia, é bobagem usar cegos como guias".

Nota do Editor
Leia também Especial "Deus tem futuro?".

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/5/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
02. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
03. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
04. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti
05. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/5/2010
13h14min
"Enterre-se" a Deus. E depois?
[Leia outros Comentários de Ricardo de Mattos]
25/5/2010
18h09min
Creio que é muito válido o debate. E cada um que tire suas conclusões. Uma ótima sugestão de leitura. Abraços.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
26/5/2010
13h59min
Queria pinçar alguns pontos do artigo: "com os escândalos da igreja católica, com processos contra padres que andam estuprando crianças sob sua proteção..." O El País publicou, em 08/04/2010, um artigo em que comentava a onda de denúncias feitas pelo periódico alemão Der Spieguel, segundo o qual dos 210 mil casos de pedofilia denunciados na Alemanha desde 1995, apenas 95 deles envolveram religiosos, não necessariamente católicos. E os demais 209,905 casos? A Der Spieguel, como a midia no geral, vem trazendo uma "informação rasteira", que associa a pedofilia ao celibato e à igreja católica. Nada mais falso, como pode ver no parágrafo anterior. Depois, por uma questão conceitual. O celibato significa uma restrição a atividade sexual, seja o religioso heterosexual, homosexual ou pedófilo. Só para fechar. O artigo diz muito bem: "...nova onda de ateus finalmente saindo do armário...". Concordo plenamente, pois é onde eles todos cabem: em um armário.
[Leia outros Comentários de Paulo Athayde]
26/5/2010
14h07min
Completando: ainda segundo o El País, que consultou especialistas religiosos e leigos, a pedofilia nas instituições religiosas refletiria um quadro estatístico equivalente ao da propria sociedade como um todo e, provavelmente, os religiosos pedófilos teriam buscado a religião como uma maneira de facilitar a sua vida e ter a proteção da instituição. "A conclusão de sua tese é de que existem maiores chances de se viver democraticamente em países onde a religião é pouco presente do que em países fortemente religiosos (veja-se o caso dos totalitarismos do Irã, Afeganistão talibã e Arábia Saudita). Por isso, entre outras coisas, o cristianismo é inútil para o mundo..." O preconceito contra o Islamismo, que não é de hoje, explica o argumento entre aspas. É notório que nos EUA se professa um dos dois maiores fundamentalismos religiosos do mundo - protestante -, ao lado do próprio Irã e, pelo que se sabe, os EUA não tem qualquer problema com: "... chances de se viver democraticamente...".
[Leia outros Comentários de Paulo Athayde]
27/5/2010
12h55min
Os ateus formam a classe de credo que mais cresce no mundo, e não apenas no Brasil, onde já somam mais de cinco milhões. Se houver armário tão grande, então realmente eles cabem em um. O livro a que o artigo se refere trata da utilidade do cristianismo, enquanto Paulo Athayde apresenta apenas argumentos sobre o fato de a igreja ser tão criminosa quanto a sociedade; ou seja, mais um argumento contra a utilidade do cristianismo. Se aqueles que se dizem representantes de deus na Terra são tão criminosos quanto os pecadores que têm a tarefa de guiar para a salvação, então por que não deixar que os próprios pecadores se guiem? Pior: o próprio contra-argumento sugere que os pedófilos ingressam no clero para ser acobertados. Dizer que os Estados Unidos não têm problemas democráticos com o fundamentalismo é de uma ignorância geopolítica tão grande que nem vou considerar como algo que se deva responder.
[Leia outros Comentários de Amâncio Siqueira]
27/5/2010
12h56min
E se for possivel, completo com as palavras do artigo que escrevi "Feliz Páscoa" que pode ser encontrado no aqui e que dá a dimensão da "brutalidade" do cristianismo, a começar por cultuar um ser que sequer existiu. Se vale a opinião, que seja autorizada a sua inserção, junto ao e com os "conhecedores" e "sabedores" dos "poderes" únicos do Ser Supremo.
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
28/5/2010
17h46min
Confundem cristianismo com cristandade. Cristianismo é seguir a conduta do Cristo. E quem segue, exceto uns poucos? Não é porque padres e pastores desvirtuaram as palavras de Jesus que Ele deixou de dizer a coisa certa. Estaria se revirando no túmulo se não tivessem roubado seu corpo (nem bem morreu e já começaram a fazer besteira). Aliás, foram roubar um cadáver de quem ia ressuscitar. Tiranos e sanguinários de todos os tempos diziam agir em nome da verdade. E, por isto, a verdade deve deixar de existir? E que marotice é esta, Jardel, que vemos no livro citado? Pedir para um pastor falar em nome do cristianismo é o mesmo que criar debate sobre comportamento e confrontar um professor e um aluno da pior turma do ginásio. E para não dizerem que não acredito na existência de padres ou pastores sinceros, existem uns poucos, apesar dos horrores que fazem suas igrejas. São homens de fé inabalável.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
31/5/2010
00h52min
A questão é definir Deus, afinal, dizer que acredita ou que é ateu, sem ter definido o que é ou quem é Deus, me parece muito improdutivo. Jesus de Nazaré, apelidado de o Chrisna (Christus) disse que somos todos assemelhados, negou ser Deus perante Pilatos e disse que o Pai tem tantas moradas... Mora dentro de cada um, ou seja, Jesus não deve ter sido muito compreendido pois também Ele não acreditaria no Deus Cristão! Interessante isto, mas basta estudar o que foi atribuído como palavras dele. Debater princípios religiosos é uma arena que não tem dados bons resultados, é preciso começar com outros princípios básicos de existência. Acima de tudo, o ser humano precisa saber que, para ser totalmente LIVRE, não pode haver ninguém acima e ninguém abaixo, isto seria Divino e à nossa imagem e semelhança. Quem não souber definir a si mesmo, como poderia definir Deus? O dia em que de fato alguém definir Deus, perceberá que está definido a si mesmo no básico de existência, antes deste Universo!
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
31/5/2010
01h23min
Como diria Nassim Taleb, um filósofo contemporâneo: "Você pode eventualmente fazer prevalecer a verdade sobre mentiras; já um mito só pode ser sobreposto por outra narrativa".
[Leia outros Comentários de Marko]
31/5/2010
12h09min
Caros amigos, primeiro lugar: Deus e Cristo não são uma exclusividade da Igreja. A Igreja é apenas uma instituição que pode e vai falir um dia como todas as outras. Agora, querer convencer as pessoas de que elas não devem sentir algo maior e mais profundo, somente por causa de um número de pessoas que não tem nada a dizer e a sentir sobre, normalmente formadas a partir de ideias políticas e religiosas caducas e ultrapassadas é um enorme engano. Convencer as pessoas que Deus não existe é a mesma idtiotice de querer convencê-las de que Ele existe. Você tem que sentir. É uma espécie de integração e isso só se encontra muito particularmente. Muito particularmente.
[Leia outros Comentários de Pedro Rodrigues]
31/5/2010
14h13min
Realmente, essa coisa de dizer que o cristianismo está ultrapassado já é antiga... Mas vejo-o cada vez mais pop, principalmente nos meios em que o populacho é maioria! Esse negócio de dizer que tem que sentir um Deus, um Cristo, um ser superior é coisa de quem não estuda e não questiona a vida, talvez por medo do que descobrirá através desse questionamento, talvez por simples e caduca opinião... se não consigo entender, então deve ser assim como me disseram que é! Buscar respostas nos filósofos é um exercício que, concordando ou não com suas opiniões, nos leva a perceber que o medo que sentimos da morte, e o mistério da mesma, o tal quem somos pra onde vamos etc. etc. nos leva a um melhor entendimento da mesma, e faz-nos rechaçar toda ideia moral pronta como um produto industrializado! Vejo o cristianismo como o vírus mais letal que até hoje o homem já pôde criar, seu envenenamento é cruel, e sua ilusão de vida eterna é uma dose cavalar de uma vã esperança que nunca irá se concretizar.
[Leia outros Comentários de Carlos Patez]
31/5/2010
14h18min
Aos apóstolos do ateísmo eu só peço uma coisa: agora que vocês já "aprenderam" a pensar, comecem também a sentir.
[Leia outros Comentários de lucas manoel]
7/6/2010
00h59min
Só pra acrescentar: nunca vi ateus queimando ninguém na fogueira por não partilhar de suas ideias, nem tampouco atirando aviões contra prédios; o sonho de toda a pessoa religiosa é não descansar enquanto não colocar o mundo todo de joelhos partilhando de sua moral pífia. Segundo as religiões a teoria da evolução não existe... O que é importante frisar é que não há como abdicar da razão em nome de um mito, uma fantasia, medo.
[Leia outros Comentários de Gilson]
7/6/2010
09h17min
Para que o Cristianismo? Para que o homem exerça a humildade. Somos geniais, descobridores do universo e agora criamos a vida sintética, porém, por não sermos Deus, ou por não sermos verdadeiramente cristãos, como queiram, cada façanha nossa reverte-se em poder e arrogância. Quanto mais conhecimento, mais soberba... Que pequenez! Nós, os pensadores, deveríamos ser os primeiros a admitir que, para os mistérios do universo, para a existência ou não da alma, para a existência ou não de Deus, a resposta correta é: Só sei que nada sei.
[Leia outros Comentários de Eliana de Freitas]
7/6/2010
10h15min
Excelente texto. Embora eu seja Ministro de uma Instituição Religiosa, não deixo de apreciar textos onde se fazem reflexões sobre o aspecto religioso. Eu digo que o Cristianismo vivido e praticado pelas religiões institucionalizadas de forma alguma é a continuação de O Caminho, como era chamado o movimento pelos primeiros Cristãos já no tempo dos Apóstolos. Portanto, concordo com todas as críticas feitas no artigo, desde que esta diferença por mim apontada seja levada em consideração. Devo, contudo, fazer uma crítica quanto ao uso do termo "metafísica" no artigo. No artigo, metafísica aparece quase como sinônimo de religião. Ora, a religião possui aspectos metafísicos, que muitas vezes seus arautos defendem, mas Metafísica vai muito além disto. Eu digo ainda que a Metafísica devia ser mais estudada, chegando ao ponto de substituir as religiões organizadas. A compreensão metafísica de Deus não tem nada a ver com as fantasias da teologia vigente. Em todo caso, Parabéns pela discussão!
[Leia outros Comentários de Eugênio Ribeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HOTEL - CAPA DURA - 1ª EDIÇÃO BRASILEIRA
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 7,00



GOLDMINES PRICE GUIDE TO COLLECTIBLE JAZZ ALBUMS 1949-1969
NEAL UMPHRED
KRAUSE PUBLICATIONS
(1994)
R$ 130,00



DECIFRANDO O GENOMA
KEVIN DAVIES
CIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 75,00



O MUNDO CONHECIDO
EDWARD P. JONES
JOSÉ OLYMPIO
(2009)
R$ 63,00



TURISMO, HOTELARIA E LAZER - 4
BEATRIZ HELENA GELAS LAGE (ORG.)
NÚCLEO DE TURISMO USP
R$ 14,00



GUIA DE PRONTO SOCORRO
JOHNSON JOHNSON
JOHNSON JOHNSON
R$ 15,00



ALEISTER CROWLEY
CHRISTIAN BOUCHET
HUGIN
(2000)
R$ 139,00



COELHOS INSTALAÇÕES E ACESSÓRIOS
MÁRCIO INFANTE VIEIRA
NOBEL
(1973)
R$ 12,00



NOSSA VIDA NOS SONHOS
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(1987)
R$ 15,00



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY- PETER LANDLESS
CASA PUBLICADORA
(2014)
R$ 9,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês